O capitalismo político

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Randall Holcombe é mais conhecido como economista por seu trabalho em escolha pública, mas neste novo livro impressionante, ele acrescenta uma dimensão histórica à escolha pública combinando-a com a “teoria da elite”. Ao fazer isso, ele chega a uma tese controversa: Um novo sistema econômico, o “capitalismo político”, veio substituir o capitalismo de mercado. Ao defender sua tese, Holcombe mostra um conhecimento notável da literatura em economia, ciência política e sociologia.

Por “capitalismo político”, Holcombe quer dizer o mesmo que é frequentemente chamado de “capitalismo de compadrio”, e como ele observa, o conceito é bem estabelecido. Há amplo consenso entre pessoas com diferentes visões políticas de que a economia americana é dominada por uma aliança de interesses comerciais e políticos de elite. David Stockman e Joseph Stiglitz geralmente estão em desacordo, mas não aqui. Stiglitz argumenta: “Temos um sistema político que dá poder desordenado aos que estão no topo, e eles usaram esse poder não apenas para limitar a extensão da redistribuição, mas também para moldar as regras do jogo a seu favor”. Ecoando essas opiniões, diz Stockman: o Estado tem uma falha inerente que supera as imperfeições pretendidas para afligir o livre mercado, ou seja, que as políticas empreendidas em nome do bem público inexoravelmente são capturadas por interesses especiais e capitalistas de compadrio que se apropriam de recursos dos bens comuns da sociedade para seus próprios fins privados. ‘”(p.5) (Além das muitas obras que Holcombe cita, o notável livro de Hunter Lewis, Crony Capitalism in America, merece menção a esse respeito.)”

Holcombe afirma que o capitalismo político é um novo sistema, distinto do capitalismo de mercado e do socialismo. O termo, diz ele, vem de Max Weber, que o usou para “descrever os sistemas políticos e econômicos da Roma antiga” (p.8) Holcombe aplica o conceito aos EUA contemporâneo. “A análise que se segue conclui que o capitalismo político, no qual a elite política e econômica controla o sistema em benefício próprio, não é o capitalismo de mercado e deve ser analisado como um sistema econômico separado.” (P. Ix) É essa tese que eu gostaria de examinar.

Ele defende a ampliação da análise de escolha pública do governo por James Buchanan e Gordon Tullock. Esses economistas contestaram, embora não rejeitassem por completo, a alegação neoclássica padrão de que o livre mercado não pode fornecer adequadamente bens públicos e, portanto, precisava ser suplementado pela intervenção estatal. Na visão padrão, os agentes econômicos motivados pelo interesse próprio tenderão a “viajar livremente”, confiando nos outros para produzir bens públicos. A consequência é uma subprodução deles.

Buchanan e Tullock levantaram uma questão devastadora que enfraqueceu a força das conclusões políticas da visão padrão, embora o fizessem sem contestar as suposições do modelo neoclássico. Por que assumir que os formuladores de políticas do governo são menos interessados ​​em si mesmos do que os atores do mercado? “O governo não é onisciente. Os formuladores de políticas não possuem todas as informações necessárias para alocar recursos para corresponder ao máximo de bem-estar teoricamente ótimo. O governo não é benevolente. As pessoas no governo cuidam de seus próprios interesses, assim como as pessoas fazem no setor privado. Seus incentivos precisam ser levados em conta para entender como as políticas públicas funcionam no mundo real. ”(P.14)

Buchanan e Tullock rejeitaram teorias de exploração em grupo, mas Holcombe não concorda: “Buchanan e Tullock” também rejeitam qualquer teoria ou concepção da coletividade que incorpore a exploração de um governo governado por uma classe dominante. Isso inclui a visão marxista, que incorpora a política como um meio pelo qual o grupo economicamente dominante impõe sua vontade aos oprimidos.” A abordagem de escolha pública para analisar a tomada de decisão política, como Buchanan e Tullock a vêem, não deixa espaço para o comportamento de grupo e as teorias de elite que são o assunto deste capítulo [e livro].” (Pp.64-65)

Como Holcombe aceita teorias de exploração de grupo sem rejeitar a ênfase de Buchanan e Tullock nas motivações de atores individuais? A chave do mistério está no teorema de Coase. “Quando os custos de transação são baixos, as pessoas podem negociar a alocação de recursos de uma forma que maximize o valor para os membros do grupo de baixo custo de transação – as pessoas que são capazes de negociar. Quando os custos de transação são altos, as pessoas não poderão negociar para alocar recursos para maximizar o valor para eles. As pessoas do grupo de transações baixas negociam umas com as outras para fazer políticas públicas. As pessoas no grupo de custos de alta transação, encontraram-se sujeitos às políticas projetadas por aqueles no grupo de baixo custo de transação. Aqueles no grupo de baixo custo de transação são a elite; aqueles no grupo de custos de alta transação são as massas.” (p.76)

Essa diferença nos custos de transação permite a continuidade ao longo do tempo que a teoria da elite exige. Enquanto a diferença persistir, o domínio duradouro de um grupo ou classe de elite é possível. Por exemplo, os representantes no Congresso, independentemente da parte, são frequentemente aliados contra os desafiantes. Devido à dificuldade de derrubá-los, eles podem manter o poder por um período substancial de tempo. “Aqueles que têm poder político conspiram para mantê-lo e têm mais em comum uns com os outros do que com outros do mesmo partido que não têm esse poder. A dimensão mais significativa da competição política é entre aqueles que com poder versus seus adversários para esse poder, não a competição de uma parte contra a outra. Isso é verdade no capitalismo político, mas também no governo em geral.” (p.191)

Holcombe dedica uma grande atenção aos mecanismos de busca de renda e captura regulatória, pelos quais as elites do governo unem forças para explorar as massas. Às vezes é difícil dizer se os interesses do governo ou dos negócios dominam a coalizão. Em uma manobra, a legislatura ameaçará aprovar leis que afetariam negativamente certos interesses, induzindo as partes interessadas a oferecer “doações” para induzir a legislatura a voltar sua atenção para outro lugar. “Aqueles no governo têm um incentivo para extrair pagamento em troca de ação legislativa, ou inação, e aqueles que estão pagando têm um incentivo para continuar pagando para evitar ter custos impostos sobre eles.” (P.129)

O argumento de Holcombe em seus próprios termos é poderoso, mas sofre de uma limitação que a abordagem mais abrangente de Murray Rothbard evita. A escola de escolha pública diz, com efeito, que “Os políticos não são funcionários públicos imparciais, visando o bem de todos. Eles também são atores de interesse próprio.” A motivação dominante de todos é ganhar riqueza, e as considerações ideológicas desempenham um papel menor. Por que, por exemplo, os incumbentes querem permanecer no poder? A principal razão pela qual Holcombe vê a questão é extrair rendas econômicas.

Rothbard admite mais opções para aqueles movidos por ideias, embora também enfatize o interesse próprio das pessoas. As pessoas fizeram a Revolução Americana, por exemplo, em parte porque acreditavam genuinamente nos ideais declarados na Declaração da Independência. Lenin acreditava genuinamente no comunismo: ele não começou a Revolução de Outubro para se tornar um milionário. É claro que ambas as revoluções também beneficiaram algumas às custas de outras.

Para esta alegação, há uma bem conhecida resposta de escolha pública, melhor expressa em The Social Dilemma, de Gordon Tullock. A ação revolucionária é um bem público e os revolucionários ideológicos preferirão se libertar das ações de outros revolucionários, evitando assim custos para si mesmos. Mesmo que essa análise esteja correta, ela prova menos do que Tullock e outros expoentes da escolha pública acham. Tullock aplicou a análise neoclássica padrão de bens públicos a revoluções, mas, como mencionado anteriormente, o modelo padrão conclui que um bem público não será fornecido de forma eficiente. Não há evidências de que o bem não será fornecido. Se Tullock estiver certo, talvez tenhamos menos do que a quantidade eficiente de revoluções ideológicas. Mas o registro histórico mostra que temos algumas delas.

Dados os efeitos malignos do capitalismo político, Holcombe naturalmente se pergunta o que pode ser feito para contê-lo. Ele diz que seu livro está preocupado principalmente com uma análise do sistema ao invés de ação corretiva, mas ele sugere que limitar o poder do estado através de controles e balanços constitucionais é desejável. Tais limites prometem impedir um governo voraz. O movimento progressista do final do século XIX e início do século XX favoreceu a ação governamental para limitar a predação corporativa, mas isso não funcionou: “A ideologia progressista legitima o uso da força para o benefício econômico de alguns à custa dos outros”. (p. 230) As sugestões de Holcombe são todas para o bem, e ele escreveu com mais detalhes, com perspicácia e erudição sobre este tópico em Da From Liberty to Democracy.

Há outro limite para o capitalismo político, e explicar isso exige que desafiamos a tese central de Holcombe de que o capitalismo político é um novo sistema econômico. Do ponto de vista misesiano, não há sistemas econômicos intermediários entre o capitalismo e o socialismo. Como observa Mises: “Com relação aos mesmos fatores de produção, só pode existir controle privado ou controle público. “(Human Action, Scholar’s Edition, p.712) Medidas do tipo analisado no livro de Holcombe dificultam o mercado livre, mas não fornecem uma maneira alternativa de alocar recursos eficientemente. Se o capitalismo político fosse um “terceiro sistema”, seria enfrentado com o problema de cálculo. Como o cálculo econômico requer um mercado livre, o capitalismo político é inerentemente parasitário no mercado livre e isso é uma barreira ao dano que ele pode causar. Dados os seus maus resultados, isso é um pequeno consolo.

 

Artigo original aqui. 

Tradução de Paulo Roberto Cavalcante Junior