Ordem Espontânea

0

Da Importância de F. A. Hayek para uma Teoria Evolutiva Geral do Direito segundo os Princípios da Escola Austríaca

Sinopse:

Indubitavelmente, o tecido social está repleto de dilemas socioeconômicos sobre os quais os políticos costumam exercer as suas habilidades demagógicas. Absolutamente ninguém parece presumir, porém, que tais dilemas configuram o resultado prático do exercício constante que os políticos fazem dos seus dons planificadores.

Assim, predomina vigorosamente a noção do homem como um autômato disposto à inteligência dirigista do planejador central, este o qual, dizem, leva em seus braços a sociedade ao seu fim último. Quando esquecemos, no entanto, o fato de que a sociedade nada é além de uma rede complexíssima de interações? Qual medieval frisaria que o governante abstrai as potencialidades de um indivíduo melhor que ele mesmo?

Os argumentos sobre os quais o planejamento central se funda são, a maioria nota, inconsistentes. Apesar disso, são muitos os que sustentam que um planejamento central parcial é necessário em razão do caráter desordenado e caótico da sua ausência completa. Cabe indagar, todavia: qual a extensão máxima da validade das objeções irrefutáveis à planificação social?

F. A. Hayek é o que se lança nuamente à descrição das implicações mais gerais, abstratas e metanormativas das contestações liberal-clássicas à autocracia planificadora. E Doug Uyl e Douglas B. Rasmussen são os que fundaram o dito neoaristotelismo normativista em prol do nascimento de uma esquemática elucidativa totalmente anarquista do direito evolutivo hayekeano.

 

Sumário

Parte I – Contribuições Teóricas de F. A. Hayek à Economia e à Ciência Política

A Escola Austríaca e Friedrich August von Hayek

Da Natureza Autorreguladora do Mercado

Resumo das Contribuições Teoréticas de F. A. Hayek à Economia e à Ciência Política.

Parte II – Do Direito Segundo uma Perspectiva Evolutiva: Fundamentos da Ordem Espontânea

Elementos Metafísicos Primários da Axiologia Jurídica

Sobre os Três Níveis Analíticos das Instituições Sociais: Ação Humana, Interação-Cooperação, Instituições Sociais Evolucionárias

Breve Resumo do Individualismo Metodológico

Da Ação Humana

Das Relações de Intercâmbio

Carl Menger, L. Mises, F. A. Hayek e a Natureza Seletivo-Evolucionária da Origem Espontâneo-Dinâmica das Instituições Sociais

Casos Exemplificadores

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.