A questão das nacionalidades

1
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

Após o colapso do comunismo totalitário centralizador na Europa Oriental e mesmo na União Soviética, questões e conflitos étnicos e de nacionalidade há muito suprimidos vieram rapidamente à tona. O colapso do controle central revelou as “estruturas profundas” ocultas, mas ainda vibrantes, de etnia e nacionalidade.

Para aqueles de nós que se gloriam na diversidade étnica e anseiam por justiça nacional, tudo isso é um desenvolvimento maravilhoso do que antes vivia apenas na fantasia ou no desejo: é uma chance, finalmente, de a Europa começar a reverter as monstruosas injustiças gêmeas de Sarajevo e Versalhes. É como estar de volta à 1914 ou 1919, com a chance de o mapa da Europa e proximidades da Ásia ser endireitado e redesenhado.

Pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial, ou possivelmente desde Versalhes, que o mundo está em uma “situação revolucionária”. Há muitos problemas e custos para uma situação tão revolucionária, custos que são bem conhecidos e não precisam ser repetidos aqui; mas também há muitos benefícios: atualmente, não apenas o colapso do socialismo-comunismo, mas a sensação de que todas as coisas são possíveis e que a justiça pode finalmente chegar a uma área do mundo que sofre há muito tempo.

A maioria dos americanos, no entanto, está mais intrigada e perturbada do que encantada com o ressurgimento da questão das nacionalidades. Podemos separar as reações preocupadas ou hostis em quatro grupos:

  1. o americano médio;
  2. Marxistas-Leninistas;
  3. democratas globais, que incluem a ala liberal e neoconservadora do establishment americano dominante; e
  4. libertários modais.

Hostis: o americano médio

Primeiro, o americano médio não compreende o próprio problema. Por que todos esses grupos não podem viver suas vidas e deixar os outros viverem as deles, e se unir pacificamente, como fizeram os Estados Unidos em seu “caldeirão” de vários grupos de imigrantes? Em primeiro lugar, essa visão de Poliana dos EUA ignora a questão negra, que mal se instalou em qualquer caldeirão e está mais atolada em conflitos profundos agora do que em qualquer outro momento desde o final do século XIX.

Mas mesmo deixando isso de lado, nenhum “caldeirão” pacífico existia no século XIX. Da década de 1830 até depois da Primeira Guerra Mundial, os protestantes dominantes do Norte, “ianques”, (com exceção dos calvinistas de estilo antigo e luteranos da alta igreja) mergulharam em um pietismo pós-milenar agressivo e militante cujo objetivo era usar o governo para eliminar o “pecado” (especialmente a bebida e a Igreja Católica), e que tornou miserável a vida dos imigrantes católicos e alemães luteranos e os colocou sob constante ataque por quase um século. Finalmente, os pietistas conseguiram impor restrições à imigração e cotas de origem nacional após a Primeira Guerra Mundial.

Mas, mesmo deixando tudo isso de lado, os Estados Unidos da América foram um desenvolvimento único no mundo moderno: uma terra aproximadamente “vazia” (com a notável exceção dos índios americanos), povoada por um grande número de pessoas principalmente religiosas, étnicas e grupos nacionais de imigrantes, no quadro de uma República constitucional majoritariamente livre, sob a rubrica do inglês como língua comum e pública.

Outras nações na Europa e na Ásia se desenvolveram de maneira muito diferente, muitas vezes com nacionalidades nativas conquistadas e dominadas por nações “imperiais”. Em vez de uma língua pública, as nacionalidades opressoras invariavelmente tentaram obliterar as línguas e até os nomes das nacionalidades conquistadas. Um dos gritos mais comoventes durante a implosão do comunismo no ano passado veio da minoria turca reprimida na Bulgária e dos “moldávios” conquistados (ou seja, romenos) na Moldávia soviética, capturados da Romênia após a Segunda Guerra Mundial: “devolva nossos nomes! ”

Os moldavos querem se livrar dos odiados nomes russos impostos pelo estado soviético, bem como o ainda mais odiado cirílico imposto a eles no lugar de seu alfabeto latino. E essa obliteração nacional não é apenas um produto do comunismo. É uma prática antiga: a França “imperial” ainda proíbe os celtas da Bretanha de nomear seus filhos de acordo com a nomenclatura celta; e os turcos, ainda não admitindo seu massacre genocida da minoria armênia durante a Primeira Guerra Mundial, também se recusam a reconhecer a própria existência de sua minoria curda, referindo-se a eles desdenhosamente como “turcos da montanha”.

Hostis: os marxistas-leninistas

Os marxistas-leninistas são uma raça em extinção, mas é fascinante considerar seu papel agora em extinção nesta questão. Sua reputação como “anti-imperialistas” não tem nada a ver com o marxismo clássico. De fato, Marx e Engels, consistentes com sua abordagem pró-modernizadora, favoreceram agressivamente o imperialismo ocidental (especialmente o dos prussianos contra os odiados eslavos). Essa postura estava de acordo com sua visão de que quanto mais rápido o capitalismo e a “modernização” avançam, mais cedo ocorrerá a “inevitável etapa final” da história, a revolução comunista proletária.

Lenin, no entanto, pragmaticamente jogou o marxismo para o Terceiro Mundo e para outros camponeses, que ele via perceptivelmente mais maduros para a revolução do que as nações capitalistas avançadas. Na prática, porém, o leninismo, embora defendesse da boca para fora o direito à autodeterminação nacional (consagrado no papel na Constituição soviética, mas sempre ignorado na prática), era um credo universalista centralizador que transcendia as nacionalidades. Mais importante, os quadros leninistas reais em todos os países eram intelectuais sem raízes locais (muitas vezes colonos educados por professores marxistas-leninistas nos centros imperiais de Londres, Paris e Lisboa), que geralmente eram ignorantes e desdenhosos ou hostis em relação à etnia, religião e cultura. O ateísmo obrigatório oficial dos marxistas-leninistas foi apenas o exemplo mais evidente dessa hostilidade.

Esse menosprezo das culturas nacionais em nome da ideologia leninista universalista é mais evidente nos regimes da África. Os governos centralizadores marxistas da África são descendentes dos regimes do imperialismo ocidental estabelecidos no final do século XIX.

Grã-Bretanha, França e Portugal marcharam sobre a África e a dividiram em províncias totalmente despreocupadas e indiferentes às realidades das tribos variadas e altamente diversas que constituíam a política africana. Muitas tribos, a maioria das quais se odiavam e nada tinham — nem cultura, língua, costumes, nem tradição — em comum, foram incorporadas coercitivamente em “colônias” com fronteiras arbitrárias impostas pelas potências imperiais ocidentais. Além desse casamento forçado, muitas das fronteiras artificiais dividiram as regiões tribais em duas ou mais partes, de modo que os membros das tribos que migravam sazonalmente para as antigas regiões ocupadas se viram barrados na fronteira e acusados ​​de serem “imigrantes ilegais” ou “agressores”.

A tragédia da África moderna é que as potências imperiais não simplesmente se retiraram e permitiram que a formação tribal natural retomasse sua ocupação original do continente. Em vez disso, os regimes centralizadores coercitivos dessas chamadas “nações” foram entregues aos intelectuais marxistas sem raízes locais educados nas capitais imperiais, que logo se tornaram uma classe burocrática parasita, taxando e oprimindo o campesinato pacífico que constitui a maior parte dos produtores reais em África.

Hostis: os democratas globais

A reação negativa mais significativa à recente erupção da questão das nacionalidades é a do nosso establishment da “democracia global”. A reação deles é a mais significativa porque eles constituem a força dominante de formação de opinião na vida americana. Essencialmente, a deles é uma versão muito mais sofisticada da reação do americano médio. As preocupações e demandas das nacionalidades são descartadas por serem consideradas mesquinhas, egoístas, paroquiais e até perigosamente hostis per se e agressivas em relação a outras nacionalidades. Acima de tudo, eles interferem no valor mais santificado do cânone da democracia global: “o processo democrático”, que significa inerentemente “governo da maioria”, embora às vezes limitado pelas restrições dos direitos “humanos” ou “de minoria”. Portanto, a maldição final lançada contra as nacionalidades e suas demandas é que elas são forçosamente “antidemocráticas” e, portanto, não adequadas ao mundo moderno.

Assim, há uma razão mais profunda do que a realpolitik para a aparentemente estranha frieza do governo Bush em relação ao heroico movimento de independência nacional dos lituanos e das outras nações bálticas. Não é apenas que os Estados Unidos devem sacrificá-los no altar de “salvar Gorby”. Pois houve alegria pura com a libertação de nações oficialmente credenciadas, como Polônia, Hungria e Tchecoslováquia, dos jugos soviéticos e comunistas. Mas as nações bálticas, afinal, são diferentes: são “parte” da União Soviética e, portanto, sua secessão unilateral, contra a vontade da maioria da URSS, torna-se uma afronta à “democracia”, ao “governo da maioria,” e, por último, mas não menos importante, ao estado-nação unitário e centralizador que supostamente encarna o ideal democrático.

O fato de os Estados Unidos nunca terem reconhecido a incorporação forçada das nações bálticas à URSS em 1940, agora é demonstrado como uma farsa da Guerra Fria para ganhar os votos das etnias do Leste Europeu que vivem nos Estados Unidos. Pois quando chega a hora de decisão, como pode-se permitir que pequenas partes de uma grande nação se separem em oposição à “vontade democrática” da nação maior? Não apenas a frieza de Bush e do establishment em relação ao Báltico, mas também seu alívio palpável quando Gorby enviou tropas ao Azerbaijão, supostamente para impedir que azeris e armênios se matassem, mostra que muito mais está em jogo aqui do que ajudar Gorby contra os stalinistas.

Pois os democratas globais dos EUA ficaram preocupados com a possibilidade de Gorby deixar de cumprir a suposta responsabilidade fundamental de uma grande nação modernizadora: usar a força e a violência para resolver disputas entre suas várias regiões e nacionalidades. Isto é, de fato, manter a força unitária do poder “imperial” central contra as nacionalidades de sua periferia.

O argumento decisivo dos democratas globais em tudo isso pode ser resumido como “afinal, Lincoln não fez isso?” A figura mais santificada da historiografia americana é, não por acaso, o Grande Santo da “democracia” centralizadora e do forte estado-nação unitário: Abraham Lincoln. É fascinante e não acidental, e revela a importância vital da história e do mito histórico, mesmo em uma nação tão amnésica como os Estados Unidos, que uma das principais razões pelas quais os neocons e seus fantoches tentaram expulsar paleocons como Mel Bradford e Tom Fleming do movimento conservador é que eles são altamente críticos do “honesto Abe”.

E então Lincoln não usou força e violência, e em grande escala, em nome da mística da sagrada “União”, para impedir que o Sul se separasse? De fato, ele o fez, e por meio do assassinato em massa e da opressão, Lincoln esmagou o Sul e proibiu a própria noção de secessão (baseada no fundamento altamente plausível de que, uma vez que os estados separados entraram voluntariamente na União, deveriam ser autorizados a sair).

Mas não apenas isso: pois Lincoln criou o monstruoso estado-nação unitário do qual as liberdades individuais e locais nunca se recuperaram: por exemplo, o triunfo de um judiciário federal todo-poderoso, da Suprema Corte e do exército nacional; a superação do antigo direito anglo-saxão e libertário de habeas corpus ao encarcerar dissidentes contra a guerra sem julgamento; o estabelecimento da lei marcial; a supressão da liberdade de imprensa; e o estabelecimento em grande parte permanente do serviço militar obrigatório, o imposto de renda, os impostos pietistas do “pecado” contra o álcool e o tabaco, a “parceria do governo e da indústria” corrupta e cartelizadora, constituindo subsídios maciços às ferrovias transcontinentais, e a tarifa protetora; o estabelecimento da inflação da moeda fiduciária através do dólar e saindo do padrão-ouro; e a nacionalização do sistema bancário através dos National Banking Acts de 1863 e 1864.

É particularmente fascinante que muitos defensores conservadores da Lituânia e de outras nações bálticas tentem preservar o mito de Lincoln e a hostilidade geral dos EUA à secessão. Eles argumentam que, uma vez que os estados bálticos foram incorporados à força por Stalin em 1940, eles pelo menos deveriam poder se separar sem a punição da repressão ao estilo de Lincoln!

Deixemos de lado o fato de que a maioria das outras incorporações de nações na União Soviética eram igualmente compulsórias, embora mais veneráveis: por exemplo, a Ucrânia, a Armênia ou a Geórgia nos primeiros dias da Revolução Bolchevique. Em vez disso, cortemos o cerne da teoria política democrática que está envolvida na hostilidade generalizada à secessão. Pois a teoria democrática, incluindo a teoria da maioria dos libertários laissez-faire “minarquistas”, sustenta que o governo, seja amplamente social-democrata ou confinado à polícia, defesa e judiciário, deve ser escolhido pela regra da maioria em eleições livres. Movimentos de secessão de minorias são acusados ​​de violar a regra da maioria democrática. Mas a questão crucial e sempre sem resposta é: domínio democrático sobre qual área geográfica?

Coloquemos o problema de outra forma: a teoria minarquista ou democrática diz que o Estado deve ter o monopólio da força em sua área territorial. Vamos concordar por uma questão de argumento. Mas então surge a grande questão não formulada e sem resposta: qual deve ser a área territorial? Parafraseando uma saída favorita de Ayn Rand, a resposta quase universal é: me deu branco!

Os secessionistas de nacionalidades estão implicitamente desafiando esse branco generalizado como uma resposta séria às suas preocupações. Até agora, seja sob Lincoln ou, em grau muito menor sob Gorby, sua questão crucial foi respondida apenas por violência e força maior: pela mística inquestionável do “poder determina o direito” e do Estado-nação unitário coercitivo. Mas a lógica interna dessa mística e a lógica básica da teoria política minarquista são ao mesmo tempo simples e aterrorizantes: governo “democrático” mundial unitário.

O argumento minarquista contra os libertários anarcocapitalistas é que deve haver uma única agência governamental dominante com uma força de monopólio para resolver disputas por coerção. OK, mas nesse caso e pela mesma lógica, os estados-nação não deveriam ser substituídos por um governo monopolista mundial? O governo mundial unitário não deveria substituir o que foi adequadamente chamado de nossa “anarquia internacional” existente?

Libertários minarquistas e conservadores recusam a lógica interna do governo mundial por razões óbvias: pois eles temem corretamente que a tributação mundial e a socialização mundial suprimiriam total e irreversivelmente a liberdade e a propriedade dos americanos. Mas eles permanecem presos na lógica de sua própria posição. Os esquerdistas, por outro lado, estão felizes em abraçar essa lógica precisamente por causa desse resultado esperado. Mesmo o establishment democrático, no entanto, hesita em abraçar o fim lógico final de um único estado democrático mundial, pelo menos até que possam ter certeza de controlar essa entidade monstruosa.

Sem considerar o estado mundial de seus sonhos, como nosso establishment democrático global lida com o problema crucial de onde deveriam estar as fronteiras do estado? Santificando quaisquer limites de estado que existam no momento. Santificar as fronteiras do status quo tem sido o axioma da política externa de todos os governos dos EUA desde Woodrow Wilson, e da Liga das Nações e sua sucessora, as Nações Unidas, todos baseados no conceito incoerente e desastroso de “segurança coletiva contra agressão”. Foi esse conceito que subjaz à intervenção dos EUA na Primeira e na Segunda Guerras Mundiais e na Guerra da Coreia: primeiro determinamos (muitas vezes incorretamente) qual é o “estado agressor” e, em seguida, todos os estados-nação devem se unir para combater, repelir e punir essa agressão.

O análogo teórico de tal concerto contra a “agressão” é o combate à ação criminosa contra indivíduos. A rouba ou mata B; a polícia local, nomeada defensora do direito da pessoa e da propriedade, surge em defesa de B e age para prender e punir A. Da mesma forma, nações “amantes da paz” devem se unir contra nações “agressoras” ou estados. Daí a insistência de outra forma mistificadora de Harry Truman de que a guerra dos EUA contra a Coreia do Norte não foi uma guerra, mas uma “ação policial”.

A falha profunda em tudo isso é que quando A rouba ou assassina B, há um consenso geral de que A está errado, e que ele realmente agrediu a pessoa e os direitos justos de propriedade de B. Mas quando o Estado A agride a fronteira do Estado B, muitas vezes alegando que a fronteira é injusta e resultado de uma agressão anterior contra o país A décadas antes, como podemos dizer a priori que o Estado A é o agressor e que devemos rejeitar peremptoriamente sua defesa? Quem diz, e com base em que princípio, que o Estado B tem o mesmo direito moral a todo o seu território existente que o indivíduo B tem à sua vida e propriedade? E como as duas agressões podem ser equacionadas quando nossos democratas globais se recusam a apresentar quaisquer princípios ou critérios: exceto o apelo insatisfatório e absurdo por um estado mundial ou a confiança cega no status quo da fronteira a qualquer momento?

Fronteiras justas e autodeterminação nacional

Qual é, então, a resposta? Que fronteiras nacionais podem ser consideradas justas? Em primeiro lugar, deve-se reconhecer que não existem apenas fronteiras nacionais per se; que a verdadeira justiça só pode ser fundada nos direitos de propriedade dos indivíduos. Se cinquenta pessoas decidirem voluntariamente estabelecer uma organização para serviços comuns ou autodefesa de suas pessoas e propriedades em uma determinada área geográfica, então os limites dessa associação, baseados nos justos direitos de propriedade dos membros, também serão justos.

As fronteiras nacionais são justas apenas na medida em que se baseiam no consentimento voluntário e nos direitos de propriedade de seus membros ou cidadãos. As fronteiras nacionais justas são, então, na melhor das hipóteses, derivadas e não primárias. Isso é ainda mais válido para as fronteiras estatais existentes que são, em maior ou menor grau, baseadas na expropriação coercitiva da propriedade privada, ou em uma mistura disso com consentimento voluntário! Na prática, a maneira de ter essas fronteiras nacionais tão justas quanto possível é preservar e valorizar o direito de secessão, o direito de diferentes regiões, grupos ou nacionalidades étnicas de se separar o mais rápido possível da entidade maior, de estabelecer sua própria nação independente. Somente afirmando corajosamente o direito de secessão pode o conceito de autodeterminação nacional ser algo mais do que um embuste e uma farsa.

Mas a tentativa wilsoniana de impor a autodeterminação nacional e desenhar o mapa da Europa não foi um desastre? E como! Mas o desastre foi inevitável mesmo assumindo (incorretamente) boa vontade por parte de Wilson e dos Aliados e ignorando o fato de que a autodeterminação nacional era um disfarce para suas ambições imperiais. Pois, por sua natureza, a autodeterminação nacional não pode ser imposta de fora, por uma entidade governamental estrangeira, seja os Estados Unidos ou alguma liga mundial.

Todo o objetivo da autodeterminação nacional é tirar de cena o poder coercitivo de cima para baixo e, para que o uso da força passe da entidade maior para entidades nacionais naturais e voluntárias mais genuínas. Em suma, delegar o poder para baixo. Impor a autodeterminação nacional de fora torna as coisas piores e mais coercitivas do que nunca. Além disso, envolver os Estados Unidos ou outros governos em todos os conflitos étnicos em todo o mundo maximiza, em vez de minimizar, coerção, conflito, guerra e assassinato em massa. Isto arrasta os Estados Unidos, como disse certa vez o grande estudioso isolacionista Charles A. Beard, para uma “guerra perpétua pela paz perpétua”.

Voltando à teoria política, uma vez que o Estado-nação tem o monopólio da força em sua área territorial, a única coisa que ele não deve fazer é tentar exercer sua força além de sua área, onde não tem monopólio, porque então uma situação relativamente pacífica a “anarquia internacional” (onde cada estado confina seu poder à sua própria fronteira geográfica) é substituída por um caos hobbesiano internacional de guerra de todos (governos) contra todos. Em suma, dada a existência de Estados-nação, eles deveriam

a. nunca exercer seu poder além de sua área territorial (uma política externa de “isolacionismo”), e

b. manter o direito de secessão de grupos ou entidades no seu território.

O direito de secessão, se defendido destemidamente, implica também o direito de uma ou mais aldeias de se separarem até mesmo de sua própria nação étnica, ou, ainda, como Ludwig von Mises afirmou em seu Nation, State, and Economy, o direito de secessão para cada indivíduo.

Se uma falha profunda no empreendimento wilsoniano foi a imposição da autodeterminação nacional de fora, outra foi sua falha total em redesenhar o mapa europeu. É difícil acreditar que eles poderiam ter feito um trabalho pior se os governantes de Versalhes tivessem vendado os olhos e colocado alfinetes arbitrariamente em um mapa da Europa para criar novas nações.

Em vez de autodeterminação para cada nação, três povos oficialmente designados como bons mocinhos (poloneses, tchecos e sérvios) tornaram-se senhores de outras nacionalidades que se odiavam por séculos, muitas vezes com boas razões. Ou seja, essas três nacionalidades favorecidas não receberam simplesmente independência nacional étnica; em vez disso, seus limites foram arbitrariamente inchados para dominar outros povos oficialmente designados como caras maus (ou na melhor das hipóteses caras que ninguém se importa): os poloneses governando alemães, lituanos (na cidade lituana de Vilnius/Vilna), bielorrussos e ucranianos ; os tchecos governando eslovacos e ucranianos (chamados de “carpatho-rutenos”); e os sérvios tiranizando croatas, eslovenos, albaneses, húngaros e macedônios, em um aborto geográfico chamado “Iugoslávia” (agora pelo menos em processo de desmoronamento).

Além disso, os romenos foram engrandecidos às custas dos húngaros e búlgaros. Esses três (ou quatro, se incluirmos a Romênia) países desiguais também receberam a tarefa absurda e impossível dos Estados Unidos e dos aliados ocidentais de manter permanentemente sob controle as duas grandes potências “revisionistas” vizinhas e perdedoras em Versalhes: Alemanha e Rússia. Essa tarefa imposta levou diretamente à Segunda Guerra Mundial.

Em suma, a autodeterminação nacional deve permanecer um princípio moral e um farol para todas as nações, e não ser algo a ser imposto por coerção governamental externa.

Partição e Referendo

Uma maneira prática de implementar a autodeterminação e o direito de secessão é o conceito de um referendo de partição em que cada aldeia ou freguesia vota para decidir se permanece dentro da entidade nacional existente ou se separa ou se junta a outra nação. A área muito disputada de Nagorno-Karabakh, por exemplo, sem dúvida votaria esmagadoramente para deixar a odiada República do Azerbaijão e se juntar à Armênia. Mas e o fato de que Nagorno-Karabakh não é contíguo com a Armênia, que há um pedaço de terra etnicamente azeri no meio? Mas certamente a boa vontade de ambos os lados (o que obviamente é inexistente neste momento) poderia permitir uma zona franca ou entrada livre nessa zona. Não apenas um caminho aéreo, mas também um corredor rodoviário provou ser viável por décadas após a explosiva crise de Berlim.

Os referendos de partição foram usados ​​de forma irregular após a Primeira Guerra Mundial; o caso mais conhecido foi a separação da Irlanda do Norte do resto do país. Infelizmente, o referendo deliberadamente prometido pelos britânicos para uma segunda partição nunca foi realizado pelo governo britânico. Como resultado, uma grande quantidade de território católico no norte foi forçosamente incorporada ao estado protestante, e a existência dessa minoria católica, que sem dúvida votaria para se juntar ao sul, foi responsável pela trágica e interminável violência e derramamento de sangue desde então. Em suma, uma partição genuína baseada em referendos provavelmente cortaria da Irlanda do Norte os territórios dos condados de Tyrone e Fermanagh (incluindo a cidade de Derry) e South Down. Essencialmente, a Irlanda do Norte seria muito reduzida em área terrestre e ficaria com um cinturão ao redor de Belfast e do condado de Antrim. A única minoria católica substancial estaria então na seção católica de Belfast.

Uma crítica à partição por referendo é que paróquias e vilas são muitas vezes misturadas, de modo que não poderia haver uma separação precisa das nacionalidades. Na região conturbada da Transilvânia, por exemplo, aldeias húngaras e romenas estão misturadas na mesma região. Sem dúvida; ninguém jamais disse que tais referendos seriam uma panaceia. Mas a questão é que pelo menos o grau de escolha voluntária seria ampliado e a quantidade de conflitos sociais e étnicos minimizada, e não muito mais pode ser alcançado. (A Transilvânia, a propósito, é em grande parte húngara, especialmente a parte norte, e o mal feito à Hungria após a Primeira Guerra Mundial deve ser retificado.)

Há uma crítica à abordagem do referendo que é muito mais convincente e problemática. A alegação azeri de Nagorno-Karabakh baseia-se na tese de que, embora os armênios sejam agora reconhecidamente a esmagadora maioria, a região foi, séculos atrás, um centro da cultura azeri. Essa reivindicação da história pode ser devidamente descartada por ser como a mão morta do passado governando os vivos, talvez com a ressalva de que os antigos santuários azeris sejam protegidos sob os cuidados azeris.

Mas mais preocupante é, digamos, a situação atual na Estônia e na Letônia, onde os soviéticos deliberadamente tentaram inundar e destruir a cultura nativa e o nacionalismo étnico enviando um grande número de russos após a Segunda Guerra Mundial para trabalhar nas fábricas. Na Letônia, a minoria russa está apenas um pouco abaixo dos 50%. Aqui, acredito que o caráter recente dessa migração e sua natureza política fazem pender a balança em favor da manutenção do nacionalismo nativo. Na verdade, os libertários acreditam que todos têm o direito natural à autopropriedade e à propriedade de propriedades, mas que não existe um “direito” natural de votar. Aqui, faria sentido não permitir que os russos votassem na Letônia e na Estônia, tratá-los como convidados ou imigrantes de duração indefinida, mas não com os privilégios de voto da cidadania.

Hostis: os libertários

Os libertários são, em geral, tão ferozmente opostos ao nacionalismo étnico quanto os democratas globais, mas por razões muito diferentes. Os libertários são geralmente o que podemos chamar de individualistas simplistas e “vulgares”. Uma crítica típica seria a seguinte:

    “Não existe nação, existem apenas indivíduos. A nação é um conceito coletivista e, portanto, pernicioso. O conceito de ‘autodeterminação nacional’ é falacioso, pois somente o indivíduo tem um ‘eu’. Como a nação e o Estado são conceitos coletivos, ambos são perniciosos e devem ser combatidos.”

A disputa linguística pode ser rejeitada rapidamente. Sim, claro, não existe um “eu” nacional, estamos usando “autodeterminação” como uma metáfora, e ninguém realmente pensa em uma nação como uma entidade viva real com seu próprio “eu”.

Mais seriamente, não devemos cair em uma armadilha niilista. Embora existam apenas indivíduos, os indivíduos não existem como átomos isolados e hermeticamente fechados. Os estatistas tradicionalmente acusam libertários e individualistas de serem “individualistas atomistas”, e a acusação, espera-se, sempre foi incorreta e mal concebida. Os indivíduos podem ser a única realidade, mas eles influenciam uns aos outros, passado e presente, e todos os indivíduos crescem em uma cultura e linguagem comuns. (Isso não implica que eles não possam, como adultos, se rebelar e desafiar e trocar essa cultura por outra.)

Enquanto o estado é um conceito coletivista pernicioso e coercitivo, a “nação” pode ser e geralmente é voluntária. A nação se refere propriamente, não ao Estado, mas a toda a teia de cultura, valores, tradições, religião e linguagem na qual os indivíduos de uma sociedade são criados. É quase embaraçosamente banal enfatizar esse ponto, mas aparentemente muitos libertários ignoram agressivamente o óbvio. Nunca esqueçamos a análise do grande libertário Randolph Bourne sobre a distinção crucial entre “a nação” (a terra, a cultura, o terreno, o povo) e “o Estado” (o aparato coercitivo de burocratas e políticos), e de sua importante conclusão de que alguém pode ser um verdadeiro patriota de sua nação ou país enquanto – e até por isso mesmo – se opõe ao Estado que o governa.

Além disso, o libertário, especialmente da ala anarcocapitalista, afirma que não faz diferença onde estão as fronteiras, pois em um mundo perfeito todas as instituições e áreas de terra seriam privadas e não haveria fronteiras nacionais. Tudo bem, mas enquanto isso, no mundo real, em que idioma os tribunais governamentais devem realizar seus processos? Qual deve ser a linguagem dos sinais nas ruas do governo? Ou a linguagem das escolas do governo? No mundo real, então, a autodeterminação nacional é uma questão de vital importância na qual os libertários devem tomar partido adequadamente.

Finalmente, o nacionalismo tem suas desvantagens para a liberdade, mas também tem seus pontos fortes, e os libertários devem tentar ajudar a incliná-lo na última direção. Se fôssemos residentes da Iugoslávia, por exemplo, deveríamos estar agitando a favor do direito de separar-se daquele estado inchado e ilegítimo da Croácia e da Eslovénia (isto é, favorecer os seus atuais movimentos nacionalistas), ao mesmo tempo que se opõe ao desejo do demagogo sérvio Slobodan Milosevic de agarrar-se à dominação sérvia sobre os albaneses no Kosovo ou sobre os húngaros na Voivodina (isto é, opondo-se ao grande nacionalismo sérvio).

Há, em suma, libertação nacional (boa) versus “imperialismo” nacional sobre outros povos (mau). Uma vez que superamos o individualismo simplista, essa distinção não deve ser difícil de entender.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Artigo estupendo! como sempre o que Murray Fucking Rothbard pensa e escreve. É interessante que entra ano e saia ano e os problemas mundias continuam em essência o mesmos. E sem dúvida isso é culpa do imperialismo americano, um superestado. Aqui nínguém precisa dizer nada sobre o estado ser uma instituição criminosa. A questão é que o estado americano, através de mecanismos que retro-alimentam o seu próprio poder, levou a tirania à uma expressão de arte. A máquina está em movimento pérpetuo. E neste sentido, somente libertários podem fazer uma crítica ao imperialismo americano, pois sem deixar de lado a filosofia política, é ética e moral.

    “foram incorporadas coercitivamente em “colônias” com fronteiras arbitrárias impostas pelas potências imperiais ocidentais”

    É curioso que esse discurso seja o mesmo de uma certa esquerda, mas diferente desta – como o texto deixou evidente, somente a ética libertária tem a solução, rejeitada por quase a totalidade do sistema: o famoso direito a secessão. Desta forma, por exemplo, teria-se evitado o genocídio de Uganda em 1994. O texto de Rothbard é tão preciso que, em Uganda, Tutsi e Hutus continuam vivendo sob as mesmas fronteiras artificiais determinadas pelas elites colonialistas. E as elites locais socialistas que pepetuaram essa situação são elogiadas por sujeitos como Malcom X – que curiosamente pregava a secessão dos negros nos EUA.

    “Os libertários são geralmente o que podemos chamar de individualistas simplistas e ‘vulgares”.

    Somente Rothbard podeia dizer algo do tipo. Assim como a expressão libertário modal, eu sempre fico em dúvida se ele se refere a libertários legítimos mas pouco consistentes ou falsos libertários (os liberteens do Paulo Kogos), não no sentido negativo, mas de indivíduos que se imaginam libertários mas que não entenderam nada do que leram. É como o esquerdista padrão que costuma dizer que anarquistas de propriedade privada – direita, são liberais radicais do estado mínimo…

    O que Rothbard chama de democratas globais é que se costuma chamar hoje em dia de globalistas. Neste caso, fica óbvio que qualquer crítica a existência do globalismo como se fosse uma teoria da conspiração, é somente propaganda ideológica do sistema. Ou desinformação.

    Este artigo faz parte de um livro de ensaios diversos de Rothabard editado pelo Mises Institute do Alabama. É notável como a obra de Murray fucking Rothbard parece inesgotável. É como as intermináveis jam session de Jimi Hedrix, que as gravadoras costumam soltar de vez em quando…

    Obrigado pela tradução Rothbard Brasil.