O papel-moeda e a escultura invisível

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Nada virá do nada.

Shakespeare, Rei Lear

Se, como costumamos dizer, o objetivo da arte é chocar a burguesia, então a cena da arte contemporânea tornou-se positivamente elétrica nos últimos tempos. No ultraje estético mais recente, um artista da Sardenha chamado Salvatore Garau conseguiu vender uma escultura invisível, conhecida simplesmente como “Eu sou”, a um comprador anônimo, conforme noticiado pelo Daily Mail em 3 de junho de 2021.

Você pode pensar que este tímido patrono das artes foi enganado em troca de suas £ 13.000, mas sua compra incluiu “um certificado de autenticidade para provar que a arte é real”. Graças a Deus por pequenas bênçãos.

Garau parece ter agido como um bandido, mas eu me pergunto: no final, quem enganou quem? O misterioso comprador parece que ficou apenas com um pedaço de papel, um mero certificado que diz que a escultura existe. Mas o que Garau tem? Digamos que a transação já esteja concluída e Garau receba o pagamento em cheque de dólares americanos. Então, ele também fica segurando nada além de um pedaço de papel, e também um pedaço de papel com uma tênue conexão com a realidade. Ele pode descontar o cheque, mas isso ainda o deixará com meros pedaços de papel. E essa moeda americana é apenas outra forma de certificado (meus leitores mais velhos podem se lembrar dos bons e velhos tempos da nota de um dólar de “certificado de prata”). O papel-moeda dos EUA proclama com orgulho: “Esta nota tem curso legal para todas as dívidas, públicas e privadas.” Mas se isso não estivesse de alguma forma em dúvida, não seria necessário dizer, ou autoridade legal para aplicar tal lei. Portanto, em si mesma, a nota de um dólar é mais um pedaço de papel e, algum dia próximo, poderá não valer nem o papel em que foi impressa. No final, Garau e seu cliente parecem estar no mesmo barco; eles simplesmente trocaram um pedaço de papel por outro. E a fonte subjacente do valor da transação permanece invisível.

Teríamos que voltar aos bons velhos tempos para encontrar uma forma mais sólida de transação artística. Quando Botticelli, Leonardo e Rafael receberam o pagamento por suas pinturas, provavelmente foi na forma de florim (uma moeda florentina contendo cerca de 3 ½ gramas de ouro). Nenhum “certificado de autenticidade” foi necessário aqui; apenas a sólida reputação da casa da moeda florentina. Depois de morder a moeda para verificar se era genuína, você pode ter certeza de que realmente conseguiu algo pela sua pintura – algo em que você pode cravar os dentes. Mas, uma vez que as moedas de papel perderam sua conversibilidade em metais preciosos, um novo nível de incerteza entrou nas transações artísticas, na verdade, em todas as transações econômicas. Não querendo ser limitados pelo padrão ouro, os governos cortaram a conexão entre suas moedas e qualquer coisa real no mundo material e entramos no universo das moedas “flutuantes”. No mundo de hoje, inundado por orçamentos governamentais em hemorragia, onde déficits de trilhões de dólares se tornaram a norma, parece apropriado que os artistas estejam vendendo obras de arte invisíveis, apoiados apenas por sua própria autoridade como artistas. Afinal, o que sustenta a moeda das nações modernas além da autoridade dos governos que as emitem? Não devemos nos surpreender que os artistas estejam criando arte do nada quando, ao nosso redor, os governos estão criando dinheiro do nada – e em quantidades estonteantes. Parece uma troca justa – papel-moeda por certificados de arte em papel.

Tanto a arte quanto o dinheiro levantam questões fascinantes de representação. Tradicionalmente e durante séculos, pensava-se que a arte representava a realidade, para “segurar o espelho diante da natureza”, como diz o Hamlet de Shakespeare. E um dólar representava (e era conversível em) uma certa quantidade de ouro. Muitos especularam sobre a relação entre essas duas formas de representação. Em meu ensaio “Hiperinflação e hiperrealidade” (ver capítulo 9 em Literature and the Economics of Liberty, pp. 433-68), reviso algumas dessas especulações e sugiro que o desacoplamento do símbolo da realidade que caracteriza o movimento contemporâneo conhecido como pós-modernismo está, de fato, relacionado à dissociação do dinheiro como forma simbólica da realidade dos metais preciosos. Graças à ampla aceitação da economia keynesiana, o século XX tornou-se a Era da Inflação, com todos os tipos de efeitos funestos no mundo das artes. À medida que os suprimentos de dinheiro se tornaram cada vez mais inflados ao redor do mundo – e, portanto, o valor do dinheiro foi atenuado – o próprio senso de realidade começou a se desgastar e se dissolver nas artes. A arte tornou-se surreal, a arte tornou-se irreal, a arte começou a apagar a distinção entre o real e o irreal. Em suma, a arte tornou-se pós-moderna. Em uma época em que as pessoas começam a questionar se o dinheiro em si ainda é autêntico, elas começam a duvidar da autenticidade de tudo, incluindo elas mesmas. É o mundo de Waiting for Godot, de Samuel Beckett, onde as figuras no palco percebem que são apenas personagens de uma peça e buscam freneticamente um certificado de sua própria autenticidade. Como Estragon diz a Vladimir: “Sempre encontramos algo, eh Didi, para nos dar a impressão de que existimos?”

Em nosso mundo pós-moderno, testemunhamos a completa financeirização de nossa economia, e os investidores estão cada vez mais obcecados com os símbolos da realidade econômica e menos preocupados com os fatos econômicos subjacentes. É por isso que observamos com espanto enquanto os mercados continuam subindo, mesmo com as notícias econômicas piorando, porque o sistema financeiro está menos preocupado com o que está realmente acontecendo economicamente e mais focado em como o Federal Reserve reagirá a isso. É assim que as más notícias agora se transformam em boas notícias; um aumento no desemprego pressagia a relutância do Fed em aumentar as taxas de juros e isso deixa os investidores felizes. Por meses a fio, o Dow-Jones Average pode parecer totalmente desvinculado do estado subjacente da economia dos EUA. Embora o aumento da oferta de moeda seja o que constitui a inflação (reduzindo o valor do dinheiro), os chamados especialistas econômicos negam veementemente que qualquer inflação esteja ocorrendo nos Estados Unidos. Eles apontam para um Índice de Preços ao Consumidor temporariamente estável, enquanto ignoram o que realmente está acontecendo – um caso clássico de inflação de ativos. Sim, os preços ao consumidor podem não estar subindo no momento – embora estejam mostrando sinais de aumento no momento – mas os preços ao consumidor não são os únicos preços na economia e provavelmente não são os mais importantes. O novo dinheiro tem que entrar na economia em algum momento, e nem sempre chega primeiro ao bolso dos consumidores. Devido à forma como o Fed opera – por meio do sistema bancário –, o novo dinheiro frequentemente entra na economia como empréstimos de capital e afeta o lado do produtor da economia antes do lado do consumidor. É por isso que vemos preços ao consumidor temporariamente estáveis, ainda que o mercado de ações e os preços dos imóveis continuem subindo e batendo novos recordes.

Há, portanto, uma conexão entre estátuas invisíveis e o estado mais amplo da economia mundial no momento. O mercado de arte está em uma fase de expansão, alimentado por todo o dinheiro criado artificialmente, supostamente para fazer frente aos problemas causados ​​pela pandemia. Os ricos, que sempre ficam mais ricos quando os governos começam a distribuir dinheiro a torto e a direito, não sabem o que fazer com todo o seu novo dinheiro. Eles gostariam de investi-lo, mas com o Fed mantendo as taxas de juros perto de zero, eles procuram desesperadamente por taxas de retorno mais altas em ativos disponíveis que terão valorização. Por causa de sua singularidade, as obras de arte oferecem a esperança de serem licitadas em leilões quando os investidores procuram avidamente lugares para estacionar seu dinheiro. Em uma época de produção sem fim de dinheiro ou substitutos de dinheiro, os investidores procuram por tudo que prometa que não será reproduzido, ou pelo menos não infinitamente. Esse é o segredo por trás do sucesso do bitcoin e outras criptomoedas, bem como a moda atual de TNFs (tokens não fungíveis).

É nessas circunstâncias que uma estátua invisível, desde que venha com um certificado de autenticidade do escultor, começa a parecer atraente como um investimento. Você tem que ficar impressionado com os mercados: eles podem monetizar até mesmo o invisível. Não sou um consultor financeiro, mas quando ouço falar de estátuas invisíveis sendo vendidas por £ 13.000 (“as escuras”, é claro), alertaria as pessoas de que podemos estar nos aproximando do pico de um boom financeiro no mercado de arte, e isso pode ser a hora de sair de Garaus e investir seu dinheiro em algo mais sólido, como um Rembrandt. Pelo menos os Rembrandts tendem a aumentar de valor quando as pessoas os veem; Não tenho tanta certeza sobre Garaus. Afinal, eu nunca vi um.

Portanto, nesta área, não sou um especialista em arte e, em especial, hesito em comentar sobre o mérito artístico de uma estátua que NÃO VI. Portanto, deixe-me limitar-me a uma observação geral. Estou vendo muita irracionalidade na política econômica ao redor do mundo atualmente e estou vendo muita irracionalidade no mercado de arte, tanto em termos do que está sendo vendido quanto dos preços inflacionados pelos quais estão sendo vendidos. Não acho que essas duas formas de irracionalidade sejam independentes. Na verdade, as políticas econômicas inflacionárias estão na base do boom do mercado de arte. E isso me faz pensar que os absurdos do mercado de arte atual são apenas sintomas de uma irracionalidade mais profunda em nossa cultura. Eu conheço uma bolha financeira quando vejo uma e todas as bolhas eventualmente estouram. Para aqueles de vocês familiarizados com a história econômica holandesa, direi apenas: estátuas invisíveis são as tulipas de hoje.

Eu estava desesperadamente querendo fazer algum tipo de piada invisível neste artigo, mas simplesmente não funciona. Não é a mão invisível de Adam Smith em ação na economia que está produzindo esses resultados preocupantes. Na verdade, é apenas o contrário. Deixado à própria sorte – sem resgate e não estimulado – nenhum mercado jamais geraria esse nível de irracionalidade. Simplesmente não teríamos todo esse dinheiro para gastar de forma imprudente. É apenas a intervenção massiva do governo na economia na forma de contas de estímulo que está distorcendo o comportamento do mercado e levando ao mau investimento. Não é a mão invisível que faz as pessoas correrem para despejar milhares de libras ou dólares em estátuas invisíveis. É apenas quando os governos enviam cheques mais ou menos aleatoriamente para pessoas que não têm uma maneira razoável de investir o dinheiro que elas começam a pensar em apostarem em estátuas invisíveis.

No final, apenas os governos poderiam arruinar o único aspecto à prova de falhas do investimento em arte. Sempre considerei infalível um investimento em arte. O preço de uma obra de arte pode aumentar ou diminuir, mas não importa o que aconteça, ela sempre ficará bem na lareira da sua sala. MAS NÃO SE FOR INVISÍVEL. Portanto, siga meu conselho: tenho duas regras para participar do mercado de arte: 1) cuidado com as bolhas inflacionárias e 2) nunca compre arte de um sardo. E se você não seguir meu conselho, tenho uma ponte invisível no Brooklyn que gostaria de vender para você. E, sim, vem com um certificado de autenticidade.

Eu mentiria para você?

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Millor Fernandes, certa vez, para tirar um sarro dos pedantes, em uma exposição de seus cartoons, na entrada, colocou uma folha em branco e pedia a opinião das pessoas…
    Várias faziam teses sobre uma folha em branco… quiseram comprar, mas nem o Millor tinha a cara de pau desse tal Garau pra vender um folha a4…