O eixo “Feminista de Gênero-Nova Esquerda-Marxista” ataca toda a sociedade civil

2
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Frequentemente se diz que o feminismo de gênero, a Nova Esquerda e o marxismo (FNM) estão politicamente alinhados e, certamente, há uma sobreposição significativa. Mas existe um eixo político FNM?

A resposta é importante. Uma dinâmica surreal politizou cada centímetro da sociedade e as pessoas decentes agora precisam se defender contra acusações infundadas de racismo, misoginia e outros crimes de “ódio” para manter seus empregos, sua reputação e seu futuro. Uma compreensão de onde a dinâmica se origina dá a elas mais chances de lutar. A resposta começa com a definição do FNM e a descrição de sua interconexão.

(Por necessidade, a análise resultante é altamente simplificada.)

O feminismo de gênero tornou-se proeminente nas décadas de 1970 e 1980. É chamado de feminismo de “gênero” porque esta forma de feminismo explica o mundo ao dividir homens e mulheres em classes antagônicas. Também conhecido como feminismo de terceira onda, seu sucessor ideológico às vezes é chamado de feminismo de quarta onda; centra-se na equidade para mulheres e minorias, no uso das redes sociais como arma política e na interseccionalidade.

A Nova Esquerda foi uma ampla coalizão de esquerdistas, marxistas não ortodoxos e radicais na década de 1960. A palavra “Nova” a distanciava do puro marxismo e da velha esquerda que se concentrava no trabalho. Em contraste, a Nova Esquerda defendeu causas culturais como feminismo e direitos dos homossexuais. Esta é uma abordagem maoísta da revolução – uma revolução cultural para mudar “o sistema”, derrubando as tradições e instituições sobre as quais tudo o mais se baseia. É por isso que a Nova Esquerda às vezes era chamada de contracultura. A justiça social surgiu em seu rastro.

O marxismo é a teoria e prática do comunismo; defende a guerra de classes como um caminho para uma sociedade na qual não haja propriedade privada e os bens estejam disponíveis de acordo com a necessidade. As diferentes escolas do comunismo são unidas por algumas crenças centrais. Duas delas: o capitalismo é exploração e as pessoas são definidas por sua filiação de classe.

Todos os três movimentos condenam o capitalismo e acreditam que as pessoas são sua “identidade” – sua raça, por exemplo. “Identidade” agora é a palavra preferida em vez de “classe”, mas as palavras significam basicamente a mesma coisa. Como a classe é um conceito fundamental para o FNM e seus sucessores, examinar como ela é tratada pode checar o quão próximos estão politicamente alinhados.

Uma classe é um grupo de pessoas que compartilham uma característica comum que serve ao propósito de quem quer que esteja se agrupando. Um pesquisador de câncer pode agrupar sujeitos de acordo com os tipos de câncer, por exemplo. Todo o FNM aborda a classe com o propósito de forjar ideologia e revolução política. Todos eles usam análise de classe relacional, na qual uma classe é definida por seu relacionamento com uma instituição. Marx usou a relação com a propriedade da produção para dividir as pessoas em capitalistas e trabalhadores.

A influente feminista de gênero Catharine MacKinnon se autodenominou uma “feminista pós-marxista”. A palavra “marxista” indicava a adesão do movimento ao anticapitalismo, à luta de classes e à redistribuição de riqueza e poder. O “pós” significa que elas tropeçaram na teoria de classe de Marx dos capitalistas e trabalhadores.

Feministas de gênero se rebelaram contra essa divisão porque homens e mulheres eram encontrados em ambas as categorias; isso tornava o gênero irrelevante para a análise de classe. E assim, ao aceitar os outros fundamentos do marxismo, elas usaram uma linha divisória diferente: você é homem ou mulher? Em seu livro Of Woman Born (1976), Adrienne Rich argumentou que a nêmesis da classe feminina é o “sistema social, ideológico e político” por meio do qual os homens controlam as mulheres. Hoje, isso é chamado de “o patriarcado” ou capitalismo masculino. Assim, a análise de classe feminista fundiu-se com o marxismo, dando-lhe um toque ideológico ao fazê-lo.

A Nova Esquerda também se desviou da teoria marxista de classe e em vez dela falou da “elite do poder” ou do estado militar-industrial – isto é, capitalismo de estado, que eles viam como o próprio capitalismo. A elite do poder consistia de líderes nas forças armadas, empresários e políticos que manipulavam as pessoas comuns para uma submissão inconsciente; essa classe média pode incluir muitos trabalhadores, mas eles foram incluídos na elite do poder. A verdadeira classe revolucionária consistia de intelectuais radicais que lideraram grupos marginalizados, como minorias ou gays, na batalha política. Assim, a Nova Esquerda se fundiu com o marxismo, mas deu sua própria interpretação à teoria de classes.

Como os sucessores do FNM veem a classe?

O sucessor do feminismo de gênero depende muito da interseccionalidade, que é uma forma complexa de análise de classe. É a maneira pela qual as diferentes identidades de uma pessoa se interconectam para definir o nível de opressão dessa pessoa. Por exemplo, uma mulher é considerada subjugada por homens. Uma mulher negra é duplamente subjugada, tanto por homens quanto por brancos, e tem voz mais alta. Uma mulher negra transgênero … e assim por diante. Ao calcular a opressão total de uma pessoa, diferentes aspectos de sua identidade são somados. Um homem negro ganha pontos por causa de sua raça. Uma feminista branca perde pontos por causa de sua raça. Mas o inimigo de todos eles permanece o mesmo – capitalismo masculino branco.

O sucessor da Nova Esquerda é a justiça social, que quer redistribuir riqueza, oportunidades e privilégios a fim de enriquecer aqueles que são vistos como oprimidos. Elevar os subjugados, no entanto, requer oprimir os capitalistas brancos do sexo masculino, que são responsáveis ​​pela opressão. Uma classe deve perder para a outra ganhar. Isso significa que o objetivo real não é a igualdade, mas o que é conhecido como “equidade” – uma forma de igualitarismo político, social e econômico – que é imposta por meio do estado e pela lei.

Em suma, as conclusões desses movimentos se alinham bem com o marxismo. São suas metodologias que diferem.

A teoria é uma coisa maravilhosa, mas – presumindo que a teoria seja válida – ela se traduz na prática? Isso é o mesmo que perguntar se a compreensão de um problema torna sua solução mais fácil. Considere um exemplo.

Aqueles que não foram chamados de racistas, sexistas ou fruto de privilégios estão com os dias contados. Quando a acusação acontece, sua simples declaração pode ameaçar meios de subsistência, reputação e perspectivas para o futuro. Se a afirmação for verdadeira, um pedido de desculpas é devido. Se não for, é importante compreender o contexto a partir do qual procede esse acusador e como ele vê a troca. Eles procedem da análise de classe, seja conscientemente mantida ou absorvida da cultura. O intercambio não é entre dois indivíduos, mas entre duas identidades com interesses irremediavelmente antagônicos. Razão, apaziguamento e prova de inocência não são defesas. Simplesmente por ser branco, homem ou fazer parte de alguma outra classe “privilegiada”, o acusado é culpado e um violador ambulante. Este veredicto não mudará, porque é antecipado.

As dinâmicas estabelecidas por conceitos como interseccionalidade são uma ameaça direta para qualquer pessoa que não tenha uma pontuação elevada no eixo de opressão do FNM. Infelizmente, o jeito que o mundo está hoje significa que tais conceitos não podem receber o tratamento que merecem – ser ignorados. Eles precisam ser compreendidos.

 

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS