Covid-19 e o problema do cálculo socialista

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Cem anos atrás, Ludwig von Mises escreveu a exposição definitiva da impossibilidade do socialismo: “O cálculo econômico sob o socialismo“. Em um artigo recente no Mises Institute Gary North resume o problema socialista de forma sucinta (ênfase dele).

Mas Heilbroner falhou em apresentar o argumento central que Mises havia oferecido. Mises não estava falando sobre a dificuldade técnica de definir preços. Ele estava defendendo um ponto muito mais fundamental. Ele argumentou que nenhum escritório central de planejamento poderia saber o valor econômico de qualquer recurso escasso. Por que não? Porque não existe um sistema de preços no socialismo que se baseie na propriedade privada dos meios de produção. Portanto, não há como os planejadores centrais saberem quais bens e serviços são mais importantes para o estado produzir. Não existe uma escala hierárquica de valor baseada na oferta e na demanda – um mundo no qual os donos de propriedades fazem suas ofertas monetárias para comprar e vender. O problema do socialismo não é o problema técnico de alocação enfrentado por um conselho de planejamento. Também não é que os planejadores não tenham dados técnicos suficientes. Em vez disso, o problema central é este: avaliar o valor econômico por meio dos preços. Os planejadores não sabem quanto vale qualquer coisa.

Observe o ponto do North. O socialismo é impossível, não apenas tecnicamente difícil. Saber o que produzir requer um sistema de preços. Um sistema de preços requer propriedade privada dos meios de produção. Por quê? Porque o sistema de preços baseia-se em escalas hierárquicas de valores tidas individualmente. E a escala hierárquica de valores exige a propriedade privada dos meios de produção. Em outras palavras, se você não possui algo, não pode saber o seu valor. Isso não significa que todos tenham a mesma escala hierárquica de valores. Mas todas essas escalas individuais de valor se encontram no mercado para determinar os preços marginais em determinados momentos. Sua coleção de brinquedos pode valer mil dólares no mercado de hoje e possivelmente zero amanhã. Agora, sua coleção de brinquedos pode não ter preço para você e você não se importar realmente com seu valor para os outros. Mas se você decidisse vender seus brinquedos ou simplesmente vender sua coleção, você seria forçado a enfrentar a realidade do mercado.

Covid-19 e o problema de cálculo socialista

Você pode perguntar o que isso tem a ver com covid-19. Covid-19 não é um bem comerciável. Não é propriedade de ninguém. Ninguém quer. Muito pelo contrário, na verdade. No entanto, a resposta do governo à covid-19 assume que ele conhece a hierarquia de risco pessoal de todos e pode adaptar uma resposta pública apropriada. Isso é tão impossível quanto conhecer os valores em uma sociedade socialista. No lugar de uma hierarquia de desejos, temos uma hierarquia de risco. E assim como a hierarquia de desejos de cada um é diferente, a hierarquia de risco de cada um é diferente. Ninguém pode negar isso. Nós vemos isso acontecendo em todos os lugares. Os jovens na faculdade avaliam seu risco pessoal de saúde de covid-19 como muito baixo. Os idosos e aqueles que sofrem de outras doenças avaliam seu risco pessoal para a saúde como muito alto. Além disso, a resposta de uma pessoa é determinada por aquilo que ela desiste. Os idosos que vivem de aposentadorias podem estar abrindo mão de muito pouco além de sua vida social em um lockdown ou quarentena. Certamente eles não estão abrindo mão de sua renda vital para ficar em semi-isolamento. Mas aqueles que ainda estão em idade produtiva possuem um trade-off muito diferente. Os proprietários de empresas que são forçados a fechar podem perder toda a sua riqueza. Trabalhadores assalariados podem ver um escoamento mais lento em sua riqueza, mas quanto mais tempo as quarentenas continuarem, mais riqueza acumulada eles verão escoar.

Usei categorias amplas estereotipadas aqui apenas para comparações ilustrativas. Claro, aqueles da mesma idade, perfil de saúde, acumulação de riqueza, etc. podem ter avaliações de risco pessoal totalmente diferentes. O velho ditado se aplica que não há duas pessoas iguais. Esses fatos da existência humana tornam as respostas de políticas públicas universalmente aceitáveis ​​ao covid-19 não apenas difíceis, mas impossíveis. A única resposta pública aceitável é de liberdade perfeita; ou seja, cada indivíduo decide sua própria resposta ao covid-19, desde que não faça mal aos outros.

E quanto às externalidades?

Isso traz uma réplica comum de que a liberdade perfeita prejudica os outros. Uma justificativa típica do governo para lockdowns e quarentenas forçadas era que havia a necessidade de conservar leitos hospitalares para a esperada enxurrada de pacientes covid-19. Pareceu razoável no início, mas não após um exame mais aprofundado. Essa assim chamada linha de raciocínio baseia-se na teoria da externalidade falha; ou seja, que tudo o que você faz afeta os outros em algum grau. Por essa lógica, o governo tem o direito de regulamentar tudo o que você faz. Deixando de lado por um momento que o acesso do governo à informação não é maior do que o de milhares de outras pessoas, fica o problema ético do direito do governo de determinar a quem uma entidade privada pode oferecer serviços. Por exemplo, um hospital privado pode recusar pacientes que desejam fazer cirurgia eletiva a fim de preservar leitos para o que o hospital considera pacientes mais importantes, mas o governo não pode inserir seu poder de coerção nesta decisão. Como o problema da alocação socialista, o governo não “arrisca a própria pele” e, portanto, não tem nada para basear uma política universalmente aplicável, exceto o prejuízo temporário daqueles que estão atualmente ocupando o cargo para o qual foram eleitos e/ou daqueles que atualmente trabalham para o governo. Talvez uma crítica ainda mais contundente do fundamento lógico da externalidade é que não há nenhuma tentativa e provavelmente nenhum cálculo definitivo das muitas consequências adversas dos lockdowns e quarentenas, de tratamento médico adiado que leva ao agravamento da saúde (tanto física quanto mental) ou até morte pela perda permanente da capacidade de alimentar, abrigar e vestir a família de maneira adequada.

Os padrões duplos dos políticos

Assim, ficamos com as seguintes conclusões: como todo risco é pessoal, ninguém conhece a tolerância ao risco dos outros. Portanto, a resposta de uma pessoa a covid-19 é uma decisão pessoal baseada em sua avaliação de risco pessoal. Em outras palavras, a liberdade perfeita deve ser respeitada, porque é a única opção racional. Impraticável? Esta é a política realmente seguida por muitos dos perpetradores das restrições atuais. O governador Newsom da Califórnia participou de um luxuoso jantar após emitir novas e mais onerosas restrições a reuniões públicas e privadas. O governador de Illinois, Pritzker, não se desculpou por viajar para muitas de suas casas fora do estado depois de dizer a seus constituintes para não fazerem o mesmo. Muitos outros políticos também foram flagrados em situações semelhantes. Eles estão assumindo riscos desnecessários, tanto para eles próprios quanto para os outros? Não há uma resposta definitiva. Pelo próprio fato de terem violado suas próprias restrições, podemos concluir que valorizaram sua liberdade de fazê-lo acima do risco pessoal percebido. Por que todos nós não deveríamos ter esse mesmo direito?

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. “a resposta do governo à Covid -19 assume que ele conhece a hierarquia de risco pessoal de todos e pode adaptar uma resposta pública apropriada”

    Quando nós falamos em um sistema de preços em uma economia de mercado, a partir de Mises, fica demostrado a impossibilidade do cálculo econômico pelo estado. Mas, devemos considerar que isto aplica-se apenas ao valor exato dos preços de uma mercadoria, não a capacidade da máfia estatal chegar a preços aproximados de mercado. Ou seja, o socialismo é possível de maneira eficaz no curto prazo, pois as pessoas conservam ainda a memória dos preços por um tempo, e o estoque de riqueza acumulada não é dilapidado da noite para o dia. Uma economia socialista provavelmente acabaria em uns 5 anos no máximo, período onde provavelmente o consumo da população já seria maior que a produção. Porque o socialismo persiste ainda em países como os Estados Unidos ou União européia? apenas devido ao trabalho escravo. Não aquele brutal praticado na URSS – que ainda assim durou mais de 70 anos, mas na sua versão democrática. É socialismo igual, e vai acabar mal igualmente.

    Se o governo consegue estimar os preços de mercado por um tempo, é óbvio que ele conhece muito melhor as hierarquias de risco de cada indivíduo, ainda que não na sua totalidade – e ele nem precisa mesmo, já que conta com o efeito manada. O estado leviatã tem milhões de cortesãs na sua folha de pagamento, desde os intelectuais de baixo escalão nas escolas, os remediados na imprensa corporativa e os feiticeiros encastelados nas “universidades”. E contam ainda com a ajuda de passagem da publicidade privada. Enfim, é óbvio que o sistema estimou corretamente, que a capacidade de tolerância ao risco da vasta maioria dos indivíduos atomizados por décadas de propaganda e doutrinação estatal, seria baixa. A máfia estatal usou o seu conhecimento para o mal, enquanto que o autor do texto coloca como se fosse falta de conhecimento. A grosso modo, se eu sei que a geração snow flake morre de medo de uma piada opressora, o que dirá de um vírus mortal? Não é só isso evidentemente, pois sem a ajuda de uma vasta quantidade de pessoas que efetivamente podem ficar em casa e matar um motoboy, sejam elas burocratas do governo ou recebedores líquidos da sua pirâmide financeira (INSS), o complô não seria possível. E Sem dinheiro falsificado distribuído em larga escala a maior fraude política de todos os tempos (essa frase eu li em algum artigo aqui no Instituto) não seria possível. Os caras do governo sabem de tudo isso…

    (…) “podemos concluir que (políticos) valorizaram sua liberdade de fazê-lo acima do risco percebido pessoalmente. Por que esse mesmo direito não deveria estar disponível para todos nós?”

    Respondendo ao autor: se os políticos assim o fizessem, estariam impedindo a roda da economia girar. Quando nós vemos o Nero de São Paulo Doriana chorando que nem uma marica, nós sabemos que as vendas de lenços de papel irão aumentar, assim como serão necessárias novas contratações de carpideiras. E tem gente que critica…