Os primórdios do movimento de “reforma”: A Convenção Monetária de Indianápolis

0
Tempo estimado de leitura: 16 minutos

A eleição presidencial de 1896 foi um grande referendo nacional sobre o padrão-ouro. O Partido Democrata havia sido capturado, em sua convenção de 1896, pelas forças anti-ouro populistas e ultrainflacionistas, lideradas por William Jennings Bryan. Os democratas mais velhos, que haviam se dedicado intensamente ao dinheiro sólido e ao padrão-ouro, ficaram em casa no dia da eleição ou votaram, pela primeira vez em suas vidas, nos odiados republicanos.

Os republicanos há muito eram o partido da proibição de bebidas alcoólicas e da inflação do greenback e da oposição ao ouro. Mas desde o início da década de 1890, as forças Rockefeller, dominantes em seu estado natal de Ohio e nacionalmente no Partido Republicano, decidiram abandonar silenciosamente a proibição do álcool como um embaraço político e como um grave impedimento para obter votos do cada vez mais poderoso bloco de eleitores germano-americanos.

No verão de 1896, antecipando a derrota das forças do ouro na convenção democrata, os Morgans, anteriormente dominantes no partido democrata, abordaram as forças McKinley-Mark Hanna-Rockefeller por meio de seu jovem sátrapa em ascensão, o congressista Henry Cabot Lodge de Massachusetts. Lodge ofereceu às forças Rockefeller um acordo: os Morgans apoiariam McKinley para presidente e não ficariam em casa nem apoiariam um terceiro partido, o Partido Democrata pelo Ouro, desde que McKinley se comprometesse com um padrão-ouro. O acordo foi fechado, e muitos democratas que antes apoiavam o dinheiro sólido passaram para os republicanos.

A natureza do sistema político-partidário americano havia sido drasticamente alterada: o que antes era uma luta acirrada entre democratas de dinheiro sólido, livre comércio e laissez-faire, por um lado, e republicanos inflacionistas, protecionistas e estatistas, por outro, com os democratas lenta mas seguramente ganhando ascendência no início da década de 1890, era agora um sistema partidário dominado pelos republicanos até a eleição da depressão de 1932.

Os Morgans se opunham fortemente ao bryanismo,[1] que não era apenas populista e inflacionista, mas também anti-Wall Street; os bryanistas, assim como os populistas dos dias atuais, preferiam o inflacionismo greenback do Congresso à variedade mais sutil e mais privilegiada, controlada pelos grandes bancos. Os Morgans, em contraste, favoreceram um padrão-ouro.

Mas, uma vez que o ouro foi garantido pela vitória de McKinley em 1896, eles queriam pressionar para usar o padrão-ouro como uma camuflagem de dinheiro sólido por trás da qual eles poderiam mudar o sistema para um sistema menos inflacionista do que o populismo, mas muito mais efetivamente controlado pela elite dos grandes banqueiros. No longo prazo, um padrão-ouro Morgan-Rockefeller controlado era muito mais pernicioso para a causa do dinheiro sólido genuíno do que um cândido bryanismo de greenback ou prata livre.

Assim que McKinley foi eleito com segurança, as forças de Morgan-Rockefeller começaram a organizar um movimento de “reforma” para curar a “inelasticidade” da moeda no padrão ouro existente e avançar lentamente em direção ao estabelecimento de um banco central. Para fazer isso, eles decidiram usar as técnicas que haviam empregado com sucesso no estabelecimento de um movimento pró-padrão ouro durante 1895 e 1896.

O ponto crucial era evitar a desconfiança pública em relação a Wall Street e ao controle dos banqueiros adquirindo a pátina de um amplo movimento popular. O movimento, portanto, concentrou-se deliberadamente no Meio-Oeste, o coração dos Estados Unidos, e desenvolveu organizações que incluíam não apenas banqueiros, mas também empresários, economistas e outros acadêmicos, que forneceram respeitabilidade, poder de persuasão e conhecimento técnico à causa da reforma.

Assim, o movimento de reforma começou logo após as eleições de 1896 no autêntico território do Meio-Oeste. Hugh Henry Hanna, presidente da Atlas Engine Works de Indianápolis, que havia aprendido táticas de organização durante o ano com a União pelo Dinheiro Sólido, que era pró-padrão ouro, enviou um memorando, em novembro, à Câmara de Comércio de Indianápolis, pedindo a um estado da base do movimento popular do Meio-Oeste como Indiana para assumir a liderança na reforma monetária.[2]

Em resposta, os reformadores agiram rapidamente. Atendendo ao chamado da Câmara de Comércio de Indianápolis, representantes das câmaras de comércio de 12 cidades do Meio-Oeste se reuniram em Indianápolis em 1º de dezembro de 1896. A conferência convocou uma grande convenção monetária de empresários, que se reuniu em Indianápolis em 12 de janeiro de 1897. Representantes de 26 estados e do Distrito de Columbia estavam presentes. O movimento de reforma monetária estava agora oficialmente em andamento.

A influente Yale Review elogiou a convenção por evitar o perigo de despertar a hostilidade popular aos banqueiros. Ela reportou que “a conferência foi uma reunião de empresários em geral, em vez de banqueiros em particular” (citado em Livingston 1986, p. 105).

Os participantes da convenção podem ter sido homens de negócios, mas certamente não eram muito populares. Presidindo a Convenção Monetária de Indianápolis de 1897 estava C. Stuart Patterson, reitor da Faculdade de Direito da Universidade da Pensilvânia e membro do comitê financeiro da poderosa Pennsylvania Railroad, dominada por Morgan. No dia seguinte à abertura da convenção, Hugh Hanna foi nomeado presidente de um comitê executivo, que ele nomearia. O comitê foi autorizado a agir pela convenção após o encerramento.

O comitê executivo era composto pelos seguintes líderes corporativos e financeiros influentes:

John J. Mitchell de Chicago, presidente do Illinois Trust and Savings Bank e diretor da Chicago and Alton Railroad; da Pittsburgh, Fort Wayne, and Chicago Railroad; e da Pullman Company, foi nomeado tesoureiro do comitê executivo.

  1. H. Kohlsaat, editor e editor do Chicago Times Herald e do Chicago Ocean Herald, administrador do Chicago Art Institute, e amigo e conselheiro do principal homem de Rockefeller na política, o presidente William McKinley.

Charles Custis Harrison, reitor da Universidade da Pensilvânia, que fizera fortuna como refinador de açúcar em parceria com os poderosos interesses de Havemeyer (“Sugar Trust”).

Alexander E. Orr, um banqueiro da cidade de Nova York próximo de Morgan, que foi diretor das ferrovias Erie e Chicago, Rock Island e Pacific, do National Bank of Commerce e da influente editora Harper Brothers. Orr também foi sócio da maior empresa de comercialização de grãos do país e diretor de várias companhias de seguros de vida.

Edwin O. Stanard, comerciante de grãos de St. Louis, ex-governador do Missouri e ex-vice-presidente do Conselho Nacional de Comércio e Transporte.

  1. B. Stahlman, proprietário da Nashville Banner, comissário da cartelista Southern Railway and Steamship Association e ex-vice-presidente da Louisville, New Albany, and Chicago Railroad.
  2. E. Willson, influente advogado de Louisville e futuro governador de Kentucky.

Mas os dois membros mais interessantes e poderosos do comitê executivo da Convenção Monetária foram Henry C. Payne e George Foster Peabody. Henry Payne era um líder do partido republicano de Milwaukee e presidente da Wisconsin Telephone Company, dominada por Morgan, há muito associada à máquina Republicana Spooner-Sawyer orientada pelas ferrovias na política de Wisconsin. Payne também estava fortemente envolvido nos interesses bancários e de serviços públicos de Milwaukee, em particular como diretor de longa data da North American Company, uma grande empresa de serviços públicos liderada pelo financista da cidade de Nova York Charles W. Wetmore.

A North American Company estava tão próxima dos interesses de Morgan que seu conselho incluía dois dos principais financistas de Morgan. Um deles foi Edmund C. Converse, presidente do Liberty National Bank de Nova York, administrado por Morgan, e que em breve será o presidente fundador da Morgan’s Bankers’ Trust Company. O outro era Robert Bacon, sócio da J. P. Morgan and Company, e um dos amigos mais próximos de Theodore Roosevelt, a quem Roosevelt mais tarde tornaria secretário de Estado adjunto.

Além disso, quando Theodore Roosevelt se tornou presidente como resultado do assassinato de William McKinley, ele substituiu o principal agente político de Rockefeller, Mark Hanna de Ohio, por Henry C. Payne como diretor geral dos Correios dos Estados Unidos. Payne, um importante representante de Morgan, teria sido nomeado para o que era então o principal posto político no Gabinete especificamente para quebrar o controle de Hanna sobre o Partido Republicano nacional. Parece claro que substituir Hanna por Payne foi parte do ataque selvagem que Theodore Roosevelt logo lançaria contra a Standard Oil como parte da guerra aberta prestes a eclodir entre os campos Rockefeller-Harriman-Kuhn, Loeb e Morgan (Burch 1981, página 189, nº 55).

Ainda mais poderoso no âmbito de Morgan foi o secretário do comitê executivo da Convenção Monetária de Indianápolis, George Foster Peabody. Toda a família Peabody dos Brahmins de Boston há muito estava pessoalmente e financeiramente associada aos Morgans. Um membro do clã Peabody até serviu como padrinho no casamento de J. P. Morgan em 1865.

George Peabody havia estabelecido há muito tempo uma firma bancária internacional da qual o pai de J. P. Morgan, Junius, havia sido um dos sócios seniores. George Foster Peabody foi um eminente banqueiro de investimentos nova-iorquino com extensas participações no México. Ele ajudou a reorganizar a General Electric para os Morgans, e mais tarde lhe foi oferecido o cargo de secretário do Tesouro durante o governo Wilson. Ele funcionaria durante todo aquele governo como um “estadista sem pasta” (ibid., pp. 231, 233; Ware 1951, pp. 161-167).

As massas poderiam ser iludidas e considerar a Convenção Monetária de Indianápolis como uma manifestação espontânea e popular de pequenos empresários do Meio-Oeste. Para quem tinha um mínimo de conhecimento, qualquer organização com Henry Payne, Alexander Orr e especialmente George Foster Peabody significava apenas uma coisa: J. P. Morgan.

A Convenção Monetária de Indianápolis rapidamente resolveu instar o presidente McKinley a (1) continuar o padrão-ouro e (2) criar um novo sistema de crédito bancário “elástico”. Para esse fim, a convenção instou o presidente a nomear uma nova Comissão Monetária para preparar a legislação para um novo sistema monetário revisado. McKinley foi muito favorável a proposta, sinalizando a concordância de Rockefeller, e em 24 de julho enviou uma mensagem ao Congresso pedindo a criação de uma comissão monetária especial. O projeto de lei para uma comissão monetária nacional foi aprovado na Câmara dos Representantes, mas morreu no Senado (Kolko 1983, pp. 147-148).

Desapontado, mas intrépido, o comitê executivo, não conseguindo obter uma comissão nomeada pelo presidente, decidiu em agosto de 1897 seguir em frente e escolher a sua própria. O papel principal na nomeação desta comissão foi desempenhado por George Foster Peabody, que serviu de ligação entre os membros de Indianápolis e a comunidade financeira de Nova York. Para selecionar os membros da comissão, Peabody conseguiu que o comitê executivo se reunisse na casa de verão de Saratoga Springs de seu sócio de banco de investimento, Spencer Trask. Em setembro, o comitê executivo havia selecionado os membros da Comissão Monetária de Indianápolis.

Os membros da nova Comissão Monetária de Indianápolis foram os seguintes (Livingston 1986, pp. 106-07):

  • O presidente era o ex-senador George F. Edmunds, republicano de Vermont, advogado e ex-diretor de várias ferrovias.
  • Stuart Patterson era reitor da Faculdade de Direito da Universidade da Pensilvânia e um alto funcionário da Pennsylvania Railroad, controlada por Morgan.
  • Charles S. Fairchild, um importante banqueiro de Nova York, presidente da New York Security and Trust Company, foi um ex-sócio do banco de investimento da Boston Brahmin Lee, Higginson and Company, e executivo e diretor de duas grandes ferrovias. Fairchild, um líder na política do estado de Nova York, havia sido secretário do Tesouro no primeiro governo de Cleveland. Além disso, o pai de Fairchild, Sidney T. Fairchild, foi um dos principais advogados da New York Central Railroad, controlada por Morgan.
  • Stuyvesant Fish, descendente de duas famílias aristocráticas de Nova York de longa data, era sócio do banco de investimentos Morton, Bliss and Company, dominado por Morgan, e então presidente da Illinois Central Railroad e administrador da Mutual Life. O pai de Fish tinha sido senador, governador e secretário de Estado.
  • Louis A. Garnett foi um importante empresário de São Francisco.
  • Thomas G. Bush, do Alabama, foi diretor da Mobile and Birmingham Railroad.
  • W. Fries era um dos principais fabricantes de algodão da Carolina do Norte.
  • William B. Dean, comerciante de St. Paul, Minnesota, e diretor da Great Northern Railroad transcontinental baseada em St. Paul, de propriedade de James J. Hill, aliado de Morgan na luta titânica pela Northern Pacific Railroad com Harriman, Rockefeller e Kuhn, Loeb.
  • George Leighton, de St. Louis, era advogado da Missouri Pacific Railroad.
  • Robert S. Taylor era um advogado de patentes de Indiana para a General Electric Company, controlada por Morgan.
  • O membro mais importante da comissão foi James Laurence Laughlin, professor-chefe de economia política na nova Universidade de Chicago, fundada por Rockefeller, e editor de seu prestigioso Journal of Political Economy. Foi Laughlin quem supervisionou as operações do pessoal da Comissão e a redação dos relatórios. De fato, os dois funcionários assistentes da Comissão que escreveram relatórios eram ambos alunos de Laughlin em Chicago: o ex-aluno L. Carroll Root e seu então aluno de pós-graduação Henry Parker Willis.

A impressionante soma de US$50.000 foi arrecadada em toda a comunidade bancária e corporativa do país para financiar o trabalho da Comissão Monetária de Indianápolis. A grande cota da cidade de Nova York foi angariada pelos banqueiros do Morgan Peabody e Orr, e vultuosas contribuições para completar a cota vieram prontamente do magnata da mineração William E. Dodge, do comerciante de algodão e café Henry Hentz, diretor do Mechanics National Bank, e do próprio J. P. Morgan.

Com o dinheiro em mãos, o comitê executivo alugou um escritório em Washington, DC, em meados de setembro e colocou a equipe para enviar e reunir as respostas a um questionário monetário detalhado, enviado a várias centenas de especialistas selecionados. A Comissão Monetária se reuniu do final de setembro a dezembro de 1897, analisando as respostas ao questionário coletadas por Root e Willis. O objetivo do questionário era mobilizar uma ampla base de apoio para as recomendações da Comissão, que poderiam representar centenas de opiniões de especialistas.

Em segundo lugar, o questionário serviu como um importante instrumento de relações públicas, tornando a Comissão e seu trabalho altamente visíveis para o público, para a comunidade empresarial em todo o país e para os membros do Congresso. Além disso, por meio desse dispositivo, a Comissão poderia ser vista como falando em nome da comunidade empresarial em todo o país.

Para tanto, a ideia original era publicar o relatório preliminar da Comissão Monetária, adotado em meados de dezembro, bem como as respostas ao questionário em um volume complementar. Os planos para o volume do questionário fracassaram, embora mais tarde tenha sido publicado como parte de uma série de publicações sobre economia política e direito público pela Universidade da Pensilvânia (Livingston 1986, pp. 107-108).

Sem se intimidar com o pequeno contratempo, o comitê executivo desenvolveu novos métodos de moldar a opinião pública usando as respostas ao questionário como ferramenta de organização. Em novembro, Hugh Hanna contratou como seu assistente em Washington o jornalista financeiro Charles A. Conant, cuja tarefa era divulgar e organizar a opinião pública para as recomendações da Comissão.

A campanha para promover o próximo relatório da Comissão foi lançada quando Conant publicou um artigo na edição de 1º de dezembro da revista Sound Currency, adotando uma linha avançada sobre o relatório da Comissão e reforçando as conclusões não apenas com seu próprio conhecimento de questões monetárias e histórico do sistema bancário, mas também com declarações frequentes das respostas ainda não publicadas ao questionário da equipe.

Nos meses seguintes, Conant trabalhou em estreita colaboração com Jules Guthridge, o secretário-geral da Comissão; eles primeiro induziram os jornais de todo o país a publicar resumos das respostas ao questionário. Como Guthridge escreveu a alguns membros da Comissão, ele estimulou a “curiosidade do público” sobre o próximo relatório, e ele se gabou de que através de “manipulação cuidadosa” ele foi capaz de obter o relatório preliminar “publicado no todo ou em parte – principalmente em parte – em quase 7.500 jornais, grandes e pequenos.”

Enquanto isso, Guthridge e Conant orquestraram cartas de apoio de homens proeminentes de todo o país. Quando o relatório preliminar foi publicado em 3 de janeiro de 1898, Guthridge e Conant disponibilizaram essas cartas aos jornais. Rapidamente, os dois construíram um sistema de distribuição para espalhar o evangelho do relatório, organizando cerca de 100.000 correspondentes “dedicados à promulgação do plano da comissão para a reforma bancária e monetária” (Livingston 1986, pp. 109-10).

A ênfase principal e imediata do relatório preliminar da Comissão Monetária era completar a promessa da vitória de McKinley codificando e promulgando o que já estava em vigor de fato: um único padrão-ouro, com a prata reduzida ao status de moeda simbólica subsidiária. Completar a vitória sobre o bryanismo e a prata livre, no entanto, foi apenas uma operação de limpeza; mais importante no longo prazo foi o apelo feito pelo relatório para que a reforma bancária permitisse maior elasticidade.

O crédito bancário poderia então ser aumentado em recessões e sempre que a pressão sazonal de resgate pelos bancos country[3] agrícolas forçasse os grandes bancos centrais de reservas a contrair seus empréstimos. As medidas efetivamente solicitadas pela Comissão foram de importância marginal. Mais importante foi que a questão da reforma do sistema bancário havia surgido.

Uma vez que o público havia sido despertado pelo relatório preliminar, o comitê executivo decidiu organizar a segunda e última reunião da Convenção Monetária de Indianápolis, que se reuniu devidamente em Indianápolis em 25 de janeiro de 1898. A segunda convenção foi muito mais grandiosa do que a primeira, reunindo 496 representantes de 31 estados.

Além disso, o encontro foi uma amostragem dos principais líderes corporativos dos Estados Unidos. Enquanto o estado de Indiana naturalmente tinha a maior delegação, de 85 representantes de juntas comerciais e câmaras de comércio, Nova York enviou 74, incluindo muitos da Junta de Comércio e Transporte da cidade, Associação de Comerciantes e Câmara de Comércio.

Líderes corporativos como o fabricante de ferro de Cleveland Alfred A. Pope, presidente da National Malleable Castings Company, compareceram; assim como Virgil P. Cline, consultor jurídico da Rockefeller’s Standard Oil Company de Ohio; e C. A. Pillsbury, de Minneapolis-St. Paul, organizador dos maiores moinhos de farinha do mundo. De Chicago vieram notáveis ​​empresários como Marshall Field e Albert A. Sprague, um diretor da Chicago Telephone Company, subsidiária do monopólio telefônico controlado por Morgan, a American Telephone and Telegraph Company.

Não devemos esquecer do representante Franklin MacVeagh, um merceeiro atacadista de Chicago, um tio de um sócio sênior do escritório de advocacia Bangs, Stetson, Tracy e MacVeagh de Wall Street, advogado da J. P. Morgan and Company. MacVeagh, que mais tarde se tornaria secretário do Tesouro no governo Taft, estava totalmente no âmbito de Morgan. Seu sogro, Henry F. Eames, foi o fundador do Commercial National Bank of Chicago, e seu irmão Wayne logo se tornaria um administrador da Mutual Life Insurance Company, dominada por Morgan.

O objetivo da segunda convenção, como o ex-secretário do Tesouro Charles S. Fairchild explicou com franqueza em seu discurso na reunião, foi mobilizar os principais empresários do país em um poderoso e influente movimento de reforma. Como ele disse, “se os homens de negócios derem séria atenção e estudo a esses assuntos, eles concordarão substancialmente com a legislação e, assim, concordando, sua influência prevalecerá”. Ele concluiu que “Meu conselho para você é, trabalhem todos em conjunto”.

O presidente da convenção, o governador de Iowa, Leslie M. Shaw, foi, no entanto, um pouco falso quando disse à reunião: “Você representa hoje não os bancos, pois há poucos banqueiros neste recinto. Você representa as indústrias de negócios e os interesses financeiros do país”. Também havia muitos banqueiros lá (Livingston 1986, pp. 113-15).

O próprio Shaw, que mais tarde seria secretário do Tesouro de Theodore Roosevelt, era um banqueiro de uma pequena cidade em Iowa e presidente do Bank of Denison durante todo o seu mandato como governador. Mais importante na perspectiva e na carreira de Shaw foi o fato de que ele era um amigo íntimo de longa data e leal defensor da Des Moines Regency, a máquina republicana de Iowa liderada pelo poderoso senador William Boyd Allison.

Allison, que deveria obter o posto no Tesouro para seu amigo, por sua vez estava intimamente ligado a Charles E. Perkins, um aliado próximo de Morgan, presidente da Chicago, Burlington and Quincy Railroad, e parente do poderoso grupo financeiro Forbes de Boston, há muito ligado aos interesses de Morgan (Rothbard 1984, pp. 95-96).

Também serviram como representantes à segunda convenção vários economistas eminentes, cada um dos quais, no entanto, não compareceram como observadores acadêmicos, mas como representantes de elementos da comunidade empresarial. O professor Jeremiah W. Jenks, de Cornell, proponente da cartelização de trustes pelo governo e que logo se tornaria amigo e conselheiro de Theodore Roosevelt como governador, veio como representante da Associação Empresarial de Ithaca.

Frank W. Taussig, da Universidade de Harvard, representou a Associação de Comerciantes de Cambridge. Arthur Twining Hadley, de Yale, que logo seria o presidente de Yale, representou a Câmara de Comércio de New Haven, e Frank M. Taylor, da Universidade de Michigan, veio como representante da Associação Empresarial de Ann Arbor.

Cada um desses homens ocupou cargos poderosos na organizada profissão de economia, Jenks, Taussig e Taylor servindo no comitê de moeda da Associação Econômica Americana. Hadley, um importante economista ferroviário, também atuou no conselho de administração da New York, New Haven, and Hartford Railroad Company de Morgan; e da Atchison, Topeka, and Santa Fe Railroads.[4]

Tanto Taussig quanto Taylor eram teóricos monetários que, embora comprometidos com um padrão-ouro, defendiam uma reforma que tornaria a oferta monetária mais elástica. Taussig pediu uma expansão das notas bancárias nacionais, que inflariam em resposta às “necessidades dos negócios”. Como Taussig (citado em Dorfman 1949, p. xxxvii; Parrini e Sklar 1983, p. 269) colocou, a moeda então “cresceria sem obstáculos à medida que as necessidades da comunidade espontaneamente pedissem aumento”.

Taylor também, como um historiador coloca, queria que o padrão-ouro fosse modificado por “um controle consciente do movimento da moeda” pelo governo “para manter a estabilidade do sistema de crédito”. Taylor justificou as suspensões governamentais do pagamento em espécie para “proteger a reserva de ouro” (Dorfman 1949, pp. 392-393).

Em 26 de janeiro, os representantes da convenção endossaram praticamente por unanimidade o relatório preliminar, após o qual o professor J. Laurence Laughlin ficou encarregado de redigir um relatório final mais elaborado, que foi publicado e distribuído alguns meses depois. O relatório final de Laughlin – e da convenção – não apenas foi favorável a uma base de ativos ampliada para uma quantidade muito maior de notas de bancos nacionais, mas também pediu explicitamente por um banco central que gozaria do monopólio da emissão de notas de banco.[5]

Enquanto isso, os representantes da convenção levaram o evangelho da reforma bancária a todas as comunidades corporativas e financeiras. Em abril de 1898, por exemplo, A. Barton Hepburn, presidente do Chase National Bank of New York (na época um banco comercial emblemático dos interesses de Morgan), e um homem que desempenharia um papel importante na iniciativa de estabelecer um banco central, convidou o comissário monetário Robert S. Taylor para se dirigir à Associação de Banqueiros do Estado de Nova York sobre a questão da moeda, já que “banqueiros, como outras pessoas, precisam de instruções sobre isso.” Todos os comissários monetários, especialmente Taylor, foram ativos durante a primeira metade de 1898 em exortar grupos de empresários em todo o país a apoiar a reforma monetária.

Enquanto isso, em Washington, a equipe de lobby de Hanna e Conant estava extremamente ativa. Um projeto de lei que incorpora as sugestões da Comissão Monetária foi apresentado pelo congressista de Indiana Jesse Overstreet em janeiro e foi divulgado pelo Comitê Bancário e Monetário da Câmara em maio. Enquanto isso, Conant se reunia quase continuamente com os membros do comitê bancário. Em cada etapa do processo legislativo, Hanna enviou cartas circulares aos representantes da convenção e ao público, pedindo uma campanha de cartas em apoio ao projeto.

Em meio a esta agitação, o secretário do Tesouro de McKinley, Lyman J. Gage, trabalhou em estreita colaboração com Hanna e sua equipe. Gage patrocinou projetos semelhantes, e vários projetos na mesma linha foram apresentados na Câmara em 1898 e 1899. Gage, um amigo de vários dos comissários monetários, foi um dos principais líderes dos interesses Rockefeller no campo bancário. Sua nomeação como secretário do Tesouro foi conquistada por Mark Hanna, de Ohio, mentor político e financiador do presidente McKinley, e velho amigo, colega de escola e sócio do Sr. John D. Rockefeller.

Antes de sua nomeação para o Gabinete, Gage foi presidente do poderoso First National Bank of Chicago, um dos maiores bancos comerciais no âmbito Rockefeller. Durante seu mandato, Gage tentou operar o Tesouro como um banco central, injetando dinheiro durante as recessões comprando títulos do governo no mercado aberto e depositando grandes fundos em seus bancos comerciais favoritos. Em 1900, Gage clamou em vão pelo estabelecimento de bancos centrais regionais.

Finalmente, em seu último relatório anual como secretário do Tesouro em 1901, Lyman Gage revelou completamente o segredo, pedindo diretamente por um banco central do governo. Sem tal banco central, declarou ele alarmado, “bancos individuais ficam isolados e separados, unidades separadas, sem nenhum vínculo de reciprocidade entre eles”. A menos que um banco central estabeleça tais laços, advertiu Gage, o Pânico de 1893 se repetiria (Livingston 1986, p. 153). Quando deixou o cargo no início do ano seguinte, Lyman Gage assumiu o cargo de presidente da US Trust Company, controlada por Rockefeller, na cidade de Nova York (Rothbard 1984, pp. 94-95).

 

__________________________

Notas

[1] William Jennings Bryan concorreu à presidência três vezes como candidato do Partido Democrata – em 1896, 1900 e 1908 – e perdeu todas as três vezes. No entanto, graças as habilidades de Bryan como orador muitas de suas ideias se firmaram e ficaram conhecidas como bryanismo. Em 1896, Bryan conseguiu persuadir os democratas de que o papel-moeda não precisava ser lastreado pelo ouro e ele queria que os Estados Unidos usassem a prata para lastrear o dólar em um valor que inflacionasse os preços que os agricultores recebiam por suas colheitas, aliviando sua dívida. Essa posição ficou conhecida como Movimento Prata Livre.

[2] Para o memorando, ver James Livingston (1986, pp. 104-105).

[3] [Nota do tradutor] Country bank é um banco nacional que não está em uma cidade de reserva. No sistema bancário nacional dos Estados Unidos, qualquer uma das cidades em que os bancos nacionais são obrigados (U.S. Rev. Stat. sec. 5191) a manter uma reserva maior (25%) do que o mínimo (15%) exigido de todos os outros bancos. Os bancos em algumas das cidades de reserva (especificamente chamadas de cidades de reserva central) são obrigados a manter sua reserva em dinheiro; bancos em outras cidades de reserva podem manter metade de sua reserva como depósitos nesses bancos.

[4] Sobre Hadley, Jenks e especialmente Conant, ver Carl P. Parrini e Martin J. Sklar (1983, pp. 559-78). Os autores apontam que as principais obras de Conant e Hadley de 1896 foram ambas publicadas por G. P. Putnam’s Sons of New York. O presidente de Putnam foi George Haven Putnam, líder do novo movimento de reforma bancária (ibid., p. 561, n 2).

[5] O relatório final, incluindo suas recomendações para um banco central, foi saudado por F. M. Taylor, em seu “The Final Report of the Indianapolis Monetary Commission”, Journal of Political Economy 6 (junho de 1898): 293-322. Taylor também exultou que a convenção tinha sido “um dos movimentos mais notáveis ​​do nosso tempo – o primeiro movimento completamente organizado das classes empresariais em todo o país direcionado para a realização de uma mudança radical na legislação nacional” (ibid., p. 322).