O Discurso da Servidão Voluntária

0

Título original: Discours de la servitude volontaire (1576)

Manuscrito De Mesmes
TEXTO ESTABELECIDO POR PIERRE LÉONARD

 Autor: Étienne de La Boétie

Tradução: Laymenrt Garcia e Fernando Fiori Chiocca (introdução)

 Diagramação: Fernando Fiori Chiocca

 Capa: Fernando Fiori Chiocca

 

Os Estados são mais vulneráveis ​​do que as pessoas pensam. Eles podem entrar em colapso em um instante – quando o consentimento é retirado.

Esta é a tese deste livro emocionante. Murray Rothbard escreve uma introdução clássica a um dos grandes ensaios políticos da história das ideias.

Em tempos em que ditadores de todo o mundo estão caindo sob a pressão de seu próprio povo, este livro, escrito há quase 500 anos, é verdadeiramente o tratado profético de nossos tempos.

Étienne de La Boétie nasceu em Sarlat, na região do Périgord, sudoeste da França, em 1530, em uma família aristocrática, e tornou-se um amigo querido de Michel de Montaigne. Mas ele deve ser lembrado por este ensaio surpreendentemente importante, um dos maiores da história do pensamento político. Ele vai abalar a maneira como você pensa sobre o Estado. Sua tese e argumento são a melhor resposta a Maquiavel já escrita, bem como um dos ensaios seminais em defesa da liberdade.

A tarefa de La Boétie é investigar a natureza do Estado e seu estranho status como uma pequena minoria da população que adere a regras diferentes de todos os outros e reivindica a autoridade para governar todos os outros, mantendo o monopólio da lei. Parece-lhe obviamente implausível que tal instituição tenha algum poder de permanência. Pode ser derrubado em um instante se as pessoas retirarem seu consentimento.

Ele então investiga o mistério de por que as pessoas não o retiram, dado o que é óbvio para ele que todos estariam melhor sem o Estado. Isso o lança em uma jornada especulativa para investigar o poder da propaganda, do medo e da ideologia em fazer com que as pessoas aceitem sua própria sujeição. É covardia? Talvez. Hábito e tradição. Talvez. Talvez seja ilusão ideológica e confusão intelectual.

La Boétie prossegue argumentando por que as pessoas devem retirar seu consentimento imediatamente. Ele exorta todas as pessoas a se erguerem e abandonarem a tirania simplesmente recusando-se a admitir que o Estado está no comando.

O tirano “não tem nada mais do que o poder que você confere a ele para destruí-lo. Onde ele conseguiu olhos suficientes para espioná-lo, se você mesmo não os fornece? Como ele pode ter tantas armas para bater em você, se ele não as toma emprestadas? Os pés que pisam suas cidades, onde ele os obtém, se não são seus? Como ele tem algum poder sobre você, exceto por meio de você? Como ele ousaria atacar você se não tivesse cooperação de você?”

Em seguida, estas palavras inspiradoras: “Resolva não servir mais, e você estará imediatamente livre. Eu não peço que você coloque as mãos sobre o tirano para derrubá-lo, mas simplesmente que você não o apoie mais; então você o verá, como um grande Colosso cujo pedestal foi arrancado, cai com seu próprio peso e se despedaça.”

Em todas essas áreas, o autor antecipou Jefferson e Arendt, Gandhi e Spooner, e aqueles que derrubaram a tirania soviética. O ensaio tem profunda relevância para a compreensão da história e de todos os nossos tempos.

Como Rothbard escreve em sua espetacular introdução, “O Discurso de La Boétie tem uma importância vital para o leitor moderno – uma importância que vai além do puro prazer de ler um grande e seminal trabalho sobre filosofia política, ou, para o libertário, de ler o primeiro Filósofo político libertário do mundo ocidental, pois La Boétie fala de maneira mais aguda sobre o problema que todos os libertários – na verdade, todos os oponentes do despotismo – acham particularmente difícil: o problema da estratégia. Diante do poder devastador e aparentemente esmagador do Estado moderno, como chegar a um mundo livre e muito diferente? Como no mundo podemos ir daqui para lá, de um mundo de tirania para um mundo de liberdade? Precisamente por causa de sua metodologia abstrata e atemporal, La Boétie oferece insights vitais sobre esse problema eterno.”

 

Sumário

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.