O Ocidente é o melhor – Parte 4

Tempo estimado de leitura: 6 minutos

O Ocidente era o melhor, mas sofre com estagnação e decadência

Por muito tempo, o Ocidente foi o farol da liberdade, prosperidade e tolerância. Mas quanto disso resta? A tolerância foi substituída pelo politicamente correto, o crescimento da prosperidade está estagnado e o poder do Estado já não conhece mais limites. O Ocidente perdeu o rumo.

Até recentemente, o Ocidente era de longe a parte mais próspera do mundo. Na década de 1960, as economias ocidentais cresceram a uma taxa média de mais de 6% ao ano. A cada década, essa taxa diminuiu e agora ficam felizes se estiverem crescendo.

Asiáticos continuam a crescer

Você pode argumentar que crescemos menos porque já somos tão prósperos. Mas países como Cingapura e Hong Kong ainda apresentam taxas de crescimento com as quais os países ocidentais só podem sonhar. A renda média anual de um cingapuriano é agora substancialmente maior do que a de um americano.

Além disso, vivemos em grande parte de dinheiro emprestado. As dívidas dos estados, empresas e famílias ocidentais são gigantescas. A dívida nacional dos EUA é atualmente de 136% do PIB, maior do que nunca, ainda maior do que em 1945, na época da Segunda Guerra Mundial. Grécia e Itália estão ainda pior, e países como Bélgica, França e Espanha também estão sofrendo com dívidas altíssimas. O setor bancário ainda não foi arrumado após a crise de 2007 e as bolsas de valores e os bancos são mantidos à tona por “estímulos” maciços dos bancos centrais.

O padrão de vida da população ocidental está estagnado há anos e o valor da poupança está sendo corroído pela inflação contínua. Aqueles que entram no mercado de trabalho muitas vezes têm dívidas estudantis altas, não podem mais comprar uma casa, dificilmente conseguem um emprego fixo e têm poucas perspectivas de uma aposentadoria segura. Uma diferença enorme em relação ao passado, quando os jovens ainda tinham muitas oportunidades.

A carga tributária cresceu nos últimos cem anos de cerca de 10% para cerca de 50% no mundo ocidental. Isso já é ruim o suficiente, mas muitas vezes se esquece que os impostos são apenas uma maneira pela qual o Estado nos torna mais pobres.

Impostos altos inibem a prosperidade

A intervenção do Estado traz muitos outros custos ocultos. A inflação, por exemplo. Ou pense na burocracia ou na “pressão regulatória”. Economistas americanos calcularam que o aumento da pressão regulatória levou a um crescimento anual 2% menor desde 1949. Isso pode não parecer muito, mas significa que o americano médio teria sido quatro vezes mais rico do que é agora – ganhando US$200.000 por ano em vez de US$50.000.

Pense também na produtividade e inovação perdidas. Se professores, médicos, profissionais de saúde, empresários, policiais têm que preencher formulários, eles não podem gastar esse tempo em atividades produtivas. Se setores como educação e saúde têm que cumprir exigências burocráticas, sua capacidade inovadora é inibida. Esses custos permanecem invisíveis, mas são reais.

Liberdade

O Ocidente tornou-se grande numa época em que o governo era pequeno, o indivíduo era importante e o poder era descentralizado. Hoje, o governo é grande e poderoso, o indivíduo é apadrinhado e tributado e o poder está cada vez mais centralizado, passando até mesmo para organizações internacionais, como a UE, o BCE, o FMI e todos os tipos de organizações da ONU, como a OMS.

A Europa obteve sucesso numa época em que o continente estava fragmentado e descentralizado. O continente era uma colcha de retalhos de pequenos estados competindo entre si e inventando suas próprias maneiras de progredir. Essa diversidade garantiu que a Europa não ficasse atolada na burocracia nacional centralizada, como foi o caso da China ou da Rússia. A beleza está no pequeno: os países pequenos geralmente são os mais bem-sucedidos e felizes.

Liberdade significa autonomia, a capacidade de decidir por si mesmo como organizar sua vida, com quem você negocia, que profissão você exerce e como você gasta os frutos de seu trabalho.

Liberdade cada vez mais distante

Essa liberdade está cada vez mais longe. O papel do Estado tornou-se cada vez maior. Os cidadãos ocidentais são agora espionados, grampeados e vigiados mais do que nunca por milhões de câmeras. Setores inteiros, como saúde, educação e polícia, sofrem com uma burocracia cada vez maior, com regras e protocolos sem sentido, nos quais o toque humano desapareceu. Para quase todos os problemas sociais ou econômicos, os políticos apresentam a mesma solução: impostos mais altos e mais interferência do governo.

A regulamentação está em constante aumento. Mais e mais coisas são proibidas ou mesmo obrigatórias, e aqueles que não cooperam podem esperar punições cada vez mais severas. Através da propaganda nas escolas e na TV, os cidadãos são doutrinados sobre o clima, a diversidade, a igualdade e a UE.

O estado bate forte

A crise corona deixou claro como o poder do Estado se tornou evidente e de longo alcance. O governo prescreve em detalhes minuciosos como devemos viver, até com quantas pessoas podemos comer em casa, se podemos dançar ou praticar esportes ou apertar as mãos, e até se devemos usar máscaras.

Não passou pela cabeça de ninguém em nenhum momento dos anos corona que os cidadãos também seriam capazes de decidir por si mesmos como lidar com um risco à saúde. Além disso, o governo ignorou com facilidade a constituição, com amplo apoio parlamentar, para exercer seu poder.

A interferência continua

A política corona não surgiu do nada. A tendência é visível há muito tempo. O governo determina cada vez mais o que podemos e o que não podemos fazer: quanto as empresas devem pagar aos seus funcionários, como os escritórios e locais de trabalho devem ser organizados (regulações trabalhistas), qual pode ser o preço de um serviço ou produto, quais são as condições do contrato para empregados ou, por exemplo, para alugar um apartamento.

Isso faz parecer que o “consumidor” está protegido. Mas reduz o escopo para empregado e empregador, inquilino e proprietário, cliente e proprietário. Como resultado, muitos empregadores estão cada vez mais relutantes em contratar pessoas, e os proprietários estão relutantes em alugar suas casas ou quartos.

A legislação antidiscriminação impõe ainda mais restrições às relações entre as pessoas e leva a uma repressão cada vez maior. A polícia vai atrás de você se você fizer declarações discriminatórias ou for contra a política do governo. Em 2019, uma mãe britânica foi detida por três policiais em sua casa, interrogada e presa por sete horas na delegacia. Ela se dirigiu repetidamente a uma mulher transgênero como homem no Twitter.

Ironicamente, o atual culto à diversidade, que se pretende antidiscriminatório, dita que inúmeros cargos, como os de políticos, servidores públicos, policiais e professores, sejam preenchidos com base na cor da pele, gênero e orientação, em vez de habilidades e conhecimentos.

O governo também determina em grande parte como é o sistema de saúde, o sistema educacional, o sistema financeiro, o sistema de aposentadoria. Isso é verdade não apenas na Europa, mas também em um país como os Estados Unidos, que muitas pessoas erroneamente acreditam ter pouca pressão regulatória ou intervenção governamental. O Código Federal de Regulamentos, que é apenas uma parte da legislação total nos EUA, era apenas um livro em 1929, e em 2015, expandiu para 174.545 páginas. São 350 livros de 500 páginas.

Valores

As ideias e valores que tornaram o Ocidente grande foram a liberdade individual, os direitos de propriedade, o estado de direito e o empreendedorismo. Qualquer um que fosse bem-sucedido podia se destacar e era valorizado. As pessoas achavam que era normal se defenderem sozinhas e serem autossuficientes.

Essa cultura de conquista se transformou em uma cultura de vítima. O generoso estado de bem-estar social é uma recompensa pela inatividade e a alta carga tributária é uma punição pelo trabalho. Toda a atenção está focada nos “fracos” e se não houver nenhum, eles são criados. Aparentemente ninguém mais é “fraco” por causa de sua própria irresponsabilidade, estupidez ou preguiça. Quanto menos você fizer, mais ajuda você terá do governo.

As principais universidades ocidentais são criadas para fornecer um ambiente de aprendizado “seguro” e “diverso”, exceto quando se trata de diversidade de opinião. Nas universidades só há espaço para ideias “progressistas”, ideias pró-capitalistas e conservadoras são tabu.

Renascimento

O Ocidente ‘livre’ foi cada vez mais em direção do socialismo e do totalitarismo. Em termos de medidas corona, pouca diferença pode ser vista entre países ocidentais e países como a China.

Existe um caminho de volta para uma sociedade livre e dinâmica? Há poucas razões para acreditar nisso no momento. O establishment continua incansavelmente no caminho da centralização do poder, interferência do governo e igualdade. A digitalização oferece aos governantes oportunidades sem precedentes para expandir seu poder.

Tantas pessoas estão agora dependentes do Estado que é muito difícil quebrar as cadeias do poder. A menos que, talvez, depois de uma crise profunda, o Ocidente consiga se reinventar e redescobrir os valores em que se baseia seu sucesso.

Artigo anteriorTudo por culpa da OTAN
Próximo artigoHeróis, vilões e sanções
Frank Karsten & Karel Beckman escreveram uma nova e fulminante análise libertária sobre a democracia. No livro Além da Democracia, eles mostram, em termos simples e por meio de 13 mitos, o que há de errado com o sistema democrático e por que a democracia é fundamentalmente oposta à liberdade. O livro mostra também uma alternativa: uma sociedade baseada totalmente na liberdade individual e em relações sociais voluntárias. rank Karsten é fundador do Mises Instituut Nederland. Ele aparece regularmente em público para falar sobre a crescente interferência do estado na vida dos cidadãos. www.mises.nl.Karel Beckman é escritor e jornalista. Ele é o editor chefe do website European Energy Review. Antes de assumir este cargo, ele trabalhou como jornalista no jornal financeiro holandês Financieele Dagblad. O seu website pessoal é www.charlieville.nl.

2 COMENTÁRIOS

  1. “As pessoas achavam que era normal se defenderem sozinhas e serem autossuficientes.”

    Esse é o centro da questão toda, não? Para que algo aconteça neste mundo, é necessário que um indivíduo tire a bunda da cadeira e faça acontecer. Seja a produção de um produto físico, um tratamento médico, um ato de defesa contra o crime. Todos eles acarretam custos e riscos que recaem, em última análise, sobre indivíduos.

    No Ocidente, pelo menos desde a Era Progressista na virada dos séculos XIX e XX, a educação em massa nas escolas tem ensinado justamente o contrário: quem faz as coisas acontecerem, e se responsabiliza em caso de problemas, seriam grupos amorfos e impessoais, o maior dos quais é a tal “sociedade”. E o Estado não é visto como uma instituição concreta que possa ser julgada por seus sucessos e fracassos, mas como uma espécie de representante espiritual dessa tal “sociedade”.

    A retomada da sanidade e do progresso depende do descrédito dos vários coletivismos que acreditam no poder mágico da “sociedade”. É desalentador ver o quão longe isso está de acontecer.

  2. A crise corona serviu pra mostrar a verdadeira face e intenções dos estados. Os burocratas logo terão, sem muita resistência, o que sempre foi o sonho mais monstruoso e íntimo de todo dirigente: poder redesenhar o mundo, as relações e as pessoas à sua imagem de “perfeição”. Esse resto civilizacional que vivemos não tarda a implodir.