O teste Hitler

5
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Já faz alguns anos, no primeiro dia de aula, tenho dado aos meus alunos uma cédula eleitoral dizendo que “chegou a hora de elegermos o líder de uma grande nação”, e ofereço a eles dois candidatos, o A e o B.

O candidato A é descrito como “um conhecido crítico do governo, este homem está envolvido em movimentos contra impostos, e defendeu abertamente a secessão, rebelião armada contra o atual governo federal e até mesmo a derrubada deste governo. Ele é um membro conhecido de uma milícia que está envolvida em trocas de tiro com autoridades policiais. Ele é contra as tentativas de desarmamento civil do atual governo federal, e contra as restrições a imigração para este país. Ele é um empresário que ganhou sua fortuna comercializando bebidas alcoólicas, cigarro e contrabando.”

O candidato B é descrito assim: “Um condecorado veterano de guerra, este homem é um antitabagista declarado e dedicado defensor da saúde pública. Seus interesses na saúde pública incluem o incentivo a pesquisa científica na medicina e sua dedicação a eliminação do câncer. Ele se opõe ao uso de animais na condução destas pesquisas. Ele tem apoiado restrições no uso de amianto, pesticidas e radiação, e apoia padrões trabalhistas de segurança e saúde determinados pelo governo, bem como a promoção de alimentos como pão integral e soja. Ele é um defensor de medidas de controle de armas pelo governo. Um ardente opositor do fumo, ele tem apoiado o aumento de restrições tanto do uso quanto das propagandas de cigarros. Estas restrições a propaganda incluem: [1] não permitir que o uso de cigarro seja retratado como inofensivo ou um sinal de masculinidade; [2] não permitir que estas propagandas sejam direcionadas as mulheres; [3] não chamar a atenção aos baixos teores de nicotina nos cigarros; e, [4] limitações dos locais permitidos para estas propagandas. Este homem é um defensor do meio-ambiente e de programas de sustentabilidade, e acredita na importância de enviar o exército para outros países para manter a ordem lá.”

Peço que os alunos votem, anonimamente, em um dos dois candidatos. Eu não aplico esse exercício todos os anos, assim ele permanece uma surpresa para os estudantes. Ao longo dos anos, os resultados das votações foram geralmente de 75% dos votos para o candidato B e 25% para o A. Após completar o exercício e contar os votos, informo aos estudantes que o candidato A é uma mistura dos pais fundadores americanos (e.g., Sam Adams, John Hancock, Thomas Jefferson, George Washington etc.). O candidato B, por sua vez, é Adolf Hitler, cuja defesa dos programas citados pode ser encontrada em obras como The Nazi War on Cancer, de Robert Proctor.

Em uma de minhas classes alguns anos atrás, estávamos discutindo o caso de Schechter, onde o Supremo Tribunal americano derrubou a legislação fundamental do New Deal, o Ato de Recuperação da Indústria Nacional. Eu estava explicando aos alunos como esta legislação havia transformado o comércio e a indústria do país em um sistema de cartéis de negócios criados e implementados pelo governo. Também falei para eles o quanto os programas fascistas/socialistas eram populares em todo o mundo naquela época. Havia Stalin na União Soviética, Mussolini na Itália, Hitler na Alemanha, Franco na Espanha e Roosevelt nos Estados Unidos.

Então digo a minha classe como Winston Churchill, em 1938, elogiou Hitler, assim como luminares como Gandhi, Gertrude Stein (que o indicou para o prêmio Nobel da paz), e Henry Ford (que estava encantado em trabalhar com o líder alemão). Um dos meus alunos não aguentou. “Como você pode dizer que tanta gente apoiou uma pessoa tão má como Hitler?”, ela arguiu. “Vocês me dizem”, eu respondi, “apenas duas semanas atrás 78% de vocês nesta classe votaram nele” Uns 20 segundos de puro silêncio ecoaram pela sala de aula antes de seguirmos em frente para o próximo assunto.

Dois dias atrás decidi aplicar o teste a um novo grupo de alunos. Depois que eles votaram – de novo anonimamente – contei os votos e descobri que, mais uma vez, Hitler havia vencido, mas por uma margem mais apertada que nos anos anteriores. Nas minhas duas classes, Hitler venceu por 45 contra 41 de votos (e ele não precisou do Tribunal Superior para validar sua vitória). Em outras palavras, seu apoio caiu das médias anteriores de 75% para aproximadamente 52,3%.

Um dos meus alunos escreveu na sua cédula “vou votar em branco, votaria em um candidato socialista se tivesse um”. Na aula seguinte eu li esta mensagem para a classe e falei para eles que havia sim um “candidato socialista”: o candidato B, na pessoa de Adolf Hitler. A palavra “nazi” era derivada do nome formal do partido de Hitler: o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. O fato de muitas das políticas de Hitler terem se tornado a essência do “politicamente correto” moderno, bem como das plataformas “do partidos mainstream”, é um triste reflexo do quanto se deteriorou a cultura do país nas últimas décadas.

Ainda assim, pode haver razões para um otimismo com este último resultado destes alunos, que nunca tinham tido aula comigo antes. Quando quase metade desses jovens preferem ficar ao lado do tipo de gente com pensamento alinhado a Declaração da Independência, pode ser um bom sinal de que o apoio a políticos tradicionais do nosso atual estado fascista esteja esmorecendo.

Tendo experimentado a cultura hitlerista de nosso governo atual, talvez uma boa parte das pessoas esteja redescobrindo o significado de sua própria história. Enquanto os cães da mídia continuam recitando seus scripts predeterminados, pode ser que o “espírito de 1776”, com seu amor pela liberdade e desconfiança no governo, ainda esteja suficientemente enraizado no tecido de nossa sociedade.

 

Artigo original aqui.

Tradução de Fernando Chiocca

5 COMENTÁRIOS

  1. Sim, lembro dessa prova. O Programa Nacionalsocialista está traduzido no Expatriotas.Blogspot pois quando procurei, só achei traduções falsas e de viés nazista. Aliado a essas falsidades, reparo que todo comunista que se declarou libertário para nos infiltrar desde 1972 chama o Rothbard de “anarquista,” nunca menciona Ayn Rand e evita ser membro de verdadeiro partido libertário. Mais importante do que esta prova é o experimento “Opinions and Social Pressure” feito por Solomon Asch em 1955. Ali vc vê que não ceder à pressão enfraquece o poder coercitivo da pressão. Logo o voto dado ao partido libertário nos EUA, Canadá, on onde seja permitido existir, enfraquece o totalitarismo e ajuda a revogar as leis cruéis dos coletivistas.