Heróis, vilões e sanções

4
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Os eventos na Ucrânia estão acontecendo muito rápido, e se eu tentasse prever o que vai acontecer lá, minha previsão logo seria atropelada pelos eventos. Mas uma coisa é certa. Precisamos entender o pano de fundo da crise e também precisamos lembrar os princípios básicos que devem orientar a política internacional.

Para entender o pano de fundo, o melhor guia é Stephen Cohen, uma autoridade de renome mundial sobre os bolcheviques e a Rússia contemporânea. Ele destacou em novembro de 2019:

    Durante séculos e ainda hoje, a Rússia e grande parte da Ucrânia tiveram muito em comum — uma longa fronteira territorial; uma história compartilhada; afinidades étnicas, linguísticas e outras afinidades culturais; relações pessoais íntimas; comércio econômico substancial; e mais. Mesmo após os anos de crescente conflito entre Kiev e Moscou desde 2014, muitos russos e ucranianos ainda se consideram uma unidade familiar. Os Estados Unidos não têm quase nenhuma dessas semelhanças com a Ucrânia.

Isso também quer dizer que a Ucrânia não é “um interesse nacional vital dos EUA”, como a maioria dos líderes de ambos os partidos, republicanos e democratas, e grande parte da mídia americana agora declaram. Por outro lado, a Ucrânia é um interesse vital da Rússia por qualquer cálculo geopolítico ou simplesmente humano.

Por que, então, Washington está tão profundamente envolvido na Ucrânia? (A proposta de quase US$400 milhões em ajuda militar dos EUA a Kiev significaria, é claro, um envolvimento ainda mais intrusivo.) E por que a Ucrânia está tão profundamente envolvida em Washington, de uma maneira diferente, que se tornou um pretexto para tentativas de impeachment Donald Trump?

A resposta curta, mas essencial, é a decisão de Washington, tomada pelo presidente Bill Clinton na década de 1990, de expandir a OTAN para o leste da Alemanha e, eventualmente, para a própria Ucrânia. Desde então, democratas e republicanos insistem que a Ucrânia é um “interesse nacional vital dos EUA”. Aqueles de nós que se opuseram a essa loucura advertiram que isso levaria a conflitos perigosos com Moscou, até mesmo guerra. Imagine a reação de Washington, apontamos, se bases militares russas começassem a aparecer nas fronteiras do Canadá ou do México com os EUA. Não estávamos errados: cerca de 13.000 almas já morreram na guerra ucraniano-russa no Donbass e cerca de 2 milhões de pessoas foram deslocadas.

Os propagandistas de Biden com retardo mental gostam de dizer que Putin cercou a Ucrânia. Mas, na verdade, os EUA e seus satélites da OTAN cercaram a Rússia. Nos anos anteriores à crise atual, tivemos amplas oportunidades para chegar a um acordo de meio-termo. Em vez disso, mantivemos a opção de adesão à OTAN aberta à Ucrânia e derrubamos um presidente ucraniano que era pró-Rússia.

    No Kremlin na semana passada, [em novembro de 2021] Putin especificou seu limite:

“A ameaça em nossas fronteiras ocidentais está… aumentando, como já dissemos várias vezes…. Em nosso diálogo com os Estados Unidos e seus aliados, insistiremos em desenvolver acordos concretos que proíbam qualquer expansão da OTAN para o leste e a colocação de sistemas de armas nas imediações do território russo”.

Isso é praticamente um ultimato. E o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, repreendeu o presidente da Rússia por emiti-lo:

    É apenas a Ucrânia e 30 aliados da OTAN que decidem quando a Ucrânia está pronta para se juntar à OTAN…. A Rússia não tem poder de veto, a Rússia não tem voz, e a Rússia não tem o direito de estabelecer uma esfera de influência tentando controlar seus vizinhos.

Putin não é tolo e decidiu agir decisivamente para libertar a Rússia do cerco. Invasões matam pessoas, e isso é triste, mas é assim que a política de poder europeia funciona e tem funcionado por centenas de anos. Foi por isso que George Washington em seu discurso de despedida nos alertou para ficar fora dela. “A Europa tem um conjunto de interesses primários, que para nós não têm relação, ou uma relação muito remota. Portanto, ela deve estar envolvida em frequentes controvérsias, cujas causas são essencialmente estranhas às nossas preocupações. Portanto, deve ser imprudente de nossa parte nos envolver, por laços artificiais, nas vicissitudes comuns de sua política ou nas combinações e colisões comuns de suas amizades ou inimizades.

Se a Rússia controla a Ucrânia não é da nossa conta. Em particular, sanções econômicas são uma má ideia. Eles são imorais. Como diz Mike Rozeff,

    As sanções são erradas pela mesma razão que lançar uma bomba de hidrogênio em Moscou seria errado. Elas têm como alvo pessoas inocentes. Elas são erradas pela mesma razão que foi errado atacar o governo talibã no Afeganistão, quando Bin Laden era o acusado. Elas são erradas pela mesma razão que atacar o Iraque foi errado quando Saddam Hussein era o alvo acusado. Elas são erradas pela mesma razão que bombardear a Líbia foi errado quando Kadafi era o alvo acusado.

As sanções não são apenas erradas; elas não funcionam, elas perturbam a economia mundial e reduzem as chances de uma solução pacífica. Rachel Lloyd, analista de políticas do Comitê de Relações Públicas da Rússia, diz:

    Se as sanções funcionam – ou não – não é um grande segredo. Repetidamente, os EUA se agarraram às sanções como seu poder de fato de uma diplomacia dura. No entanto, Washington está falhando em reconhecer a realidade óbvia: elas simplesmente não funcionam, a não ser talvez como uma ferramenta para intimidar ou para jogar para as multidões.

Na verdade, políticas econômicas que parecem duras quase nunca têm o efeito desejado contra os adversários dos Estados Unidos. Em vez disso, com muita frequência, as sanções reforçam aqueles que estão no poder, que usam a ameaça de exagero de Washington em seus assuntos domésticos como forma de influenciar a opinião nacional e reforçar seu apoio.

O esforço dos EUA para estrangular a economia de qualquer país ou governo que se oponha à visão do Congresso de como o mundo deveria funcionar o colocou em conflito com várias nações. Isso foi visto no Irã, onde as sanções postas em prática após a revolução de 1979 alimentaram as políticas agressivas do país de maioria xiita no Oriente Médio. Da mesma forma, em Cuba, onde as sanções existem há mais de 60 anos, e ainda assim a nação ainda é dominada por um regime autoritário…. Os empresários apontarão para o fato de que os efeitos das sanções podem ir além do setor visado e do indivíduo, prejudicando os americanos bem fora da esfera original sancionada. Embora os Estados Unidos possam ter como objetivo restringir negócios e comércio com uma determinada empresa ou indivíduo, com muita frequência os efeitos da sanção se infiltram em outras facetas da economia e da diplomacia, à medida que o país-alvo modifica suas políticas e abordagens para se manter à tona.

Para os americanos, isso significa receitas reduzidas para empresas americanas e para aqueles que trabalham para elas, bem como oportunidades perdidas que as estatísticas por si só não podem medir. Também coloca uma pressão desnecessária sobre os americanos que moram no exterior, bem como turistas e estudantes de intercâmbio, que precisam passar por obstáculos para concluir até as tarefas mais básicas relacionadas a bancos, finanças e vistos.

E para os americanos que esperam seguir o sonho americano, iniciando ou expandindo negócios, ou trabalhando no exterior, as sanções se tornam uma barreira para esse sonho. No momento em que uma conta comercial tem uma conexão com a Rússia ou outro país sancionado, os bancos param de querer ter qualquer coisa a ver com isso. Quando este pináculo do empreendedorismo americano é colocado sob pressão devido a políticas comprovadamente ineficazes, há um problema gritante.

A história de fracasso, juntamente com o dano factual e potencial das sanções aos cidadãos americanos, deixa uma coisa clara: é falso dizer que as sanções são feitas no melhor interesse da segurança nacional dos EUA e da comunidade internacional. Na verdade, tudo o que fazem é criar mais barreiras à democracia e à prosperidade econômica. Até para os americanos.

Algumas pessoas, incluindo muitos chamados libertários, rejeitam essa mensagem. Não temos o dever, dizem eles, de proteger a “democracia” e resistir à “agressão”? Murray Rothbard teve a melhor resposta para isso, e devemos prestar atenção à sua sabedoria hoje. Nos precisamos disto.

    O conceito de segurança coletiva que tanto encantou a velha esquerda (pré-1965) soava muito bem: Cada estado-nação era visto como se fosse um indivíduo, de modo que, quando um estado “agredia” outro, tornava-se dever dos governos do mundo intervir e punir o “agressor”. Dessa forma, a amarga e longa guerra na Coréia tornou-se, na famosa frase do presidente Truman, uma “ação policial”, não necessitando de declaração de guerra, mas simplesmente de uma decisão executiva do chefe de polícia do mundo – o presidente dos Estados Unidos – de ser posto em prática. Todas as outras nações “cumpridoras da lei” e órgãos de opinião responsáveis ​​deveriam participar.

A direita “isolacionista” viu várias falhas graves nessa noção de segurança coletiva e na analogia entre Estados e indivíduos. Uma, é claro, é que não há governo mundial ou polícia mundial, pois existem governos nacionais e polícia. Cada estado tem sua própria máquina de fazer guerra, muitas das quais são bastante impressionantes. Quando gangues de estados entram em conflito, elas inexoravelmente a ampliam. Cada controvérsia insignificante, sendo a mais recente e flagrante a briga nas Ilhas Malvinas, convida outras nações a decidir qual dos estados é “o agressor” e, em seguida, saltar para o lado virtuoso. Cada disputa local, portanto, ameaça se transformar em uma conflagração global.

E uma vez que, de acordo com os entusiastas da segurança coletiva, os Estados Unidos aparentemente foram divinamente designados para ser o chefe da polícia mundial, justifica-se, portanto, lançar seu peso maciço em todas as controvérsias na face do globo.

O outro grande problema com a analogia da segurança coletiva é que, em contraste com a identificação de ladrões e assaltantes, geralmente é difícil ou mesmo impossível identificar os culpados únicos em conflitos entre Estados. Pois, embora os indivíduos tenham direitos de propriedade bem definidos que tornam a invasão dessa propriedade por outra pessoa um ato culposo de agressão, as linhas de fronteira de cada estado dificilmente foram alcançadas por meios justos e adequados. Todo estado nasce e existe pela coerção e agressão sobre seus cidadãos e súditos, e seus limites invariavelmente foram determinados pela conquista e violência. Mas ao condenar automaticamente um estado por cruzar as fronteiras de outro, estamos implicitamente reconhecendo a validade das fronteiras existentes. Por que as fronteiras de um estado em 1982 deveriam ser mais ou menos justas do que eram em 1972, 1932 ou 1872? Por que eles devem ser automaticamente consagrados como sagrados, tanto que uma mera passagem de fronteira deve levar todos os estados do mundo a forçar seus cidadãos a matar ou morrer?

Não, muito melhor e mais sábia é a velha política externa liberal clássica de neutralidade e não-intervenção, uma política externa apresentada com grande eloquência por Richard Cobden, John Bright, a escola de Manchester e outros “pequenos ingleses” do século XIX, pelos liberais clássicos anti-imperialistas da virada do século XX na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, e pela velha direita das décadas de 1930 a 1950. A neutralidade limita os conflitos em vez de intensificá-los. Os estados neutros não podem aumentar seu poder por meio da guerra e do militarismo, ou assassinar e saquear os cidadãos de outros estados.

 

 

 

Artigo original aqui

4 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom artigo!
    Se as políticas de sanções econômicas não funcionam para o objetivo proposto pelo estado, isso automaticamente quer dizer que elas são uma excelente forma com que as máfias estatais mais poderosas implantam a sua agenda de poder internamente. Se agem externamente é com único objetivo de forçar as máfias com menos classe a aderir a sua estratégia. O Japão, por exemplo, argumentou diversas vezes que entrou em guerra com os Estados Unidos porque este impôs sanções econômicas. Cortar o petróleo para um país sem uma gota em seu território é quase um ato de guerra. Não funcionou em 1941 por que funcionaria agora?
    De toda a forma, a campanha anti-Rússia em todos os lugares do mundo mostra um pouco do que deve ter sido o ambiente para italianos, alemães e japoneses – estes foram mandados para campos de concentração na suposta maior democracia do mundo, que residiam em países contra os quais estavam em guerra. Aqui mesmo no Rio Grande do Sul, descendentes de alemães e italianos que viviam há décadas no estado foram vandalizados por coisas que não tinham nada a ver com eles.

    • Exatamente…

      Onde não passa mercadorias passa soldados!

      Onde há comércio não há guerra!

      Por isso esse absurdo insano de pessoas que odeiam a China querer bloquear produtos chineses. Quando você odeia a China você provavelmente está querendo dizer que você odeia o socialismo e o governo chinês. Esse tipo de atitude só aumenta o poder dessa turma! E o comércio fortalece os empreendedores locais que em muitos casos são absolutamente contrários as políticas economicas socialistas como por exemplo o caso do Jack Ma que falava abertamente contrário ao governo chines!