O silêncio da mídia aos e-mails de Fauci prova que tudo é fake news

0

A gestão narrativa supera a realidade e os que estão no poder querem que seja assim

Observando a cobertura da mídia – ou a falta dela – dos e-mails do Dr. Anthony Fauci e o que eles significam para a origem do coronavírus, fica-se impressionado com o quão implacavelmente tudo é fake, de especialistas em saúde pública à ciência.

Uma das coisas que os e-mails sugerem é que Fauci conspirou com Peter Daszak – chefe da EcoHealth Alliance, que canalizou fundos de pesquisa dos EUA para o Instituto de Virologia de Wuhan – para suprimir e rejeitar qualquer noção de que o vírus que causa Covid-19 pode não ter evoluído naturalmente.

O fato é que Daszak realmente deu entrevistas sobre seu trabalho na China ao longo do ano passado, e ninguém na mídia pensou em ligar os pontos. Simplificando, Donald Trump disse que o vírus veio da China e pode ter vindo de um laboratório, portanto, isso tinha que ser errado e racista, fim da história, caso encerrado.

Esse é apenas um exemplo mais recente e agudo da narrativa superando a realidade a todo custo. Milhões de mortes, destruição generalizada da economia, mudanças tectônicas na própria sociedade? Pequeno preço a pagar pelo “progresso” e pela garantia do resultado “correto” das eleições de 2020, diriam os fortificadores de Nossa Democracia, sem ninguém pestanejar. “Reconstrua melhor!” repete a imprensa em vez disso.

Trump discordar da CNN é uma ameaça mortal para a democracia e a liberdade de expressão, mas Biden dizer a uma repórter que prefere atropelá-la com um caminhão elétrico a responder a uma pergunta sobre a guerra que está acontecendo atualmente em Israel é uma piada engraçada, haha, que hilário. Que sabor de sorvete você pediu, senhor?

Isso pode parecer partidarismo à primeira vista, mas vamos lembrar que esta é a mesma mídia que outrora promoveu orgulhosamente a narrativa sobre as “armas de destruição em massa de Saddam”. Portanto, a velha dicotomia entre Democrata e Republicano não funciona aqui e perde o panorama geral.

Uma sociedade verdadeiramente livre não teria narrativas oficiais, escreveu a colunista australiana Caitlin Johnstone no início desta semana. O fato é que as sociedades modernas não são livres e as narrativas oficiais são tudo o que elas realmente têm. Onde estaria a legitimidade de Joe Biden sem a narrativa de “insurreição” de 6 de janeiro no Capitólio?

Os fundadores americanos codificaram a Primeira Emenda porque consideravam uma imprensa livre necessária para uma república livre. No entanto, o complexo da mídia corporativa e seus equivalentes da Big Tech tornaram-se um cãozinho de estimação dos poderosos, não um cão de guarda contra o poder. Até mesmo as agências, antes consideradas neutras e objetivas, participam disso. A AP literalmente reescreveu seu livro de estilo para limitar o uso de “motim” no verão passado. O elogio de Biden “verificado” pela Reuters para Robert Byrd como falso porque o senador democrata não era um “grande mago” da KKK, mas apenas um “ciclope exaltado”.

O que essa substituição orwelliana de fatos por narrativas faz é condicionar o público a ecoar a infame defesa de Benghazi de Hillary Clinton: “Que diferença, neste ponto, isso faz?”

“Fatos” não significam nada para essa multidão. “Ciência” não é um processo rigoroso de descoberta da verdade, mas um totem de palavras invocado para conceder autoridade e banir a dissidência. “Verdade” é tudo o que eles declaram ser no momento, e quando deixa de ser conveniente, eles descaradamente voltam e reescrevem suas próprias palavras, fingindo o tempo todo que isso é o que sempre acreditaram. Sim, é literalmente um comportamento orwelliano, mas eles não parecem se importar.

Afinal, o que você vai fazer, mudar de canal? Na verdade, isso está acontecendo. Mês após mês, relatórios de classificação mostram CNN e MSNBC tendo sua audiência superada pela Fox News – e Tucker Carlson em particular. A resposta é triplicar os pontos de discussão sobre esquerdismo e democratas, ao mesmo tempo em que trava uma verdadeira jihad contra a Fox por “desinformação”.

Pensar que a mídia vai cair em si quando a realidade da audiência os atingir na cara, portanto, é tolice. Eles simplesmente não dão a mínima. Será que eles não se importam tanto com o dinheiro quanto com o poder? E não apenas a proximidade do poder político, mas o poder de moldar e controlar a própria realidade, de refazer a sociedade de acordo com suas ideias utópicas. Mesmo assumindo que essas ideias são boas – e isso é discutível na melhor das hipóteses – ter esse tipo de poder corrompe absolutamente, para usar a expressão de Lord Acton.

A mídia foi concebida para ser um meio através do qual o público percebe coletivamente a realidade – não para serem os criadores da própria realidade! No entanto, eles agem como se o último fosse verdadeiro e intencional. Isso é perigoso. Eles acreditam que estão no controle da realidade, a um ponto em que é impossível argumentar com eles. Enfrente-os com fatos reais, princípios ou leis da física e eles o censurarão – ou gargalharão e seguirão em frente.

O comportamento de Biden começa a fazer sentido quando você entende que ele existe em um mundo de fantasia, inteiramente criado pela imprensa e sua equipe. Assim como milhares de ativistas, ‘ONGs’ e consumidores cultistas de doações do governo dos Estados Unidos em todo o mundo. Como se pode chegar nessas pessoas, que internalizaram a “lógica” de Sujeito/ Objeto? Essa pode ser a questão mais importante que não apenas os EUA, mas o mundo, vai enfrentar muito em breve.

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.