O homem esquecido

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

[Originalmente intitulado “Sobre o caso de um certo homem em quem nunca se pensou”, este ensaio foi publicado originalmente em 1883, como parte do livro O que as classes sociais devem umas às outras.]

O tipo e a fórmula da maioria dos esquemas de filantropia ou humanitarismo são os seguintes: A e B se juntam para decidir o que C deve fazer por D. O vício radical de todos esses esquemas, do ponto de vista sociológico, é que C não tem permissão para falar sobre o assunto, e sua posição, caráter e interesses, bem como os efeitos finais sobre a sociedade por meio dos interesses de C, são totalmente esquecidos. Eu chamo C de Homem Esquecido.

Desta vez, vamos prestar atenção nele e considerar seu caso, pois a característica de todos os médicos sociais é que eles fixam suas mentes em algum homem ou grupo de homens cujo caso apela à simpatia e à imaginação, e planejam remédios dirigidos ao problema particular; eles não entendem que todas as partes da sociedade se mantêm unidas e que as forças postas em ação agem e reagem em todo o organismo, até que um equilíbrio seja produzido por um reajuste de todos os interesses e direitos.

Eles, portanto, ignoram inteiramente a fonte da qual devem extrair toda a energia que empregam em seus remédios, e ignoram todos os efeitos sobre outros membros da sociedade além daqueles que têm em vista. Eles estão sempre sob o domínio da superstição do governo e, esquecendo que um governo não produz nada, deixam de lado o primeiro fato a ser lembrado em toda discussão social – que o Estado não pode obter um centavo para nenhum homem sem tirar de algum outro homem, e este último deve ser um homem que o produziu e o poupou. Este último é o Homem Esquecido.

Os amigos da humanidade começam com certos sentimentos benevolentes em relação aos “pobres”, “os fracos”, “os trabalhadores” e outros de quem fazem seus animais de estimação. Eles generalizam essas classes e as tornam impessoais, e assim constituem as classes em animais de estimação sociais. Eles se voltam para outras classes e apelam à simpatia e generosidade, e a todos os outros sentimentos nobres do coração humano. A ação na linha proposta consiste em uma transferência de capital dos em melhor situação para os em pior situação.

O capital, entretanto, como vimos, é a força pela qual a civilização é mantida e continuada. O mesmo capital não pode ser usado de duas maneiras. Cada bocado de capital, portanto, que é dado a um membro indisciplinado e ineficiente da sociedade, que não faz nada em troca por ele, é desviado de um uso reprodutivo; mas se fosse colocado em uso reprodutivo, teria de ser concedido em salários a um trabalhador eficiente e produtivo. Consequentemente, o verdadeiro prejudicado desse tipo de benevolência que consiste em um dispêndio de capital para proteger o imprestável é o trabalhador diligente. Este último, no entanto, nunca é considerado neste contexto. Presume-se que ele tenha tudo que precise e está fora da conta. Essa noção apenas mostra o quão pouco conhecidas são as noções verdadeiras de economia política.

Há um preconceito quase invencível de que um homem que dá um dólar a um mendigo é generoso e de bom coração, mas que um homem que declina o pedido do mendigo e coloca o dólar na poupança é mesquinho e sovina. O primeiro está colocando capital onde é certo que será desperdiçado e onde será uma espécie de semente para uma longa sucessão de dólares futuros, que devem ser desperdiçados para evitar uma tensão maior nas simpatias do que teria sido ocasionada por uma recusa em primeiro lugar. Visto que o dólar pode ter sido transformado em capital e dado a um trabalhador que, embora o ganhasse, o teria reproduzido, deve ser considerado como tomado deste último.

Quando um milionário dá um dólar a um mendigo, o ganho de utilidade para o mendigo é enorme e a perda de utilidade para o milionário é insignificante. Geralmente, a discussão deve parar por aí. Mas se o milionário torna o dólar capital, ele deve ir para o mercado de trabalho, como uma demanda por serviços produtivos. Portanto, há outra parte interessada – a pessoa que fornece serviços produtivos.

Sempre há duas partes. A segunda é sempre o Homem Esquecido, e qualquer um que queira realmente entender o assunto em questão deve ir em busca do Homem Esquecido. Ele será considerado digno, trabalhador, independente e autossuficiente. Ele não é, tecnicamente, “pobre” ou “fraco”; ele cuida de seus próprios negócios e não faz nenhuma reclamação. Consequentemente, os filantropos nunca pensam nele e o atropelam.

Ouvimos muitos esquemas para “melhorar a condição do trabalhador”. Nos Estados Unidos, quanto mais descemos no grau de trabalho, maior é a vantagem que o trabalhador tem sobre as classes mais altas. Um carregador de tijolos ou um escavador aqui pode, com o trabalho de um dia, comandar muitas vezes mais dias de trabalho de um carpinteiro, agrimensor, contador ou médico do que um trabalhador não qualificado na Europa poderia comandar com o trabalho de um dia. O mesmo é verdade, em menor grau, para o carpinteiro, em comparação com o contador, agrimensor e médico. É por isso que os Estados Unidos são o grande país para o trabalhador não qualificado. Todas as condições econômicas favorecem essa classe. Há um grande continente a ser subjugado e um solo fértil disponível para o trabalho, quase sem necessidade de capital. Portanto, as pessoas que têm braços fortes têm o que é mais necessário e, se não fosse por consideração social, o ensino superior não valeria. Sendo assim, o trabalhador não precisa de nenhuma melhora em sua condição, exceto para ser libertado dos parasitas que vivem dele.

Todos os esquemas para patrocinar “as classes trabalhadoras” têm sabor de condescendência. Eles são impertinentes e deslocados nesta democracia livre. Não existe, de fato, nenhum estado de coisas ou qualquer relação que tornasse apropriados projetos desse tipo. Esses projetos desmoralizam ambas as partes, lisonjeando a vaidade de uma e minando o respeito próprio da outra.

Para o nosso propósito atual, é muito importante notar que, se levantarmos qualquer homem, devemos ter um ponto de apoio, ou ponto de reação. Na sociedade, isso significa que, para erguer um homem, empurramos outro para baixo. Os esquemas de melhoria das condições das classes trabalhadoras interferem na competição dos trabalhadores entre si. Os beneficiários são selecionados por favoritismo e tendem a ser aqueles que se recomendaram aos amigos da humanidade por uma linguagem ou conduta que não denota independência e energia. Aqueles que sofrem uma depressão correspondente pela interferência são os independentes e autossuficientes, que mais uma vez são esquecidos ou ignorados; e os amigos da humanidade voltam a aparecer, no seu zelo por ajudar alguém, pisoteando aqueles que procuram ajudar a si próprios.

Os sindicatos adotam vários dispositivos para aumentar os salários, e aqueles que dedicam seu tempo à filantropia estão interessados ​​nesses dispositivos e desejam-lhes sucesso. Eles fixam suas mentes inteiramente nos trabalhadores que estão empregados, e não tomam conhecimento de nenhum outro trabalhador interessado no assunto. Supõe-se que a luta é entre os operários e seus patrões, e acredita-se que nessa disputa se possa simpatizar com os operários sem se sentir responsável por nada mais.

Logo se vê, porém, que o empregador acrescenta o risco sindical e de greve aos outros riscos de seu negócio, e se acomoda filosoficamente. Se, agora, formos mais longe, veremos que ele encara isso filosoficamente porque repassou o prejuízo para o público. Parece então que a riqueza pública diminuiu e que o perigo de uma guerra comercial, como o perigo de uma revolução, é uma redução constante do bem-estar de todos. Até agora, porém, vimos apenas coisas que poderiam reduzir os salários – nada que pudesse aumentá-los. O empregador está preocupado, mas isso não aumenta os salários. O público perde, mas o prejuízo vai para cobrir o risco extra, e isso não aumenta os salários.

Um sindicato aumenta os salários restringindo o número de aprendizes que podem ser admitidos no ramo. Esse dispositivo atua diretamente sobre a oferta de mão-de-obra, e isso produz efeitos sobre os salários. Se, no entanto, o número de aprendizes é limitado, ficam fora alguns que querem entrar. Os que estão dentro, portanto, criaram um monopólio e se constituíram em uma classe privilegiada em uma base exatamente análoga à das antigas aristocracias privilegiadas. Mas tudo o que é ganho por esse arranjo por aqueles que estão dentro, é ganho com maior perda para aqueles que são mantidos de fora. Consequentemente, não é sobre os patrões nem sobre o público que os sindicatos exercem a pressão pela qual aumentam os salários; é sobre outras pessoas da classe trabalhadora que desejam entrar no negócio, mas, não podendo fazê-lo, são empurradas para a classe trabalhadora não qualificada. Essas pessoas, no entanto, são totalmente ignoradas em todas as discussões sobre sindicatos. Eles são os Homens Esquecidos. Mas, uma vez que desejam entrar no negócio e ganhar a vida nele, é justo supor que são adequados para ele, que teriam sucesso, fariam bem para si próprios e para a sociedade nele; ou seja, de todas as pessoas interessadas ou envolvidas, elas mais merecem nossa simpatia e atenção.

Os casos já mencionados não envolvem legislação. A sociedade, entretanto, mantém polícia, delegados e várias instituições, cujo objetivo é proteger as pessoas contra si mesmas – isto é, contra seus próprios vícios. Quase todo esforço legislativo para prevenir o vício é realmente protetor do vício, porque toda essa legislação salva o homem perverso da penalidade de seu vício. Os remédios da natureza contra o vício são terríveis. Ela elimina as vítimas sem piedade. Um bêbado na sarjeta está exatamente onde deveria estar, de acordo com a adequação e tendência das coisas. A natureza instalou nele o processo de declínio e dissolução, pelo qual elimina as coisas que subsistiram à sua utilidade. O jogo e outros vícios menos mencionáveis ​​trazem consigo suas próprias penalidades.

Agora, nós nunca podemos aniquilar uma penalidade. Só podemos desviá-la das costas do homem que a incorreu para as costas de outros que não a incorreram. Uma grande quantidade de “reforma social” consiste exatamente nesta operação. A consequência é que aqueles que se extraviaram, sendo libertados da feroz disciplina da Natureza, pioram, e há um fardo cada vez mais pesado para os outros carregarem.

Quem são os outros? Quando vemos um bêbado na sarjeta, temos pena dele. Se um policial o socorre, dizemos que a sociedade interferiu para salvá-lo da morte.

“Sociedade” é uma palavra bonita e nos poupa do trabalho de pensar.

O trabalhador diligente e sóbrio, que paga uma porcentagem do seu dia de trabalho para pagar ao policial, é quem arca com a pena. Mas ele é o Homem Esquecido. Ele passa e nunca é notado, porque se comportou, cumpriu seus contratos e não pediu nada.

A falácia de toda legislação proibitiva, suntuária e moral é a mesma. A e B determinam ser abstêmios, o que geralmente é uma determinação sábia e às vezes necessária. Se A e B são movidos por considerações que lhes parecem boas, isso é o suficiente. Mas A e B se uniram para conseguir a aprovação de uma lei que obrigue C a ser abstêmio por causa de D, que corre o risco de beber demais. Não há pressão sobre A e B. Eles estão seguindo seus próprios caminhos e gostam disso. Raramente há qualquer pressão sobre D. Ele não gosta e foge dela. A pressão vai toda sobre C.

Surge então a pergunta: Quem é C? Ele é o homem que deseja bebidas alcoólicas para qualquer propósito honesto, que usaria sua liberdade sem abusar dela, que não causaria distúrbio público e não incomodaria absolutamente ninguém. Ele é o Homem Esquecido novamente, e assim que ele sai de sua obscuridade, vemos que ele é exatamente o que cada um de nós deveria ser.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Que porra porra de texto de bom!

    Aqui o trecho que explica como o uso de máscaras se tornou essa obrigação “moral com a sociedade”:

    “Não há pressão sobre A e B. Eles estão seguindo seus próprios caminhos e gostam disso. Raramente há qualquer pressão sobre D. Ele não gosta e foge dela. A pressão vai toda sobre C”

    É por isso que vemos nazicovidianos sozinhos dentro de seus carros usando o símbolo da infâmia.. Para esse aloprado, respirar o próprio gás carbônico tornou-se parte constituinte do seu ser.