O Ocidente é o melhor – Parte 2

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Prosperidade, bem-estar, liberdade!

Dizem que certa vez perguntaram a Mahatma Gandhi o que ele achava da civilização ocidental. E ele teria respondido de forma irônica: “Uma ótima ideia!”

De fato, foi uma ótima ideia, mas não do jeito que Gandhi quis dizer. O Ocidente, como argumentamos na Parte 1 desta série, alcançou feitos únicos nos campos científico e artístico. Mas também produziu as sociedades mais prósperas, com riqueza, bem-estar, tolerância e liberdade insuperáveis. Sociedades raramente vistas na África, Ásia, América do Sul e Oriente Médio.

A revolução liberal pela qual passou o Ocidente nos séculos XVIII e XIX fez com que a opressão e a arbitrariedade do poder fossem reduzidas. Aos cidadãos foram concedidos cada vez mais direitos e liberdades, como a liberdade de expressão, a liberdade de religião e o direito à propriedade privada. A Igreja e o Estado foram separados e as pessoas foram autorizadas a decidir por si mesmas a qual fé religiosa aderiam. O judiciário tornou-se relativamente independente do Estado e os cidadãos foram presumidos inocentes até que se prove a sua culpa. Os monarcas não podiam decidir de repente aprisionar ou matar um oponente.

No Ocidente, você pode até zombar dos poderes dominantes. Um filme como A Vida de Brian, no qual a religião é impiedosamente ridicularizada, seria banido em muitos países não-ocidentais.

Liberdade econômica

Outra característica única foi a liberdade econômica que os cidadãos dos países ocidentais adquiriram. Eles poderiam escolher sua própria profissão, iniciar um negócio, adquirir propriedades e negociar livremente entre si. Isso pode parecer óbvio para todos nós, mas não era assim antes do século XVIII.

E ainda não é na maioria dos países hoje. As principais razões pelas quais as pessoas nos ‘países em desenvolvimento’ têm dificuldade em escapar da pobreza são a burocracia e a corrupção. Após extensa pesquisa, o economista liberal peruano Hernando de Soto concluiu que as pessoas nos países pobres são pobres principalmente porque não têm um status legal seguro, o que as impede de adquirir livremente sua própria propriedade. Como exemplo ele afirmou: Se você quer comprar um terreno no Egito e registrá-lo legalmente, você tem que passar por 77 procedimentos em 31 instituições e leva de 5 a 14 anos. Os direitos de propriedade são essenciais para a liberdade, a prosperidade e o empreendedorismo.

A Transparência Internacional publica o Índice de Percepção da Corrupção (IPC) anualmente desde 1995. Os países ocidentais invariavelmente têm a pontuação mais alta nesse índice. As autoridades ocidentais raramente exigem suborno por uma licença ou documento.

Tolerância

Também em outras áreas, os cidadãos do Ocidente têm mais controle sobre suas vidas. Em nenhum outro lugar organizações como sindicatos, associações de consumidores e organizações ambientais têm mais influência. Os ocidentais também têm mais oportunidades de progredir na vida e escolher seu próprio estilo de vida do que as pessoas de outros países. Em nenhum outro lugar há tanta mobilidade social, e as pessoas de baixa renda têm mais oportunidades de progredir. Em geral, motivação e talento são as condições mais importantes para o sucesso, não o nascimento, um título nobre ou dinheiro.

Em nenhum outro lugar há tanta tolerância com minorias, dissidentes ou pessoas com diferentes orientações sexuais. E embora às vezes se tenha uma impressão diferente ao acompanhar as notícias, provavelmente não há em nenhum lugar tão pouco racismo como no Ocidente. Dois economistas suecos pesquisaram isso em 2013. Em sua Pesquisa de Valores Mundiais, eles perguntaram às pessoas até que ponto elas tinham um problema com alguém de uma etnia diferente morando ao lado delas. Os resultados foram surpreendentes: os países ocidentais estavam entre os mais tolerantes, muito mais tolerantes do que, por exemplo, Índia, China, Rússia, Indonésia, Turquia, Tailândia, Irã, Marrocos, Nigéria e Arábia Saudita.

Igual

Os países ocidentais também lideram em termos humanitários e sociais. Muita atenção é dada à felicidade das crianças e casamento infantil e casamentos forçados são proibidos. A punição corporal e a pena de morte foram abolidas na maioria dos países ocidentais. As mulheres têm direitos iguais aos dos homens. Os deficientes físicos e mentais são tratados com compaixão. Os países ocidentais também são caracterizados por uma cultura de filantropia e “boas causas”, que você não encontra em todos os lugares.

Nos países ocidentais, é dada muita atenção ao bem-estar animal, ao meio ambiente e à conservação da natureza. Isso geralmente é diferente em outros países. Muitas vezes ouvimos que os oceanos estão se afogando em plástico, mas o que você nunca ouve é que mais de 95% desse plástico vem de países fora da Europa e da América do Norte. Como mostram os números do Our World in Data, o Ocidente também tem a menor poluição do ar e a água mais limpa.

Essas conquistas certamente não foram comuns em todos os lugares e em todos os momentos no Ocidente. O fascismo e o comunismo, também invenções “ocidentais”, trouxeram o totalitarismo de volta a alguns países ocidentais no século passado. As ideias liberais também nem sempre foram postas em prática de forma consistente. Por muito tempo, elas não se aplicavam a negros e outras minorias ou à população local nas colônias ocidentais.

Mas muitas pessoas que foram oprimidas em e por países ocidentais conseguiram se libertar apelando para os ideais ocidentais. Líderes como Martin Luther King, Gandhi e Mandela lutaram com sucesso pela emancipação de seus povos, inspirados no ideal ocidental de liberdade e igualdade.

Isso não quer dizer que em outros países e culturas não existam ideias grandiosas sobre o valor e a dignidade dos seres humanos. Certamente existem. Mas em nenhum lugar elas foram postas em prática tão amplamente quanto no Ocidente.

Em outros lugares: sistemas de castas, nepotismo, punição corporal, discriminação?

Às vezes, a crítica ao Ocidente se justifica, porque tudo poderia ser melhor. Mas é melhor em qualquer outro lugar do mundo? Na Índia com sua poluição, pobreza e sistema de castas? Na África com seu nepotismo, violência e baixo padrão de vida? No Oriente Médio, onde o castigo corporal ainda é praticado, os homossexuais são enforcados e a apostasia é punida com a morte? Na América do Sul, onde reina a corrupção e onde há grandes desigualdades entre ricos e pobres? Na China, onde o governo exerce controle totalitário sobre seus cidadãos e não há liberdade de expressão?

Não é por acaso que os movimentos migratórios e de refugiados do mundo sempre se dirigem aos países ocidentais. Milhares de pessoas arriscam suas vidas em barcos frágeis para chegar ao oeste. Eles estão tão ansiosos para serem oprimidos racialmente pelos ocidentais? Uma pesquisa Gallup de 2018 mostra que os EUA ainda são o destino mais popular para os 750 milhões de pessoas em todo o mundo que desejam migrar. Não se deveria simplesmente concluir então que o Ocidente produziu as melhores sociedades da história e do mundo?

Mas e a escravidão, o colonialismo e o imperialismo? Mais sobre isso na parte três desta série de quatro partes.

Artigo anteriorO Ocidente é o melhor – Parte 1
Próximo artigoToda guerra é sempre contra todos nós
Frank Karsten & Karel Beckman escreveram uma nova e fulminante análise libertária sobre a democracia. No livro Além da Democracia, eles mostram, em termos simples e por meio de 13 mitos, o que há de errado com o sistema democrático e por que a democracia é fundamentalmente oposta à liberdade. O livro mostra também uma alternativa: uma sociedade baseada totalmente na liberdade individual e em relações sociais voluntárias. rank Karsten é fundador do Mises Instituut Nederland. Ele aparece regularmente em público para falar sobre a crescente interferência do estado na vida dos cidadãos. www.mises.nl. Karel Beckman é escritor e jornalista. Ele é o editor chefe do website European Energy Review. Antes de assumir este cargo, ele trabalhou como jornalista no jornal financeiro holandês Financieele Dagblad. O seu website pessoal é www.charlieville.nl.