O Ocidente é o melhor – Parte 1

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Ciência, tecnologia e artes

Durante um protesto na Universidade de Stanford na década de 1980, os estudantes exigiram a abolição da civilização ocidental: “Ei, ei, Ho, Ho, Western Civ (Civilisation) Has Got to Go”, eles gritaram. No final da década de 1960, a ativista feminista Susan Sontag chegou a afirmar que ‘a raça branca é o câncer da história humana’ e que a raça branca – suas ‘ideologias e invenções’ – é a única coisa no mundo que ‘destrói’ outras civilizações.

A aversão à civilização ocidental não é, portanto, nova, mas tornou-se mais intensa e difundida nos últimos anos.

Os ativistas argumentam que a educação deve ser ‘descolonizada’, estátuas de figuras históricas devem ser derrubadas e as ruas renomeadas. Políticos, professores e formadores de opinião correm para proclamar quão perniciosas são a sociedade ocidental e o povo ocidental.

Culpa

Devemos nos sentir culpados pelo nosso passado. O presidente Biden afirmou que ainda existe ‘racismo institucional’ nos EUA. O autor americano antirracista Robin DiAngelo ironicamente afirma que os brancos são praticamente todos racistas.

Quando se trata de coisas ruins como racismo, colonialismo, exploração, poluição ambiental, guerra e desigualdade, elas são quase sempre associadas ao ‘ocidente’, raramente a outras culturas ou países.

Por causa da enorme quantidade de críticas e autoflagelação por líderes e intelectuais ocidentais, muitos agora pensam que há de fato algo estruturalmente errado com nossa sociedade e que a civilização e a história ocidentais são predominantemente baseadas na exploração e na violência. É justo dizer que o Ocidente sofre de uma crise de identidade.

Mas o Ocidente é realmente tão ruim quanto pintam? A autocrítica é uma qualidade (e bem incomum fora do Ocidente). Afinal, nenhuma sociedade é perfeita. Mas uma análise sóbria do que o Ocidente produziu deve levar a uma conclusão muito diferente da que está sendo tirada atualmente. O Ocidente trouxe muitas coisas boas para o mundo – e os ideais ocidentais ainda representam a melhor esperança para o futuro da maioria da população mundial. Uma culpa indevida mina essas esperanças.

Ciência e Tecnologia

Por muitos séculos, o Ocidente tem sido o líder em arte, ciência e tecnologia. O sociólogo americano Charles Murray realizou uma extensa análise quantitativa de enciclopédias, livros didáticos e estudos científicos e artísticos. Em seu livro Human Accomplishment, ele conclui que 97% de todas as realizações significativas e comumente aceitas de 1400 a 1950 nos campos da arte e da ciência foram alcançadas por pessoas da Europa Ocidental e da América do Norte.

Nos campos da biologia, astronomia, medicina, geociências, física e química, dominam inventores e cientistas de origem europeia. Newton, Einstein, Faraday, Arquimedes. Hipócrates, Galileu, Edison, Tesla, Huygens, Darwin, Marie Curie, Copérnico, Pasteur, Crick e Watson, Charles Babbage – a lista de grandes estudiosos continua, mas quase todos eles vêm da Europa ou da América do Norte. Eles aumentaram tremendamente o conhecimento humano e, assim, melhoraram a vida de todos ao redor do mundo.

É claro que outros povos e continentes também contribuíram para o crescimento da ciência e da tecnologia, mas a contribuição ocidental é esmagadora.

Motor a vapor, Pasteur, Benz

A Revolução Industrial que se originou na Inglaterra no século XVIII, graças em parte à invenção da máquina a vapor, levou a um aumento espetacular da prosperidade na Europa e depois no resto do mundo à medida que a industrialização se espalhava. A descoberta da existência de bactérias por Louis Pasteur levou a uma enorme melhoria na saúde pública. A expectativa média de vida dos europeus começou a aumentar de forma constante a partir de cerca de 1800 – algo nunca antes visto.

A invenção e disseminação da eletricidade que começou na Europa e nos EUA é talvez a mais importante da história e trouxe uma melhoria sem precedentes nos padrões de vida em todo o mundo. O alemão Karl Benz inventou o motor de combustão interna de dois tempos em 1879, que junto com sua outra invenção, o automóvel, aumentou muito a mobilidade. Indiretamente, todos os países com petróleo se beneficiaram disso. Sem a tecnologia ocidental, esse petróleo teria permanecido confinado sob o solo inutilmente.

Uma grande vantagem do conhecimento é que você pode multiplicá-lo compartilhando-o. Através da aplicação da tecnologia ocidental, outros países também avançaram ao mesmo tempo. O americano Norman Borlaug, o pai da ‘Revolução Verde’, trouxe avanços pioneiros no melhoramento das colheitas nas décadas de 1950 e 1960, o que ajudou a triplicar os rendimentos agrícolas. A Índia, um país onde até então muitas pessoas morriam de pobreza e desnutrição, chegou a se tornar um exportador de grãos por meio da aplicação dos insights de Borlaug. Borlaug também é conhecido como “O homem que salvou um bilhão de vidas”. A revolução moderna da TI – computadores, internet, telefonia – que transformou o mundo, também se originou em grande parte no Ocidente.

Arte

As contribuições ocidentais para a arquitetura, artes visuais, pintura, literatura e música são universalmente admiradas e tocaram e elevaram muitas pessoas ao redor do mundo. O Ocidente deu ao mundo, entre outras coisas, a música clássica, com as inigualáveis ​​criações musicais de Bach, Beethoven e Mozart, muitos séculos de pinturas inigualáveis, magníficos palácios e catedrais.

Os turistas vêm de todo o mundo para se maravilhar com a arquitetura e o design urbano europeus – do círculo de canais de Amsterdã ao Duomo de Florença, à Basílica de São Pedro em Roma, Versalhes e centenas de outros edifícios e cidades magníficos. Existe algum outro continente que ofereça tanta beleza cultural?

Não é possível dizer com certeza o que exatamente causou as conquistas culturais, tecnológicas e científicas. As civilizações grega e romana estão na base da cultura ocidental. O cristianismo tem sido influente, com sua mensagem ‘individualista’ de que todo ser humano tem valor.

A diversidade europeia ajudou

A fragmentação política do continente europeu provavelmente proporcionou maior dinamismo e mais oportunidades de liberdade do que nos países governados centralmente. A invenção da máquina de impressão, o desenvolvimento do método científico no Renascimento, a livre troca de ideias, a liberdade religiosa (depois de longas lutas), a noção de direitos individuais que apareceu pela primeira vez no Ocidente, são todas conquistas ocidentais especiais que sem dúvida contribuíram para o sucesso do Ocidente.

Os países ocidentais também foram, é claro, culpados de violência atroz, repressão, escravidão, racismo e opressão. Não estamos tentando negar isso. A questão é: não há país e cultura que não o tenham feito. No entanto, as conquistas e realizações ocidentais em tecnologia, ciência e arte são um presente único para o mundo.

E essa não é toda a história. Nas esferas social e política, também, o Ocidente alcançou muitos feitos únicos. Mais sobre isso na segunda parte desta série de quatro partes.

Artigo anteriorPor que quem ainda usa máscara é um completo idiota
Próximo artigoO Ocidente é o melhor – Parte 2
Frank Karsten & Karel Beckman escreveram uma nova e fulminante análise libertária sobre a democracia. No livro Além da Democracia, eles mostram, em termos simples e por meio de 13 mitos, o que há de errado com o sistema democrático e por que a democracia é fundamentalmente oposta à liberdade. O livro mostra também uma alternativa: uma sociedade baseada totalmente na liberdade individual e em relações sociais voluntárias. rank Karsten é fundador do Mises Instituut Nederland. Ele aparece regularmente em público para falar sobre a crescente interferência do estado na vida dos cidadãos. www.mises.nl.Karel Beckman é escritor e jornalista. Ele é o editor chefe do website European Energy Review. Antes de assumir este cargo, ele trabalhou como jornalista no jornal financeiro holandês Financieele Dagblad. O seu website pessoal é www.charlieville.nl.

1 COMENTÁRIO