O Novo Socialismo é uma Parceria Público-Privada

0
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

Em 1990, o socialismo parecia ter acabado de uma vez por todas, mas os tempos mudaram. Nos últimos vinte anos, o socialismo voltou a ser moda fora dos círculos acadêmicos. A crise da covid-19 demonstrou quão rápida e completamente as sociedades tradicionalmente livres do Ocidente podem ser transformadas por pequenos grupos de decisores determinados e bem coordenados. O planejamento central de cima para baixo de todos os aspectos da vida humana não é hoje apenas uma possibilidade teórica. Ele parece estar na próxima esquina.

Ora, o renascimento do planejamento central é um beco sem saída intelectual e prático, pelas razões que Ludwig von Mises explicou há cem anos. Mas se Mises estava certo, então como explicar o renascimento do socialismo como um ideal político? Até certo ponto, isso pode ser explicado pelo fato de que as novas gerações provavelmente esquecerão as lições que foram aprendidas, muitas vezes da maneira mais difícil, por seus ancestrais. No entanto, há também outras questões em jogo. A seguir, destacarei dois fatores institucionais que têm desempenhado um papel importante: os aparatos estatais e as fundações privadas sem dono.

  1. Aparatos estatais

Uma importante força motriz do renascimento socialista tem sido o crescimento constante das organizações estatais. Isso inclui todas as organizações que são em grande parte financiadas pelo estado ou graças à violência estatal. Por exemplo, os chamados meios de comunicação de serviço público são organizações estatais nesse sentido. Em contrapartida, as chamadas redes sociais são formas mistas. É verdade que receberam um apoio estatal significativo (para a sua criação e para a expansão da infraestrutura de internet). Mas também são financiados através da publicidade.

O socialismo está crescendo a partir das organizações estatais já existentes. A importância crucial dessa conexão tem sido enfatizada repetidamente por teóricos liberais e conservadores. Um ministério, um órgão ou uma emissora de televisão subsidiada pelo estado não pertencem plenamente à vida competitiva da sociedade comum. Aplicam-se regras especiais. Eles são financiados por impostos e outras contribuições obrigatórias. Eles estão literalmente vivendo às custas dos outros. Isso tem duas consequências importantes para o renascimento do socialismo.

Por um lado, as organizações estatais são constantemente forçadas a justificar sua existência privilegiada e, portanto, têm uma necessidade especial de serviços intelectuais. Bons sapateiros e bons padeiros não precisam convencer seus clientes com teorias verborrágicas. Seus serviços falam por si. Mas criar e manter um sistema monetário do governo ou um sistema previdenciário do governo requer uma enxurrada constante de palavras para pacificar os contribuintes, os aposentados e toda a gama de usuários de dinheiro.

Por outro lado, esses fornecedores intelectuais normalmente têm uma agenda pessoal. As organizações estatais são irresistivelmente atraentes para benfeitores ideológicos de todos os matizes. Isso fica claro assim que percebemos o que realmente significa fazer coisas boas.

Todos os dias, empresas privadas e organizações privadas sem fins lucrativos criam novos produtos e novos serviços — milhares de tentativas de melhorias. Mas suas conquistas se encaixam na rede social existente. São contribuições que levam em conta os objetivos e sensibilidades individuais de todas as outras pessoas. As organizações privadas prosperam na competição. Por outro lado, o benfeitor ideológico não quer se importar com as sensibilidades alheias. Mas isso só é possível se sua própria renda não depender desses outros, e se seus planos também puderem ser realizados contra a vontade dos outros. E é exatamente isso que o estado, especialmente o estado republicano, permite que ele faça.

Do ponto de vista liberal clássico, o estado republicano não deve perseguir sua própria agenda. Não deve ser privado, mas público, deve apenas fornecer a estrutura para a livre interação social. Mas essa teoria se prejudica com o horror vacui que provoca. Bens sem dono, mais cedo ou mais tarde, serão ocupados por alguém. Mesmo um estado “público” abandonado, mais cedo ou mais tarde, será tomado. A história dos últimos duzentos anos mostrou que essa privatização do estado público não precisa necessariamente ocorrer por golpe ou conquista. Também pode crescer do seio do próprio estado. Os trabalhadores domésticos, os servos do estado, podem fazer-se seus senhores.

Bens abandonados são uma atração mágica para as pessoas. Um estado abandonado atrai magicamente benfeitores ideológicos para o serviço público. Estão tentando privatizar o espaço público, transformá-lo em instrumento de sua agenda. A princípio, pode não haver um consenso entre eles, mas em algum momento os grupos mais bem organizados e mais bem conectados ganham vantagem. O sociólogo Robert Michels chamou esse processo de lei de ferro da oligarquia.

A oligarquia burocrática pode influenciar as decisões pessoais em termos de sua ideologia. Seu ministério torna-se o ministério “deles” (ou sua escola, sua universidade, seu serviço de radiodifusão etc.). Torna-se um aparato ideológico de estado, como definido pelo filósofo marxista francês Louis Althusser. Através de comandos e proibições, um aparato do estado ideológico pode transmitir sua ideologia para o mundo exterior.

Observe que a oligarquia burocrática é apenas uma pequena minoria. Isso explica por que a ideologia oligárquica é tipicamente uma ideologia socialista. Somente onde há propriedade privada é possível que uma minoria empreenda qualquer coisa que possa desagradar outras pessoas. Mas os oligarcas de um estado republicano não podem fazer valer os direitos de propriedade. O estado não lhes pertence, apenas o controlam. Para poder dirigi-lo a baixo custo, eles devem evitar incitar a resistência da maioria. A maneira mais fácil de fazer isso é através de uma ideologia socialista. Slogans como “Nós governamos a nós mesmos” encobrem as relações reais de poder.

Um caso clássico é o ministério da educação francês, que foi apropriado por uma coalizão de comunistas e democratas-cristãos após a Segunda Guerra Mundial. Naqueles anos, os professores Paul Langevin e Henri Wallon (ambos membros do Partido Comunista Francês) seguiram uma estratégia de centralizar e homogeneizar todas as escolas secundárias, juntamente com um emburrecimento dos requisitos de entrada. Com a ajuda de seus aliados, Langevin e Wallon preencheram lenta mas constantemente todos os cargos-chave do ministério com gente deles, enquanto o expandiam muito. Assim, tornaram o ministério “deles” resistente à reforma. Nenhum ministro burguês jamais ousou torná-lo uma instituição “pública” novamente. Assim permaneceu na sucessão comunista até hoje. Os supostos servidores da comunidade tornaram-se os verdadeiros governantes, contra os quais os representantes eleitos só podem ranger os dentes.

Essa tendência à privatização está em ação em todas as instituições públicas de todos os países. O presidente Donald Trump não havia entendido isso antes de sua eleição em 2016. Ele provavelmente é mais sábio agora, mas o problema permanece.

Um aparato estatal é muitas vezes o primeiro lugar onde as reformas socialistas são implementadas. No passado, as organizações estatais serviram como laboratórios para caras reformas trabalhistas socialistas (cotas para funcionários públicos, regulamentação de férias etc.), para o controle tipicamente socialista da linguagem (politicamente correto) e para harmonizar pensamento e ação.

Nos últimos trinta anos, as burocracias internacionais desempenharam um papel crescente em tornar o mundo um lugar melhor para o socialismo. Organizações intergovernamentais como a União Europeia, as Nações Unidas, a Organização Mundial da Saúde e o Fundo Monetário Internacional sempre serviram como reservatórios para radicais inteligentes que não encontravam lugar na política nacional. Mas a influência dessas pessoas cresceu consideravelmente nos últimos anos, pois elas desempenharam um papel fundamental no encobrimento de falhas intervencionistas.

Isso pode ser explicado da seguinte forma: o estado, que comanda a mídia e a educação, pode encobrir e explicar seus fracassos. Mas falar não ajuda quando as pessoas veem com seus próprios olhos como as coisas estão no exterior. A competição de alternativas políticas é implacável, e as comparações mostram repetidamente que socialismo e intervencionismo não funcionam. Daí o apelo de todos os socialistas para descartar alternativas tanto quanto possível desde o início. A chamada cooperação internacional e a abolição do Estado-nação em favor das organizações internacionais servem ao mesmo propósito. Ao proceder da forma mais uniforme possível, os estados pretendem evitar que a população perceba que existem alternativas políticas e talvez até melhores.

Outra arma no arsenal dos socialistas é a utilização dos serviços secretos para promover os seus objetivos. A importância desses serviços não pode ser exagerada. Este manto de secretismo, muitas vezes financiado por recursos substanciais não contabilizado, é particularmente favorável à agitação socialista enquanto os socialistas estiverem em minoria. O sigilo é uma arma muitas vezes usada com sucesso contra os cidadãos involuntários.

Nunca se deve esquecer que os socialistas usarão toda e qualquer área da sociedade e do controle do estado para promover seus objetivos e agenda.

  1. Fundações sem dono

A mesma lei de ferro da oligarquia também se aplica às grandes fundações de direito privado (Fundação Rockefeller, Fundação Ford, Fundação Bertelsmann, Fundação Bill e Melinda Gates etc.). Embora essas organizações geralmente não sejam financiadas pelo dinheiro dos contribuintes, elas – e as fundações americanas em particular – fizeram contribuições decisivas para o renascimento do socialismo, por três razões principais.

Em primeiro lugar, os executivos de tais instituições estão em constante busca de autoafirmação e autojustificação, sendo, portanto, propensos ao ativismo.

A autojustificação é particularmente necessária se a organização não fornecer uma declaração clara de propósito. As grandes fundações americanas servem a objetivos gerais como “progresso” ou “humanidade”. Palavras deste tipo devem, naturalmente, ser apoiadas por conteúdos concretos, e é aqui que entram em jogo os benfeitores ideológicos, tal como no caso das burocracias estatais.

Os benfeitores ideológicos encontram um playground ideal nas grandes fundações privadas, especialmente quando os fundadores deixam os supostos “especialistas” agirem livremente e lhes confiam a gestão do patrimônio da organização sem quaisquer restrições. Os executivos dessas fundações sem dono estão sujeitos a ainda menos restrições do que seus colegas em cargos governamentais. Enquanto os altos funcionários burocráticos ainda são responsáveis perante a liderança política eleita (mesmo que essa responsabilidade seja pequena pelas razões mencionadas acima), os diretores e conselhos de supervisão das fundações privadas estão entre si. Ninguém se atrapalha – ninguém que eles mesmos não tenham aceitado em seu círculo ilustre. As fundações privadas sem dono, portanto, mais cedo ou mais tarde, servirão aquelas ideologias que são altamente valorizadas pelos principais especialistas. Como nas instituições estatais, pode haver rivalidades temporárias entre as principais forças. No final, porém, os grupos mais bem organizados e mais bem conectados prevalecem com regularidade. A partir daí, suas ideias determinam os rumos da fundação.

Essas ideias são muitas vezes diametralmente opostas às dos fundadores, como explica Niall Ferguson em “Estou ajudando a começar uma nova faculdade porque o ensino superior está quebrado“. Na minha opinião, a razão mais importante para esse contraste está no fato de que os fundadores não precisam mais provar a si mesmos e também rejeitar o ativismo excessivo por parte de sua fundação por outras razões. Eles sabem da importância da livre concorrência. Eles sabem que doações excessivas de dinheiro da fundação podem seduzir os destinatários para a preguiça e frivolidade. Eles querem ajudar os outros. Mas, acima de tudo, querem que esses outros saibam se ajudar.

As coisas são completamente diferentes no caso dos supostos especialistas que dirigem as fundações. Ao contrário dos doadores, muitos deles ainda não conseguiram mostrar que podem alcançar grandes coisas sozinhos. O poder de decisão sobre a fundação lhes dá a oportunidade de colocar sua marca no mundo. Essa tentação é grande demais para a maioria. Aqueles que têm grandes recursos à sua disposição podem fazer do seu negócio melhorar o mundo de acordo com o seu gosto.

A história do sistema de fundações norte-americano fornece inúmeros casos dessa tendência, bem documentados por Waldemar Nielsen. As maiores fundações americanas do século XX (Ford e Rockefeller), em particular, comprometeram-se a mudar a sociedade americana nas décadas de 1950 e 1960. Tal ativismo é mais ou menos inevitável se os benfeitores ideológicos tiverem rédea solta e baús de tesouro bem cheios.

Em segundo lugar, a cooperação entre fundações privadas e organizações estatais tem um efeito muito semelhante. Tal cooperação significa, concretamente, a prossecução conjunta de objetivos; a partilha de fundos privados e estatais; e a troca de pessoal. As fundações privadas entram assim na órbita ideológica das instituições estatais, como Ludwig von Mises explicou em Ação Humana, e as instituições estatais são capturadas pelo espírito “gerencial” das fundações privadas, para usar a expressão de Paul Gottfried.

As fundações privadas gostam da parceria com o estado por razões de prestígio e a usam para “alavancar” suas próprias atividades. Um exemplo entre muitos: a Fundação Ford já havia desenvolvido os princípios básicos do que se tornaria o estado de bem-estar social americano na década de 1950 e os financiou em pequena escala. Mas faltavam meios para a aplicação em larga escala. As coisas mudaram quando o presidente dos EUA, Lyndon Johnson, adotou o modelo da Ford e usou o dinheiro do contribuinte para espalhá-lo pelo país.

Esta parceria também é muito bem-vinda ao estado, porque seus burocratas também se sentem confirmados pela resposta amigável e pelo apoio ativo do mundo ao estilo Potemkin da “sociedade civil” financiada por fundos de fundações.

Em terceiro lugar, a combinação de objetivos grandiosos e enormes recursos financeiros implica a tendência para a prossecução de projetos grandes e de grande visibilidade. (A tendência também existe por razões de custo. Para uma fundação privada, geralmente é mais barato financiar alguns grandes projetos do que milhares de pequenas iniciativas.) Estes grandes projetos devem ser planeados a longo prazo e geridos de forma centralizada. A gestão de grandes fundações está, portanto, tipicamente associada a uma perspectiva sobre a economia e a sociedade que é muito semelhante à de um comitê central de planejamento. O caso de outras grandes empresas é muito semelhante.

Por causa dessa perspectiva, os executivos de grandes organizações podem sucumbir a um tipo especial de delírio, que propomos chamar de delírio de Rathenau em homenagem ao grande industrial alemão que flertou com a economia planificada socialista no início do século XX. O delírio de Rathenau consiste em ver apenas uma diferença de escopo entre o planejamento privado de grandes empresas e as economias centralmente planejadas de nações inteiras. Na verdade, há aqui uma diferença categórica. O planejamento econômico racional sempre ocorre dentro de uma ordem baseada na propriedade privada e na troca monetária. É esta ordem que orienta os numerosos planos individuais e os coordena. Mises nos ensinou que a racionalidade da atividade econômica está sempre e em toda parte enraizada em uma perspectiva microeconômica e pressupõe uma ordem social sob o direito privado. Em contraste, a ideia socialista básica consiste precisamente em abolir essa ordem superordenada e substituí-la por um planejamento de cima para baixo. Mas quem faz isso serra o galho em que está sentado. Em vez de facilitar a atividade econômica racional, ele a torna impossível. Isso é exatamente o que Mises provou há cem anos.

Nos últimos setenta anos, as principais fundações norte-americanas têm sido os principais motores do socialismo, ainda mais do que as burocracias estatais. Algo semelhante pode ser dito sobre a Fundação Bertelsmann e outras fundações alemãs. Elas também aplicam uma serra com grande prazer ao ramo capitalista que suporta a todos nós.

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.