Os mercados são pacíficos, mas os estados não são

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Neste artigo, gostaria de apresentar alguns pensamentos econômicos fundamentais sobre a causa da guerra, já que a guerra tem atormentado cronicamente a história humana, particularmente a história mais recente. Em 1919, o economista Ludwig von Mises (1881-1973) publicou um livro intitulado Nation, State, and Economy, apresentando uma explicação de por que a catastrófica Primeira Guerra Mundial teria acontecido.

A resposta de Mises pode surpreender muitas pessoas hoje: a guerra ocorreu por causa do afastamento da ideia de livre mercado, livre comércio, liberdade individual e igualdade perante a lei. Em suma, foi o abandono do liberalismo e a ascensão do Estado como o conhecemos hoje que levaram à Primeira Guerra Mundial.

O estado moderno é agressivo tanto interna quanto externamente, e também tem um incentivo para travar guerras contra outros estados para fazer valer seus interesses pela força. Estado e guerra andam de mãos dadas, por assim dizer. Para explicar isso com mais detalhes, gostaria de apresentar algumas considerações econômicas.

É uma verdade lógica e inegável que o homem tem objetivos que procura alcançar empregando meios. Além disso, o homem prefere mais meios a menos meios e prefere uma satisfação antecipada dos desejos à satisfação posterior. Como ser racional, ele percebe mais cedo ou mais tarde que a divisão do trabalho é vantajosa para ele, pois aumenta a produção de seu trabalho. A divisão do trabalho significa que todos realizam o trabalho que podem fazer ao custo comparativamente mais baixo.

A divisão do trabalho requer troca. Afinal, se eles se organizam com base na divisão do trabalho, a maioria das pessoas não produz mais para suas próprias necessidades diretas, mas quase todos produzem para as necessidades de seus semelhantes.

É a divisão do trabalho que une as pessoas. Faz com que as pessoas se reconheçam mutuamente úteis para lidar com os desafios da vida. Simplificando, o comprador de um produto está interessado em garantir que seu fabricante esteja indo bem – caso contrário, ele não pode comprar o bem.

A divisão do trabalho é um fenômeno natural em um sistema de livre mercado. Nos mercados livres, os consumidores são livres para exigir os bens que melhor atendam às suas necessidades; e os produtores têm a liberdade de oferecer voluntariamente a seus semelhantes os bens que eles demandam.

Um sistema de livre mercado, se praticado, mais cedo ou mais tarde permitiria que as pessoas ao redor do mundo se transformassem em uma divisão de trabalho muito coesa. O resultado seria uma cooperação permanentemente pacífica e produtiva entre os povos.

Como a guerra é totalmente estranha ao sistema de livre mercado, as pessoas que conhecem e experimentam o efeito produtivo da divisão do trabalho em escala mundial não têm incentivo para se envolver em algo como a guerra, pois seria contra seus interesses pessoais. Mas, infelizmente, não há nenhum sistema de mercados neste mundo que seja, ou alguma vez tenha sido, verdadeiramente livre.

Por muitos séculos, especialmente desde o início dos tempos modernos, existe o Estado. Inicialmente, havia um estado na forma do senhor feudal e do rei. Então, havia o imperador. No passado mais recente, houve a república, a ditadura e o estado democrático moderno.

Podemos perguntar: O que exatamente é o estado? Você pode responder: “O Estado, somos todos nós” ou “Não podemos prescindir do Estado porque quem construiria estradas e escolas, ajudaria os necessitados, garantiria justiça e segurança?”

No entanto, a lógica da ação traz à tona um tipo de resposta bastante diferente. Desse ponto de vista, é óbvio que o Estado (como o conhecemos hoje) é um monopólio coercitivo do poder, do uso da força. O economista e filósofo social americano Murray N. Rothbard (1926-1995) define o Estado (como o conhecemos hoje) como o monopolista territorial e coercitivo com o poder de decisão final sobre todos os conflitos em seu território e como tendo também o direito para cobrar impostos.

Esse tipo de Estado, é claro, não é uma instituição natural, não foi criado voluntariamente por pessoas, nem poderia ter surgido em um sistema de livre mercado, porque em um livre mercado há apenas trocas voluntárias; não há ação forçada provocada por coerção e violência.

O sociólogo, médico e economista alemão Franz Oppenheimer (que, aliás, foi o orientador de doutorado de Ludwig Erhard, o pai da economia social de mercado alemã e o segundo chanceler da República Federal da Alemanha) determinou inequivocamente que o Estado é de fato baseado na coação e na violência. Oppenheimer escreve que o Estado

    em sua gênese, essencialmente e quase completamente durante os primeiros estágios de sua existência, é uma instituição social, forçada por um grupo vitorioso de homens sobre um grupo derrotado, com o único propósito de regular o domínio do grupo vitorioso sobre o vencido, e protegendo-se contra a revolta de dentro e os ataques do exterior. Teleologicamente, esse domínio não tinha outro propósito senão a exploração econômica dos vencidos pelos vencedores.

Rothbard e Oppenheimer nos informam que o Estado é uma instituição agressiva e especialmente agressiva internamente. A classe dominante, através do uso do poder do Estado, luta não apenas para manter seu poder sobre a classe dominada, mas também para expandi-lo por meio de proibições e restrições, regulamentos e leis, impostos mais altos e muito mais.

A razão para isso é óbvia: se o Estado tem o monopólio territorial do poder para decidir todos os conflitos em seu território, e se também tem o poder de cobrar impostos (incluindo o imposto inflacionário), então o Estado (as pessoas que exercem seu poder) irá, é claro, fazer mais e mais uso dele.

A classe dominante prefere mais meios a menos meios, e prefere uma satisfação antecipada dos desejos a uma satisfação posterior. Simplificando, o estado (como o conhecemos hoje) torna-se maior e mais poderoso ao longo do tempo, e os cidadãos e empresários sob seu comando são cada vez mais pressionados, suas liberdades restringidas. No entanto, o Estado não só se tornará maior e mais poderoso “internamente”, mas também externamente assim que tiver uma oportunidade adequada para fazê-lo.

Estados que se sentem ideologicamente ligados entre si têm um incentivo para formar um cartel, para eliminar a competição entre eles. Um exemplo de tal cartel estatal é a União Europeia. Ela permite que os estados membros se tornem maiores e mais poderosos.

Mas se os estados buscam interesses diferentes e seguem ideologias diferentes, eles têm um incentivo para construir e expandir seu poder de forma agressiva e beligerante. A história mundial está repleta de guerras entre Estados motivadas dessa maneira.

É claro que os grandes estados são particularmente agressivos em relação ao mundo exterior porque podem obter com relativa facilidade os meios necessários para perseguir uma política externa agressiva, como dinheiro, armas e soldados. Quando grandes estados seguem ideologias diferentes, o perigo de guerra entre eles é muito grande. Um exemplo disso são os muitos conflitos militares, especialmente na forma de guerras por procuração, entre os Estados Unidos e a antiga União Soviética.

Pode-se ver que o estado moderno é agressivo no sentido econômico, então os conflitos armados entre estados não são uma coincidência trágica, mas uma consequência lógica. Aliás, essa é uma percepção fundamental que o general prussiano Carl von Clausewitz formulou em 1832, declarando: “A guerra é uma mera continuação da política por outros meios”.

Portanto, se queremos prevenir a guerra de forma eficaz, como disse Mises, devemos limitar o Estado e, assim, impor limites firmes à política e aos políticos. Mises escreveu: “Quem quer a paz entre as nações deve procurar limitar o estado e sua influência mais estritamente”. E também devemos abraçar incondicionalmente o conceito de livre mercado, porque ele, e não o Estado, garante a paz e a prosperidade para as pessoas deste planeta.

Há apenas duas maneiras de a cooperação humana ocorrer: por meios voluntários ou por coerção. O mercado livre significa cooperação voluntária; A coerção e a violência são os meios do Estado.

Há um ponto importante que precisamos destacar: lei e segurança são indispensáveis ​​se as pessoas de uma comunidade querem conviver de forma pacífica e produtiva. Mas os bens de justiça e segurança também podem, é claro, ser fornecidos sob o sistema de livre mercado. Um monopolista estatal não é necessário.

A ciência econômica pode ajudar em muito a tornar o mundo mais pacífico e, portanto, ética e moralmente melhor. Qualquer um que aprenda como funciona um sistema de livre mercado, o que ele faz, não terá motivos para exigir um Estado. Isso nos ajuda a entender por que pequenos estados e pequenas entidades políticas são mais pacíficos e prósperos do que grandes estados e grandes entidades políticas. Não é por acaso que as pessoas que contam com o sistema de livre mercado e se organizam em pequenas unidades são pacíficas e, ao mesmo tempo, auferem a maior renda per capita. Suíça, Lichtenstein, Mônaco, Cingapura e Hong Kong vêm à mente.

Quem pensa que a solução para o conflito Rússia-Ucrânia está no rearmamento dos Estados, nas sanções e no fim da divisão transfronteiriça do trabalho e do comércio está cometendo um grave erro. O problema da guerra não se resolve quando o agressor é derrotado, mas apenas quando as ideologias que levam à guerra são completamente desacreditadas e não mais são bem-vindas pelo povo.

Immanuel Kant, o filósofo Königsberg do Iluminismo escreveu: “A paz deve ser estabelecida; não vem por si mesma.” Eu acrescentaria que a paz vem quando as pessoas cooperam voluntariamente umas com as outras nos mercados livres. A paz não é estabelecida pelo Estado. Pelo contrário, o oposto é verdadeiro.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. […] Embora seja verdade que durante meio século o recta internacional ofereceu ajuda ao povo geral, isto aconteceu exclusivamente na medida em que os burocratas reduziram suas disputas. Com mais sossego, o povo foi submetido exclusivamente à violência de seus funcionários públicos sem tolerar com as guerras entre regimes. No entanto, no final do século XX, a fraca capacidade dos membros do estado de se vincularem a qualquer princípio pacífico os levou a mais guerras, expondo novamente sua verdadeira natureza violenta. […]