O maior erro contra atiradores em massa é confiar na polícia para “nos proteger”

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A polícia de Uvalde ajudou a demonstrar, mais uma vez, o que está claro há muito tempo: quando você está enfrentando um maníaco com uma arma, não conte com os burocratas uniformizados do governo com distintivos para ajudá-lo. Como aprendemos esta semana, nem mesmo uma criança implorando por ajuda em uma ligação para o 911 fará com que a polícia confronte um atirador.

Além disso, dada a falta de competência e esforço consistentemente demonstrado pela polícia nos casos em que enfrentam perigo real – como em Columbine, Parkland e Uvalde – é claramente uma questão de sorte se a polícia local em qualquer cidade está disposta a arriscar a “segurança do oficial” em prol da segurança pública.

Ao contrário do que pensam os defensores da proibição de armas, essa realidade envia uma mensagem poderosa contra a proibição de armas: não podemos confiar nos agentes estatais armados do governo para fornecer qualquer medida de segurança, e precisamos absolutamente do direito à autodefesa privada, à segurança privada, e de contratar profissionais treinados responsáveis ​​que não façam parte do ramo inchado e pago em excesso da burocracia do governo conhecido como “oficiais da lei”.

A campanha “Apoie a Polícia” favorece os defensores da proibição de armas

Quando se trata de avaliar a desastrosa covardia e incompetência da polícia na Robb Elementary de Uvalde na semana passada, aqueles que defendem cegamente a polícia estão essencialmente fazendo o mesmo argumento daqueles que querem destruir o direito à legítima defesa privada: “A polícia fez tudo que podia, mas um único adolescente destreinado com uma arma é demais para vinte ou mais policiais treinados que estão armados até os dentes.”

Para os controladores de armas, a conclusão disso é “Viu? Essas armas são tão poderosas que os policiais ficaram impotentes em Uvalde”.

Aos defensores da polícia só resta admitir a mesma coisa: “Nossos heróis homens e mulheres fizeram tudo o que podiam! Aquele cara era muito duro, rápido e inteligente para nós!”

Isso envia uma mensagem aos observadores casuais do debate sobre armas – que é a maior parte do público. Sugere que aqueles “fuzis” de que a esquerda está sempre falando são realmente “armas de guerra” e permitem que uma única pessoa supere uma força policial inteira. Muitas pessoas se perguntarão: Por que alguém precisaria de uma coisa dessas?

Mas que réplica os defensores da polícia podem oferecer a isso? Parece que eles só podem repetir algo sobre como nossos heróis altruístas estão além da crítica e que devemos continuar confiando no regime, em sua polícia e em suas escolas para “nos proteger”.

Enquanto isso, os defensores da proibição de armas estão zombando da velha linha conservadora de que “um mocinho com uma arma para um bandido com uma arma”. É difícil formular uma resposta efetiva a isso se estivermos comprometidos com a ideia de que a polícia de Uvalde foi mesmo remotamente competente ou conscienciosa em seu trabalho. Se é verdade que a polícia de Uvalde estava dando o seu melhor, então um departamento inteiro de “mocinhos com armas” não poderia realmente fazer nada para parar uma pessoa com um AR-15.

A realidade, no entanto, é que a polícia de Uvalde certamente não era “mocinhos com armas”. Eles eram covardes vestidos com roupas financiadas pelos contribuintes de aparência impressionante que pioraram a situação. Como seus próprios supervisores admitem, eles ficaram sentados esperando por reforços porque, se tivessem realmente tentado parar o atirador, a polícia “poderia ter sido baleada”.

A polícia de Uvalde não foi apenas inútil em termos de segurança pública. Eles barraram ativamente o caminho da segurança pública. Quando um grupo de pais – alguns dos quais provavelmente estavam armados – tentou intervir na escola, a polícia literalmente agrediu os pais. Testemunhas relatam que a polícia no local derrubou mulheres no chão, jogou spray de pimenta em homens e sacaram seus tasers para intimidar ainda mais os pais. A polícia fez isso enquanto o assassino estava furioso dentro da escola. Naturalmente, a polícia, exibindo seus chapéus de caubói e coletes à prova de balas, não gostou de ser substituída pelos arrogantes cidadãos particulares da cidade.

A proibição de armas também exige “mocinhos com armas”

Repetidas demonstrações de incompetência das agências policiais também questionam a ideia de que esses mesmos burocratas poderiam efetivamente fazer cumprir as leis de proibição de armas.

Um problema de longa data com a proibição – seja de armas, drogas ou álcool – é que ela tende a ser eficaz apenas para manter objetos proibidos fora das mãos de cidadãos relativamente cumpridores da lei. Mas quando se trata de criminosos reais, é uma história muito diferente.

No caso das drogas, já vimos isso muitas vezes. As pessoas comuns geralmente evitam entrar no ramo das drogas porque não querem ter problemas com a lei. Os criminosos profissionais são uma história totalmente diferente, e a aplicação da lei nunca conseguiu impedir que traficantes de drogas dedicados exercessem seu comércio.

Da mesma forma, é fácil para a polícia impedir pessoas comuns que respeitam a lei quando se trata de proibição de armas. É improvável que essas pessoas comprem ou vendam armas no mercado negro ou empreguem conexões com traficantes de armas ilegais para obter as armas que querem. Assim, podemos apostar que novas proibições de armas irão desarmar pessoas pacíficas, mas não é seguro apostar que criminosos violentos serão igualmente desarmados.

Confrontar criminosos depravados e violentos requer trabalho real e perigo real. Fazer cumprir as leis contra essas pessoas exige, em última análise, “um mocinho com uma arma”. Quando se trata da polícia do governo, no entanto, vimos em Uvalde e Parkland a qualidade do trabalho que devemos esperar. Vimos que, quando se trata de fazer um trabalho perigoso, a polícia geralmente não está interessada.

Os defensores da proibição de armas agora estão destacando a inação da polícia quando se trata de tiroteios como o de Uvalde. Eles acham que isso ajuda no caso deles. No entanto, as mesmas pessoas continuam aferrando-se à noção injustificada de que a polícia seria uma executora competente das leis sobre armas. O fato é que temos todos os motivos para supor que a polícia muitas vezes não será confiável em ambos os casos.

O direito de portar armas está enraizado na oposição ao poder do regime

É sempre uma mistura estranha quando os defensores do direito à autodefesa também professam apoiar entusiasticamente a polícia do governo. Historicamente, a filosofia por trás da propriedade privada de armas tem sido uma filosofia de forte ceticismo em relação à capacidade ou inclinação de um governo de “nos proteger”.

Certamente, no final do século XVIII e ao longo do século XIX, as proteções legais da posse de armas estavam enraizadas na suposição de que o pessoal de “segurança pública” dos governos era inadequado para manter a paz ou fornecer segurança. As forças policiais locais eram vistas como corruptas e partidários que serviam apenas a políticos eleitos e máquinas partidárias. Os militares profissionais eram vistos como pessoas preguiçosas demais para ganhar a vida com trabalho honesto. Havia o temor de que conceder maior poder militar ou policial ao Estado resultaria em abuso desse poder.

É por isso que os americanos antes do século XX dependiam em grande parte da segurança privada e das milícias descentralizadas.

Grande parte do debate girou em torno do equilíbrio entre o poder coercitivo privado e o poder coercitivo do Estado. Compreendia-se que conceder mais desse poder ao pessoal do governo necessariamente diminuía a força relativa dos cidadãos privados. Ou seja, se a polícia for mais bem financiada e mais bem armada do que os cidadãos, isso coloca o cidadão em desvantagem.

O Estado, afinal, é fundamentalmente construído sobre a ideia de garantir o monopólio dos meios de coerção. Quanto mais poder é dado à polícia, mais completo esse monopólio se torna.

Proibição de armas significa mais poder relativo para criminosos e para o regime

Por medo dos criminosos do setor privado, as pessoas comuns que cumprem a lei concederam repetidamente um monopólio cada vez mais forte da coerção aos governos ao longo do tempo. Os orçamentos da polícia agora são imensos. As agências de aplicação da lei estão cheias de dinheiro e gostam de comprar equipamentos de estilo militar para uso contra o público. Adotar novas medidas de controle de armas faria pender ainda mais a balança para maiores monopólios governamentais sobre a coerção. Mas dado o que vimos da polícia em Uvalde, não temos motivos para acreditar que esse aumento cada vez maior do poder do estado realmente se traduziria em mais segurança pública.

No entanto, após o massacre de Uvalde, o chefe da National Rifle Association, Wayne LaPierre, ainda batia no mesmo tambor velho e cansado, alegando – contrariamente a todas as evidências – que os departamentos de polícia do país precisam de ainda mais dinheiro de impostos. Não é de surpreender que esta seja a única “ideia” que eles tenham a oferecer. Quando o suposto compromisso de uma pessoa com a posse privada de armas é combinado com um apoio incondicional à polícia do governo, é impossível argumentar o óbvio: que a autodefesa privada é essencial porque o governo demonstrou repetidamente que tem pouco interesse em fornecer segurança pública.

 

 

Artigo original aqui