Os documentos do Twitter: a mídia corporativa ignora a maior história da década

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A maior história da última década não é a pandemia covid, a guerra na Ucrânia, os distúrbios do BLM ou mesmo a crise econômica mundial. Por trás desses grandes eventos há outra história, uma que os conecta de maneira perturbadora. Ainda mais importante do que os efeitos do caos geopolítico e econômico é o efeito da censura em massa; sem a livre troca de informações e debate, o público permanece ignorante. E se o público permanece ignorante, os eventos de crise têm um potencial crescente de explosão.

A percepção pública dos assuntos nacionais e internacionais é um fator determinante do resultado de desastres e conflitos. É por isso que governos e elitistas de todo o mundo frequentemente procuram manipular a maneira como as pessoas digerem as informações. A ideia é bastante simples – Eles acreditam que não podem permitir que ‘nós, o povo’ cheguemos às nossas próprias conclusões. Eles acham que não podemos confiar em nós para desenvolver os pontos de vista “adequados” e não somos inteligentes o suficiente para entender as implicações das decisões governamentais.

Em outras palavras, eles acreditam exatamente no oposto do que está delineado na Constituição. O estabelecimento dará inúmeras razões pelas quais eles precisam censurar, suprimir, manipular e distorcer os fatos de qualquer situação, mas no final a verdadeira razão é que eles têm uma visão para a sociedade que é contrária aos fundamentos da liberdade. Eles se nomearam os árbitros da realidade para ver essa visão realizada. Como Edward Bernays, o “pai das relações públicas” afirmou certa vez em seu livro Propaganda:

      A manipulação consciente e inteligente dos hábitos e opiniões organizadas das massas é um elemento importante na sociedade democrática. Aqueles que manipulam esse mecanismo invisível da sociedade constituem um governo invisível que é o verdadeiro poder governante de nosso país. …Somos governados, nossas mentes são moldadas, nossos gostos formados, nossas ideias sugeridas, em grande parte por homens de quem nunca ouvimos falar. Este é um resultado lógico da forma como a nossa sociedade democrática está organizada. Um grande número de seres humanos deve cooperar dessa maneira se quiserem viver juntos como uma sociedade que funcione sem problemas. …Em quase todos os atos de nossa vida diária, seja na esfera da política ou dos negócios, em nossa conduta social ou em nosso pensamento ético, somos dominados por um número relativamente pequeno de pessoas… que entendem os processos mentais e sociais padrões das massas. São eles que puxam os fios que controlam a mente do público.

Isso é puro autoritarismo. É o material de pesadelos e revoluções. Mas há muitos anos uma grande subseção do mundo nega a existência dessa dinâmica. É “teoria da conspiração” e “chapéu de papel alumínio” afirmar que um pequeno número de elites, oculto nas sombras, trabalha junto em segredo para controlar a percepção pública e governar nossa sociedade. Afinal, onde está a prova?

Claro, esse tipo de argumento é um mecanismo de defesa dos deficientes mentais. A prova de tal governança e controle secretos está em toda parte hoje em dia, mas algumas pessoas preferem a negação deliberada. Tomemos, por exemplo, as revelação de dados em andamento que agora está sendo chamada de “Documentos do Twitter”.

A mídia mainstream mal chaga a mencionar o despejo de informações iniciado por Elon Musk. Eles parecem estar muito mais interessados ​​nos registros fiscais de Donald Trump. Quando são forçados a reconhecer a história, são hostis, chamando a informação de “tediosa” ou inexpressiva. É uma tática psicológica clássica de narcisistas e criminosos típicos – quando são pegos, agem com indiferença, como se nem as evidências, nem seus crimes realmente importassem. Se ser pego não importa para eles, então seus crimes não devem ser tão ruins assim, certo?

O conteúdo desses documentos é surpreendente, mas também é verdade que as conclusões não surpreendem.

Os documentos simplesmente confirmam quase tudo que os comentaristas conservadores e libertários vêm dizendo há anos; todas aquelas “teorias da conspiração” sobre a censura da Big Tech aos conservadores acabaram sendo verdadeiras. Não apenas isso, mas a teoria de que agências governamentais e funcionários do DNC trabalharam com a Big Tech para silenciar e minar seus oponentes políticos também era verdadeira.

O Twitter há muito nega que eles baniram através do “shadow ban” muitos usuários, mas isso era mentira. Os dados mostram que pequenos grupos dentro do Twitter chamados de “equipes de resposta estratégica” (ERE) suprimiram até 200 contas por dia. Normalmente, eram contas de políticos e celebridades conservadores maiores e mais influentes. E essas equipes operavam em coordenação com funcionários e agências democratas como o FBI. Em alguns casos, o objetivo era silenciar um indivíduo em particular. Em outros casos, o objetivo era manipular as eleições nacionais.

As comunicações internas do Twitter mostram que os grupos ERE passaram a maior parte do tempo inventando razões pelas quais certas informações estavam sujeitas as censuras. Em outras palavras, se as regras do Twitter não estivessem sendo violadas, eles criavam novas regras.

A exposição do Twitter é a maior história da década porque fornece a prova de uma cabala oculta. Ela mostra a mecânica podre nos bastidores e expõe uma rede de elites e seus garotos de recados que estavam envolvidos em operações diretas para destruir o direito a liberdade de expressão em prol da supremacia ideológica.

É a definição clássica de fascismo, uma definição que Benito Mussolini reiterou quando argumentou: “O fascismo deveria ser mais apropriadamente chamado de corporativismo porque é a fusão do estado e do poder corporativo”.

E, se esse tipo de fascismo estava acontecendo dentro dos corredores do Twitter, então há poucas dúvidas de que também está acontecendo em empresas como Google/YouTube, Apple, Facebook, etc. Antes tínhamos evidências, agora temos confirmação.

A mídia corporativa discute relevância em vez de moralidade porque se beneficiou da censura. É importante lembrar que uma das primeiras medidas que as Big Tech aplicaram após suprimir a mídia alternativa durante a pandemia foi ampliar a mídia corporativa. Essas empresas estão sofrendo com números de audiência sombrios e lucros cada vez menores. Ninguém mais as ouve. No entanto, desde que eles promovam a narrativa estabelecida, suas opiniões e desinformação recebem prioridade em quase todos os mecanismos de pesquisa e plataformas de mídia social.

É claro que elas não estão interessados ​​nos documentos do Twitter, os mentirosos geralmente ficam “entediados” com comentários honestos e informações factuais. Além disso, sua existência contínua depende da censura de sua competição na mídia alternativa.

O ponto principal é o seguinte: de acordo com a Declaração de Direitos, é ilegal para agentes do governo dos EUA obstruir a liberdade de expressão dos cidadãos americanos cumpridores da lei. Não importa se a ação é feita usando “empresas privadas” como intermediários. E, se uma empresa privada está em conluio com o governo para implementar políticas, ela não é mais uma empresa privada. O Twitter estava participando de uma forma de traição, junto com as agências com as quais cooperava. É uma história enorme e que deve levar à punição dos envolvidos.

 

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO