O PIB fornece uma leitura falsa do estado da economia

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A estatística do PIB (Produto Interno Bruto) retrata uma visão em que o principal fator impulsionador do crescimento econômico não é a produção de riqueza, mas sim o seu consumo. Em vez disso, é um cálculo do valor dos bens e serviços finais produzidos durante um determinado intervalo de tempo, geralmente um trimestre ou um ano. Como os gastos do consumidor são a maior parte da demanda geral, muitos comentaristas sustentam que os gastos do consumidor são o principal motor do crescimento econômico.

Tudo o que importa nessa visão é a demanda por bens e serviços, que por sua vez dará origem quase imediatamente à sua oferta. Como a oferta de bens é tida como certa, esse quadro ignora os vários estágios de produção que precedem o surgimento do bem final.

Na abordagem do PIB, os bens surgem devido ao desejo das pessoas de comprar bens. No entanto, não basta ter demanda por bens – é preciso ter os meios para acomodar as compras. Os meios são vários bens de consumo final que são necessários para sustentar os indivíduos nas várias etapas da produção.

A principal fonte de meios de subsistência são as poupanças dos indivíduos. Por exemplo, João, o padeiro, produz dez pães e consome dois pães. Os oito pães não consumidos constituem economias. João, o padeiro, poderia trocar os oito pães economizados pelos serviços de um técnico para melhorar seu forno – ou seja, melhorar sua infraestrutura. Com a ajuda de uma infraestrutura melhorada, John poderia aumentar a produção de pão – aumentando o crescimento econômico. Observe que os oito pães guardados sustentam a vida e o bem-estar do técnico enquanto ele aprimora o forno.

A poupança determina o crescimento futuro. Se um fortalecimento do crescimento econômico requer uma infraestrutura específica enquanto não há economia suficiente para fazer tal infraestrutura, então o crescimento econômico não irá surgir. A abordagem do PIB não pode nos dizer se os bens e serviços finais produzidos durante um determinado período são um reflexo da expansão da riqueza ou do consumo de capital.

O PIB e a economia real: qual é a relação?

Existem dificuldades para calcular o PIB real. Para calcular um total, várias coisas devem ser somadas e devem ter alguma unidade em comum. No entanto, não é possível adicionar geladeiras a carros e camisas para obter o total de bens finais. Para superar essa dificuldade, os economistas empregam o gasto monetário total em bens, que dividem por um preço médio desses bens. No entanto, não é possível calcular o preço médio.

Suponha que duas transações foram realizadas. Na primeira transação, um aparelho de TV é trocado por $1.000. Na segunda transação, uma camisa é trocada por $40. O preço ou a taxa de câmbio na primeira transação é $1000/TV. O preço na segunda transação é de $40/camisa. Para calcular o preço médio, devemos somar esses dois índices e dividi-los por 2. No entanto, $1.000/TV não podem ser somados a $40/camisa, implicando que não é possível estabelecer um preço médio.

O emprego de vários métodos sofisticados para calcular o nível médio de preços não pode ignorar a questão essencial de que não é possível estabelecer um preço médio de vários bens e serviços. Assim, vários índices de preços que os estatísticos do governo calculam são simplesmente números arbitrários. Se os deflatores de preços não têm sentido, então a estatística do PIB real também não.

Como não é possível estabelecer quantitativamente o status do total de bens e serviços reais, não se pode levar a sério os vários dados como o PIB real que os estatísticos do governo geram. O conceito de PIB dá a impressão de que existe o produto nacional. Em uma economia de mercado, no entanto, a riqueza é produzida por indivíduos e pertence a eles independentemente. Segundo Ludwig von Mises, a ideia de que se pode estabelecer o valor da produção nacional ou o que se chama de PIB é absurda:

        Se uma unidade empresarial inteira é estimada em $1.000.000, é porque se supõe que ela possa ser vendida por este montante. mas qual o significado das diversas rubricas de um balanço da riqueza total de uma nação? Qual o significado do saldo final resultante? O que deve ser incluído e o que deve ser excluído de tal balanço? Seria correto incluir, ou excluir, o ‘‘valor’’ do clima do país ou as habilidades inatas ou adquiridas da população? As pessoas podem converter suas propriedades em moedas, mas uma nação não pode.

Então, o que devemos considerar sobre os pronunciamentos periódicos de que a economia, conforme representada pelo PIB real, cresceu em uma porcentagem específica? Tudo o que podemos dizer é que essa porcentagem não tem nada a ver com o crescimento econômico real e que provavelmente reflete o ritmo da injeçãomonetária. Como o PIB é expresso em unidade monetária, é óbvio que suas flutuações serão impulsionadas pelas flutuações na quantidade de moeda injetada na economia. A partir disso, também podemos inferir que uma forte taxa de crescimento real do PIB provavelmente representa um enfraquecimento no processo de formação de riqueza.

Uma vez que se percebe que o chamado crescimento econômico real, conforme representado pelo PIB real, reflete as flutuações na taxa de crescimento da oferta monetária, fica claro que um boom econômico não tem nada a ver com a expansão econômica real. Pelo contrário, um boom leva a uma contração econômica real, uma vez que mina o pool de riqueza, que é o coração do crescimento econômico real.

Como a abordagem do PIB pressupõe que o banco central pode causar crescimento econômico real, a maioria dos comentaristas segue essa narrativa servilmente. Grande parte da chamada pesquisa econômica produz “apoio científico” para o ponto de vista de que a injeção monetária pode permitir que a economia cresça. O que esses estudos ignoram é que nenhuma outra conclusão pode ser alcançada quando se percebe que o PIB é um parente próximo do estoque de moeda.

Por que precisamos de informações sobre crescimento econômico?

É tentador perguntar por que é necessário conhecer o crescimento da chamada “economia”. Para que serve esse tipo de informação? Em uma economia livre, esse tipo de informação seria de pouca utilidade para os empresários. O único indicador em que qualquer empresário confiaria é lucro e prejuízo. Como pode a informação de que a “economia” cresceu 4% em um determinado período ajudar um empresário a gerar lucro?

O que um empresário requer não é uma informação geral, mas sim específica sobre a demanda por um produto ou serviço específicos. O próprio empresário tem que estabelecer sua própria rede de informações sobre um determinado empreendimento.

As coisas são diferentes, no entanto, quando o governo e o banco central mexem com as empresas. Nessas condições, nenhum empresário pode ignorar a estatística do PIB, pois o governo e o banco central reagem a essa estatística por meio de políticas fiscais e monetárias.

Por meio da estrutura do PIB, os funcionários do governo e do banco central geram a impressão de que podem controlar a economia. De acordo com esse mito, espera-se que a “economia” siga um caminho de crescimento delineado por autoridades oniscientes. Assim, sempre que a taxa de crescimento cair abaixo da trajetória de crescimento delineada, espera-se que as autoridades deem à “economia” um impulso adequado. Por outro lado, sempre que a “economia” está crescendo muito rápido, espera-se que os funcionários interfiram para refrear a taxa de crescimento da “economia”.

Se o efeito dessas políticas se limitasse apenas à estatística do PIB, toda a atividade seria inofensiva. No entanto, essas políticas adulteram as ações dos produtores de riqueza e, assim, prejudicam o bem-estar das pessoas. Da mesma forma, por meio da injeção monetária e da manipulação das taxas de juros, o banco central não ajuda a gerar mais prosperidade, mas sim desencadeia um “PIB mais forte” e a consequente ameaça do ciclo de expansão e recessão que resulta em empobrecimento econômico.

Conclusão

A estatística do PIB fornece um quadro de referência ilusório para avaliar o desempenho do governo. Os movimentos do PIB, no entanto, não podem nos fornecer nenhuma informação significativa sobre o que está acontecendo na economia real. Se pode alguma coisa, é na verdade nos fornecer uma falsa impressão. Uma forte taxa de crescimento do PIB na maioria dos casos provavelmente está associada ao intenso desperdício do conjunto de riqueza. Assim, apesar dos dados apontarem um “bom PIB”, muito mais indivíduos podem estar passando por dificuldades econômicas.

 

 

Artigo original aqui  

1 COMENTÁRIO

  1. Muito bom esse artigo.
    “Uma forte taxa de crescimento do PIB na maioria dos casos provavelmente está associada ao intenso desperdício do conjunto de riqueza”
    Em uma oportunidade eu ouvi uma economista falar para um político que se vangloriava do crescimento do PIB: “construir uma ponte ligando lugar algum a lugar nenhum afeta o PIB tanto quanto produzir bens de capital…”