Os homens se esqueceram de Deus; é por isso que tudo isso aconteceu

3
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

[Este discurso foi proferido em 10 de maio de 1983, durante a cerimônia de recebimento do Prêmio Templeton, e resume perfeitamente o que está acontecendo no Ocidente atualmente. É uma leitura incrivelmente presciente hoje; considerar que Alexander Soljenítsin fez esse discurso há quase quarenta anos mostra não apenas seu brilhantismo, mas a verdadeira profundidade de nosso declínio.]

Há mais de meio século, quando eu ainda era criança, lembro-me de ter ouvido várias pessoas mais velhas oferecerem a seguinte explicação para os grandes desastres que aconteceram na Rússia: ‘Os homens se esqueceram de Deus; é por isso que tudo isso aconteceu.’

Desde então, passei quase 50 anos trabalhando na história de nossa revolução; no processo, li centenas de livros, coletei centenas de testemunhos pessoais e já contribuí com oito volumes meus para o esforço de limpar os escombros deixados por aquela agitação. Mas se me pedissem hoje para formular o mais concisamente possível a causa principal da revolução ruinosa que devorou cerca de 60 milhões de pessoas de nosso povo, não poderia ser mais preciso do que repetir: ‘Os homens se esqueceram de Deus; é por isso que tudo isso aconteceu.’

Além disso, os acontecimentos da revolução russa só podem ser compreendidos agora, no final do século, tendo como pano de fundo o que desde então ocorreu no resto do mundo. O que emerge aqui é um processo de significado universal. E se me pedissem para identificar brevemente o traço principal de todo o século XX, aqui também, eu seria incapaz de encontrar algo mais preciso e conciso do que repetir mais uma vez: ‘Os homens se esqueceram de Deus.’ As deficiências da consciência humana, privada de sua dimensão divina, têm sido um fator determinante em todos os grandes crimes deste século. A primeira delas foi a Primeira Guerra Mundial, e muito de nossa situação atual pode ser rastreada até ela. Foi uma guerra (cuja memória parece estar se apagando) quando a Europa, repleta de saúde e abundância, caiu em uma fúria de automutilação que não pôde deixar de minar suas forças por um século ou mais, e talvez para sempre. A única explicação possível para esta guerra é um eclipse mental entre os líderes da Europa devido à sua consciência perdida de um Poder Supremo acima deles. Somente uma amargura sem Deus poderia ter movido estados ostensivamente cristãos a empregar gás venenoso, uma arma tão obviamente fora dos limites da humanidade.

O mesmo tipo de defeito, a deficiência de uma consciência desprovida de qualquer dimensão divina, manifestou-se após a Segunda Guerra Mundial, quando o Ocidente cedeu à tentação satânica do ‘guarda-chuva nuclear’. Era equivalente a dizer: Vamos nos livrar das preocupações, vamos libertar a geração mais jovem de seus deveres e obrigações, não façamos nenhum esforço para nos defendermos, muito menos defender os outros – tapemos nossos ouvidos aos gemidos que emanam do Oriente, e vivamos em vez disso na busca da felicidade. Se o perigo nos ameaçar, seremos protegidos pela bomba nuclear; se não, deixe o mundo ir para o inferno! O lamentavelmente desamparado estado em que se afundou o Ocidente contemporâneo deve-se em grande parte a este erro fatal: a crença de que o único problema é o das armas nucleares, ao passo que, na realidade, a defesa da paz repousa principalmente sobre corações fortes e homens firmes.

Somente a perda daquela intuição superior que vem de Deus poderia ter permitido ao Ocidente aceitar calmamente, após a Primeira Guerra Mundial, a agonia protegida da Rússia ao ser dilacerada por um bando de canibais, ou aceitar, após a Segunda Guerra Mundial, o desmembramento semelhante da Europa Oriental. O Ocidente não percebeu que este foi de fato o início de um longo processo desastroso para o mundo inteiro; de fato, o Ocidente fez muito para ajudar no processo. Apenas uma vez neste século o Ocidente reuniu forças – para a batalha contra Hitler. Mas os frutos dessa vitória há muito foram perdidos. Diante do canibalismo, nossa era ímpia descobriu o anestésico perfeito – o comércio! Esse é o pináculo patético da sabedoria contemporânea.

O mundo de hoje atingiu um estágio que, se tivesse sido descrito nos séculos anteriores, teria suscitado o grito: ‘Este é o Apocalipse!’

Ainda assim, nós nos acostumamos com este tipo de mundo; até nos sentimos em casa nele.

Dostoiévski advertiu que “grandes eventos podem vir sobre nós e nos pegar intelectualmente despreparados”. Isso é exatamente o que aconteceu. E ele previu que ‘o mundo só será salvo depois de possuído pelo demônio do mal.’ Se ele realmente será salvo, teremos que esperar para ver: isso dependerá de nossa consciência, de nossa lucidez espiritual, de nossos esforços individuais e combinados em face de circunstâncias catastróficas. Mas o demônio do mal, como um redemoinho, já circula triunfantemente por todos os cinco continentes da terra.

Somos testemunhas da devastação do mundo, seja imposta ou sofrida voluntariamente. Todo o século XX está sendo sugado pelo vórtice do ateísmo e da autodestruição. Esse mergulho no abismo tem aspectos indiscutivelmente globais, não dependendo nem dos sistemas políticos, nem dos níveis de desenvolvimento econômico e cultural, nem das peculiaridades nacionais. E a Europa contemporânea, aparentemente tão diferente da Rússia de 1913, está hoje à beira do mesmo colapso, por mais que tenha chegado nesse ponto por uma rota diferente. Diferentes partes do mundo seguiram caminhos diferentes, mas hoje todas se aproximam do limiar de uma ruína comum.

No passado, a Rússia conheceu uma época em que o ideal social não era a fama, nem a riqueza, nem o sucesso material, mas um modo de vida piedoso. A Rússia foi então imersa em um Cristianismo Ortodoxo que permaneceu fiel à Igreja dos primeiros séculos. A Ortodoxia daquela época sabia como salvaguardar seu povo sob o jugo de uma ocupação estrangeira que durou mais de dois séculos, enquanto ao mesmo tempo se defendia dos golpes iníquos das espadas dos cruzados ocidentais. Durante esses séculos, a fé ortodoxa em nosso país passou a fazer parte dos próprios padrões de pensamento e personalidade de nosso povo, as formas de vida cotidiana, o calendário de trabalho, as prioridades em cada empreendimento, a organização da semana e do ano. A fé foi a força formadora e unificadora da nação.

Mas no século XVII a Ortodoxia Russa foi gravemente enfraquecida por um malfadado cisma interno. No XVIII, o país foi abalado pelas transformações impostas à força por Pedro, que favoreceram a economia, o estado e os militares em detrimento do espírito religioso e da vida nacional. E junto com esse iluminismo petrino desequilibrado, a Rússia sentiu o primeiro sopro de secularismo; seus venenos sutis permearam as classes educadas no decorrer do século XIX e abriram o caminho para o marxismo. Na época da revolução, os círculos educados russos haviam virtualmente perdido a fé; e entre os ignorantes, sua saúde estava ameaçada.

Foi Dostoiévski, mais uma vez, quem tirou da Revolução Francesa e de seu ódio fervente pela Igreja a lição de que “a revolução deve necessariamente começar com o ateísmo”. Isso é absolutamente verdade. Mas o mundo nunca havia conhecido uma impiedade tão organizada, militarizada e tenazmente malévola como a pregada pelo marxismo. Dentro do sistema filosófico de Marx e Lenin e no cerne de sua psicologia, o ódio a Deus é a principal força motriz, mais fundamental do que todas as suas pretensões políticas e econômicas. O ateísmo militante não é meramente incidental ou marginal à política comunista; não é um efeito colateral, mas o pivô central. Para alcançar seus fins diabólicos, o comunismo precisa controlar uma população desprovida de sentimento religioso e nacional, e isso acarreta a destruição da fé e da nacionalidade. Os comunistas proclamam esses dois objetivos abertamente e os colocam em prática abertamente. O grau em que o mundo ateísta anseia por aniquilar a religião, o grau de dificuldade que ele possui de aceitar a religião, foi demonstrado pela teia de intrigas em torno dos recentes atentados contra o Papa.

A década de 1920 na URSS testemunhou uma procissão ininterrupta de vítimas e mártires entre o clero ortodoxo. Dois metropolitas foram fuzilados, um dos quais, Benjamin de Petrogrado, foi eleito pelo voto popular de sua diocese. O próprio patriarca Tikhon passou pelas mãos da Cheka-GPU e morreu em circunstâncias suspeitas. Dezenas de arcebispos e bispos morreram. Dezenas de milhares de padres, monges e freiras, pressionados pelos chekistas a renunciarem à palavra de Deus, foram torturados, fuzilados em porões, enviados para campos, exilados na desolada tundra do extremo Norte ou jogados nas ruas com sua velhice sem comida ou abrigo. Todos esses mártires cristãos foram inabaláveis ​​à morte pela fé; os casos de apostasia eram poucos e distantes entre si. Para dezenas de milhões de leigos, o acesso à Igreja foi bloqueado e eles foram proibidos de criar seus filhos na fé: pais religiosos foram arrancados de seus filhos e jogados na prisão, enquanto os filhos foram afastados da fé por ameaças e mentiras. Pode-se argumentar que a destruição inútil da economia rural da Rússia na década de 1930, a chamada dekulakização e coletivização, que trouxe a morte a 15 milhões de camponeses sem fazer nenhum sentido econômico, foi aplicada com tanta crueldade, em primeiro lugar, para os propósito de destruir nosso modo de vida nacional e de extirpar a religião de nossos camponeses. A mesma política de perversão espiritual operava em todo o mundo brutal do Arquipélago Gulag, onde os homens eram encorajados a sobreviver à custa da vida de outros.

E somente ateus destituídos de razão poderiam ter decidido sobre a brutalidade final que está sendo planejada na URSS hoje, a ser perpetrada contra a própria terra russa, por meio da qual o norte da Rússia será inundado, o fluxo dos rios do norte invertido, a vida do oceano Ártico interrompida e a água canalizada para o sul, em direção a terras já devastadas por anteriores, e igualmente temerários, ‘feitos da construção comunista’.

Por um curto período de tempo, quando ele precisava reunir forças para a luta contra Hitler, Stalin cinicamente adotou uma postura amigável em relação à Igreja. Brezhnev deu prosseguimento a este jogo enganoso nos últimos anos com a ajuda de publicações “para inglês ver” e outras dissimulações de vitrine, infelizmente, tenderam a ser aceitas pelo Ocidente. No entanto, a tenacidade com que o ódio à religião está enraizado no comunismo pode ser julgada pelo exemplo de seu líder mais liberal, Khrushchev: pois embora ele empreendesse uma série de etapas significativas para estender a liberdade, Khrushchev simultaneamente reacendeu a obsessão leninista frenética de destruir a religião.

Mas há algo que eles não esperavam: que em uma terra onde igrejas foram arrasadas, onde um ateísmo triunfante grassou descontroladamente por dois terços de um século, onde o clero é totalmente humilhado e privado de qualquer independência, onde o que resta da Igreja como instituição é tolerada apenas por uma questão de propaganda dirigida ao Ocidente, onde ainda hoje as pessoas são enviadas aos campos de trabalho por sua fé, e onde, dentro dos próprios campos, aqueles que se reúnem para rezar na Páscoa são colocados em solitárias – eles não podiam supor que sob esse rolo compressor comunista a tradição cristã sobreviveria na Rússia! É verdade que milhões de nossos compatriotas foram corrompidos e espiritualmente devastados por um ateísmo imposto oficialmente, mas ainda existem muitos milhões de crentes: são apenas as pressões externas que os impedem de falar, mas, como sempre é o caso em tempos de perseguição e sofrimento, a consciência de Deus em meu país atingiu grande acuidade e profundidade.

É aqui que vemos o alvorecer da esperança: pois não importa o quão formidavelmente o comunismo se eriça de tanques e foguetes, não importa o sucesso que alcança na tomada do planeta, ele está condenado a nunca derrotar o Cristianismo.

O Ocidente ainda não experimentou uma invasão comunista; a religião permanece livre. Mas a própria evolução histórica do Ocidente foi tal que hoje também está passando por um esgotamento da consciência religiosa. Também testemunhou cismas terríveis, guerras religiosas sangrentas e inimizade, para não falar da maré de secularismo que, do final da Idade Média em diante, inundou progressivamente o Ocidente. Essa redução gradual de forças por dentro é uma ameaça à fé que talvez seja ainda mais perigosa do que qualquer tentativa de atacar violentamente a religião de fora.

Imperceptivelmente, ao longo de décadas de erosão gradual, o sentido da vida no Ocidente deixou de representar qualquer coisa mais elevada do que a busca da “felicidade”, uma meta que foi até mesmo solenemente garantida pelas constituições. Os conceitos de bem e mal foram ridicularizados por vários séculos; banidos do uso comum, foram substituídos por considerações políticas ou de classe de valor efêmero. Tornou-se embaraçoso apelar para conceitos eternos, embaraçoso afirmar que o mal faz sua morada no coração humano individual antes de entrar em um sistema político. No entanto, não é considerado vergonhoso fazer concessões diárias a um mal integral. A julgar pela avalanche contínua de concessões feitas diante dos olhos de nossa própria geração, o Ocidente está inevitavelmente se dirigindo para o abismo. As sociedades ocidentais estão perdendo cada vez mais sua essência religiosa à medida que entregam impensadamente sua geração mais jovem ao ateísmo. De que outra evidência de impiedade alguém precisa, se um filme blasfemo sobre Jesus é exibido nos Estados Unidos, supostamente um dos países mais religiosos do mundo? Ou se um grande jornal publica uma caricatura descarada da Virgem Maria? Quando os direitos externos são completamente irrestritos, por que devemos fazer um esforço interno para nos refrearmos de atos ignóbeis? . . .

Ou por que devemos refrear o ódio ardente, qualquer que seja sua base – raça, classe ou ideologia zelosa? Esse ódio está corroendo muitos corações hoje. Os professores ateus no Ocidente estão criando uma geração mais jovem com um espírito de ódio por sua própria sociedade. Em meio a todas as injúrias, esqueceu-se que os defeitos do capitalismo representam as falhas básicas da natureza humana, livre de todas as limitações, assim como os vários direitos humanos; que sob o comunismo (e o comunismo sopra no pescoço de todas as formas moderadas de socialismo, que são instáveis) – sob o comunismo as mesmas falhas tornam-se completamente desenfreadas em qualquer pessoa com o menor grau de autoridade; e que todos os outros sob esse sistema realmente atingem a “igualdade” – a igualdade dos escravos destituídos. Tais incitações ao ódio estão passando a caracterizar o mundo livre de hoje. Na verdade, quanto mais amplas são as liberdades pessoais, quanto mais alto o nível de prosperidade ou mesmo abundância, mais veemente, paradoxalmente, é esse ódio cego. O Ocidente desenvolvido contemporâneo demonstra, assim, por seu próprio exemplo, que a salvação humana não pode ser encontrada nem na profusão de bens materiais, nem apenas em ganhar dinheiro.

Esse ódio insaciável então se espalha para tudo que está vivo, para a própria vida, para o mundo com suas cores, sons e formas, para o corpo humano. A arte amargurada do século XX está morrendo com esse ódio horrível, pois a arte é fruto menos sem amor. No Oriente, a arte entrou em colapso porque foi violentamente derrubada e pisoteada, mas no Ocidente a queda foi voluntária, um declínio em uma busca artificial e pretensiosa onde o artista, em vez de tentar divulgar o plano divino, tenta colocar-se no lugar de Deus.

E aqui, novamente, o mesmo resultado é produzido tanto no Oriente como no Ocidente, por um processo mundial, pela mesma causa: que os homens se esqueceram de Deus.

Confrontados com o ataque do ateísmo mundial, os crentes ficam desunidos e frequentemente confusos. No entanto, o mundo cristão (ou pós-cristão) faria bem em observar o exemplo do Extremo Oriente.

Recentemente, tive a oportunidade de observar na China Livre e no Japão como, apesar da precisão aparentemente menor de seus conceitos religiosos, e apesar da mesma “liberdade de escolha” inexpugnável que existe no Ocidente, tanto a sociedade quanto a geração mais jovem preservaram um senso moral em um grau maior do que é verdade no Ocidente, e foram menos afetados pelo espírito destrutivo do secularismo.

O que se pode dizer da falta de unidade entre as várias religiões, se o próprio Cristianismo se fragmentou tanto? Nos últimos anos, as principais igrejas cristãs deram passos em direção à reconciliação. Mas essas medidas são lentas demais: o mundo está perecendo 100 vezes mais rápido. Ninguém espera que as igrejas se fundam ou revisem todas as suas doutrinas, mas apenas que apresentem uma frente comum contra o ateísmo. Mas, para tal, os passos dados são muito lentos.

Também existe um movimento organizado para a unificação das Igrejas, mas apresenta um quadro estranho. O Conselho Mundial de Igrejas parece se preocupar mais com o sucesso dos movimentos revolucionários no Terceiro Mundo, ao mesmo tempo em que permanece cego e surdo para a perseguição da religião onde esta é realizada de forma mais consistente – na URSS. Não ver os fatos é impossível; devemos concluir, então, que se julga conveniente não ver, não se envolver? Mas, se for esse o caso, o que resta do Cristianismo?

É com profundo pesar que devo notar aqui algo que não posso ignorar em silêncio. Meu antecessor, que recebeu este prêmio no ano passado – nos mesmos meses em que o prêmio foi concedido – deu apoio público às mentiras comunistas com sua declaração deplorável de que não havia notado a perseguição religiosa na URSS diante da multidão daqueles que morreram e que são oprimidos hoje, que Deus seja seu juiz.

Parece cada vez mais aparente que mesmo com a mais sofisticada das manobras políticas, o nó no pescoço da humanidade fica mais apertado e sem esperança a cada década que passa, e parece não haver saída para ninguém – nem nuclear, nem política, nem econômica, nem ecológica. É realmente assim que as coisas parecem ser.

Diante das montanhas, ou melhor, de todas as cadeias de montanhas de tais eventos globais, pode parecer incongruente e inapropriado lembrar que a chave primária para nosso ser ou não ser reside em cada coração humano individual, na preferência do coração por um bem ou mal específico. No entanto, isso permanece verdadeiro até hoje e é, de fato, a chave mais confiável. As teorias sociais que tanto prometeram demonstraram sua falência, deixando-nos em um beco sem saída. Era razoável esperar que o povo livre do Ocidente compreendesse que seu ambiente inclui inúmeras falsidades criadas livremente, e que não permitisse que mentiras lhes fossem impingidas com tanta facilidade. Todas as tentativas de encontrar uma saída para a situação difícil do mundo de hoje são infrutíferas sem um retorno arrependido de nossa consciência ao Criador de tudo: sem isso, nenhuma saída será iluminada e seremos incapazes de encontrar nosso caminho. Os meios que deixamos para nós mesmos são muito pobres para a tarefa. Devemos primeiro reconhecer o horror perpetrado não por alguma força externa, não por inimigos de classe ou nacionais, mas dentro de cada um de nós individualmente e dentro de cada sociedade. E particularmente em uma sociedade livre e altamente desenvolvida, pois nesse caso certamente fizemos tudo por nós mesmos e por nossa própria vontade. Nós mesmos, em nosso egoísmo impensado diário, estamos apertando com força esse nó.

Perguntemo-nos: não são falsos os ideais do nosso século? E não é a nossa terminologia fluente e da moda tão inadequada quanto, uma terminologia que leva a soluções superficiais sendo propostas para cada dificuldade? Em todos os campos de atuação, todos eles devem ser submetidos a uma revisão perspicaz enquanto ainda há tempo. A solução da crise não será encontrada nos caminhos já trilhados das noções convencionais.

Nossa vida consiste não na busca do sucesso material, mas na busca de um crescimento espiritual digno. Toda a nossa existência terrena é apenas um estágio de transição no movimento em direção a algo mais elevado, e não devemos tropeçar e cair, nem nos demorar inutilmente em um degrau da escada. As leis materiais por si só não explicam nossa vida nem a orientam. As leis da física da fisiologia jamais revelarão a maneira indiscutível como o Criador constantemente, dia após dia, participa da vida de cada um de nós, concedendo-nos infalivelmente a energia da existência; quando essa assistência nos deixa, morremos. Na vida de todo o nosso planeta, o Espírito Divino se move com não menos força: isso nós devemos agarrar em nosso tempo sombrio e terrível.

Em vez das esperanças imprudentes dos últimos dois séculos, que nos reduziram ao significado e nos levaram à beira da morte nuclear e não nuclear, só podemos alcançar com determinação a mão calorosa de Deus, que temos afastado tão precipitadamente e com autoconfiança. Se fizéssemos isso, nossos olhos poderiam ser abertos para os erros deste infeliz século XX e nossas mãos poderiam ser direcionadas para corrigi-los. Não há mais nada em que podemos nos agarrar, no deslizamento de terra: todos os pensadores do Iluminismo não podem nos dar nada.

Nossos cinco continentes estão em um redemoinho. Mas é durante essas provações que os maiores dons do espírito humano são manifestados. Se perecermos e perdermos este mundo, a culpa será somente nossa.

 

3 COMENTÁRIOS

  1. Ao longo dos últimos anos minhas tendências libertárias têm se inclinado cada vez mais para a visão de que o utilitarismo racionalista não é suficiente para alcançar a liberdade política e econômica, e que essa liberdade não é suficiente para construir uma sociedade estável. Percebo que muitos libertários anteriormente “puros” têm ido por caminhos similares.

    Da minha parte, foi uma reação à percepção crescente de que a mente humana é capaz de sustentar um nível revoltante de desconexão com a realidade. E que essas loucuras alcançaram sua atual popularidade porque em todo lugar se ensina que a realidade somos “nós” que criamos – através do poder mágico do Estado, que pode fazer tudo acontecer se houver “vontade política” suficiente. É o messianismo de outros tempos, desta vez ao alcance de (quase) todos e com verniz de “ciência”.

    Se você é contra a realização do sonho de remodelação da realidade de alguém, você deve ser uma pessoa horrível. A mentalidade é, “por que não? Somos uma sociedade avançada, não precisamos nos preocupar com coisas esquálidas como produção econômica e reposição demográfica, estamos em busca de novas experiências, sem custo e sem risco!”

    Por essas e outras que, apesar de ser agnóstico, cada vez mais eu simpatizo com os religiosos como Soljenítsin quando afirmam: se você se recusa a aceitar um padrão de moralidade objetivo, universal e imutável, você está no caminho da desgraça, pois seres humanos são imperfeitos e mortais, e qualquer sistema criado por eles também será.

    Hoje temos insanidades como “homens grávidos”, “crise climática” e “salvar a vida proibindo a vida”. É desesperador, mas pode piorar – sem Deus, não há limite para o número de loucuras que podem ser promovidas pelos criadores de narrativas. Nenhum limite exceto o colapso econômico e social, quer dizer.

  2. Por causa deste tipo de discurso que Soljenítsin foi perdendo crédito junto a Intelligentsia esquerdista americana, que de fascinada pelo autor de o “Arquipélago Gulag”, passou a trata-lo com desprezo reservado aos crentes. Estamos falando aqui da esquerda anti-marxista, a mesma que hoje em dia sustenta as pautas identitárias.

    A Igreja Católica Apostólica Romana – a única verdadeira, independente de qualquer coisa, sejam sua história com alguns abusos ou líderes corruptos, é a única defesa dos indivíduos contra o estado. Não existe meio termo nesta luta. A queda do Ocidente está relacionada exatamente com o que Soljenítsin disse: “os homens esqueceram de Deus”. É simples, quem não serve a Deus e a Igreja, acaba servindo ao demônio. E este pode ser o estado ou um deus pessoal, ou como eu vi um sujeito se chamar esses dias: um cristão desinstitucionalizado.

    Soljenítsin chegou praticamente a ser acusado de nazista – anti-semita é a palavra usada, mesmo tendo combatido no segunda guerra com louvor. Tudo em função dessa esquerda imunda que atualmente manda no mundo.

  3. A fé religiosa… sob orientação correta sempre foi a grande escola de padrões morais nas pessoas de todas as classes… qualquer pessoa que acredita no libertarianismo deve dar o devido valor a esse fato… porém a fé cega na religião pode ser tão perigosa como a fé cega na política… a partir do momento que os líderes religiosos não são dignos do seu posto… e a partir do momento que as pessoas acreditam cegamente nos líderes religiosos… tudo é possível… inclusive a igreja colaborar com o socialismo… ou incitar a violência… a religião pode ser uma excelente escola para desenvolver a moral… mas nada substitui desenvolver a capacidade individual de julgamento…