O problema com a autoridade

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

“Há uma batalha constante entre as pessoas que se recusam a aceitar a dominação e a injustiça e aquelas que estão tentando forçar as pessoas a aceitá-las.” –  Noam Chomsky

“É a primeira responsabilidade de todo cidadão questionar a autoridade.” – Benjamin Franklin

“Se eu ordenar que façam coisas que não querem, não serei mais o chefe.– A Floresta Esmeralda

“O povo alemão não tem ideia do quanto precisa ser enganado para ser liderado.” –Adolph Hitler, Mein Kampf Epigraph, 1926

O professor Noam Chomsky sugere que enquanto o anarquista esquerdista francês Mikhail Bakunin, Bertrand Russell e outros acreditam que temos um “instinto de liberdade”, o professor Chomsky afirma que isso não foi comprovado.

Drapetomania” deveria economizar muito tempo para convencê-lo de que nós, humanos, realmente temos um “instinto de liberdade” – talvez vários.

Drapetomania era uma suposta doença mental que, em 1851, o médico americano Samuel A. Cartwright hipotetizou como a causa de escravos africanos fugindo do cativeiro. A opinião oficial era que a vida escrava era tão agradável que apenas os doentes mentais iriam querer fugir.

Então, por que os escravos iriam querer fugir? Por que eles teriam drapetomania? Se você fosse escravizado, você fugiria? Sério, você faria isso?

Se sua resposta for “Sim”, você provavelmente tem uma compreensão instintiva de um de nossos “instintos de liberdade”.”

Mas por que a Mãe Natureza – ou como alguns gostam de chamá- la, A Teoria da Evolução Biológica pela Seleção Natural – se daria ao trabalho de desenvolver instintos de liberdade em nós?

A drapetomania faz parte de um conjunto de instintos e/ou impulsos extremamente importantes para a sobrevivência humana. Eles são a chave para a liberdade humana – e uso do conhecimento – e tão poderosos que o establishment hierárquico dos EUA gasta pelo menos 13 anos em cada um de nós – usando o “currículo oculto – tentando suprimi-los.

Em um artigo anterior, desenvolvemos a noção de que muitos de nossos complementos herdados de comportamentos e impulsos genéticos reflexivos e instintivos evoluíram porque dependemos de nossa base de dados que é distribuída entre aqueles que nos rodeiam.

Por causa da experiência de vida diferente, a informação e o conhecimento – conhecimento sendo “informação organizada para facilitar a previsão” – varia de pessoa para pessoa. Essa diferença de informação e conhecimento torna as diferenças de opinião inevitáveis.

Aqui está um exemplo prático:

Encontraremos mais caça a oeste, na floresta.”

Não, encontraremos mais caça e mais fácil a leste nos prados.”

Tendo em mente que nosso banco de dados e sistema operacional estão espalhados por aqueles que nos rodeiam e que experiências diferentes muitas vezes levam a diferentes pontos de vista – e, portanto, diferentes previsões são normais, esperadas e inevitáveis ​​– surge o problema, qual previsão vamos seguir?

Em tribos e pequenos grupos, a resposta foi direta e simples: “Seguiremos a previsão com a qual concordamos.” Isso significa que muitas vezes nos separaremos – alguns de nós irão para o oeste para a floresta, alguns para o leste para os prados.

Assim, para nossos ancestrais de pequenos grupos, as diferenças de opinião raramente causariam um problema sério. Essas pessoas, criadas estritamente como indivíduos em vez de membros do grupo, praticariam o que eu gosto de chamar de “democracia natural”.” Aqueles que achavam que a caça provavelmente seria encontrada na floresta “votariam” reunindo-se e indo para o oeste, aqueles que achavam que seria nos prados “votariam” reunindo-se e indo para o leste. E alguns poderiam permanecer onde estavam.

A vantagem é bastante óbvia. Primeiro, raramente há uma resposta certa e às vezes você está errado, então você não quer colocar todos os ovos na mesma cesta se puder evitar. Segundo, a probabilidade de encontrar caça é pelo menos dobrada se você procurar em mais de um lugar.

Fica claro então que as diferenças devem ser respeitadas – aquele nerd pode ter uma aparência engraçada, mas ele também sabe das coisas.

Por que alguém em sã consciência interferiria nesse sistema que usa eficientemente nossas informações e conhecimentos distribuídos?

Assim, em pequenos grupos ancestrais, diferenças de opinião sendo normais, esperadas e respeitadas, seriam tratadas como a Mãe Natureza pretendia, pela “democracia natural” como uma coisa natural – e com pouco atrito.

Nossos ancestrais de pequenos grupos foram projetados para lidar com essas diferenças regulares de opinião – e, portanto, compartilhando sua genética, nós também.

Por outro lado, nossos ancestrais se recusavam a receber ordens ou dizer o que fazer. Esse é outro complemento de “instintos de liberdade”.

Aqui está o meu exemplo favorito de quão avessos nossa genética – e a deles – nos torna em relação a ordens:

“Briggs (1970:55-58) nos conta em detalhes como os serviços religiosos eram conduzidos em iglus e como Inuttiag (no papel de coordenador religioso) tentou em certos pontos fazer com que sua pequena congregação ficasse de pé. A comunidade inicialmente se conformou, mas depois mais e mais pessoas começaram a desrespeitar suas ordens até que a maioria o ignorava. Nesse ponto, ele simplesmente parou de tentar comandá-los.” ​​(Boehm 1999:54)

É realmente importante ficar de pé na hora de um culto na igreja? Foi para os nossos antepassados. (Veja aqui outros exemplos dessa aversão universal a ser dito o que fazer)

No entanto, por causa do nosso fetiche moderno por votação em grandes grupos do tipo o vencedor leva tudo, onde todos são forçados a concordar, em vez de democracia natural, temos o que as pessoas chamam apropriadamente de Democracia Coercitiva.

Nas culturas modernas dos séculos XX e XXI, então, cercadas pela democracia coercitiva, as opiniões divergentes muitas vezes não são respeitadas e, como um grande número de pessoas é forçado a concordar com coisas com as quais não concorda, há muito atrito.

OK, mas o que isso tudo tem a ver com drapetomania?

Como sugerido acima, há mais do que apenas um “instinto de liberdade”. Além de fugir do cativeiro, há o instinto intimamente relacionado, normalmente diagnosticado pela profissão psiquiátrica como Transtorno Desafiador de Oposição ou TDO.

Os “Encolhidos” reconhecem corretamente o que equivale a uma resistência em receber ordens de figuras de Autoridade e um desrespeito à Autoridade em geral. Aparentemente desconhecendo a base genética, isso é considerado um diagnóstico negativo.

O que TDO tem a ver com liberdade?

Lembre-se daquelas pessoas hierárquicas – o maior e mais malvado valentão do quarteirão, por exemplo. Temos cerca de 1% desses hierarquistas sociopatas malvados entre nós que têm uma tendência genética de dominar e controlar todos e nos dizer o que fazer, tentando nos forçar a fazer coisas que não queremos, colocando assim todos os nossos ovos na mesma cesta e fazendo as coisas à sua maneira.

Permita que eles assumam o controle e todos vamos caçar na floresta. Espero que tenha sido a aposta correta.

Portanto, a TDO não é uma doença mental, é genética e necessária para o uso eficiente de nossa informação e conhecimento distribuídos – e, portanto, para o comportamento racional. Como bônus, é um dos nossos instintos automáticos de liberdade.

Mas e quando faz sentido “seguir o líder”?

Há uma grande diferença entre Autoridade de Posição e autoridade de melhor conhecimento e informação. Seguiremos temporariamente um líder que tenha melhor conhecimento e informação, desde que nos seja conveniente. Hoje em dia esperamos que os dois coincidam, mas muitas vezes eles não coincidem. E por causa de nossa exposição a 13 anos de “currículo oculto” da escola do governo – e as vantagens de possíveis líderes fingindo serem o que não são – muitas vezes não podemos distingui-los.

E talvez exibindo a própria TDO, seja por isso que Ben Franklin sugeriu “É a primeira responsabilidade de todo cidadão questionar a autoridade”, por que Hitler teve que “enganar” o povo alemão para liderá-los – e por que o líder tribal sabia: “Se ordeno que façam coisas que não querem, não serei mais chefe.”

Se você ainda não está convencido de que temos tais instintos de liberdade, você pode encontrar uma apresentação robusta da sólida evidência etnográfica aqui.

Como seriam nossas sociedades se acabássemos com a Democracia Coercitiva e engajássemos plenamente nossos instintos de liberdade ? Embora não seja perfeito, há ESTE análogo provocativo:

Assim, uma pequena porcentagem de humanos são retrocessos genéticos de nossos parentes hierárquicos (babuínos, gorilas, chimpanzés etc.) – e seus genes muitas vezes fazem com que alguns deles mintam, trapaceiem, roubem, intimidem e às vezes matem seu para chegarem a posições de poder hierárquicas. Isso se aplica particularmente no caso de “governos”. Alguns de nós estão cientes de que isso é característico das sociedades modernas, mas chegamos a pensar que isso é normal. Não é.

 

 

 

Artigo original aqui