O deus justo chamado Democracia

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Dada a frequência com que nossos governantes glorificam a democracia, é difícil acreditar que houve um tempo em que eles eram céticos quanto a ela. Há não muito tempo, ambos os lados do consenso político viam a democracia como algo a ser evitado, em vez de algo a ser adorado. Os EUA era uma república, não uma democracia, embora tivesse alguns elementos democráticos.

Segundo a visão direitista do consenso, o argumento era que a democracia nada mais é do que o domínio da turba. Maus elementos podem usar diferenças faccionais para colocar um grupo contra outro para criar maiorias artificiais que sirvam aos interesses de poucos. Isso coloca os instintos básicos da multidão acima dos melhores interesses da sociedade. A genialidade dos Pais Fundadores dos EUA, segundo o espectro de direita do consenso, estava em limitar esse impulso.

No espectro de esquerda, o argumento foi um pouco mais sutil. A democracia era uma coisa boa em teoria, mas as eleições levavam ao pensamento de curto prazo. Ao contrário dos líderes dos países comunistas da época, os líderes democráticos não podiam planejar além da próxima eleição, então nunca poderiam executar estratégias de longo prazo. Essa foi uma maneira sutil de apoiar o comunismo sem parecer comunista.

Embora ambos os lados estivessem certos, isso não os impediu de transformar a democracia em algo como um deus espiritual. Você nunca ouve as pessoas de direita falarem sobre como os EUA é uma república, em vez de uma democracia. Em vez disso, eles estão ali com seus amigos de esquerda cantando louvores à democracia. Todas as coisas são agora justificadas em nome do deus justo chamado democracia.

Curiosamente, a crise no Ocidente se deve em grande parte ao fato de ambos os lados do consenso político ignorarem suas antigas preocupações com a democracia. Basta olhar para os líderes políticos dos países ocidentais e você verá que a direita estava correta. O topo da política é dominado por caloteiros e vigaristas. Nenhum deles jamais teve uma carreira honesta, mas subiram ao poder apelando para o menor denominador comum.

Joe Biden é um exemplo óbvio. Cinquenta anos atrás, quando ele entrou na política, ambos os lados o viam como um simplório afável. Ele era um cara burro que seguiu as instruções das empresas de cartão de crédito que o colocaram no Senado. Hoje, enquanto sofre de demência, ele ocupa o cargo mais poderoso do mundo. Ele chegou lá, dizem, obtendo mais votos do que qualquer homem na história americana.

Na Grã-Bretanha, eles estão procurando um primeiro-ministro depois que o desleixado Boris Johnson foi forçado a renunciar. O principal candidato é um gigolô hindu cuja maior realização foi se casar com a filha de um bilionário. A próxima candidata principal é uma mulher que parece e soa como se tivesse apenas dois neurônios. Surpreendentemente, as escolhas depois desses dois são muito piores, o que parece ser inacreditável.

A crise de competência que assola as democracias liberais é exacerbada por outra coisa que os velhos críticos da democracia tinham razão. A democracia recompensa as táticas de curto prazo sobre as estratégias de longo prazo. O que importa é ganhar a próxima eleição, não o bem-estar de seus netos. Tudo em uma democracia liberal é exaurido no momento, uma controvérsia sem fim.

Na era da mídia de massa, isso é agravado pela necessidade de responder em tempo real a todos os comentários e eventos. Mesmo que um político queira ter uma visão de longo prazo, ele não tem tempo para isso, pois é obrigado a responder a cada nova polêmica. Donald Trump, apesar de suas falhas, tentou ter uma visão de longo prazo em coisas como imigração e comércio. Em vez disso, ele passou seu tempo brigando com a mídia de massa sobre a polêmica do dia.

As exceções ao pensamento de curto prazo nas democracias liberais são os vários fanáticos que assombram o sistema. Os adoradores de Gaia estão sempre procurando avançar sua agenda em cada crise. O culto neoconservador planeja a guerra final com a Rússia desde Alexandre III. O sucesso a longo prazo desses cultos é o que pode quebrar a espinha do Ocidente coletivo, especialmente o Império americano.

A atual crise no Ocidente se deve, em grande parte, a uma mudança constante da estratégia de longo prazo para táticas de curto prazo. A Guerra Fria manteve os líderes das democracias liberais olhando para o futuro, pois o potencial de aniquilação nuclear exigia que todos se preocupassem com os efeitos indiretos das políticas públicas. Uma vez que essa ameaça foi eliminada, toda a atenção mudou para o que é melhor agora.

Foi isso que deu à política uma sensação de crise muito antes de haver uma crise genuína como a que temos hoje. Concentrando-se apenas no momento, o mundano assume a sensação do profundo e importante. As pequenas decisões são comentadas como se fossem um momento crucial na vida da sociedade. Novamente, mesmo que alguns foquem no futuro, eles acabam exaustos demais para manter o foco.

Essa falta de preparação é agravada pelo fato de a China e a Rússia estarem planejando esse momento há muito tempo. Elas foram capazes de evitar os ataques do Ocidente nesta guerra econômica porque estavam prontos para eles. Sua liderança não estava atolada em polêmicas e perseguindo a fama momentânea. Eles estavam pensando no futuro e na melhor forma de se preparar para ele.

Talvez seja assim que a democracia liberal deve terminar. Se tornando cada vez mais focada no curto prazo com a exclusão total do longo prazo. Enquanto isso, vai à procura de inimigos momentâneos, apenas para encontrar alguns que pensam a longo prazo. As democracias liberais agora parecem uma grande fera se debatendo enquanto os caçadores lenta e metodicamente cravam suas lanças nela, evitando suas tentativas desesperadas de se defender.

 

 

Artigo original aqui