Inflação é crescimento da oferta monetária, não de preços denominados em dinheiro

3

No recente artigo do Wall Street Journal O aumento da inflação nos dá outra visão do monetarismo”, Greg Ip escreve que um recente aumento na inflação provavelmente não levará as autoridades a abraçar novamente o monetarismo. De acordo com Ip, a oferta de moeda tinha um histórico ruim de prever a inflação dos EUA por causa de problemas conceituais e de definição que não desapareceram.

O líder da escola monetarista, o falecido Milton Friedman, sustentava que a inflação é sempre e em toda parte um fenômeno monetário. Friedman e outros monetaristas acreditavam que o principal fator determinante para os aumentos gerais dos preços são os aumentos na oferta monetária.

Esse ponto de vista está sob escrutínio desde o início dos anos 1980 porque a correlação entre inflação e oferta de moeda desapareceu. De acordo com Ip em 2020, Alan Detmeister, economista do UBS Group AG e ex-Fed, descobriu que a correlação da inflação com o M2 desde o início dos anos 1980 era fraca e sua correlação com a base monetária e o M1 era negativa. A maioria dos economistas parou de usar a oferta de moeda como indicador de inflação desde o início dos anos 1980.

Muitos economistas tradicionais atribuíram o colapso na correlação entre a oferta monetária e a inflação à velocidade instável da moeda. O que é isso? De acordo com a famosa equação de troca, MV = PT, onde:

M significa moeda,

V representa a velocidade da moeda,

P representa o nível de preços, e

T para o volume de transações.

Esta equação afirma que a moeda multiplicada pela velocidade é igual ao valor das transações. Muitos economistas empregam o PIB (produto interno bruto) em vez do PT, concluindo assim que

MV = PIB = P (PIB real).

A equação de troca parece oferecer uma riqueza de informações sobre o estado de uma economia. Por exemplo, se alguém assumir uma velocidade estável, então para um dado estoque de moeda pode-se estabelecer o valor do PIB. Além disso, um determinado produto real e um determinado estoque de moeda nos permitem estabelecer o nível de preços.

Para a maioria dos economistas, a equação de troca é considerada uma ferramenta analítica muito útil. Os debates que os economistas têm são predominantemente em relação à estabilidade da velocidade. Se a velocidade é estável, então a moeda é vista como uma ferramenta muito poderosa para monitorar a economia. A importância da moeda como indicador econômico, no entanto, diminui quando a velocidade se torna menos estável e, portanto, menos previsível.

No entanto, uma velocidade instável pode ocorrer devido a uma demanda instável por moeda. A maioria dos especialistas acredita que, desde o início dos anos 1980, as inovações nos mercados financeiros tornaram a velocidade da moeda instável. Isso, por sua vez, tornou a moeda um indicador não confiável da inflação.

Acreditamos que a alegada falha da moeda como indicador de inflação emana de uma definição errônea de inflação e oferta monetária. Esse fracasso não tem nada a ver com uma demanda instável por moeda, e só porque as pessoas mudam sua demanda por moeda não implica instabilidade. Como os objetivos de um indivíduo podem mudar, ele pode decidir que é benéfico reter menos dinheiro. Em algum momento no futuro, ele pode aumentar sua demanda por dinheiro. O que poderia estar errado com isso? O mesmo vale para quaisquer outros bens e serviços – a demanda por eles muda o tempo todo.

Definindo inflação

De acordo com Murray Rothbard e Ludwig von Mises, a inflação é definida como o aumento da oferta monetária a partir “do nada”. Seguindo essa definição, pode-se constatar que o aumento da oferta monetária desencadeia o empobrecimento econômico ao criar uma troca de nada por algo, o chamado efeito falsificador.

Aumentos gerais nos preços provavelmente serão sintomas de inflação – mas nem sempre, no entanto. Observe que os preços são determinados por fatores reais e monetários. Consequentemente, pode ocorrer que, se os fatores reais estiverem “puxando as coisas” na direção oposta aos fatores monetários, nenhuma mudança visível nos preços ocorrerá. Se a taxa de crescimento da moeda for de 5% e a taxa de crescimento da oferta de bens for de 1%, os preços provavelmente aumentarão em 4%. Se, no entanto, a taxa de crescimento na oferta de bens também for de 5%, então não é provável que ocorra um aumento geral nos preços.

Se alguém sustentasse que a inflação diz respeito a aumentos de preços, concluiria que, apesar do aumento da oferta monetária em 5%, a inflação é de 0%. No entanto, se fôssemos seguir a definição de que a inflação diz respeito a aumentos na oferta de moeda, concluiríamos que a inflação é de 5%, independentemente de qualquer movimento nos preços.

Definindo oferta de moeda

Antes de 1980, era comum empregar várias definições de oferta monetária na avaliação das mudanças nos preços de bens e serviços. O critério para a seleção de uma determinada definição foi sua correlação com a renda nacional. No entanto, desde o início da década de 1980, as correlações entre várias definições de moeda e renda nacional foram eliminadas. Alguns analistas acreditam que esse colapso se deve a mudanças nos mercados financeiros, tornando irrelevantes as definições anteriores de moeda.

Uma definição apresenta a essência de uma entidade particular, algo que nenhuma correlação estatística jamais poderia fornecer. Para estabelecer a definição de moeda, temos que explicar as origens da economia monetária. O dinheiro surgiu porque o escambo não pode sustentar a economia de mercado. O dinheiro é o meio geral de troca e evoluiu a partir da commodity mais comercializável. Mises escreveu:

    Haveria uma tendência inevitável de que os menos comercializáveis ​​da série de bens usados ​​como meio de troca fossem rejeitados um a um até que, finalmente, restasse apenas uma única commodity, que seria universalmente empregada como meio de troca; em uma palavra, moeda.

Uma vez que o meio de troca geral foi selecionado de uma ampla gama de commodities, o dinheiro emergido deve ser uma commodity. Rothbard escreveu:

    Ao contrário dos bens diretamente utilizados pelos consumidores e pelos empreendedores, a mercadoria a ser utilizada como dinheiro tem de apresentar um histórico de expressão de valores na forma de preços. Antes de tal produto ser definido como dinheiro, ele tem de possuir um passado no qual ele foi utilizado como definidor de preços. É sobre este histórico que a demanda será baseada. Porém, a única maneira pela qual isso pode acontecer é começando por uma mercadoria que foi utilizada quando a economia ainda operava sob escambo. Ato contínuo, a essa demanda anterior pelo seu uso direto (por exemplo, no caso do ouro, para ornamentos), é acrescentada a demanda para ele passar a ser utilizado como um meio de troca.

Por meio de um processo de seleção contínuo, os indivíduos decidiram pelo ouro como moeda padrão. No sistema monetário de hoje, o núcleo da oferta monetária não é mais ouro, mas moedas e notas emitidas pelo governo e pelo banco central que são empregadas em transações como bens e serviços são trocados por dinheiro. Assim, troca-se todos os outros bens e serviços por dinheiro.

Parte do estoque de dinheiro é armazenado através de depósitos bancários. Uma vez que alguém coloca dinheiro no depósito de um banco, ele está se envolvendo em uma transação de reivindicação, nunca renunciando à propriedade do dinheiro. Consequentemente, esses depósitos, que são denominados depósitos à vista, fazem parte do dinheiro.

Isso é contrastado com uma transação de crédito, em que o credor renuncia à sua reivindicação sobre o dinheiro pela duração do empréstimo. Em uma transação de crédito, o dinheiro é transferido de um credor para um devedor, mas a quantidade total de dinheiro na economia não muda por causa da transação de crédito.

A introdução do dinheiro eletrônico parece lançar dúvidas sobre a definição de dinheiro. Parece que os mercados financeiros desregulamentados geram várias formas de dinheiro novo. Não obstante, várias formas de dinheiro eletrônico, como moeda digital, não têm “vida própria”.

Várias inovações financeiras não geram novas formas de dinheiro, mas sim novas formas de empregar o dinheiro existente nas transações. Independentemente dessas inovações financeiras, a natureza do dinheiro não muda. O dinheiro é a coisa pela qual todos os outros bens e serviços são negociados. Uma vez estabelecida a essência do dinheiro excluindo várias transações de crédito, pode-se identificar o status da inflação. Mudanças nos preços não serão relevantes aqui.

Conclusão

Ao contrário do pensamento popular, a inflação não tem a ver com aumentos nos preços de bens e serviços, mas com aumentos na oferta de moeda. Seguindo essa definição, podemos estabelecer que o principal dano causado pela inflação é o empobrecimento econômico através da troca de nada por algo. O que importa no que diz respeito à inflação não é a correlação entre a oferta monetária e os preços dos bens e serviços, mas o aumento da oferta monetária.

Ao contrário do pensamento popular, a essência do dinheiro não mudou por causa de várias inovações financeiras. O dinheiro é uma coisa que é empregada como meio de troca. Além disso, de acordo com o teorema da regressão de Mises, o vínculo histórico entre o papel-moeda e o ouro é o que mantém o atual sistema monetário unido.

 

 

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS

  1. “Ato contínuo, a essa demanda anterior pelo seu uso direto (por exemplo, no caso do ouro, para ornamentos), é acrescentada a demanda para ele passar a ser utilizado como um meio de troca.”

    Eu acho isso uma injustiça com o papel pintado do leviatã estatal. Se o ouro é um meio de troca porque in extremis eu posso fazer um busto do Murray fucking Rothbard para colocar na mesa do eu escritório, igualmente eu posso usar as notas da máfia estatal para fazer um canudo para cheirar cocaína.

    Acho que os monetaristas deviam pensar nisso.

    A propósito. Para que quiser entender o que é uma moeda de curso forçado, sugiro perguntar para o torcedor do Corinthias que rasgou uma nota de peso arngetino durante um jogo da libertadores. E pensar que logo que surgiu a conversibilidade na Argentina, a moeda de P$1,00 fez um grande sucesso entre os cambistas. Todo mundo queria uma, nem que fosse para guardar a carteira, já que equivalia a US$1,00…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.