A ciência do Mal – psicopatas no poder

1
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Uma nova edição de Ponerologia: Psicopatas no Poder, de Andrew M. Łobaczewski, editada por Harrison Koehli, já está disponível na Amazon. Este livro estranho e provocativo argumenta que o totalitarismo é o resultado da extensão da psicopatologia de um grupo de psicopatas para todo o corpo político, incluindo seus sistemas políticos e econômicos. Ponerologia é leitura essencial para pensadores preocupados e todos os que sofrem sob o totalitarismo, passado e presente. É especialmente crucial hoje, quando o totalitarismo emergiu mais uma vez, desta vez no Ocidente, onde está afetando quase todos os aspectos da vida, incluindo especialmente a vida intelectual.

Quando encontrei a Ponerologia pela primeira vez, estava lutando para entender como o esquerdismo totalitário havia efetivamente conquistado os Estados Unidos da América. Desde meus encontros com os raivosos guerreiros da justiça social como professor na Universidade de Nova York – relatados em meu livro Springtime for Snowflakes – comecei a notar, com grande alarme, o caráter totalitário da esquerda contemporânea. Então, o surgimento da ideologia “lacradora” “woke” e sua metástase da academia para todo o corpo social me colocaram em uma missão para entender a ascensão do totalitarismo – porque eu acreditava, e ainda acredito, que o “wokismo” é totalitário. Longe de ser “liberal” no sentido clássico, a ideologia woke é semelhante ao jacobinismo que alimentou as revoluções comunistas na Rússia, na China e em outros lugares. Ela visa derrubar a ordem estabelecida em sua totalidade e refazer o mundo à sua imagem de utopia.

Comecei com o estudo da revolução bolchevique na Rússia e continuei examinando a exportação de variantes bolcheviques para a Europa Oriental e Ásia. O comunismo era mais interessante para mim do que o nazismo e um terreno muito mais negligenciado na academia americana. Além disso, era mais relevante no contexto atual. Ao tentar pesquisar a criminalidade política esquerdista, fiquei surpreso e furioso com a forma como a academia enterrou grande parte da história. Por exemplo, as pesquisas sobre as práticas de “sessões de luta” e “autocrítica”, que eram tão prevalentes durante a Revolução Cultural na China, não renderam quase nada. Esses e outros tópicos relacionados não foram tratados ou simplesmente desapareceram. Suspeitei que um grande encobrimento havia sido realizado.

Veja bem, essa área de estudo nunca foi minha especialidade. Eu tinha sido um acadêmico por quase trinta anos. Meu trabalho foi na história da ciência e suas interseções com a cultura na Grã-Bretanha do século XIX. Eu havia me apegado a um desenvolvimento pouco conhecido chamado “secularismo”, fundado por George Jacob Holyoake em 1851.[1] Assim, tendo me relegado a esse nicho acadêmico, tive muito o que recuperar. Naturalmente, vasculhei O Livro Negro do Comunismo, um volume que é infame entre os marxistas ocidentais e que, graças à sua alegre rejeição, era um livro que eu nunca me dei ao trabalho de abrir enquanto eu era marxista, muito menos ler. Havia tanto estudo a fazer, incluindo escavação no Arquivo Digital Stalinista, que está disponível para mim como aposentado oficial da NYU. Li também os textos clássicos sobre o totalitarismo, os relatos literários escritos por autores agora famosos, mas ainda muito negligenciados, e, mais tarde, as obras da escola austríaca de economia.

Łobaczewski fez a afirmação ousada de que havia descoberto “as leis gerais da origem do mal”. Se for verdade, o livro estava no mesmo nível dos Principia de Newton nas ciências físicas, embora fosse de maior importância prática. E ele abordou esse domínio a partir da perspectiva disciplinar da psicologia. Tal metodologia “individualista” havia sido descartada como mero “psicologismo” em meu próprio campo e em muitos outros das ciências humanas e sociais. A insistência de Łobaczewski em focar nos distúrbios psicológicos individuais para entender o desdobramento do “mal macrossocial” me pareceu inicialmente equivocada, mas essa abordagem está de acordo com o individualismo metodológico de Joseph Schumpeter, que se tornou uma marca registrada da escola austríaca. Minha suposição sempre foi que era preciso estudar ideologia política e economia e que a ideologia política e a teoria econômica explicavam quase tudo o que se precisava saber sobre como e por que o mal totalitário acontece.

Mas comecei a me convencer de que, de fato, uma “psicose de formação de massa” – uma frase recentemente reintroduzida por dissidentes e difamada pela grande mídia no contexto da propaganda da covid – poderia começar com indivíduos patológicos e se espalhar por toda a sociedade, ultrapassando nações inteiras.

Łobaczewski guia o leitor pelo processo, do começo ao fim inglório. Reconheci os padrões que o autor se esforça ao máximo para expor. Primeiro, os leitores confundem a escrita de personalidades esquizóides – como Karl Marx e Friedrich Engels, por exemplo – com profundidade que eles deveriam levar a sério:

Esse é o primeiro erro. O esquema supersimplificado da realidade – pessimista em relação à natureza humana e desprovido de cor psicológica – tende a ser sugestivo, exercendo uma intensa influência de atração sobre indivíduos que são insuficientemente críticos, frequentemente frustrados como resultado de um ajuste social descendente, culturalmente negligenciados ou caracterizados por algumas deficiências psicológicas próprias. Tais escritos provocam outras duras críticas baseadas em seu saudável senso comum, embora também não consigam compreender a causa essencial do erro (189).

As interpretações de tal escrita “doutrinária” se enquadram em três categorias: aversão que muitos têm por razões moralistas; aceitação “crítico-corretiva” por pessoas normais que incorporam os elementos mais valiosos do trabalho e “banalizam os erros óbvios” enquanto complementam “as deficiências esquizóides por meio de sua própria visão de mundo mais rica”; e “aceitação patológica” por aqueles “afligidos por malformações de personalidade ou que foram feridos por injustiça social”. Este último tipo de interpretação “muitas vezes brutaliza os conceitos dos autores e inspira a aceitação de métodos violentos e meios revolucionários” (189-90). Gosto de pensar que minha própria aceitação anterior do marxismo era do segundo tipo.

A escrita doutrinária de personalidades muitas vezes esquizóides atrai “personalidades características”, que pegam as ideologias fornecidas e “reformam-nas em uma forma de propaganda ativa e a divulgam com seu egoísmo patológico característico e intolerância paranoica por quaisquer filosofias que possam diferir das suas” (p. 191). Essas personalidades caracteropáticas, assim, pegam o que circulou em círculos limitados e o ativam em um nível social. Assim, o palco está montado para os psicopatas emergirem como líderes partidários.

Esse padrão combina com os fatos do totalitarismo histórico. E notei que o padrão se mantém hoje, até a porcentagem de pessoas que sucumbe à ideologia política totalitária, bem como a porcentagem que resiste.

Falando em ideologia, Ponerologia explica um fenômeno que me aborreceu. Como os ideólogos comunistas conseguiram convencer as massas de que cometeram seus crimes pelos “trabalhadores”, “pelo povo” ou pelo igualitarismo? Mas ainda mais desconcertante, como os ideólogos se convenceram de que seus crimes eram para o bem do homem comum? Łobaczewski explica que a ideologia totalitária opera em dois níveis; os termos da ideologia original são tomados ao pé da letra pelos verdadeiros crentes, enquanto os membros do partido substituem os mesmos termos por significados secundários, e as pessoas normais são submetidas a gaslighting. Somente os cognoscenti, os psicopatas, conhecem e compreendem os significados secundários. Eles reconhecem que as ações supostamente realizadas em nome dos “trabalhadores” se traduzem na dominação do partido e do Estado em nome dos próprios psicopatas. A verdade é o oposto do que os membros do partido afirmam ser o caso, e eles sabem disso. Ponerologia explica assim a origem do “duplipensar”, que George Orwell retrata tão bem. Coincidentemente, Łobaczewski terminou Ponerologia em 1984.

O livro é tanto uma anomalia quanto uma conquista monumental. Ele representa o volume inaugural de uma nova ciência – ponerologia, ou a ciência do mal. Explica o surgimento e o desenvolvimento do mal macrossocial de forma completa e com precisão científica.

Exatamente como este livro veio a ser escrito e este campo científico descoberto? Ambos nasceram em um laboratório vivo. Łobaczewski não foi apenas um dos cientistas que desenvolveu seus métodos. Ele também foi cobaia naquele laboratório. Łobaczewski atingiu a maioridade sob o nazismo, durante a ocupação alemã da Polônia, e mais tarde viveu sob o comunismo. Tornou-se psicólogo e, dada sua compreensão clínica da psicopatologia, começou a vislumbrar o caráter psicopatológico do sistema político comunista que havia tomado conta de sua pátria.

Como mencionei, em Ponerologia, Łobaczewski intervém na ciência do mal com uma metodologia que lhe era considerada inaplicável – o individualismo metodológico e o materialismo da psicologia. Ele reivindica para esta nova ciência da ponerologia a perspectiva de compreender, e mais ou menos remediar, o que está entre os desenvolvimentos mais perniciosos da história moderna e a fonte de sofrimento incalculável.

Łobaczewski argumenta que um estudo adequado do totalitarismo até então era impossível porque havia sido realizado nos registros errados. Ele havia sido tratado estritamente em termos de economia, literatura, estudos de ideologia, história, religião, ciência política e política internacional, entre outras abordagens. Lembramos os relatos e estudos literários da União Soviética, do Bloco Oriental e da Alemanha nazista — das obras clássicas de Hannah Arendt, Aleksandr Solzhenitsyn, Václav Benda, Václav Havel e muitos outros. Estes fizeram contribuições indispensáveis, mas, não por culpa própria, necessariamente fracassaram em compreender a raiz do problema – a saber, a dimensão psicopatológica da concepção e do desenvolvimento da “patocracia”, ou governo de psicopatas.

As respostas dos seres humanos normais às injustiças grosseiras e à desfiguração da realidade perpetradas pelos órgãos dirigentes até então só eram compreendidas pelos membros do corpo social em termos de visões de mundo convencionais. A emotividade e os julgamentos morais cegavam as vítimas em relação ao que as afligia. As deficiências nas abordagens dos estudiosos, bem como o moralismo dos leigos, deixaram a patocracia essencialmente mal compreendida e também deixaram a humanidade sem defesas eficazes contra ela. Łobaczewski corrige essas deficiências e fornece essas defesas. Nesse sentido – ou seja, ao usar uma metodologia científica para tratar o socialismo – o trabalho de Łobaczewski é análogo ao Socialismo – Uma análise econômica e sociológica, de Ludwig von Mises, publicado pela primeira vez há cem anos.

Assim como Mises, Łobaczewski considera uma taxonomia apropriada crucial para transmitir conhecimento científico. Ele não mede esforços para explicar a necessidade da taxonomia e justificar a introdução de termos objetivos e científicos, bem como os conceitos que eles transmitem. Toda ciência que entra em um território desconhecido teve que fazer o mesmo, lembra o autor. Łobaczewski corretamente considera a terminologia essencial para a tarefa do esforço científico em mãos porque isola e define os elementos e fornece as ferramentas para controlá-los. “Eu não tive escolha”, escreve Łobaczewski, “a não ser recorrer à terminologia objetiva biológica, psicológica e psicopatológica para colocar em foco a verdadeira natureza do fenômeno” (5). Tal nomeação, ele deixa claro, fornece a melhor defesa contra o desenvolvimento e disseminação da patocracia.

Seções do livro dizem tanto que podem parecer transmitir meras generalidades. Mas o leitor deve prestar muita atenção enquanto Łobaczewski discute as condições psicológicas e psicossociais normais de indivíduos e sociedades para que os caracteres patológicos, com suas características reveladoras, possam ser discernidos. Somente com esse conhecimento os caracteres patológicos podem ser reconhecidos e, se possível, impedidos de assumir posições de poder. Łobaczewski discute suas características com perspicácia penetrante e lucidez notável. Como eu fiz, o leitor que vive em condições semelhantes observará os padrões e validará as descobertas do autor por comparação com sua própria experiência. O leitor começará assim a encontrar as defesas contra os efeitos da patocracia que o autor promete. Como Łobaczewski escreve: “Com referência a fenômenos de natureza ponerogênica, o mero conhecimento adequado por si só pode começar a curar humanos individuais e ajudar suas mentes a recuperar a harmonia” (8). Ler Ponerologia constitui, portanto, uma sessão de terapia estendida para aqueles que lutam para manter sua própria sanidade e humanidade em meio à insanidade e desumanidade. O livro fez isso por mim.

Assim começa “uma terapia global do mundo” (8).

 

 

Artigo original aqui

_____________________________

Notas

[1] Veja, por exemplo, Michael Rectenwald, “Secularism and the Cultures of Nineteenth-Century Scientific Naturalism”, British Journal for the History of Science 46, no. 2 (2012): 231–54, https://doi.org/10.1017/s0007087412000738 ; Michael Rectenwald, Secularismo Britânico do Século XIX: Ciência, Religião e Literatura (Nova York: Palgrave Macmillan, 2016); e Michael Rectenwald, “Mid-Century British Secularism and Its Contemporary Post-secular Implications”, em Global Secularisms in a Post-Secular Age, ed. Michael Rectenwald, Rochelle Almeida e George Levine (Boston: De Gruyter, 2015), 43–64.