O gaslighting das massas

0

Para os estudantes de propaganda oficial, controle mental, coerção emocional e outras técnicas de manipulação insidiosas, o lançamento do Novo Normal foi uma bonança. Nunca antes pudemos observar a aplicação e os efeitos dessas poderosas tecnologias em tempo real em uma escala tão grande.

Em pouco mais de dois anos e meio, nossa “realidade” coletiva foi radicalmente revisada. Nossas sociedades foram radicalmente reestruturadas. Milhões (provavelmente bilhões) de pessoas foram sistematicamente condicionadas a acreditar em uma variedade de afirmações patentemente ridículas, afirmações baseadas em absolutamente nada, repetidamente refutadas por evidências amplamente disponíveis, mas que, no entanto, alcançaram o status de fatos. Toda uma história fictícia foi escrita com base nessas afirmações infundadas e ridículas. Isso não será desgravado facilmente ou rapidamente.

Não vou desperdiçar seu tempo desmistificando essas afirmações. Elas foram repetidamente, exaustivamente desmascaradas. Você quais são elas e você acredita nelas ou não. De qualquer forma, revisá-las e desmascará-las novamente não vai mudar nada.

Em vez disso, quero me concentrar em uma tecnologia de controle mental particularmente eficaz, que fez muito do trabalho pesado durante a implementação do Novo Normal e está fazendo muito trabalho pesado atualmente. Eu quero fazer isso porque muitas pessoas erroneamente acreditam que o controle mental é (a) uma “teoria da conspiração” ou (b) algo que só pode ser alcançado com drogas, microondas, cirurgia, tortura ou algum outro meio físico invasivo. Claro, há uma história vasta e bem documentada do uso de tais tecnologias físicas invasivas (veja, por exemplo, a história do infame programa MKULTRA da CIA ), mas em muitos casos o controle mental pode ser alcançado através de técnicas muito menos elaboradas.

Uma das técnicas mais básicas e eficazes que cultos, sistemas totalitários e indivíduos com personalidades fascistas usam para desorientar e controlar a mente das pessoas é o “gaslighting”. Você provavelmente está familiarizado com o termo. Se não, aqui estão algumas definições:

   “a manipulação de outra pessoa para faze-la duvidar de suas percepções, experiências ou compreensão dos eventos”. Associação Americana de Psicologia

“uma forma insidiosa de manipulação e controle psicológico. As vítimas de gaslighting são deliberadamente e sistematicamente alimentadas com informações falsas que as levam a questionar o que sabem ser verdade, muitas vezes sobre si mesmas. Elas podem acabar duvidando de sua memória, sua percepção e até mesmo de sua sanidade.”  Psychology Today  

“uma forma de manipulação psicológica na qual o agressor tenta semear dúvidas e confusão na mente da vítima. Normalmente, os gaslighters procuram ganhar poder e controle sobre a outra pessoa, distorcendo a realidade e forçando-a a questionar seu próprio julgamento e intuição. Instituto Newport

O principal objetivo do gaslighting é confundir, coagir e manipular emocionalmente sua vítima para que abandone sua própria percepção da realidade e aceite qualquer nova “realidade” que você imponha a ela. Em última análise, você quer destruir completamente a capacidade deles de confiar em sua própria percepção, emoções, raciocínio e memória de eventos históricos, e torná-los totalmente dependentes de você para dizer a eles o que é real e o que “realmente” aconteceu, e assim por diante, e como eles deveriam estar se sentindo sobre isso.

Qualquer um que já experimentou gaslighting no contexto de um relacionamento abusivo, ou um culto, ou um sistema totalitário, ou que trabalhou em um centro para mulheres espancadas, pode dizer o quão poderoso e destrutivo ele é. Nos casos mais extremos, as vítimas do gaslighting são totalmente despojadas de seu senso de identidade e renunciam completamente à sua autonomia individual. Entre os exemplos mais conhecidos e dramáticos estão o caso de Patty Hearst, , o Templo do Povo de Jim Jones, a família Manson e vários outros cultos, mas a verdade é que o gaslighting acontece todos os dias, fora dos holofotes da mídia, em inúmeras relações pessoais e profissionais.

Desde a primavera de 2020, estamos sujeitos ao gaslighting oficial em uma escala sem precedentes. Em certo sentido, a guerra psicológica da “Pandemia Apocalíptica” tem sido uma grande campanha estendida de gaslighting (compreendendo inúmeras instâncias individuais de gaslighting) infligida às massas em todo o mundo. Os acontecimentos da semana passada foram apenas mais um exemplo.

Basicamente, o que aconteceu foi que um executivo da Pfizer confirmou ao Parlamento Europeu na segunda-feira passada que a Pfizer não sabia se sua “vacina” Covid impedia a transmissão do vírus antes de ser promovida por fazer exatamente isso e forçada às massas em dezembro de 2020. As pessoas viram o vídeo do executivo admitindo isso, ou ouviram falar, e ficaram chateadas. Elas twittaram, postaram no Facebook e postaram vídeos do CEO da Pfizer, Albert Bourla, Bill Gates, o diretor do CDC, propagandistas oficiais como Rachel Maddow e vários outros “especialistas” e “autoridades” mentindo descaradamente para o público, prometendo às pessoas que serem “vacinadas” iria “impedir a transmissão”, “proteger outras pessoas da infecção”, “parar o caminho do vírus” e assim por diante, cujas afirmações totalmente infundadas (ou seja, mentiras) eram a justificativa para a segregação e perseguição sistemáticas dos “não vacinados” e o fomento do ódio fanático em massa contra qualquer um que desafie a narrativa oficial da “vacina” e a ideologia oficial do Novo Normal, cujo ódio persiste até hoje.

O aparato de propaganda do Novo Normal (ou seja, a mídia corporativa, “especialistas” em saúde e outros) respondeu à história de forma previsível. Eles a ignoraram, esperando que ela simplesmente desaparecesse. Quando isso não aconteceu, eles lançaram mão dos “verificadores de fatos” (ou seja, gaslighters).

A Associated Press, Reuters, PolitiFact e outras empresas oficiais de gaslighting publicaram imediatamente longas “verificações de fatos” oficiais que fariam um sofista corar. Leia-os e você verá o que quero dizer. Eles são exemplos perfeitos de gaslighting oficial, criados para distraí-lo do ponto e levá-lo a uma discussão sobre detalhes e definições sem sentido. Eles soam exatamente como negacionistas do Holocausto afirmando pateticamente que não há nenhuma prova escrita de que Hitler ordenou a Solução Final… o que, não há, mas não importa. É claro que Hitler ordenou a Solução Final, e é claro que eles mentiram sobre as “vacinas”.

A Internet está transbordando com evidências de suas mentiras… tweets, vídeos, artigos e assim por diante.

É isso que torna o gaslighting tão frustrante para as pessoas que acreditam estar engajadas em uma discussão real de boa-fé sobre os fatos e a verdade. Mas não é assim que o totalitarismo funciona. Os Novos Normais, quando repetem o que as autoridades os instruíram a repetir hoje (por exemplo, “confie na Ciência”, “segura e eficaz”, “ninguém jamais afirmou que impediria a transmissão”), não se importam se é realmente verdade, ou mesmo se faz o menor sentido.

Essas “verificações de fatos” de gaslighting não pretendem convencê-los de que algo é verdadeiro ou falso. E elas certamente não são feitas para nos convencer. Elas são roteiros oficiais, pontos de discussão e clichês para os Novos Normais repetirem, como cultistas cantando mantras para você desligar suas mentes e bloquear qualquer coisa que contradiga ou ameace a “realidade” do culto.

Você pode apresentar a eles os fatos reais, e eles vão sorrir conscientemente, e negá-los na sua cara, e zombar condescendentemente de você por não “ver a verdade”.

Mas aqui está a coisa complicada sobre gaslighting.

Para efetivamente submeter alguém ao gaslighting, você deve estar em uma posição de autoridade ou exercer alguma outra forma de poder sobre eles. Eles precisam de algo vital de você (ou seja, sustento, segurança, estabilidade financeira, comunidade, progressão na carreira ou apenas amor). Você não pode andar até um estranho aleatório na rua e começar a submetê-lo ao gaslighting. Eles vão rir na sua cara.

A razão pela qual as autoridades do Novo Normal foram capazes de submeter as massas ao gaslighting de forma tão eficaz é que a maioria das massas precisa de algo delas … um emprego, comida, habitação, dinheiro, segurança, status, seus amigos, um relacionamento ou o que quer que seja que eles não estejam dispostos a arriscar desafiando aqueles que estão no poder e suas mentiras. Gaslighters, cultistas e fanáticos por poder, geralmente, sabem disso. É disso que eles dependem, sua falta de vontade de viver sem o que quer que seja. Eles se concentram nisso e o ameaçam com a sua perda (às vezes conscientemente, às vezes apenas intuitivamente).

O gaslighting não funcionará se você estiver disposto a desistir de tudo o que o gaslighter está ameaçando tirar de você (ou parar de lhe dar, conforme o caso), mas você tem que estar disposto a realmente perdê-lo, porque você será punido por se defender, por não abrir mão de sua autonomia e integridade, e se conformar com a “realidade” do culto, ou do relacionamento abusivo, ou do sistema totalitário.

Descrevi o Novo Normal (ou seja, nossa nova “realidade”) como totalitarismo patologizado e como um “culto em larga escala, em escala social”. Eu usei a analogia do “Culto Covidiano” porque todo sistema totalitário opera essencialmente como um culto, a principal diferença é que, em sistemas totalitários, o equilíbrio de poder entre o culto e a sociedade normal (ou seja, dominante) é completamente invertido. O culto se torna a sociedade dominante (ou seja, “normal”), e os não-membros do culto se tornam seus “desviantes”.

Não queremos nos ver como “desviantes” (porque não mudamos, a sociedade mudou), e nosso instinto é rejeitar o rótulo, mas é exatamente isso que somos… desviantes. Pessoas que se desviam da norma, uma nova norma, que rejeitamos e nos opomos, mas que, apesar disso, não deixa de ser a norma, e assim vamos ser vistos e tratados como desviantes.

Eu sou muito desviante. Tenho a sensação de que você também é. Dadas as circunstâncias, isto não é nada para se envergonhar. Pelo contrário, precisamos aceitá-lo e abraçá-lo. Acima de tudo, precisamos ter clareza sobre isso, sobre onde estamos nessa nova “realidade”.

Estamos caminhando para o Novo Inverno Normal nº 3. Eles já estão aumentando a propaganda oficial, aumentando os “casos” fabricados, falando sobre a reintrodução de decretos de máscaras, fomentando o ódio em massa aos “não vacinados” e assim por diante. As contas de gás das pessoas está duplicando e triplicando. As classes dominantes capitalistas globais estão abraçando abertamente os neonazistas. Fala-se de guerra nuclear “limitada”. Fanatismo, medo e ódio abundam. O gaslighting das massas não está diminuindo. Está aumentando. A supressão da dissidência está se intensificando. A demonização da não conformidade está se intensificando. As linhas estão sendo desenhadas na areia. Você vê e sente como eu.

Seja claro sobre o que é essencial para você. Seja claro sobre o que você está disposto a perder. Fique desviado. Fique alerta. Isso não acabou.

 

 

 

Artigo original aqui

 

 

 

Artigo anteriorMas as eleições vão mudar alguma coisa?
Próximo artigoEleições quase empatadas incitam dúvidas sobre a democracia
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.