O Nobel de economia para Bernanke é como premiar um incendiário por alegar que combateu o fogo que ele começou

0

Junto com Douglas Diamond e Philip Dybvig, Ben Bernanke recebeu hoje o Prêmio Nobel de Economia. Os três escreveram extensivamente sobre a necessidade de socorrer os bancos em momentos em que a economia está em modo corretivo, geralmente após um longo período de injeções monetárias. Bernanke era presidente do Federal Reserve quando pressionou pela última rodada de resgates bancários em 2007-2009.

A pesquisa de Bernanke se concentrou na Grande Depressão e argumentou que os bancos precisavam ser resgatados na década de 1930 em resposta ao colapso do mercado de ações e à severa correção na economia dos EUA. Diamond e Dybvig também escreveram sobre as implicações das falências de bancos na economia dos EUA. Todos os três se apegaram à ideia de que os bancos recebem depósitos que são resgatáveis ​​a curto prazo, mas fazem empréstimos de prazo mais longo e, portanto, suscetíveis a corridas bancárias.

O trabalho deles é altamente suspeito do ponto de vista da teoria econômica e é derivado do ponto de vista da história e das ciências sociais. Eles negligenciam a situação geral que estão tentando explicar, o papel das instituições e os fundamentos da intervenção governamental. Por exemplo, o trabalho de Bernanke não explica por que a “situação” ocorreu em primeiro lugar, o que o governo fez desde o início, ou como isso poderia ser evitado no futuro, exceto pela crescente intervenção do governo e do Fed.

Sua pesquisa não passa de uma desculpa para socorrer os bancos. Portanto, se você é um membro das elites financeiras privilegiadas, a bolha imobiliária e a crise financeira que se seguiu foi uma benção pura. Você ganhou muito dinheiro durante as bolhas do mercado imobiliário e de ações e, em seguida, seus bancos receberam vários resgates e privilégios especiais durante a crise, incluindo empréstimos a taxas de juros zero em empréstimos, infusões de capital, Quantitative Easing 1 e 2 e pagamentos de juros sobre “reservas em excesso.”

Claro, o mais importante, você tinha seu homem encarregado do Federal Reserve, o homem que literalmente “escreveu o livro” e a dissertação, sobre como o Fed deve resgatar os bancos em tempos de problemas econômicos. Não importa o quão mal todos os outros se saíssem, você poderia contar com Bernanke para resgatar os bancos, quaisquer que fossem os custos para os outros.

A Grande Depressão é um evento crucial na história americana e também é crucial em termos de teoria e política econômica. Os escritos de Bernanke são fundamentais em termos de redirecionamento da política de resgate do governo da política monetária para resgates bancários.

O trabalho monumental de Milton Friedman argumentou que o Fed permitiu que a oferta de dinheiro entrasse em colapso no início da década de 1930 porque não fez o suficiente para injetar dinheiro na economia. Em vez disso, Joseph Salerno /mostrou/ que o Fed foi agressivo ao tentar manter a oferta de dinheiro crescendo, mas eles falharam. O trabalho de Bernanke mostra que os bancos faliram em grande número no início da década de 1930 e devido às expectativas negativas dos bancos (e o desaparecimento de muitos deles) não foram um canal eficaz do desejo do Fed de aumentar a oferta de dinheiro. Os bancos tornaram-se assim “sistemicamente importantes”.

Cada grande escola de pensamento econômico tem sua própria história da Grande Depressão com Friedman e Bernanke representando os monetaristas, com Bernanke fornecendo o “choque” que forneceu a “força” ao modelo pilotado pelo Fed de Friedman, conforme explicado pelo professor Garrison.

Os keynesianos, é claro, têm a Teoria Geral de Keynes (1936). Ele achou que a depressão foi causada por uma falha da demanda agregada: as pessoas não estavam dispostas a gastar e investir fazendo com que a economia se contraísse por um caminho psicológico, sem nenhuma causa fundamental, necessitando assim de intervenção do governo para sustentar a economia. Esta é a mesma “explicação” que você ouviria do seu merceeiro, barbeiro ou do frentista no posto de gasolina. Peter Temin preencheu essa narrativa histórica em seu livro As forças monetárias causaram a Grande Depressão? (1976) onde ele sugere que a causa foi uma diminuição na demanda por dinheiro.

O debate entre monetaristas e keynesianos se transformou em disputas sobre oferta e demanda agregadas, especificações de modelos, resultados empíricos e, na base, causa e efeito.

A escola austríaca tem sua própria abordagem macroeconômica, e isso pode ser visto claramente no caso da Grande Depressão. Ludwig von Mises escreveu sobre a chegada da depressão antes que ela acontecesse e o que a estava causando. Em sua época, Irving Fisher era o principal economista dos EUA e Mises mostrou que foi a noção de Fisher de um dólar estável, administrado pelo Fed, que foi a causa da depressão. Explico este episódio como evidência da superioridade da Teoria Austríaca dos Ciclos de Negócios (TACE). Lionel Robbins (1932) escreveu um relato contemporâneo da Grande Depressão baseado na TACE.

A grande depressão americana, de Murray Rothbard, fornece uma visão abrangente das implicações econômicas e políticas do evento do ponto de vista austríaco. Primeiro, Rothbard mostra que as políticas do Fed na década de 1920, com base nas opiniões de Fisher, foram a causa econômica fundamental da depressão. Era o Fed que estava inflando a oferta monetária durante a década de 1920 e foi o Fed que recentemente assumiu a recém-criada função de “emprestador de última instância”, incentivando assim os banqueiros a assumir mais riscos e tornando nosso sistema bancário de reservas fracionárias mais instável em primeiro lugar.

Em segundo lugar, a ação política de Hoover, Roosevelt e outros fez com que a depressão fosse grande, em sua tentativa de manter preços e salários altos, com regulamentações, tarifas, sustentando recursos mal investidos por meio da Reconstruction Finance Corporation e persuasão moral. Terceiro, a ação política na década de 1930 para manter os gastos altos e reestruturar a economia americana com as políticas do New Deal prolongaram o tempo de recuperação. Alías, Robert Higgs mostrou que a Segunda Guerra Mundial não nos tirou da Grande Depressão.

Enquanto Bernanke et al são confiáveis ​​em termos de recomendar e endossar políticas de resgate, a escola austríaca busca uma compreensão melhor e mais completa e questiona a eficácia fundamental de tais resgates. A causa da Grande Depressão foi a política monetária inflacionária do Fed na década de 1920. As políticas do New Deal de Hoover e Roosevelt que expandiram o papel do governo na década de 1930 não impediram ou reduziram o impacto da depressão, elas a tornaram grande!

Para resolver o problema fundamental em que Bernanke, Diamond e Dybvig se fixaram e que qualquer banqueiro pode explicar, não é necessária uma extensa colcha de retalhos de regulamentação, controles e resgates governamentais, mas apenas um regime monetário sólido de dinheiro e bancos sem um banco central.

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.