A moeda fiduciária transforma o governo de parasita a predador. Bitcoin corrige isso.

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A política econômica do ano passado revelou um dos efeitos mais prejudiciais do dinheiro fiduciário: ao permitir que os governos sobrevivam sem impostos, apenas imprimindo o que precisarem, o dinheiro fiduciário pode converter governos de parasitas simbióticos em predadores que atacam nossos meios de subsistência. Bitcoin corrige isso.

Algumas semanas atrás, expus uma das graves consequências da moeda fiduciária: o moderno ciclo de expansão e queda com suas recessões devastadoras. Hoje quero marcar outro custo enorme do papel-moeda: o que ele faz aos governos.

Ao erodir a simbiose natural entre devorador de impostos e contribuinte, a moeda fiduciária transforma os governos de aliados imperfeitos em destruidores imperiosos.

Essencialmente, a moeda fiduciária permite que um governo declare independência econômica do povo e imprima o que precisa, ou ordene que um sistema financeiro cativo o jogue em seu bolso.

Isso perverte a simbiose natural em que governos dependentes de impostos são bem-sucedidos quando temos sucesso, mas se prejudicam quando nos prejudicamos. Em vez disso, temos guardiões com pouco interesse em nutrir produtores, desde que possam imprimir o suficiente para o pão e o circo.

Este é um velho problema da moeda fiduciária e é economicamente semelhante ao que acontece em países ricos em recursos como a Arábia Saudita, onde os governos que subsistem de royalties de recursos naturais perdem o interesse em promover a economia mais ampla. Na verdade, a Arábia Saudita apresenta níveis surpreendentes de pobreza para um país que, no papel, está nadando em riqueza.

A estreia condenada da moeda fiduciária: Song China

Para esboçar o processo, podemos percorrer todo o caminho até o início da moeda fiduciária na Dinastia Song na China (960-1279). O período é interessante por dois motivos. Primeiro, foi uma das grandes Idades de Ouro da China, começando com uma ampla prosperidade, harmonia social e inovação. Contemporâneos reclamaram que mulheres em idade de casamento não podiam mais cozinhar porque todo mundo comia fora e a vida era muito fácil. Esta era nos deu invenções que mudaram o mundo, amplamente utilizadas hoje: porcelana, pólvora, chá, bússola, impressão de caractéres móveis e, de maneira ameaçadora, papel-moeda.

A segunda razão pela qual a Dinastia Song é interessante é que ela entrou em colapso de maneira espetacular. Não uma, mas duas vezes, ambas na esteira do que acabaram sendo as primeiras hiperinflações da história. O primeiro colapso perdeu metade do império, o segundo selou o destino da China como a máquina de guerra cuja qual os exércitos mongóis cavalgariam até os portões de Viena. Ainda hoje, a mentalidade nacional da China ainda se ressente daqueles 600 anos no deserto, durante os quais uma civilização outrora gloriosa foi humilhada por quem quer que passasse, dos portugueses aos britânicos e aos japoneses, há muito ridicularizados como piratas semicivilizados correndo por aí em cuecas.

As sementes do colapso da dinastia Song começaram com os recibos de depósitos de mercadorias como prata ou chá. Esses recibos gradualmente passaram a ser negociados como dinheiro ponto a ponto, uma prática chamada “dinheiro voador” para contrastar com as moedas de metal. Os historiadores do dinheiro reconhecerão isso como semelhante ao Ocidente séculos depois, onde os ourives emitiam recibos de papel para ouro armazenado, com esses recibos sendo negociados como um dinheiro geral – para obter detalhes, consulte o livro de Saifedean Ammous Bitcoin Standard ou o de Nik Bhatia, Layered Money.

Inicialmente, o governo Song não interferiu, pois o papel passou a ser tratado como uma mercadoria real. Até que isso criou uma crise econômica, até o ponto em que as autoridades perceberam que poderiam simplesmente imprimir recibos falsos e ordenar que as pessoas os aceitassem. E foi isso que eles fizeram.

Como pano de fundo, políticas econômicas destrutivas foram impostas pelo primeiro-ministro Song Wang Anshi, que queria centralizar o poder econômico nas mãos do governo. Wang aumentou drasticamente os impostos e o controle sobre proprietários de terras e mercadores, com apreensão e redistribuição de ativos, e sistematicamente despejou dinheiro gratuito ou subsidiado aos camponeses em uma versão do século 12 da Renda Básica Universal.

Essas reformas devastaram a economia em geral, alienando proprietários de terras e comerciantes – alguns dos quais, incidentalmente, passaram a colaborar com os exércitos mongóis. Mais preocupante para o governo Song, o encolhimento da receita tributária os deixou incapazes de pagar ao exército, que tende a concentrar a mente. Em vez de reverter sua política econômica, Wang estendeu a mão para as impressoras, imprimindo enormes quantidades de recibos e chegando a impor a pena de morte por se recusar a aceitar papel do governo pelo valor de face.

Os historiadores do dinheiro sabem o que aconteceu a seguir. Depois de mergulhar um dedo do pé, as máquinas de impressão aumentaram sua produção rapidamente, atingindo mais de 60 vezes a oferta de dinheiro da era Tang. Os preços do arroz dobraram, depois dobraram novamente, levando a revoltas generalizadas de um campesinato faminto. No final, mais de 140% da oferta monetária da era Tang foi impressa no único ano de 1234, exatamente no último ano antes de os exércitos mongóis tomarem o palácio e, com ele, os blocos de impressão de dinheiro.

Lições para os tempos atuais

A lição moderna é que, se quisermos ter governos, eles devem querer as mesmas coisas que queremos: prosperidade, harmonia e paz. Seus incentivos devem estar alinhados com os nossos, de modo que eles só tenham sucesso quando nós tivermos sucesso.

Acima de tudo, devemos evitar mecanismos em que um governo prospere especificamente empobrecendo seu povo. O dinheiro fiduciário é o mais radical desses mecanismos hoje na esfera econômica: ele drena a riqueza das pessoas, estejam elas morrendo de fome ou não; na verdade, encoraja os governos a destruir a poupança privada, criando magicamente novos papéis para pagar suas contas.

Este mecanismo é ainda mais perigoso porque a inflação tende a ser indolor no início, mas pode acelerar rapidamente, tornar-se mais prejudicial e tornar-se muito difícil de conter. É o equivalente econômico de beber anticongelante – tem um gosto ótimo, os convidados do jantar vão cumprimentá-lo na próxima eleição, mas quando eles começarem a se sentir mal, é tarde demais.

O Bitcoin corrige isso em vários níveis. Primeiro, em uma economia de Bitcoins, os governos não podem destruir a poupança privada simplesmente imprimindo novos Bitcoins – isso não pode ser feito. Em segundo lugar, com o Bitcoin, os governos teriam que viver com os impostos que coletam, dando incentivos mais fortes para proteger e fomentar o comércio e a prosperidade. Em vez de um governo que é contra o povo, um padrão de dinheiro forte nos dá um governo que, pelo menos no domínio monetário e fiscal, quer que sejamos ricos.

Por que não o ouro?

Alguém pode perguntar “o ouro não conserta isso?” Afinal, o ouro é muito sólido. Infelizmente, uma das duras lições do século 20 foi que o ouro tem uma falha fatal: a centralização. Como o ouro é físico, ele só pode ser usado em uma economia moderna por meio de intermediários como bancos, empresas de cartão de crédito e corretoras. Essa dependência de intermediários acabou sendo o calcanhar de Aquiles do ouro, já que os governos regulamentaram, até mesmo apreenderam, esses intermediários e o ouro dos clientes que eles detinham.

Isso significa que o ouro hoje só pode ser um dinheiro amplamente utilizado se agradar à coroa. E não agrada a coroa há algum tempo. Na verdade, até a véspera da concepção imaculada do Bitcoin, os governos estavam destruindo diligentemente as novas inciativas lastreadas em ouro e ameaçando seus fundadores com longas sentenças de prisão. Muitos desses empreendedores do ramo do ouro finalmente se voltaram para a criptografia como a única esperança.

Em contraste, por causa da arquitetura descentralizada do Bitcoin e precisamente porque não tem massa física, é literalmente invisível. Bitcoin acaba com a falha terminal do ouro. Enquanto isso, como o Bitcoin provavelmente é muito mais resistente a ataques soberanos do que outras criptomoedas, ele sustenta essa corrida final.

Agora, se os estados fossem governados por anjos, poderíamos usar calmamente cartões de débito lastreados em ouro ou contas de corretagem denominadas em Ethereum economizando com ternura nossas economias enquanto relaxamos à beira da piscina com bifes gordos e bebida sem impostos. Infelizmente, os estados não são dirigidos por anjos, por isso precisamos do Bitcoin.

Uma economia de dinheiro forte corrige um dos danos mais perniciosos da economia de dinheiro fiduciário, ajudando a restabelecer a simbiose natural que torna o governo um parasita com o qual podemos viver, em vez de um predador que tememos. Dadas as vulnerabilidades fatais tanto em ouro quanto em criptomoedas alternativas, o Bitcoin sozinho é nossa melhor chance de retornar a um mundo onde o dinheiro nos serve, em vez de nos tornar vitimas.

O dinheiro fiduciário destruiu os maiores impérios da história, iniciou as maiores tragédias da história e, sim, o Bitcoin corrige isso.

 

Artigo original aqui.