O imperialismo e a lógica da guerra

1
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

Praxeologia e Guerra

Análises da guerra que remontam a mais de dois milênios até as Guerras do Peloponeso envolveram as causas fundamentais da guerra em uma névoa quase impenetrável de mitos, falácias e mentiras descaradas. Na maioria dos estudos, a guerra é geralmente retratada como o resultado inevitável de forças históricas complexas ou circunstâncias acidentais geralmente além da compreensão ou controle dos combatentes humanos.

Felizmente, existe uma ciência da ação humana que é aplicável a todas as atividades propositais. Essa ciência é chamada de “praxeologia”. Embora a economia seja seu ramo mais desenvolvido, os princípios básicos dessa ciência também podem ser aplicados à análise de ações violentas, incluindo guerras. Assim Murray Rothbard escreveu:

    O resto da praxeologia [além da economia] é uma área inexplorada. Tentativas foram feitas para formular uma teoria lógica da guerra e da ação violenta, e a violência na forma de governo tem sido tratada pela filosofia política e pela praxeologia ao traçar os efeitos da intervenção violenta no livre mercado.[1]

Como Rothbard sugeriu, o que poderíamos chamar de “Lógica da Guerra” é uma área relativamente pouco desenvolvida da ciência da ação humana. Sua elaboração é, portanto, especialmente necessária se quisermos dissipar a mitologia da guerra e elucidar sua verdadeira origem e caráter. O axioma básico dessa disciplina praxeológica é que a guerra é o resultado objetivo do esforço humano de fazer guerra.

Como um empreendimento humano como qualquer outro, a guerra é o produto da razão, propósito e escolha. Portanto, uma análise adequada da guerra deve levar em conta os objetivos dos belicistas, os meios à sua disposição, os benefícios que eles esperam obter da guerra e os custos que esperam incorrer para executá-la. Deve também distinguir de uma forma geral entre os beneficiários individuais e as vítimas da guerra. Essas vítimas incluem não apenas o grupo vencido de belicistas e aqueles que residem no território que controlam, mas principalmente os habitantes produtivos da região controlada pela organização vitoriosa de belicistas.

O significado da guerra imperialista

Neste ponto é necessário definir a guerra e distingui-la de outras formas de violência inter-humana para circunscrever os limites da lógica da guerra dentro do sistema praxeológico geral. Pois nem todo conflito violento constitui guerra. A guerra é aqui definida como uma interação violenta entre dois grupos de humanos, com um ou ambos sendo um estado. Adotamos a definição de estado dada pelo antropólogo e historiador da guerra primitiva, Lawrence H. Keeley:

    Os Estados são organizações políticas [que] têm um governo central com poderes para arrecadar impostos, recrutar mão de obra para obras públicas ou guerra, decretar leis e fazer cumprir fisicamente essas leis. Essencialmente, os estados são unidades políticas estratificadas por classes que mantêm um “monopólio da força letal” – um monopólio institucionalizado como forças policiais e militares permanentes.[2]

Grupos sociais pré-civilizados como bandos, tribos e até clãs não são estados porque, de acordo com Keeley, “um chefe, ao contrário de um rei, não tem o poder de coagir fisicamente as pessoas à obediência”, em vez disso precisa empregar meios econômicos ou explorar uma crença na magia para fazer cumprir seus decretos.[3] Embora Keeley se refira a “guerra pré-estado” ou “guerra primitiva”, para fins de análise praxeológica, restringimos o termo “guerra” a conflitos violentos envolvendo pelo menos um estado.

O combate entre grupos sociais mais desorganizados era mais comumente motivado por vingança por homicídios anteriores ou questões econômicas, especialmente o acesso a recursos naturais e bens de capital brutos. Por exemplo, em Minnesota, as tribos Chippewa e Dakota Sioux lutaram entre si por mais de 150 anos pelo acesso a territórios de caça e campos de arroz selvagem, enquanto as tribos do Noroeste do Pacífico frequentemente lutavam pela costa no oceano e margem nos rios que davam acesso à migração do salmão.[4] Estudos antropológicos mostram que, embora a maioria desses conflitos envolva violência selvagem e extrema crueldade, muitas vezes resultando na expropriação, escravização, expulsão ou aniquilação da tribo vencida, seu objetivo nunca foi estabelecer uma relação hegemônica e exigir tributo regular do inimigo. Como Kelley explica, “políticos que não têm o poder físico para subjugar suas próprias populações ou para extrair deles tributos ou impostos involuntários são extremamente improváveis ​​de fazer guerra contra outros para esses fins, uma vez que carecem dos meios institucionais e administrativos para converter a vitória em hegemonia ou tributação.”[5]

Assim, enquanto tanto os grupos sociais não estatais quanto os estados historicamente se engajaram na anexação violenta de territórios para adquirir recursos naturais, apenas os estados possuem os meios institucionais necessários para perseguir uma política de imperialismo, ou seja, a contínua subjugação e exploração econômica de outros povos. As guerras imperialistas travadas pelos Estados em todas as épocas da história não são acidentais; elas são o resultado da tendência dominante à guerra inerente à própria natureza do Estado.

Guerra e conflito de classes

Todos os governos passados ​​e presentes, independentemente de sua organização formal, envolvem o governo de muitos por poucos. Em outras palavras, todos os governos são fundamentalmente oligárquicos. As razões são duas. Primeiro, os governos são organizações improdutivas e só podem subsistir extraindo bens e serviços da classe produtiva em seu domínio territorial. Assim, a classe dominante deve permanecer uma minoria da população se quiser extrair continuamente recursos de seus súditos ou cidadãos. O verdadeiro “governo da maioria” em uma base permanente é impossível porque resultaria em um colapso econômico, pois os tributos ou impostos expropriados pelos governantes mais numerosos privariam a minoria envolvida em atividades produtivas pacíficas dos recursos necessários para se sustentar e se reproduzir. O governo da maioria, portanto, acabaria por provocar um conflito violento entre facções da classe dominante anterior, que terminaria com um grupo estabelecendo o domínio oligárquico e explorando economicamente seus antigos confederados.

O segundo fator que torna o domínio oligárquico praticamente inevitável está relacionado à lei da vantagem comparativa. A tendência à divisão do trabalho e à especialização baseada na dotação desigual de habilidades permeia todos os setores da atividade humana. Assim como um pequeno segmento da população é adepto de jogar futebol profissional ou fornecer aconselhamento financeiro, uma pequena fração da população tende a se destacar em exercer poder coercitivo. Como um autor resumiu esta Lei de Ferro da Oligarquia: “[Em] todos os grupos humanos, em todos os tempos, há poucos que governam e muitos que são governados”.[6]

A natureza inerentemente improdutiva e oligárquica do governo garante, assim, que todas as nações sob domínio político sejam divididas em duas classes: uma classe produtiva e uma classe parasitária ou, na terminologia apropriada do teórico político americano John C. Calhoun, “pagadores de impostos” e ” consumidores de impostos.”[7]

O rei e sua corte, os políticos eleitos e seus aliados burocráticos e grupos de interesse especiais, o ditador e seus aparatchiks partidários – esses são historicamente os consumidores de impostos e, não coincidentemente, os belicistas responsáveis pelas guerras. A guerra tem uma série de vantagens para a classe dominante. Em primeiro lugar, a guerra contra um inimigo estrangeiro obscurece o conflito de classes que está acontecendo internamente, no qual a classe dominante minoritária coercivamente desvia os recursos e reduz os padrões de vida da maioria da população, que produz e paga impostos. Convencidos de que suas vidas e propriedades estão sendo protegidas contra uma ameaça estrangeira, os pagadores de impostas explorados desenvolvem uma “falsa consciência” de solidariedade política e econômica com seus governantes domésticos. Uma guerra imperialista contra um estado estrangeiro fraco, por exemplo, Granada, Panamá, Haiti, Iraque, Afeganistão, Irã, etc. é especialmente atraente para a classe dominante de uma nação poderosa como os Estados Unidos porque minimiza o custo de perder a guerra e ser deslocado pela revolução doméstica ou pelos governantes do estado estrangeiro vitorioso.

Uma segunda vantagem da guerra é que ela oferece à classe dominante uma oportunidade extraordinária de intensificar sua exploração econômica dos produtores domésticos por meio de impostos emergenciais de guerra, inflação monetária, trabalho forçado e coisas do gênero. A classe produtiva geralmente sucumbe a essas crescentes depredações de sua renda e riqueza com alguma resistência real, mas resmungando, porque está convencida de que seus interesses são os mesmos dos belicistas. Além disso, pelo menos a curto prazo, a guerra moderna parece trazer prosperidade a grande parte da população civil porque é financiada em grande parte pela criação de dinheiro.

Chegamos assim a uma verdade universal e praxeológica sobre a guerra. A guerra é o resultado do conflito de classes inerente à relação política – a relação entre governante e governado, parasita e produtor, consumidor e pagador de impostos. A classe parasita faz guerra com propósito e deliberação para esconder e aumentar sua exploração da classe produtiva muito maior. Também pode recorrer à guerra para suprimir a crescente dissensão entre os membros da classe produtiva (libertários, anarquistas, etc.) à medida que os meios de comunicação se tornam mais baratos e acessíveis, por exemplo, publicação eletrônica, rádio AM, televisão a cabo, internet etc. Além disso, o conflito entre governante e governado é uma condição permanente. Essa verdade se reflete – talvez meio conscientemente – no velho ditado que iguala a morte e os impostos como as duas características inevitáveis ​​da condição humana.

Assim, um estado de guerra permanente ou preparação para a guerra é ótimo do ponto de vista da elite dominante, especialmente aquela que controla um estado grande e poderoso. Tome o atual governo dos EUA como exemplo. Ele governa uma economia relativamente populosa, rica e progressiva da qual pode extrair quantidades cada vez maiores de saque sem destruir a classe produtiva. No entanto, está sujeito ao medo real e permanente de que, mais cedo ou mais tarde, os americanos produtivos venham a reconhecer o fardo continuamente crescente da tributação, inflação e regulamentação pelo que realmente é – exploração nua e crua. Assim, o governo dos EUA, o megaestado mais poderoso da história, é impulsionado pela própria lógica do relacionamento político a buscar uma política de guerra permanente.

De “A Guerra para Tornar o Mundo Seguro para a Democracia” a “A Guerra para Acabar com Todas as Guerras”, a “Guerra Fria” e até a atual “Guerra ao Terror”, as guerras travadas pelos governantes dos EUA no século XX progrediram de guerras episódicas restritas a teatros e inimigos bem definidos a uma guerra sem limites espaciais ou temporais contra um inimigo incorpóreo chamado “Terror”. Um nome mais apropriado para essa guerra planejada pelos neoconservadores envolveria uma simples mudança na preposição para “Guerra de Terror” – porque o estado americano tem pavor de americanos produtivos, trabalhadores, que podem um dia acordar e pôr um fim nas suas predações maciças em suas vidas e propriedades e talvez na própria classe dominante americana.

Enquanto isso, a Guerra ao Terror é uma guerra imperialista sem fim, do tipo jamais sonhada pelos infames belicistas fabricantes de guerra de outrora, dos patrícios romanos aos nacional-socialistas alemães. O economista Joseph Schumpeter foi um dos poucos não-marxistas a compreender que o principal estímulo para a guerra imperialista é o inevitável choque de interesses entre governantes e governados. Tomando como exemplo um antigo megaestado, a Roma Imperial, Schumpeter escreveu:

    Aqui está o exemplo clássico… daquela política que pretende aspirar à paz, mas infalivelmente gera a guerra, a política de preparação contínua para a guerra, a política de intervencionismo intrometido. Não havia nenhum canto do mundo conhecido onde algum interesse não estivesse em perigo ou sob ataque real. Se os interesses não eram romanos, eram os dos aliados de Roma; e se Roma não tivesse aliados, então aliados seriam inventados. Quando era totalmente impossível inventar tal interesse — ora, então foi a honra nacional que foi insultada. A luta sempre foi investida de uma aura de legalidade. Roma estava sempre sendo atacada por vizinhos mal-intencionados, sempre lutando por um espaço para respirar. O mundo inteiro estava invadido por uma multidão de inimigos, e era evidentemente dever de Roma se proteger contra seus desígnios indubitavelmente agressivos. Eles eram inimigos que apenas esperavam para cair sobre o povo romano. [Nenhuma] tentativa [pode] ser feita para compreender essas guerras de conquista do ponto de vista de objetivos concretos…. Assim, há apenas um caminho para um entendimento: escrutínio dos interesses de classe domésticos, a questão de quem tem a ganhar…. Devido à sua posição peculiar como fantoche democrático de políticos ambiciosos e como porta-voz de uma vontade popular inspirada pelos governantes [o proletariado romano] de fato obteve o benefício do saque [de guerra]. Enquanto houvesse boas razões para manter a ficção de que a população de Roma constituía o povo romano e podia decidir os destinos do império, muito dependia de seu bom humor. Mas, novamente, a própria existência, em tão grande número, desse proletariado, bem como sua importância política, foi consequência de um processo social que explica também a política de conquista. Pois este foi o nexo de causalidade: a ocupação de terras públicas e o roubo de terras camponesas formaram a base de um sistema de latifúndios, operando extensivamente e com mão de obra escrava. Ao mesmo tempo, os camponeses deslocados afluíram para a cidade e os soldados permaneceram sem terra – daí a política de guerra.

Os latifundiários estavam, é claro, profundamente interessados ​​em fazer a guerra… . A alternativa à guerra era a reforma agrária. A aristocracia fundiária só podia combater a ameaça perpétua da revolução com a glória de uma liderança vitoriosa. [E]ra uma aristocracia de latifundiários, grandes empresários agrícolas, nascidos da luta contra seu próprio povo. Baseava-se unicamente no controle da máquina estatal. Sua única salvaguarda estava na glória nacional…. Uma estrutura social instável desse tipo apenas cria uma disposição geral para observar os pretextos para a guerra – muitas vezes considerados adequados com toda a boa fé – e para se voltar para questões de política externa sempre que a discussão de problemas sociais se torna muito problemática para o conforto. A classe dominante sempre esteve inclinada a declarar que o país estava em perigo, quando na verdade eram apenas os interesses de classe que estavam ameaçados.

Esta longa citação de Schumpeter descreve vividamente como a expropriação de camponeses pela aristocracia dominante criou uma divisão de classe permanente e irreparável na sociedade romana que levou a uma política de imperialismo desenfreado e guerra perpétua. Esta política foi projetada para submergir abaixo uma maré de glória nacional e despojos de guerra o profundo conflito de interesses entre proletários expropriados e aristocracia fundiária.

Democracia e guerra imperialista

A análise de Schumpeter explica a propensão particularmente forte dos estados democráticos a se engajarem na guerra imperialista e por que a Era da Democracia coincidiu com a Era do Imperialismo. O termo “democrático” está sendo usado aqui no sentido amplo que inclui “democracias totalitárias” controladas por “partidos” como o Partido Nacionalista Socialista dos Trabalhadores na Alemanha e o Partido Comunista na União Soviética. Esses partidos políticos, em oposição a movimentos puramente ideológicos, surgiram durante a era da democracia nacionalista de massas que despontou no final do século XIX.[8]

Porque as massas em uma política democrática estão profundamente imbuídas da ideologia do igualitarismo e do mito do governo da maioria, as elites dominantes que controlam e se beneficiam do Estado reconhecem a importância máxima de esconder sua natureza oligárquica e exploradora das massas. A guerra contínua contra inimigos estrangeiros é uma maneira perfeita de disfarçar o confronto de interesses entre as classes pagadora e consumidora de impostos.

Nesse sentido, é digno de nota que a primeira instância de imperialismo global sustentado no mundo ocidental foi a cidade-estado democrática de Atenas. Victor Davis Hanson enfatizou isso em seu trabalho pioneiro sobre a Guerra do Peloponeso. Hanson escreve:

    O “ateniismo” foi o primeiro exemplo de globalização do mundo ocidental. Havia uma espécie de palavra especial para expansionismo ateniense na língua grega, attikizô, “atticizar”, para tornar-se como ou juntar-se aos atenienses.[9]

Pelos padrões da época, a expansão do império ateniense era de tirar o fôlego. Com a eclosão da Guerra do Peloponeso, o império ateniense havia aumentado para “quase duzentos estados dirigidos por setecentos supervisores imperiais”. De acordo com Hanson, “Para manter tal império, no século V [a.C.] Atenas havia lutado três em cada quatro anos, um recorde notável de mobilização constante, inigualável mesmo nos tempos modernos”.[10] Além disso, ao contrário de seu rival abertamente oligárquico Esparta, que liderou uma coalizão voluntária de estados que genuinamente temiam uma democracia ateniense “proselitista e expansionista”, Atenas formulou e impôs unilateralmente uma estratégia única aos seus estados e aliados imperiais.[11]

Hanson não hesita em notar os paralelos entre o imperialismo da antiga Atenas e o moderno megaestado americano, escrevendo:

    Embora os americanos ofereçam ao mundo uma cultura popular radicalmente igualitária e, mais recentemente, em um clima muito ateniense, tenham procurado remover os oligarcas e impor a democracia – em Granada, Panamá, Sérvia, Afeganistão e Iraque – inimigos, aliados e neutros não ficam tão impressionados. Compreensivelmente, eles temem o poder e as intenções americanas, enquanto nossos sucessivos governos, à maneira de atenienses confiantes e orgulhosos, asseguram-lhes nossa moralidade e abnegação. O poder militar e o idealismo sobre levar a civilização percebida a outros são uma receita para o conflito em qualquer época – e nenhum estado antigo fez guerra com mais frequência do que a Atenas imperial do século V.[12]

Cortando os tendões da guerra imperialista

Ernest Hemingway escreveu certa vez: “Os tendões da guerra são cinco — homens, dinheiro, materiais, manutenção (comida) e moral”.[13] Em uma economia de mercado moderna, os cinco tendões de Hemingway, na prática, se resumem a um: dinheiro. Uma oligarquia política que governa e explora uma economia grande e produtiva precisa apenas colocar as mãos em fundos monetários suficientes para obter os homens, o material e a manutenção necessários para realizar seus planos de guerra. Além disso, uma oferta cada vez maior de dinheiro e crédito também aumenta o moral da população civil, distorcendo o cálculo econômico e criando a ilusão temporária de que a guerra traz prosperidade. Assim Cícero falou com mais propriedade quando disse: “Os tendões da guerra, um suprimento ilimitado de dinheiro”.[14]

Explicando a conexão entre inflação monetária e moral civil durante a guerra, Mises escreveu em 1919:

    Em todas as grandes guerras, o cálculo monetário foi interrompido pela inflação…. O comportamento econômico dos beligerantes foi assim desviado; as verdadeiras consequências da guerra foram removidas de sua visão. Pode-se dizer sem exagero que a inflação é um meio indispensável do militarismo. Sem ela, as repercussões da guerra no bem-estar tornam-se óbvias muito mais rápida e penetrantemente; o cansaço da guerra se instalaria muito mais cedo.[15]

No entanto, os estágios iniciais da inflação de guerra devem eventualmente dar lugar à crise e à depressão. A razão é que a guerra implica um consumo maciço de capital por causa do desvio de recursos reais da produção para as necessidades civis presentes e especialmente futuras – isto é, a manutenção e substituição de bens de capital – para a produção para fins militares imediatos. A classe produtiva só se dá conta da enorme destruição de sua renda real e riqueza quando a inflação cessa e a crise e a recessão resultantes revelam os verdadeiros custos da guerra, além da destruição física de vidas e propriedades.[16] Nesse ponto, os produtores amargamente desiludidos e desmoralizados começam a perceber que seus próprios interesses não são idênticos aos de seus governantes imperialistas.

Nas duas Guerras Mundiais do século XX, os belicistas de ambos os lados foram capazes de evitar esse dia de ajuste de contas, revogando a liberdade de produzir e comercializar e instituindo uma economia de comando mais ou menos completa, com controles de preços abrangentes e direção central da produção e distribuição por decreto legal.[17] As coisas são diferentes nas guerras imperialistas contemporâneas, como as travadas pelos Estados Unidos desde o fim da Guerra Fria. A razão é que a grande disparidade de poder militar e econômico entre o estado imperial e o estado que ele deseja subjugar evita o recurso à expansão monetária maciça.

Por exemplo, estima-se que a atual guerra dos EUA no Iraque tenha custado cerca de US$346 bilhões desde seu início em 2003 até o presente.[18] Durante esse período, a mudança na Base Monetária Ajustada (MB), que é completamente controlada pelo Fed e representa a “senhoria” ou imposto inflacionário que o governo realiza com a criação de dinheiro, foi de cerca de US$137 bilhões. Mas a taxa de crescimento da MB diminuiu constantemente desde meados de 2002 de 10% para menos de 5% atualmente. Isso se reflete em um declínio nas taxas de crescimento de agregados monetários mais amplos, como MZM, M2 e M3. No entanto, ao mesmo tempo, a dívida do Governo Federal dos EUA aumentou em quase US$2 trilhões desde março de 2003, expandindo a dívida total acumulada desde o início da República Americana em mais de 30%! Como essa enxurrada de novas dívidas foi financiada se não pela criação de dinheiro?

A resposta é tomar emprestado de estrangeiros. Em março de 2003, os investidores estrangeiros detinham cerca de US$1.286,3 bilhões em dívidas do governo federal. Em junho de 2006, os investidores estrangeiros detinham US$2.091,7 bilhões da dívida, um aumento de US$805,4 bilhões ou mais de 40% do aumento da dívida total desde março de 2003.[19] Em outras palavras, os estrangeiros financiaram em grande parte a aventura imperialista dos EUA no Iraque, mitigando grandemente o fardo econômico da guerra suportado pelos contribuintes e consumidores dos EUA – pelo menos até que os estrangeiros se recusem a absorver mais dívidas dos EUA. Neste ponto, deve-se recorrer ao aumento da tributação e à criação mais rápida de dinheiro para continuar a financiar a guerra, bem como os pagamentos de juros sobre a dívida pendente.

Enquanto isso, uma questão interessante a ser contemplada é se uma classe pagadora de impostos excitada e descontente tem algum meio à sua disposição além de uma revolução violenta para pôr fim à série interminável de guerras imperialistas que suga a força vital (capital acumulado) da economia e consume sua riqueza e renda reais. A resposta de Vladimir Lenin foi: “[Converta] a guerra imperialista em uma guerra civil; todas as lutas de classes consistentemente travadas em tempos de guerra e todas as táticas de ‘ação de massa’ conduzidas com seriedade inevitavelmente levam a isso”.[20] A lógica da guerra em conjunto com sua disciplina praxeológica cognata, a economia, revela que a máxima de Lenin é realmente praticável e que há uma série de táticas pacíficas disponíveis para as massas produtivas que atacam diretamente os tendões da máquina de guerra imperialista.

A primeira é a greve geral, um cenário do A Revolta de Atlas em grande escala, em que os produtores fazem greve por longos períodos de tempo e vivem de suas economias acumuladas. Isso paralisa os impostos atuais que pagam pela guerra, bem como os suprimentos militares necessários para executá-la. Boicotes em massa de bens e serviços produzidos por empresas que lucram diretamente com a guerra, bem como empresas do governo central, como os correios, atacam diretamente as receitas da classe consumidora de impostos. O mesmo acontece com os boicotes econômicos dos meios de comunicação de massa, incluindo jornais e periódicos estabelecidos e as principais redes de transmissão de televisão. Nos Estados Unidos contemporâneos, estes últimos, em particular, são pouco mais do que cartéis legalmente licenciados, vomitando propaganda de guerra do governo.

Sacar todos os depósitos bancários e usar apenas dinheiro vivo ou acordos de escambo nas trocas faria com que o sistema bancário de reservas fracionárias parasse por um longo período de tempo, pois as autoridades monetárias teriam que congelar todas as contas bancárias até que moeda suficiente fosse impressa e entregue aos bancos de todo o país. Isso levaria meses e interromperia completamente o sistema monetário e financeiro nesse meio tempo, forçando o governo a recorrer à técnica arcaica e cara de literalmente imprimir e enviar novas moedas para pagar seus gastos de guerra.[21] Vender títulos do governo em massa causando a queda de seus preços causaria estragos nos balanços dos bancos e outras instituições financeiras e tornaria extremamente difícil para o governo emitir dívida de guerra.

Essas táticas de ação em massa teriam vários benefícios adicionais e muito importantes. Primeiro, causariam uma profunda cisão na classe dominante, que, em uma democracia plutocrática como os Estados Unidos, não é de forma alguma monolítica porque inclui elementos significativos do establishment financeiro e das grandes empresas que competem entre si por subsídios e privilégios legais especiais do Estado.

Essa desconfortável coalizão de interesses políticos pode ser prontamente desestabilizada pela mudança radical no padrão de benefícios e custos provocada por táticas de ação em massa que afetam de forma desigual as receitas e subsídios de empresas politicamente conectadas. Assim, aquelas firmas industriais e instituições financeiras que sofrem dificuldades significativas com essas táticas se voltariam contra a guerra, encolhendo e enfraquecendo a classe dominante. Com a perspectiva de uma guerra civil com seus antigos aliados se voltando contra eles, aqueles que controlam o aparato estatal teriam um forte incentivo para interromper suas atividades bélicas.

Em segundo lugar, outras empresas completamente fora do âmbito do complexo industrial governamental consumidor de impostos – por exemplo, McDonald’s, Wal-Mart, Microsoft, etc. – também sofreriam perdas econômicas como resultado da greve geral e do colapso financeiro, dando um incentivo para se aliar às firmas renegadas que antes eram membros do establishment político. Essa recém-emergente coalizão antiestatal de organizações empresariais também poderia atacar pacificamente o enfraquecido e desmoralizado Estado Imperial, recusando-se a fazer negócios com ele e ameaçando colocar burocratas e políticos individuais na lista negra de candidatos aos empregos lucrativos previstos no setor privado.

Finalmente, a aliança anti-imperialista de grandes e poderosos interesses empresariais trazida à existência pela greve geral e outras táticas econômicas pacíficas de ação de massa se interporia naturalmente, ainda que não intencionalmente, como um escudo protetor entre o estado economicamente debilitado, mas ainda perigoso e vingativo, e os dissidentes individuais da classe pagadora de impostos.

Conclusão

O método praxeológico, que tem sido usado com sucesso para elaborar as leis da economia, também é capaz de produzir um corpo sistemático de verdades quando aplicado à análise da guerra. Embora a lógica da guerra ainda não tenha sido totalmente elaborada, está claro que essa subdisciplina praxeológica é útil para dissipar os mitos e falácias há muito arraigados sobre a guerra. A lógica da guerra também fornece o conhecimento dos meios para aqueles cujo objetivo, por razões ideológicas ou econômicas, é fazer cessar uma guerra.

 

 

 

Artigo original aqui

_______________________________

Notas

[1] Murray N. Rothbard, Homem, Economia e Estado: Um Tratado sobre Princípios Econômicos, 2ª ed., Scholar’s ed. com Poder e Mercado: o Governo e a Economia, 3ª ed., Scholar’s ed. (Auburn, AL: Ludwig von Mises Institute, 2004), p. 74.

[2] Lawrence H. Keeley, Guerra antes da Civilização: O Mito do Selvagem Pacífico (Nova York: Oxford University Press, 1996), p. 27.

[3]     Ibid.

[4] Ibid., pág. 115.

[5] Ibid., pág. 116.

[6] Arthur Livingston, Introdução em Gaetano Mosca, A classe dominante: Elementi di Scienza Politica, ed. Arthur Livingston, trad. Hannah D. Kahn (Nova York: McGraw-Hill Book Company, 1939), p. x. Sobre a Lei de Ferro da Oligarquia, veja também Murray N. Rothbard, Por uma nova liberdade: o Manifesto Libertário, 2ª ed. (San Francisco: Wilkes & Fox, 1996), pp. 45-69.

[7] John C. Calhoun, “A Disquisition on Government”, em Union and Liberty: The Political Philosophy of John C. Calhoun, ed. Ross M. Lence (Indianapolis, IN: Liberty Fund, 1992), pp. 15-21.

[8] Sobre o conceito de “democracia totalitária”, ver J.L. Talmon, The Origins of Totalitarian Democracy (Nova York: W. W. Norton & Company, Inc., [1951] 1970). Minha concepção de democracia totalitária difere da de Talmon porque ele aplica o termo apenas ao “totalitarismo da esquerda” e não ao “totalitarismo da direita” (ibid., pp. 6-8).

[9] Victor Hanson Davis, A War Like No Other: How the Athenians and Spartans Dought the Peloponnesian War (Nova York: Random House, 2005), p. 14.

[10] [10] Ibid., pág. 27

[11] Ibid., pp. 13, 29.

[12] Ibid., pág. 8.

[13] Ernest Hemingway, Brainy Quote.

[14] Marcus Tullio Cicero, Brainy Quote.

[15] Ludwig von Mises, Nation, State, and Economy: Contributions to the Politics and History of Our Time, trad. Leland B. Yeager (Nova York,: New York University Press, 1983), pp. 163.

[16] Para uma explicação de como o financiamento da guerra através da criação de dinheiro distorce e oculta seus custos reais, veja Joseph T. Salerno, “War and the Money Machine: Concealing the Costs of War under the Veil of Inflation”, Journal des Economistes et des Etudes Humaines 6 (março de 1995): 153-73.

[17] Para uma descrição do processo pelo qual a economia dos EUA foi transformada em uma economia de comando durante a Segunda Guerra Mundial, ver Ro bert Higgs, Crisis and Leviathan: Critical Episodes in the Growth of the American Government (Nova York: Oxford University Press, 1987), pp. 196-236.

[18] Projeto de Prioridades Nacionais, Custo da Guerra.

[19] Os dados neste parágrafo são extraídos do Federal Reserve Bank of St. Louis Monetary Trends (dezembro de 2006) e do National Economic Trends (novembro de 2006).

[20] Vladimir Ilyich Lenin, “Socialism and War” em The Lenin Anthology, ed. Robert C. Tucker (Nova York: W. W. Norton & Company, 1975), p. 195.

[21] Como uma indicação da enorme despesa envolvida na impressão de notas de dólar do Federal Reserve, um estudo de 2002 do Government Accounting Office estimou que mesmo a substituição de notas de $1 por moedas de $1 economizaria $500 milhões anualmente (Barbara Hagenbaugh, “Dollar Coin Series Will Feature Presidents,” USA Today.

1 COMENTÁRIO

  1. Eu diria quê quem possuí o poder coercitivo em sua maioria de forma reconhecida é quem possui autoridade, ao qual exerce e faz de definitivo sua lei independentemente de qualquer ética existente. Porém, para qualquer regime coercitivo sobreviver no longo-prazo, é necessário de um sistema burocrático que busque criar um sistema de roubo para sustenta-lo junto às suas bases elitistas, assim como para tentar dar legitimidade ao governo e seu sistema de roubo.