Pelo fim da guerra entre EUA e Rússia

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Feliz Primeiro de Maio! Isso pode soar um pouco estranho vindo de mim, mas tenho algumas boas lembranças do “Dia dos Trabalhadores”.

Quando morava na Hungria, eu ia ao Városliget (Parque da Cidade) onde o Munkáspárt – o renomeado Partido Socialista dos Trabalhadores Húngaros (Comunista) – fazia um grande piquenique para seus remanescentes, servindo a tradicional sör és virsli (cerveja e cachorro-quente). E tudo de graça ou quase de graça. A ironia de desfrutar de um almoço grátis e algumas cervejas dos comunistas era tentadora demais. Mas, em geral, eles não eram pessoas ruins. Apenas equivocadas. Os verdadeiros criminosos da era comunista já há muito se juntaram aos partidos políticos “pró-Ocidente” e desfrutavam de boas relações com a Embaixada dos EUA em Budapeste!

Vamos ao tema principal: algumas reflexões sobre a situação atual da guerra EUA/Rússia. Sim, eu escrevi: guerra EUA/Rússia. Vamos chamar as coisas pelo que elas realmente são. Na verdade, isso não é teoria da conspiração. O verdadeiro objetivo da política dos EUA na região foi revelado na semana passada por ninguém menos que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, quando ele esclareceu que o objetivo não era realmente ajudar a corajosa arrivista Ucrânia a recuperar sua “democracia”, mas sim enfraquecer – e esperamos desintegrar – a própria Rússia.

Ele disse: “Queremos ver a Rússia enfraquecida ao ponto de não poder fazer o tipo de coisa que fez ao invadir a Ucrânia”.

Esse é um conjunto de objetivos muito diferente e, na verdade, se aproxima do que o Dr. Paul perguntou em meados de março: “Washington está lutando contra a Rússia até o último ucraniano?

Isso explica por que os EUA estão despejando bilhões de dólares em equipamentos militares na Ucrânia notoriamente corrupta – com outros US$33 bilhões a caminho!

De repente, a narrativa da corajosa Ucrânia lutando por sua liberdade e a santidade de suas fronteiras caiu, pois os objetivos reais estão sendo revelados pelos responsáveis. Assim como o ataque dos EUA ao Iraque em 2003 foi inicialmente vendido a nós como se fosse a democracia dada de presente, como um “favor” a um grato povo iraquiano. Todos nós sabemos como isso acabou. Estranho que as pessoas se ressentem de ter sua infraestrutura dizimada e um milhão de mortos. Ingratos.

Da mesma forma, os ucranianos estão acordando e vendo que nem tudo é como aparenta. Esposas e mães na região ocidental da Transcarpácia da Ucrânia levaram seu sentimento antiguerra ao Posto de Recrutamento local, exigindo que seus filhos e maridos parassem de ser enviados para o moedor de carne nas linhas de frente no leste da Ucrânia. Acontece que as pessoas no meio disso tudo não são tão empolgadas para serem vítimas em uma guerra por procuração entre duas grandes potências. As pessoas locais sabem muito bem que a narrativa da “Ucrânia vendendo” é apenas propaganda para o ingênuo consumo ocidental.

Dando à Rússia seu próprio Vietnã? Hmmm… parece que já vimos esse filme antes. Ah sim… nós vimos!

Tudo cheira ao grande esquema do falecido e não tão grande jogador de xadrez global Zbigniew Brzezinski, que carinhosamente e celebremente relembrou seu plano mestre para os soviéticos no Afeganistão durante uma entrevista no Le Nouvel Observateur (França), 15 de janeiro a 21, 1998, pág. 76:

    P: Quando os soviéticos justificaram sua intervenção afirmando que pretendiam lutar contra um envolvimento secreto dos Estados Unidos no Afeganistão, as pessoas não acreditaram neles. No entanto, havia um fundo de verdade. Você não se arrepende de nada hoje?

 Brzezinski: Lamentar o quê? Aquela operação secreta foi uma excelente ideia. Isso teve o efeito de atrair os russos para a armadilha afegã e você quer que eu me arrependa? No dia em que os soviéticos cruzaram oficialmente a fronteira, escrevi ao presidente Carter: Agora temos a oportunidade de dar à URSS sua guerra do Vietnã. De fato, por quase 10 anos, Moscou teve que levar adiante uma guerra insustentável pelo governo, um conflito que provocou a desmoralização e, finalmente, a dissolução do império soviético.

P: E você também não se arrepende de ter apoiado o [fundamentalismo] islâmico, de ter dado armas e treinamento a futuros terroristas?

Brzezinski: O que é mais importante para a história do mundo? O Talibã ou o colapso do império soviético? Alguns muçulmanos rebeldes ou a libertação da Europa Central e o fim da guerra fria?

Sim, apenas alguns “muçulmanos rebeldes”. Incluindo um cara chamado “Osama bin Laden”. Isso torna ainda mais perturbador que o Pentágono tenha admitido que “não tem ideia” do que acontece com os bilhões de dólares em armamento avançado que está injetando na Ucrânia. A CNN cita um oficial de inteligência dos EUA sobre as armas que Washington está enviando para a Ucrânia:

    Temos informações confiáveis por um curto período de tempo, mas quando entra no nevoeiro da guerra, temos praticamente zero informação”, disse uma fonte ligada a inteligência dos EUA. “Elas caem em um grande buraco negro, e você quase não tem noção disso depois de um curto período de tempo.

Isso é reconfortante. Especialmente quando o Pentágono revelou na semana passada que “presenteou” o Talibã (com quem Washington lutou por 20 anos) com sete bilhões de dólares em armas durante a evacuação horrivelmente mal feita de Biden no ano passado.

E assim como no Afeganistão, a Ucrânia tem seu próprio pequeno problema extremista

Lembre-se: as mesmas pessoas que arruinaram o Afeganistão por 20 anos e depois arruinaram a retirada do Afeganistão estão no processo de arruinar o envolvimento dos EUA na Ucrânia.

Seguir completamente Brzezinski na Rússia – usando a Ucrânia como aríete – pode parecer bom para os herdeiros “intelectuais” de Brzezinski como Victoria Nuland e Tony Blinken, mas o grande curinga em seu grande esquema é que a Rússia desta vez vê através dele e (corretamente) vê o esquema Biden Bros como uma ameaça existencial para o país (como os EUA veriam se o sapato estivesse em seu pé). Por isso, ela admitiu abertamente que está disposto a usar seu vasto arsenal nuclear para se defender de tais esforços de Washington.

Quaisquer que sejam suas opiniões sobre a Rússia e a política russa na Europa, faça a si mesmo uma pergunta: tudo isso vale uma guerra nuclear? É tão importante para os americanos médios – que estão sendo alimentados através do moedor de carne metafórico do colapso econômico – quem governa a Rússia e onde as fronteiras em constante mudança da Ucrânia podem acabar? Algum americano realmente acredita que, se não lutarem contra Putin até a morte, estarão falando russo no ano que vem?

Hora de lutar contra a máquina de guerra americana!

 

 

Artigo original aqui