O caminho para a Vitória

0
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Este instituto foi fundado como um centro de pesquisa baseado em ideias classicamente liberais que sempre estiveram sob fogo: as ideias de Mises e a tradição de pensamento que ele representa. Isso significa um foco na Escola Austríaca de economia e, na filosofia política, na liberdade individual e na necessidade de impedir que o Estado e seus interesses a esmaguem, como todos os Estados em todos os lugares estão inclinados a fazer.

A primeira prioridade de tal instituto é manter vivo um corpo de ideias. Grandes ideias não têm vida própria, especialmente aquelas que se opõem aos poderes constituídos. Elas devem circular e fazer parte da mente acadêmica e pública para evitar a extinção.

E, no entanto, devemos fazer mais do que apenas manter uma corrente de pensamento viva. Não queremos apenas que nossas ideias vivam; queremos que elas cresçam e se desenvolvam, avancem na cultura e no debate público, se tornem uma força a ser reconhecida entre os intelectuais, sejam constantemente empregadas para explicar a história e a realidade atual e, eventualmente, vençam as grandes batalhas ideológicas de nosso tempo.

Qual é o melhor meio de alcançar tal vitória? Este é um assunto que raramente é discutido na direita de livre mercado. Murray Rothbard apontou que a estratégia é uma grande parte da erudição da esquerda. Uma vez estabelecida a doutrina, a esquerda trabalha arduamente para aprimorar a mensagem e encontrar maneiras de promove-la. Esta é a principal explicação para o sucesso da esquerda.

O nosso lado, por outro lado, não discute muito esse assunto. Mas como algum tipo de estratégia é inevitável, deixe-me listar algumas táticas que eu não acredito que funcionem. Essas coisas, tenho certeza, falharão por vários motivos:

Quietismo

Diante da enorme probabilidade de fracasso, há uma tendência entre os defensores da liberdade de se desesperar e encontrar consolo em estar perto de seus aliados e conversar apenas uns com os outros. Isso é compreensível, é claro, até frutífero às vezes, mas também é irresponsável e bastante egoísta. Sim, podemos sempre ser uma minoria, mas estamos sempre crescendo ou diminuindo. Se encolhemos o suficiente, desaparecemos. Se crescermos o suficiente, vencemos. É por isso que nunca devemos desistir da batalha pelas mentes jovens e pela mudança das mentes mais velhas. Nossa mensagem tem um tremendo poder explicativo. Nunca devemos esconder nossos talentos.

Retiro

Uma marca da tradição libertária é seu rigor intelectual. Ela contém substância intelectual mais do que suficiente para ocupar a mente acadêmica por várias vidas. Há uma tendência, então, a acreditar que recuar para a academia e evitar a vida pública é o caminho correto. A ideia é que devemos usar nosso conhecimento para escrever artigos de periódicos e os manter para nós mesmos, na esperança de que algum dia esse caminho seja reconhecido em termos de respeitabilidade acadêmica. Mas este não tem sido o caminho de mentes brilhantes de Turgot e Jefferson, Bastiat e Constant, Mises e Hayek, Rothbard e os estudiosos adjuntos do Mises Institute. Todos estão engajados em algum nível no debate público. Eles acreditavam que muito está em jogo para se retirar apenas para o estudo privado. Não podemos nos dar a esse luxo.

Ocupar postos nas principais universidades

Eu vi esse erro relacionado afetar bastante a mente de pessoas inteligentes. Um jovem pode começar com um comprometimento real, mas pode temer a marginalização que vem como consequência de ter ideias impopulares. Ele tenta se passar por um estudioso convencional, enquanto infiltra ideias libertárias ao longo do caminho. Ele pode ter a intenção de revelar sua verdadeira face eventualmente, mas há as pretensões de estabilidade e promoção, e pressões sociais para crescer na carreira. Eventualmente, em suma, ele acaba de vendendo.

Convencer os políticos

Outro tipo de problema decorre da crença de que a organização política é a resposta. Mas isso só pode levar ao desânimo, pois esforço após esforço vemos que não deram frutos. Apesar do que se ouve, a classe política não está interessada em ideias por si mesmas. Eles estão interessados ​​em subsidiar seus amigos, proteger seu curral e ser reeleitos. A ideologia política para eles é, na melhor das hipóteses, um hobby. Só é útil na medida em que fornece uma desculpa para o que eles fariam de qualquer jeito. Estou generalizando aqui, e sim, exceções são possíveis. Na verdade, consigo pensar em uma só em nosso século: Ron Paul.

Publicar artigos em grandes jornais

Conheço pessoas de think tanks que fariam qualquer coisa para aparecer no New York Times ou no Wall Street Journal. Isso é uma armadilha e uma ilusão. Uma vez que você dá prioridade ao meio sobre a mensagem – e isso é inevitável quando você começa a pensar dessa maneira – você está esquecendo por que entrou neste negócio. Se esses locais vierem até você e pedirem que você dê uma opinião que você tem, faça-o de qualquer maneira. Mas não é assim que funciona.

Aparecer na TV

O mesmo se aplica aqui. Conheço pessoas que uma vez se dedicaram às ideias de liberdade que desenvolveram um desejo por chamar a atenção da mídia e acabaram esquecendo por que entraram no negócio de ideias em primeiro lugar.

Iniciar mais Think Tanks

Eu sei que isso parece bobo, mas algumas pessoas do nosso lado acreditam que quanto mais organizações sem fins lucrativos houver, maior a probabilidade de vencermos a batalha de ideias. Para mim, isso equivale a confundir o sucesso que o franchising representa no mercado comercial com o sucesso ideológico, que não é garantido pela proliferação de sites e institutos. Na verdade, a ideologia não é apenas um empreendimento comercial. Somos um instituto de pesquisa sem fins lucrativos por um motivo. O que fazemos traz enormes retornos para a civilização, mas não na forma de lucros contábeis. Nossa recompensa vem de outras maneiras.

Receber imensas doações e contratar uma equipe enorme

Financiamento e pessoal por si só não resolverão nada. O financiamento é crucial e Deus sabe que nosso instituto precisa de mais. A equipe é ótima, desde que as pessoas sejam dedicadas e competentes. Mas também não é um fim em si mesmo. A questão crucial é se a paixão pelas ideias existe, não apenas os meios financeiros. Coisas incríveis são possíveis com orçamentos pequenos, como eu acho que o sucesso do instituto mostra.

Aguardar o colapso

Sabemos que o socialismo e o intervencionismo não podem funcionar. Sabemos que falham e suspeitamos que possam finalmente fracassar de maneira catastrófica. Isso pode ser verdade, mas nos enganamos se acreditarmos que as ideias de liberdade surgirão naturalmente em tal cenário. A crise pode apresentar oportunidades, mas não garantias.

Encontrar erros como esses é fácil, e eu poderia listar mais uma dúzia. Deixe-me oferecer alguns pontos que acho que devemos lembrar.

Nossas ideias são impopulares. Somos minoria. Nossas opiniões não são bem-vindas pelo regime. Elas muitas vezes caem em ouvidos moucos de um público indiferente. Os grandes jornais geralmente não se importam com o que pensamos. Na verdade, eles querem nos manter fora de suas páginas. Os políticos sempre nos acharão impraticáveis, na melhor das hipóteses, e ameaçadores, na pior.

Em suma, travamos uma batalha difícil. Devemos reconhecer isso desde o início. Somos o que Albert Jay Nock chamou de remanescentes, um pequeno grupo de irmãos que têm um conhecimento especial de teoria e história e uma preocupação com o bem-estar da civilização. O que fazemos com esse conhecimento e preocupação depende de nós. Podemos recuar ou nos vender, ou podemos usá-lo como nosso grito de guerra e avançar na história para enfrentar o inimigo.

Deixe-me oferecer apenas um esboço rápido de alguns princípios que eu sigo:

Educar cada aluno

Envolva todos os interessados ​​no que fazemos. Nunca negligencie ninguém. Nunca se sabe de onde virá o próximo Mises ou Rothbard ou Hayek ou Hazlitt.

Incentivar a proliferação de talentos

Algumas pessoas são grandes escritores. Outras são ótimos professores. Outras ainda têm talento para a pesquisa. Existem outras habilidades também, como falar em público e competência tecnológica. São necessárias todas essas habilidades para compor o grande movimento de liberdade de nosso tempo. Não há necessidade de insistir em um modelo único; antes, devemos fazer uso da divisão do trabalho.

Usar todos os meios

Use tudo o que pudermos para avançar nossas ideias, desde o menor boletim informativo até o maior site. Nunca acredite que um meio está abaixo de você ou acima de você. Devemos estar nas revistas acadêmicas e devemos estar nas páginas do jornal local. Nesse sentido, a internet resolveu o grande problema que enfrentamos ao longo da história, ou seja, encontrar um meio para comunicar nossas ideias de uma forma que as tornasse acessíveis a todos os interessados. Mas isso nunca acontece automaticamente.

Requer um tremendo esforço e criatividade para provocar mudanças.

Aderir ao que é verdade

Isso significa evitar formas extravagantes de lançar suas ideias de acordo com as tendências atuais. É bom estar atento às técnicas de vendas. Mas nunca deixe essa preocupação inundar sua mensagem.

Dizer o que é verdade

Nunca subestime o poder de apenas declarar as coisas de forma clara e aberta. Seja qual for o tema, as ideias de liberdade têm algo a acrescentar que está faltando no debate público. É nosso trabalho fazer essa adição.

Não negligenciar a academia

Sim, faculdades e universidades são corruptas. Mas é delas que vêm as ideias que regem a civilização. Não devemos negligenciá-las. Devemos publicar revistas, patrocinar colóquios, ajudar professores e alunos. Nunca deixe a academia acreditar que tem o luxo de esquecer nossas ideias. É por isso que o Mises Institute realiza seminários para professores e alunos, além de profissionais da área financeira e interessados ​​de todos os tipos.

Não negligenciar a cultura popular

Sim, a cultura popular é corrupta, mas não totalmente. Não devemos negligenciá-la porque ela tem um enorme impacto na forma como as pessoas se veem e aprendem sobre o seu mundo.

Usar seu status de minoria para seu próprio benefício

Não há sentido em repetir o que os outros já fazem. Se publicar, publique algo radical e surpreendente. Se você produzir um livro, faça dele um livro que mude a mente das pessoas. Se você realizar um seminário, diga coisas que valem a pena serem ditas. Nunca tema o não convencional. É possível ser convencional na forma e radical no conteúdo.

Lembre-se de que a influência pode ser indireta

O efeito das ideias em uma civilização é como as ondas na água. Quando chegam à costa, ninguém se lembra ou sabe ao certo de onde vieram. Nosso trabalho é se manter na tarefa. Devemos usar todos os meios à nossa disposição para divulgar as ideias; o que acontece depois disso é tão imprevisível quanto o futuro sempre é.

O sucesso pode assumir muitas formas

Muitas vezes me perguntam como podemos pensar que estamos tendo sucesso mesmo enquanto o governo continua crescendo. Para mim, isso não representa nenhum grande dilema. Todos os governos querem controle total. O que os impede, principalmente, é a oposição ideológica. Sem ela, o governo cresceria muito mais rápido e a civilização estaria condenada em pouco tempo. Em que medida a circulação das ideias de liberdade retardou o crescimento do Estado? Quão pior poderíamos estar?

A mudança pode acontecer rapidamente

As fundamentações ideológicas do estatismo se enfraquecem de maneiras que nem sempre são detectáveis. A mudança pode acontecer da noite para o dia, e só após a mudança que tudo fica claro em retrospecto. Se você tivesse dito ao russo médio em 1985 que em cinco anos a União Soviética estaria extinta, você teria sido considerado um louco. É minha opinião que o estatismo pode estar encerrando seu ciclo em muitos países. Todos nós devemos fazer o nosso melhor para acelerar o processo.

Na história da guerra, sempre houve exércitos que são governados pelo centro e enfatizam exercícios, diretrizes e disciplina. Eles tendem a tratar seus soldados como dispensáveis. Eles podem ganhar, mas a um preço enorme.

O outro modelo é a guerra de guerrilha, geralmente realizada pelos oprimidos na batalha. Os exércitos de guerrilha geralmente consistem de voluntários; cada soldado é considerado valioso. Suas táticas são imprevisíveis. Eles não são governados pelo centro, mas exploram a criatividade de cada membro. Esses exércitos provaram ser notavelmente eficazes na história da guerra. Acredito que o modelo de guerrilha é o que melhor nos convém – uma campanha de guerrilha ideológica conduzida pelos remanescentes.

Isso não é garantia de sucesso, mas é a melhor garantia contra o fracasso que eu conheço. Nossos periódicos circulam como nunca antes, na academia e na cultura pública. Nossos livros mudaram a história de muitas maneiras. A chave para o nosso sucesso, eu acredito, é que o instituto tem tudo a ver com estar apegado aos princípios e à verdade antes de qualquer outra coisa. Nunca trocamos atenção de curto prazo por construção de longo prazo. Mises também não, e pagou um preço pessoal. Mas suas ideias estão mudando o mundo. Todos devemos seguir sua liderança, nunca cedendo, nunca desistindo, lutando pela verdade até nosso último suspiro. Nós temos a paixão e a energia. Mais importante ainda, temos a verdade do nosso lado. Acredito que podemos ter a vitória.

 

 

Colabore com o instituto com uma doação mensal ou adquirindo nossos livros.

Artigo original aqui