OMS: Gênero “não se limita a homem ou mulher”

1
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A Organização Mundial da Saúde reconfirmou seu status de entidade globalista não científica e politicamente orientada, declarando oficialmente que existem mais de dois gêneros biológicos.

A OMS anunciou que pretende atualizar seu “manual de integração de gênero amplamente utilizado”.

A sugestão de que há necessidade de um manual sobre quantos gêneros existem deve dizer algo sobre essa organização logo de cara.

O órgão diz sobre o manual que está “atualizando-o à luz de novas evidências científicas e progressos conceituais sobre gênero, saúde e desenvolvimento”.

Qual exatamente é essa ‘evidência científica’ ainda é um mistério.

O comunicado de imprensa da OMS afirma que parte de suas novas descobertas que devem entrar no manual é que “o sexo não se limita a masculino ou feminino”.

A OMS afirma que está “indo além das abordagens binárias de gênero e saúde”, para “reconhecer gênero e diversidade sexual, ou os conceitos de que a identidade de gênero existe em um continuum e que o sexo não se limita ao masculino ou feminino.”

O órgão globalista, em parceria com o Instituto Internacional de Saúde Global da Universidade das Nações Unidas, também pretende introduzir “novas estruturas e ferramentas de gênero, equidade e direitos humanos para apoiar ainda mais a capacitação em torno desses conceitos e a integração de suas abordagens”.

Estes conceitos, sejam quais forem, serão ‘finalizados e aplicados’ à partir de agosto:

Em outras palavras, a OMS está se realinhando para empurrar ainda mais a mensagem de engenharia social que já está sendo enfiada em nossas goelas incessantemente por meio de política, negócios, policiamento e por aquilo que alegam ser cultura e entretenimento.

No entanto, apesar de sua promoção implacável em praticamente todos os setores da sociedade, a crença na realidade dessa ideologia está caindo entre os americanos, com apenas 38% acreditando que o sexo biológico não determina se alguém é homem ou mulher.

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO