Fauci finalmente pega o Covid: o que isto representa

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

O que aconteceu precisamente no mês de fevereiro de 2020, quando Anthony Fauci e companhia estavam planejando sua resposta à pandemia, ainda é um mistério. Mas isso nós sabemos: em 2 de março de 2020, Fauci tinha seu plano de jogo alinhado. Michael Gerson, do Washington Post, escreveu para ele naquele dia e perguntou sobre o propósito do distanciamento social. Isso foi semanas antes que a maioria dos americanos tivesse ouvido esse eufemismo para separação humana forçada. A ideia era esperar uma vacina, perguntou Gerson?

Fauci respondeu em um e-mail privado da seguinte forma:

    “O distanciamento social não é realmente voltado para esperar por uma vacina. O ponto principal é evitar a fácil propagação de infecções nas escolas (fechando-as), eventos lotados, como teatros, estádios (cancelar eventos), locais de trabalho (fazer trabalho remoto sempre que possível…). O objetivo do distanciamento social é evitar que uma única pessoa que esteja infectada de espalhar facilmente para várias outras, o que é facilitado pelo contato próximo em multidões. A proximidade das pessoas manterá o R0 maior que 1 e até mesmo tão alto quanto 2 a 3. Se pudermos reduzir o R0 a menos de 1, a epidemia diminuirá gradualmente e irá parar por conta própria sem uma vacina”.

Aí está: a teoria Fauci de como nos livrar do vírus. Não precisamos de vacina. Apenas feche as coisas. Fique longe das pessoas. Não se reúna. Feche as escolas. Tranque empresas e igrejas. Todas as pessoas ficando longe de todas as outras pessoas. O R-nada vai cair.

Então o vírus irá… e é aí que a teoria fica obscura. Ele simplesmente desaparece? Ficará entediado? Ficará frustrado, irá desistir e desaparecer no éter? E quanto tempo esse novo sistema social de “distanciamento social” deve durar? Anos? Para todo sempre? E o que acontece quando as pessoas começam a agir normalmente novamente?

Isso é claramente uma ciência excêntrica, que confunde a coleta de dados ex post com a própria causa e também parece negar a viabilidade do sistema imunológico humano. Que tais coisas sejam escritas por uma pessoa na posição de Fauci é realmente incompreensível. Mas a imprensa entrou nessa, e ainda está nessa depois de todo esse tempo.

O que Fauci estava imaginando – e muito poucas pessoas perceberam na época – era a construção de um novo sistema social. Não era apenas sobre esse vírus. Era sobre todos os patógenos e todo o funcionamento da sociedade. Ele acreditava – ou decidiu vir a acreditar – que uma reengenharia da ordem social poderia derrotar com sucesso patógenos comuns e trazer saúde universal.

Ele finalmente revelou isso em seu artigo de 15 de agosto de 2020 para a Cell que recebeu muito pouca atenção. Ele estava sozinho tentando implementar todo um novo sistema social baseado em uma nova ideologia.

    Viver em maior harmonia com a natureza exigirá mudanças no comportamento humano, bem como outras mudanças radicais que podem levar décadas para serem alcançadas: reconstruir as infraestruturas da existência humana, das cidades às casas aos locais de trabalho, aos sistemas de água e esgoto, aos locais de lazer e encontros. Em tal transformação, precisaremos priorizar mudanças nos comportamentos humanos que constituem riscos para o surgimento de doenças infecciosas. O principal deles é reduzir a aglomeração em casa, no trabalho e em locais públicos, além de minimizar as perturbações ambientais, como desmatamento, urbanização intensa e pecuária intensiva.

Este artigo revela o ponto mais importante. A resposta à pandemia não foi apenas sobre esse patógeno. Era sobre algo equivalente a uma revolução política, econômica, social e cultural.

Não é socialismo ou capitalismo. É algo totalmente diferente, algo muito estranho, como uma tecnocracia rousseauniana, ao mesmo tempo primitiva e de alta tecnologia, gerida por uma elite científica, uma distopia não testada digna da literatura mais aterrorizante da língua inglesa.

Ninguém votou em tal coisa. É algo que Fauci e seus amigos sonharam por conta própria e usaram todo o seu enorme poder para decretar apenas como um teste, até que desmoronou. Os EUA e muitas partes do mundo estiveram sob seu controle por quase um ano e dois anos em alguns lugares.

Este é um escândalo que nunca será esquecido, que supera em muito as questões de pesquisa de ganho de função financiada por impostos, por mais importante que seja. É ainda pior que os relatos de que Fauci está recebendo pagamentos pessoais de royalties de empresas farmacêuticas que recebem subsídios que ele aprovou pessoalmente. O verdadeiro problema se resume ao seu poder e à capacidade dos representantes eleitos e dos tribunais de controlá-lo.

Independentemente da visão milenar de Fauci, o curso do vírus seguiu o caminho usual, mas por uma grande exceção: as ondas de infecção ocorreram com base na posição de classe na sociedade. Houve uma hierarquia política de infecção que começou com as classes trabalhadoras, mudou-se para a burguesia, atingiu as classes profissionais, depois os jornalistas de alto nível e, finalmente, no final veio para a própria classe dominante de elite – Trudeau, Psaki, Ardern, Gates e, finalmente, Fauci – independentemente de suas múltiplas vacinas.

E eis por que a infecção por covid de Fauci é significativa, 28 meses após os primeiros lockdowns. É um sinal e símbolo de que toda a sua teoria de controle de vírus estava errada. Ele conseguiu impor a política que queria e não funcionou. O vírus finalmente chegou nele, como se para reencenar a história fictícia de Edgar Allan Poe sobre o príncipe Próspero em seu castelo que ele acreditava que o protegeria.

E como resultado de sua exposição, Fauci certamente (a menos que as repetidas injeções que ele recebeu da mesma vacina prejudique o funcionamento de seu sistema imunológico) ganhará a imunidade natural que já é possuída por 78% das crianças e provavelmente dois terços da população em geral.

Isto deve também nos alertar para três pontos urgentes sobre moral:

  •     Precisamos substituir o feudalismo ao estilo de Fauci por uma nova teoria de como conciliar a sociedade que funciona livremente com a presença de doenças infecciosas, de modo que nem ele nem as pessoas sob seu controle possam tentar isso novamente.
  •     Precisamos agir para desativar o poder absoluto dos burocratas administrativo-estatais de assumir o controle da máquina do governo.
  •     Precisamos de um novo sistema para descentralizar a ciência das elites privilegiadas para que nunca mais possam ter o controle monopolista sobre o que é considerado a ciência e muito menos possuir o poder de censurar a dissidência.

Estas são as lições, pelo menos o início delas. Esse vírus é endêmico ou pelo menos quase, mas gerou uma surpreendente destruição social, cultural e econômica com a tentativa de Fauci de implementar um plano experimental em toda a população, não apenas nos EUA, mas em todo o mundo.

Vamos sofrer por muitos anos ou gerações com isso. E, no entanto, no final, a infecção é individual e provavelmente inevitável para a maioria das pessoas. O sistema imunológico se adapta. Foi assim que evoluímos para coexistir. Fingir o contrário é a própria essência de negar a ciência.

 

 

Artigo original aqui