Os EUA choram sobre crimes de guerra enquanto prendem um jornalista por expor os seus

1
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

No que seus advogados descreveram como um “momento breve, mas significativo no caso”, um tribunal de magistrados britânicos aprovou extradição de Julian Assange para os Estados Unidos, aproximando o fundador do WikiLeaks de um julgamento nos EUA sob a Lei de Espionagem, que ameaça a liberdade de imprensa em todo o mundo.

O caso de extradição agora vai para a secretária do Interior do Reino Unido, Priti Patel , para aprovação, o que provavelmente será aceito, já que Patel é um confiável e leal  gerente de império. Após esse ponto, a equipe jurídica de Assange poderá lançar um recurso.

Isso está acontecendo ao mesmo tempo em que os Estados Unidos e o Reino Unido estão exigindo ruidosamente a responsabilização por supostos crimes de guerra pelos militares russos na Ucrânia, o que é interessante porque a tentativa de responsabilizar os crimes de guerra é precisamente o motivo pelo qual Julian Assange está na prisão.

“Ele é um criminoso de guerra”, disse o presidente Biden sobre Vladimir Putin após alegações de crimes de guerra em Bucha, na Ucrânia, no início deste mês. “Acho que é um crime de guerra. … Ele deve ser responsabilizado.”

E isso é tudo que eu gostaria de dizer aqui hoje, realmente. Que esta discrepância é muito interessante.

Quero dizer, podemos pausar por um momento para apreciar profundamente a ironia disso? Porque é tão obsceno e ultrajante que é realmente difícil de aceitar, a menos que você realmente queira engolir essa. O governo mais poderoso do mundo, que serve como o centro do império mais poderoso que já existiu, está trabalhando para extraditar um jornalista por expor seus crimes de guerra e, ao mesmo tempo, rasgar suas roupas por acusações de crimes de guerra contra outro governo.

Inacreditável. Você pensaria que uma estrutura de poder que recentemente foi pega em flagrante cometendo crimes de guerra e está atualmente no processo de prender um jornalista por expor esses crimes de guerra teria pelo menos o bom senso de não gritar muito alto sobre crimes de guerra por um tempo. Mas é assim que o império está confiante em sua capacidade de controlar a narrativa.

Realmente engula. Realmente digira. Quanto mais você pensa sobre isso, mais bizarro fica. O império não apenas persegue um jornalista por expor seus crimes de guerra e, ao mesmo tempo, exige que outros sejam responsabilizados por crimes de guerra, mas também está atacando a imprensa livre por relatar a verdade sobre os poderosos e, ao mesmo tempo, se envolver em uma operação massiva de propaganda que afirma que o império está envolvido na Ucrânia para proteger a sua liberdade e democracia.

Uma ousadia inacreditável. Uma temeridade absoluta. Que culhões têm este império, cara.

Eu já disse isso antes e vou dizer de novo: Assange expôs muitas realidades horríveis sobre os poderosos em seu trabalho com o WikiLeaks, mas tudo o que ele conseguiu expor depois disso ao simplesmente força-los a processá-lo supera em muito as revelações nessas publicações.

Se a mais alta forma de jornalismo é expor os segredos mais sombrios das pessoas mais poderosas do mundo, então Julian Assange é a mais alta forma de jornalista.

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. É nonsense puro. E isso mesmo para um libertário, que evidentemente não esperam nada diferente dos governos. A questão aqui é a legalidade das leis. Os governos na maior parte do tempo cumprem suas próprias leis de maneira religiosa. A princípio pode paracer estranho, já que a violência e roubos correm soltas por aí e os estado leviatã não faz nada de muito relevante par mudar uma situação que convém a sua agenda de poder de longo prazo. A questã aqui é cumprir o seu próprio direito positivado e ignorar o verdadeiro direito, o natural.

    O governo quando persegue indivíduos de seu próprio país, muito provavelmente pouco se desvia de suas próprias leis. É o que Rothbard costumava dizer: uma vez que uma agência governamental determinar a legalidade de qualquer ação estatal, o padrão está criado indefinidamente e ponto final. Isso não será revertido. No exteior os estados costumam ignorar as suas próprias leis, com a conivência ou não de outros parceiros de crime. Os bundões ingleses entregam tudo o que os yankees imperialistas pedem. Já Israel, por exemplo, teve que sequestrar Eichmann. Mas no geral, no exterior os governos agem sob o imperativo moral da liderança, ou seja seus atos ilegais são sancionados porque eles são o estado. É um tipo de liderança nazista, pois muitos alemães sabiam que Adolf Hitler agia fora da lei. A tolerância vinha do seu carisma, que era uma forma de legitimadade aos seus atos. Nada muito diferente de uma gangue de criminosos. Nada diferente dos governos de especialistas. De toda forma esse tipo de liderança carismática não existe mais hoje em dia, substituída pelo forte aparato jurídico-democrático. Ou seja, governos pouco mandam hoje em dia, apesar da propaganda…

    Para que acha que um único indivíduo isolado não importa para a gangue de ladrões em larga escala estatal a perseguição a Julian Assange e outros, demonstra que o estado não dorme em seriço nunca.