O Culto Covidiano

5
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Uma das marcas do totalitarismo é a conformidade em massa a uma narrativa oficial psicótica. Não é uma narrativa oficial regular, como as narrativas da “Guerra Fria” ou da “Guerra ao Terror”. Uma narrativa oficial totalmente delirante que tem pouca ou nenhuma conexão com a realidade e que é contrariada por uma preponderância de fatos.

O nazismo e o stalinismo são os exemplos clássicos, mas o fenômeno é melhor observado em cultos e outros grupos sociais subculturais. Numerosos exemplos virão à mente: a família Manson, Jim Jones ‘People’s Temple, a Igreja da Cientologia, Heavens Gate, etc., cada um com sua própria narrativa psicótica oficial: Helter Skelter, Comunismo Cristão, Xenu e a Confederação Galáctica, e assim por diante.

Olhando a partir da cultura dominante (ou retrocedendo no tempo, no caso dos nazistas), a natureza delirante dessas narrativas oficiais é flagrantemente óbvia para a maioria das pessoas racionais. O que muitas pessoas não conseguem entender é que, para aqueles que são vítimas deles (sejam membros de uma seita individual ou sociedades totalitárias inteiras), tais narrativas não são consideradas como psicóticas. Pelo contrário, elas parecem totalmente normais. Tudo em sua “realidade” social reifica e reafirma a narrativa, e tudo que a desafia ou contradiz é percebido como uma ameaça existencial.

Essas narrativas são invariavelmente paranoicas, retratando o culto como ameaçado ou perseguido por um inimigo maligno ou força antagônica da qual apenas a conformidade inquestionável com a ideologia do culto pode salvar seus membros. Faz pouca diferença se esse antagonista é a cultura dominante, contra-revolucionários, judeus ou um vírus. A questão não é a identidade do inimigo. A questão é a atmosfera de paranoia e histeria que a narrativa oficial gera, que mantém os membros do culto (ou a sociedade) obedientes.

Além de paranoicas, essas narrativas costumam ser internamente inconsistentes, ilógicas e … bem, completamente ridículas. Isso não as enfraquece, como se pode suspeitar. Na verdade, aumenta seu poder, pois força seus adeptos a tentarem reconciliar sua inconsistência e irracionalidade e, em muitos casos, o absurdo total, a fim de se manterem em dia com o culto. Tal reconciliação é obviamente impossível e faz com que as mentes dos membros da seita entrem em curto-circuito e abandonem qualquer aparência de pensamento crítico, que é precisamente o que o líder da seita deseja.

Além disso, os líderes da seita muitas vezes mudam radicalmente essas narrativas sem motivo aparente, forçando os membros da seita a rejeitar abruptamente (e muitas vezes até denunciar como “heresia”) as crenças que foram forçados a professar anteriormente e se comportar como se nunca tivessem acreditado nelas, o que faz com que suas mentes entrem em curto-circuito, até que eventualmente desistam até mesmo de tentar pensar racionalmente, e simplesmente repetem qualquer coisa sem sentido que o líder do culto coloque em suas cabeças.

Além disso, o papo absurdo do líder do culto não é tão absurdo quanto pode parecer à primeira vista. A maioria de nós, ao encontrar esse papo, presume que o líder da seita está tentando se comunicar e que algo está muito errado com seu cérebro. O líder da seita não está tentando se comunicar. Ele está tentando desorientar e controlar a mente do ouvinte. Ouça o modo de falar de Charlie Manson. Não apenas o que ele diz, mas como ele diz. Observe como ele espalha pedaços de verdade em seu fluxo de absurdos associados livremente e seu uso repetitivo de clichês que encerram o pensamento, descritos por Robert J. Lifton da seguinte maneira:

“A linguagem do ambiente totalista é caracterizada pelo clichê exterminador do pensamento. Os problemas humanos de maior alcance e complexidade são compactados em frases breves, altamente seletivas e que soam definitivas, facilmente memorizadas e expressas. Elas se tornam o início e o fim de qualquer análise ideológica.” – Reforma do pensamento e a psicologia do totalismo: Um estudo de “lavagem cerebral” na China, 1961

Se tudo isso parece familiar, ótimo. Porque as mesmas técnicas que a maioria dos líderes de culto usam para controlar as mentes dos membros de seus cultos são usadas por sistemas totalitários para controlar as mentes de sociedades inteiras: controle do meio, linguagem carregada, ciência sagrada, exigência de pureza e outras técnicas padrão de controle mental. Isso pode acontecer com praticamente qualquer sociedade, assim como qualquer um pode ser vítima de um culto, dadas as circunstâncias certas.

Isso está acontecendo com a maioria de nossas sociedades agora. Uma narrativa oficial está sendo implementada. Uma narrativa oficial totalitária. Uma narrativa oficial totalmente psicótica, não menos delirante do que a dos nazistas, ou a família Manson, ou qualquer outro culto.

A maioria das pessoas não consegue ver o que está acontecendo, pela simples razão de que está acontecendo com elas. Elas são literalmente incapazes de reconhecê-lo. A mente humana é extremamente resiliente e inventiva quando é forçada além de seus limites. Pergunte a qualquer pessoa que tenha sofrido de psicose ou que tenha tomado muito LSD. Não percebemos quando vamos ficando insanos. Quando a realidade desmorona completamente, a mente cria uma narrativa delirante, que parece tão “real” quanto nossa realidade normal, porque até mesmo uma ilusão é melhor do que o terror delirante do caos absoluto.

É com isso que os totalitários e líderes de culto contam e exploram para implantar suas narrativas em nossas mentes, e por que os rituais de iniciação reais (em oposição aos rituais puramente simbólicos) começam atacando a mente do sujeito com terror, dor, exaustão física, drogas psicodélicas, ou algum outro meio de obliterar a percepção da realidade do sujeito. Uma vez que isso seja alcançado, e a mente do sujeito comece a tentar desesperadamente construir uma nova narrativa para dar sentido ao caos cognitivo e ao trauma psicológico que está passando, é relativamente fácil “guiar” esse processo e implantar qualquer narrativa que você quiser, assumindo você tem feito sua lição de casa.

E é por isso que tantas pessoas – pessoas que são capazes de reconhecer facilmente o totalitarismo em cultos e países estrangeiros – não conseguem perceber o totalitarismo que está se formando agora, bem na frente de seus olhos (ou melhor, bem dentro de suas mentes). Nem podem perceber a natureza delirante da narrativa oficial “Covid-19”, não mais do que aquelas pessoas na Alemanha nazista foram capazes de perceber o quão completamente delirante era sua narrativa oficial da “raça superior”. Essas pessoas não são ignorantes nem estúpidas. Elas foram iniciadas com sucesso em um culto, que é essencialmente o que o totalitarismo é, embora em uma escala social.

Sua iniciação no culto Covidiano começou em janeiro, quando as autoridades médicas e a mídia corporativa ativaram O Medo com projeções de centenas de milhões de mortes e fotos falsas de pessoas caindo mortas nas ruas. O condicionamento psicológico continuou por meses. As massas globais foram submetidas a um fluxo constante de propaganda, histeria manufaturada, especulação descabidas, diretivas conflitantes, exageros, mentiras e efeitos teatrais de mau gosto. Quarentenas. Lockdowns. Hospitais de campanha de emergência e necrotérios. Os funcionários da saúde pública cantando e dançando. Caminhões da defuntos. UTIs transbordando. Bebês mortos de Covid. Estatísticas manipuladas. Esquadrões de manipulação. Máscaras. E todo o resto.

Oito meses depois, aqui estamos. O chefe do Programa de Emergências de Saúde da OMS confirmou basicamente uma taxa de fatalidade por infecção de 0,14%, aproximadamente o mesmo da gripe sazonal. E aqui estão as últimas estimativas de taxa de sobrevivência do CDC:

  •     Idade 0-19… 99,997%
  •     Idade 20-49… 99,98%
  •     Idade 50-69… 99,5%
  •     Mais de 70 anos … 94,6%

O argumento da “ciência” acabou oficialmente. Um número cada vez maior de médicos e especialistas médicos está rompendo o silêncio e explicando como a atual histeria em massa sobre “casos” (que agora inclui pessoas perfeitamente saudáveis) é essencialmente propaganda sem sentido, por exemplo, neste trecho da ARD, um dos grandes canais de televisão da Alemanha.

E depois há a existência da Suécia e de outros países que não entraram na onda da narrativa oficial do Covid-19, coisa que ridiculariza a histeria em curso.

Não vou continuar desmascarando a narrativa. A questão é que os fatos estão todos disponíveis. Não de sites de “teóricos da conspiração”. De fontes mainstream e especialistas médicos. Da porra do Centro de Prevenção e Controle das Doenças (CDC).

O que não importa nem um pouco, não para os membros do culto Covidiano. Os fatos não importam para totalitários e membros de seitas. O que importa é a lealdade ao culto ou ao partido.

O que significa que temos um problema sério, aqueles de nós para quem os fatos ainda importam, e que têm tentado usá-los para convencer os cultistas covidianos de que eles estão errados sobre o vírus … por já estarmos oito meses batendo nesta tecla.

Embora seja crucial continuar relatando os fatos e compartilhando-os com o maior número de pessoas possível – o que está se tornando cada vez mais difícil devido à censura das mídias alternativas e sociais – é importante aceitar o que estamos enfrentando. O que estamos enfrentando não é um mal-entendido ou um argumento racional sobre fatos científicos. É um movimento ideológico fanático. Um movimento totalitário global … o primeiro desse tipo na história da humanidade.

Não é totalitarismo nacional, porque vivemos em um império capitalista global, que não é governado por Estados-nação, mas sim por entidades supranacionais e o próprio sistema capitalista global. E assim, o paradigma culto/cultura foi invertido. Em vez de o culto existir como uma ilha dentro da cultura dominante, o culto se tornou a cultura dominante, e aqueles de nós que não aderiram ao culto se tornaram as ilhas isoladas dentro dele.

Eu gostaria de ser mais otimista e talvez oferecer algum tipo de plano de ação, mas o único paralelo histórico que posso pensar é como o Cristianismo “converteu” o mundo pagão … o que realmente não é um bom presságio para nós. Enquanto você está sentado em casa durante as quarentenas de “segunda onda”, você pode querer relembrar essa história.

 

Artigo original aqui.

Leia aqui a sequência deste artigo:

O culto covidiano – parte II

Artigo anteriorEstado — O grande inimigo do empreendedorismo
Próximo artigoO ano dos disfarces
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

5 COMENTÁRIOS

  1. Atacar o cristianismo e o capitalismo é ruim apenas “en passant”, pois na minha opinião está coerente com a narrativa com que o autor propõe denunciar: um culto diabólico de alcance planetário. No geral, em uma sociedade secular que rejeita a transcendência, usar o capitalismo/cristianismo é uma maneira de fixar o perigo, já que evidentemente, são forças também planetárias. Eu como católico e libertário, não escolheria evidentemente aqueles dois. Mas eu consegui entender e não condeno o sujeito, até porque o artigo é muito bom.