O monstro regulatório americano ataca os Amish

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Agricultor Amish enfrenta multas e prisão por se recusar a cumprir os regulamentos do USDA

Os Amish são frequentemente vistos como pessoas incivilizadas, mas talvez haja algo que possamos aprender com eles.

Por quase 30 anos, Amos Miller possui e opera a Miller’s Organic Farm, uma fazenda Amish totalmente natural localizada em Bird-in-Hand, Pensilvânia. Como muitos fazendeiros Amish, Miller gosta de fazer as coisas à moda antiga. Ele não usa eletricidade, fertilizante ou gasolina, e também fica longe de conservantes modernos.

A reputação da fazenda cresceu ao longo dos anos e agora possui um clube de compradores privados de aproximadamente 4.000 membros. Miller vendeu todos os tipos de alimentos para seus compradores, como ovos orgânicos, leite cru, carne e queijo de gado alimentado com capim e produtos frescos.

“Eles o usam como remédio”, disse Miller em uma entrevista de 2021. “É muito curativo para o corpo porque é cru.”

“Eles são boas pessoas”, disse um de seus clientes. “O lugar deles é muito limpo e seus produtos são excelentes.”

Nos últimos anos, no entanto, a fazenda se viu na mira do Departamento de Agricultura dos EUA por não cumprir os regulamentos agrícolas federais.

Tudo começou em 2016, quando duas doenças de listeriose que ocorreram em 2014 foram rastreadas até o leite cru vendido pela Miller’s Organic Farm. Ambas as pessoas infectadas tiveram que ser hospitalizadas e uma morreu tragicamente da doença.

O USDA vem tentando fazer com que a fazenda cumpra os regulamentos federais desde então, mas tem sido uma longa e difícil série de batalhas judiciais, em parte porque Miller tem sido, por sua própria admissão, menos cooperativo com o governo. Miller está enfrentando multas e prisão por suas ações.

A história atingiu um clímax em março deste ano, quando um juiz federal ordenou que Miller cessasse todas as vendas de carne e autorizou agentes armados dos EUA a usar “força razoável” para ganhar acesso à fazenda de Miller para que um especialista do tribunal pudesse inspecioná-la. O especialista – acompanhado pelos agentes armados – fez um inventário de toda a carne de Miller, e os inspetores federais agora retornam a cada poucos meses para garantir que ele não tenha vendido nada.

Um Povo Incivilizado?

Para muitas pessoas, o estilo de vida tradicional dos Amish é um fenômeno curioso. Qualquer sociedade pluralista está fadada a ter alguns não-conformistas, é claro. Mas os Amish não são poucos e nem distantes entre si. Temos comunidades inteiras que, em grande parte devido a convicções religiosas, renunciaram aos prazeres e conveniências da vida moderna.

Para alguns, os Amish são simplesmente diferentes. Eles são antiquados, até mesmo incivilizados aos olhos de alguns. Mas antes de tomar isso como um dado, considere o caso de Amos Miller. Considere, em particular, seus funcionários e clientes, e os agentes armados dos EUA que entraram em sua propriedade sem serem convidados, e pergunte a si mesmo:

Quem exatamente está sendo incivilizado aqui?

Indiscutivelmente, as pessoas mais incivilizadas em toda essa provação foram os supostos “representantes” do mundo civilizado. Enquanto Miller, seus funcionários e seus clientes se envolveram em transações pacíficas e voluntárias, os agentes federais usaram ameaças ostensivas de força bruta para fazer com que Miller cumprisse os termos de um terceiro.

Isto basta para mostrar o verdadeiro carácter daqueles que se proclamam “civilizados”.

Isto quase faz você se perguntar se somos os incivilizados. Talvez os Amish tenham descoberto algo que o resto de nós ainda precisa entender.

Isso convida a uma pergunta, no entanto. Se o governo não insistir no cumprimento dos regulamentos de segurança, como podemos garantir que a comida de todos seja segura? “Pode ser força, mas é para o bem deles”, nos dizem. “As pessoas podem adoecer e morrer se o governo não reprimir as operações agrícolas ilegais.”

Obviamente, essa é uma possibilidade. Uma operação agrícola que não é regulamentada pelo governo pode ter mais riscos do que uma que é. Mas esse simples fato não nos dá o direito de ditar o nível apropriado de risco que outros podem correr.

Somos guardiões de nossos irmãos? É realmente nosso trabalho policiar cada pequena coisa que nossos vizinhos fazem, até mesmo dizer a eles o que eles podem e o que não podem comer? Por que não deixá-los fazer suas próprias escolhas? Por que não cuidamos da nossa vida e deixamos as pessoas fazerem o que quiserem?

“É isso mesmo”, diz a resposta popular. “’Cuidar da nossa vida’ não deveria ser o objetivo. Afinal vivemos em uma comunidade.

Ah sim, “comunidade”, essa refutação final ao libertário egocêntrico que se recusa a se importar com qualquer outra pessoa.

Acontece que os Amish também têm algo a nos ensinar sobre comunidade.

Dentre muitos, um

Você já notou que os Amish raramente buscam posições de poder político? Isso não é um acidente. Para eles, o objetivo é simplesmente “viver em paz com todos”, como diz o livro de Romanos, “viver tranquilamente, cuidar dos seus próprios negócios e trabalhar com as mãos”, como diz em 1 Tessalonicenses.

No entanto, apesar de sua falta de envolvimento na política, os Amish são algumas das pessoas mais orientadas para a comunidade. Eles conhecem seus vizinhos quase tão bem quanto sua família e estão sempre prontos para ajudar quando alguém da comunidade precisa.

Eles têm costumes sociais estritos, é claro, mas a chave é que eles apenas impõem esses costumes entre si (ou seja, em sua própria propriedade privada). Eles nunca procuram impor esses valores aos outros pela força. Eles “cuidam de suas próprias vidas”, nesse sentido. Se alguém não quer participar, eles são simplesmente ostracizados e deixados em paz.

Aqui está a lição que podemos aprender com os Amish: você não precisa se preocupar com a vida de outras pessoas para ser pró-comunidade.

Na verdade, cuidar da vida de outras pessoas quando elas não querem que você faça isso é, na verdade, uma disposição bastante anticomunitária. É incrível que isso precise ser dito, mas a coerção não é uma política de boa vizinhança. Forçar seus vizinhos a viver de uma certa maneira ou a fazer certas escolhas é a coisa mais anticomunitária que você pode fazer. E, no entanto, é exatamente isso que o governo faz quando aprova leis que são aplicadas com intimidação e ameaças de violência.

Ao contrário do que os políticos dirão, comunidades genuínas são construídas com interações voluntárias. Respeitar os direitos de propriedade das pessoas – “cuidar da sua própria vida” – não é antitético à sociedade civil, mas é, na verdade, uma pedra fundamental dela. Como os Amish nos mostram, a receita para se ter uma comunidade saudável é o respeito mútuo e o acordo mútuo – meter-se na vida de outras pessoas apenas na medida em que elas aceitam esse envolvimento. Se as pessoas não conseguem chegar num acordo, é melhor para todos se simplesmente seguirem caminhos separados.

Dito tudo isso, é ótimo que queiramos cuidar de nossos vizinhos, e devemos absolutamente alertar as pessoas sobre os riscos aos quais elas podem estar se expondo. Mas a chave para construir uma sociedade saudável e civilizada é permitir que as pessoas façam suas próprias escolhas, mesmo que discordemos de suas decisões.

“Qualquer coisa pacífica”, como Leonard Read costumava dizer.

Os Amish podem estar décadas atrás de nós quando se trata de tecnologia, mas estão décadas à nossa frente quanto a viver segundo esse princípio.

 

 

Artigo original aqui

 

1 COMENTÁRIO

  1. “É assim que vivereis honrosamente em presença dos de fora e não sereis pesados a ninguém.”
    I Tessalonicenses, 4-12

    Esse versículo tabé sere para esse caso…

    “Eles conhecem seus vizinhos quase tão bem quanto sua família e estão sempre prontos para ajudar quando alguém da comunidade precisa.”

    Tem um filme muito bom de nome “A testemunha”, com o glorioso Han Solo e a Kelly McGillis no auge da beleza, antes de “Ases Indomáveis” e de ter se transformado em um dragão, onde fica claro esse conceito de comunidade anti-virtude do egoíso liberalóide randiano do estado mínimo. As pessoas se reúnem para constriur uma casa para um casal de recém casados pelo o que eu lembro. Com todo mundo ajudando a casa de madeira ficou pronta no mesmo dia…

    “Os Amish podem estar décadas atrás de nós quando se trata de tecnologia, mas estão décadas à nossa frente quanto a viver segundo esse princípio.”

    Antigamente eu acreditava nisso, provavelmente de maneira equivocada. Mas com a ditadura nazicovidiana e a nova ordem mundial transformando as cidades em presídios com a mesma facilidade de um piscar de olhos, a questão tomou outro rumo. Eu sou desestatizado em 90% do tempo. Só falta mesmo avançar um pouco mais e montar a resistencia nas montanhas. Como disse um escritor:

    “Longos períodos de paz e tranquilidade favorecem certas ilusões de ótica. Entre eles está o pressuposto de que a invulnerabilidade do lar se funda na constituição e por ela resguardada. Na realidade, cabe ao pai de família que, acompanhado dos filhos, aparece com o machado na soleira de sua casa”.

    Ernst Jünger