Objetivismo, Hitler e Kant

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

[Lee esto en Español]

[Esta resenha do livro The Ominous Parallels: The End of Freedom in America, de Leonard Peikoff, foi publicada pela primeira vez na edição de setembro de 1982 da revista Inquiry sob o título “The Butcher of Königsberg?”]

A entrada de Leonard Peikoff na disputa para se descobrir “por que Hitler ocorreu?” nos chega com o imprimatur da falecida Ayn Rand, que em sua introdução elogia o livro como “brilhantemente raciocinado”. Seus seguidores consideravam a Senhorita Rand como uma grande filósofa, mas não acho que nem mesmo seus devotos mais fervorosos afirmariam que ela era uma autoridade na história das ideias. Se ela tivesse sido, é difícil ver como ela poderia ter esbanjado elogios a esse trabalho equivocado. Não me lembro de nenhum outro livro que se iguale a este em sua distorção da história da filosofia.

A tese principal de Peikoff é simples. As explicações predominantes sobre a ascensão de Hitler ao poder em 1933 não penetram na essência da questão. Alguns historiadores têm apontado o fracasso dos sucessivos governos da República de Weimar em lidar com a Grande Depressão como um fator principal que induz as massas desesperadas a sucumbir às promessas de mudança radical feitas pelos nacional-socialistas. Outros enfatizaram o fato de que setores-chave da sociedade alemã – o exército, os altos escalões do serviço público e muitos dos intelectuais – não aceitavam a república. Outros historiadores ainda afirmam explicar Hitler por uma depravação inata por parte dos alemães. (Peikoff, com razão, rejeita sumariamente esta última “explicação”, rejeitando-a como racista.) Embora reconheça que muitos desses relatos contêm alguma verdade, Peikoff encontra a raiz da questão em outro lugar. (Curiosamente, em suas ponderações dos fatores “superficiais” que explicam a ascensão de Hitler, Peikoff não acha necessário mencionar o ressentimento alemão em relação ao Tratado de Versalhes, embora tenha sido de fato o tema mais persistente na política externa alemã ao longo dos anos entre guerras. O tratado aparece apenas uma vez, no curso de seu resumo dos Vinte e Cinco Pontos do programa do partido nazista.)

Qual é, então, a chave do mistério? Segundo Peikoff, se se busca uma explicação fundamental para a ascensão de Hitler, deve-se consultar a ciência dos fundamentos, ou seja, a filosofia. Ludwig Feuerbach disse certa vez: “O homem é o que come”. Peikoff tem uma visão diferente – para ele, o homem é o que ele acredita sobre a metafísica, a teoria do conhecimento e a ética. E é porque a maioria dos alemães tinha ideias distorcidas sobre esses assuntos fundamentais que eles foram incapazes de ver as falhas óbvias na panaceia proposta por Hitler. A principal razão, por sua vez, para suas ideias equivocadas foi a influência maligna do principal filósofo da Alemanha – Immanuel Kant.

Peikoff não coloca toda a culpa do nazismo em Kant; outros filósofos, como Platão e Hegel, devem assumir sua parcela de responsabilidade. Mas, por mais implausível que possa parecer à primeira vista, não exagerei ao afirmar que Peikoff considera o sábio brando de Königsberg como um protonazista. Peikoff chega a dizer sobre a vida nos campos de concentração nazistas: “Era o universo que havia sido sugerido, elaborado, acarinhado, lutado e tornado respeitável por uma longa linhagem de defensores. Foi a teoria e o sonho criados por todos os anti-aristotélicos da história ocidental.” O leitor que chegou até aqui no livro não terá dúvidas quanto à identidade do principal anti-aristotélico.

O que há de tão ruim em Kant? De acordo com Peikoff, Kant rebaixou o mundo físico ao qual temos acesso através de nossos sentidos a um mero reino “fenomenal”. Não passava de uma aparência em comparação com o mundo “noumenal”, que só a fé, e não a lógica, poderia compreender. Na ética, Kant desprezava a felicidade individual como uma questão sem valor moral; em vez disso, as pessoas deveriam subordinar-se inteiramente a um dever que não tinha nenhuma relação com seus interesses como seres humanos.

Essas doutrinas, sustenta Peikoff, abriram caminho para Hitler. Os nazistas rejeitaram a razão – Kant ensinou que a razão não pode nos ensinar nada do mundo além da mera aparência. O movimento de Hitler exigia que os indivíduos se sacrificassem pelo bem comum – novamente, um tema saído diretamente da ética de Kant, de tão difundida que foi a influência de Kant. Peikoff argumenta que nenhum grupo importante na República de Weimar discordou das doutrinas do irracionalismo, altruísmo e coletivismo. Os artistas expressionistas decadentes da esquerda compartilhavam os mesmos pressupostos irracionalistas kantianos que seus detratores de direita. Ninguém na Alemanha de Weimar tinha os recursos intelectuais para montar uma resistência efetiva a Hitler, daí seu triunfo em 1933.

Para resistir a Hitler, o que teria sido necessário (mas não foi encontrado) era uma compreensão correta dos fundamentos filosóficos. Especificamente, um defensor lúcido da razão precisa reconhecer a existência do mundo externo (o que, alguém poderia dizer, não é uma exigência muito rigorosa) e aceitar uma ética egoísta que rejeite o dever de sacrifício individual. Alguém que aceita essas verdades implicitamente rejeitou Kant em favor do principal filósofo pré-século XX, Aristóteles. Em nossos dias, no entanto, a razão fez mais avanços: Ayn Rand apresentou a filosofia aristotélica de uma maneira mais consistente do que jamais foi feito antes, expurgando-a dos resquícios do platonismo nela emaranhados.

Embora, na ausência dos romances de Rand, ninguém antes de nosso tempo estivesse em posição de ver a verdade completa e inteira, os fundadores da República Americana chegaram perto. Em sua ênfase nos direitos individuais e em sua visão basicamente secular, os Pais Fundadores eram bons aristotélicos. Mas a história dos Estados Unidos não é nada feliz. No século XIX, a filosofia alemã foi importada para nossa cultura até então iluminista. Sua influência tornou-se tão dominante que o racionalismo e o individualismo sobre os quais os Estados Unidos foram fundados foram substituídos pelo altruísmo e pela depreciação da razão característicos da filosofia de Kant.

Se essa tendência continuar, uma versão americana do nazismo pode muito bem ocorrer. É o crescimento do irracionalismo kantiano nos Estados Unidos que Peikoff tem principalmente em mente quando em seu título fala dos “paralelos ameaçadores” entre a Alemanha pré-Hitler e os EUA.

O que quer que se pense da tese de Peikoff, ela tem pelo menos uma virtude: Peikoff, em conjunto com a maioria dos outros randianos, apresenta suas ideias de maneira clara e franca, de modo que, na frase de Bacon, “quem corre pode ler”. Penso que ele tem direito a igual frontalidade na resposta. Digamos de imediato, então, que Peikoff distorce Kant em todos os pontos. Kant não era um cético descartando o mundo sensorial como mera aparência. Pelo contrário, ele pensou em sua Crítica da Razão Pura como uma resposta ao ceticismo de David Hume. Em particular, ele tentou explicar a causalidade para justificar filosoficamente as conquistas da física de Newton. Kant era, em suma, um defensor, não um oponente, do mundo real. O próprio Peikoff é forçado a reconhecer que “Kant não repudia o termo ‘objetivo’ e afirma se opor ao subjetivismo”, embora essa admissão esteja escondida em uma nota final. Quando Peikoff se defende dizendo que o objetivismo de Kant é apenas uma variedade de subjetivismo, ele está precisamente errado. As categorias de Kant são não criações subjetivas de indivíduos ou grupos, mas (ele mantém) requisitos necessários da razão.

Mesmo que Peikoff estivesse inteiramente certo sobre a metafísica de Kant, no entanto, sua genealogia do nazismo ainda pareceria um tanto boba. Será que Peikoff realmente acredita que alguém (fora de um manicômio) duvida, em seu cotidiano, da existência do mundo externo, ou o considera fruto de fantasia subjetiva? Como David Hume (se é que alguma vez existiu um cético, certamente ele foi um) há muito tempo apontou, quando alguém sai do estudo do filósofo, não pode, na prática, comportar-se como um cético. A imagem de pessoas se apaixonando por Hitler porque, devido à influência de Kant, duvidavam da realidade do mundo sensorial é ridícula demais.

A visão de Peikoff sobre a ética de Kant é igualmente equivocada, embora pelo menos faça mais sentido pensar que os princípios morais de alguém podem ter efeito prático do que supor que a chave da política se encontra em teorias recônditas da epistemologia. Peikoff tem muito a dizer sobre a ênfase de Kant sobre o dever e os “imperativos categóricos”; mas, por incrível que pareça, ele nunca nos diz qual é o imperativo categórico. Infelizmente, é fácil compreender a razão desta ligeira omissão por parte de Peikoff. Se tivesse citado a segunda formulação do imperativo categórico, teria imediatamente revelado a mentira em sua acusação de que Kant lançou as bases para a doutrina nazista de submissão cega ao Estado onipotente. Essa formulação diz: “Aja de tal forma que você sempre trate a humanidade, seja em sua própria pessoa ou na pessoa de qualquer outro, nunca simplesmente como um meio, mas sempre ao mesmo tempo como um fim”.

Na verdade, as próprias visões políticas de Kant eram, em linhas gerais, as de um liberal clássico. Ele apoiou fortemente a propriedade privada, por exemplo, e concebeu um esquema que ele esperava que levaria à abolição da guerra. Peikoff está, pelo menos em parte, ciente desses fatos. Ele diz: “Kant não é um estatista de pleno direito… [Ele] aceita certos elementos do individualismo”, mas tem a ousadia de descartá-los como triviais em comparação com as implicações que ele perversamente deriva das visões metafísicas e epistemológicas de Kant. Peikoff sabiamente não tenta explicar por que defensores tão proeminentes da liberdade como Ludwig von Mises e F. A. Hayek se consideraram kantianos.

Há, penso eu, uma falha mais profunda na abordagem de Peikoff da história intelectual do que seus erros, por mais graves que sejam, sobre um pensador em particular. Não faz sentido, ao ler Peikoff, achar que Kant (ou qualquer outro pensador que ele condene) estivesse respondendo a sérios problemas intelectuais. Se, por exemplo, Kant diferia de Aristóteles, parece nunca ter ocorrido a Peikoff o pensamento de que ele poderia ter tido algumas razões legítimas para fazê-lo. Peikoff nos dá uma história da filosofia com os argumentos deixados de lado. Alguém infeliz o suficiente para derivar todo o seu conhecimento de Kant das páginas de Peikoff não teria nenhuma concepção de por que os sucessores de Kant o consideravam um pensador profundo em vez de o proponente de “uma teoria pervertida que ninguém poderia adotar”.

Ao recusar-se a considerar argumentos filosóficos para os pontos de vista que desaprova, Peikoff é culpado do dogmatismo e pragmatismo que ele é tão rápido em condenar nos outros. Ele diz, com efeito, olhar para as terríveis consequências da adoção de certas doutrinas: Kant leva a Hitler; portanto, o kantianismo deve ser rejeitado. O que é isso senão uma forma particularmente flagrante de pragmatismo, uma doutrina que ele considera ser a variedade americana do kantismo?

Não deve surpreender que, além de ser radicalmente falho em sua tese, o livro não seja confiável em questões de detalhes. Edgar Jung, aqui chamado de nazista, era na verdade um conselheiro conservador de Franz von Papen e foi morto pelos nazistas em 1934. Ludwig Klages, embora tenha sido membro do George Kreis, não foi um porta-voz filosófico de Stefan George, com quem brigou. Carl Schmitt nunca foi comunista. Kurt Gödel não fez a afirmação de que todos os sistemas matemáticos são inconsistentes. Herbert Spencer não ignorou o fato de que o homem vive da produção e é capaz de criar quantidades crescentes de riqueza; esse fato está na base de sua filosofia social. Henry George não era estatista. Finalmente, o que é conhecido como o Renascimento não foi, pelo menos de acordo com a maioria dos historiadores, principalmente um movimento aristotélico; muitas de suas principais figuras, como Marsilio Ficino e Pico della Mirandola, eram de fato apoiadores de uma das bêtes noires de Peikoff, Platão. Peikoff poderia dar uma olhada em um livro de Ernst Cassirer, um filósofo a quem ele zomba de passagem, Indivíduo e Cosmos na Filosofia Renascentista. Aqueles em busca de uma explicação para Hitler seriam bem aconselhados a procurara-la em outro lugar. O livro de Peikoff nada mais é do que uma defesa estridente e desinformada, não redimida pelo humor, pela arte ou pela perspicácia. Lê-lo é uma tarefa pouco gratificante.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Se a Igreja Católica e leigos que se consideram tradicionalistas rejeitam Kant, o aloprado genocida randiano Peikoff relógio quebrado acertou. É necessário associar quaisquer movimentos filosóficos surgidos a partir da rebelião do pai da mentira Lutero em 1517 a todas as mazelas do mundo moderno: ateísmo, renascimento, iluminismo, comunismo e liberalismo. Infelizmente, o libertarianismo também, ainda que uma sociedade libertária, de tudo o que pode surgir a partir de idéias, é a única que não seria anti-cristã.