Os super-ricos não são o que você pensa que são!

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Os super-ricos atraem considerável desprezo em todo o espectro político. Esse desprezo tem sido o fator motivador por trás dos apelos de certos políticos para o aumento das taxas de impostos. Quando alguém ouve o que esses políticos dizem, os super-ricos são descritos como famílias aristocráticas ricas desfrutando de quantidades fenomenais de lazer enquanto os trabalhadores estão trabalhando até não poder mais. Essencialmente, os super-ricos são rentistas improdutivos que fornecem pouco ou nada para a sociedade. As receitas de impostos mais altos, argumentam esses políticos, servirão para financiar programas e transferências sociais que irão elevar os que estão mais abaixo na escala de renda.

Existem, no entanto, defensores dos super-ricos que apontam que os rentistas são raros e que a riqueza da família tende a se dilapidar com relativa rapidez. Eles também apontam que a riqueza acumulada por alguns dos super-ricos é o resultado de um processo benéfico para os pobres. Por meio de seus esforços empresariais, os super-ricos reduzem os custos (e, portanto, os preços) dos bens e serviços que produzem. Às vezes, eles criam produtos totalmente novos que são superiores às alternativas existentes. Como seus esforços produzem algo de grande valor para os pobres, eles os convencem a comprar seus produtos. O resultado é que esses empresários enriquecem. Suas rendas refletem, portanto, o valor do que forneceram.

Observe, no entanto, que os defensores não oferecem uma defesa não qualificada. Eles impõem uma condição: que a riqueza não seja acumulada por meio de favores políticos. Na verdade, os dois grupos tendem a concordar com essa condição, mas as evidências empíricas sobre a magnitude da riqueza acumulada por meio do jogo no sistema político eram limitadas … até recentemente.

Digo “até recentemente” por causa de um artigo recente na Economic History Review de autoria de Peter Scott. Nesse artigo, Scott engenhosamente obtém dados de registro de impostos da população super-rica da Grã-Bretanha em 1928-29, a fim de identificar sua “anatomia” como um grupo. Mais precisamente, Scott queria saber quantos rentistas ou empresários havia. A escolha de tempo e lugar não poderia ser melhor: a Grã-Bretanha é considerada uma das sociedades mais desiguais da primeira metade do século XX e os anos 1928-29 são o ponto alto da desigualdade do século XX.

Scott identificou esse grupo como pessoas que relataram £ 50.000 por ano, que é aproximadamente a receita de juros produzida por £ 1 milhão em capital. Isso totalizou 461 indivíduos, dos quais 319 foram identificados corretamente. Mais importante ainda, Scott também foi capaz de identificar as ocupações de 297 pessoas super-ricas. Destes, apenas 9% poderiam ser considerados rentistas que possuíam propriedades fundiárias (imagine a série Downton Abbey em sua cabeça) que foram passadas de pai para filho mais velho na morte. Em outras palavras, cerca de 90% dos super-ricos obtinham receitas comerciais.

Para ter certeza de suas descobertas, Scott consultou outras publicações para identificar quantos estavam envolvidos em negócios (em vez de simplesmente ganhar uma renda passiva). Aproximadamente 81% dos super-ricos assumiram um papel ativo nos negócios, o que essencialmente confirma que eles estavam ativamente envolvidos no fornecimento de bens e serviços que as pessoas compravam.

No entanto, Scott deu um passo além e tentou identificar em quais setores as receitas das empresas estavam sendo auferidas. Ele descobriu que havia um agrupamento importante em setores onde havia grandes barreiras à competição. Na verdade, ele conseguiu conectar os super-ricos aos setores que estavam sendo cartelizados. E por “cartelizado”, ele está se referindo ao que Stephen Broadberry e Nick Crafts descreveram como o esforço político deliberado que “se esforçou para reduzir a pressão competitiva sobre as empresas, em particular aumentando as barreiras tarifárias, encorajando cartéis, restringindo os fluxos de capital estrangeiro e desvalorizando a libra.” À medida que os cartéis aumentavam os preços acima dos níveis competitivos, alguns dos super-ricos ingressaram nesse clube graças a barreiras governamentais que impediam os concorrentes de entrar e empurrar para baixo os preços.

O trabalho de Scott fornece uma ilustração poderosa da importância da qualificação proposta pelos defensores dos super-ricos. Não é a riqueza que é problemática, é a riqueza gerada ao silenciar as forças do processo de mercado (ou seja, por rent-seeking). Em outras palavras, as políticas que produzem desigualdade importam!

 

Artigo original aqui