Os ‘verificadores de fatos’ estão atrás de mim por expor as mentiras da Big Pharma

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

E são eles que estão espalhando notícias falsas.

Snopes, um site de “verificação de fatos” que opera exclusivamente para defender instituições poderosas do escrutínio legítimo, agora está atrás de mim por… relatar os fatos.

O site tem um novo artigo intitulado “O CEO da Pfizer disse que a vacina de 2 doses dá pouca proteção contra o COVID-19?

Meu artigo do início desta semana é citado. Na história, repeti o que o CEO da Pfizer, Albert Bourla, disse literalmente sobre seus próprios produtos.

De 100% eficaz para nada eficaz – a evolução da eficácia da vacina segundo o CEO da Pfizer

Depois de afirmar que sua vacina era “100% eficaz”, o CEO da Pfizer agora diz que 2 injeções COVID “se realmente oferecem alguma proteção, é uma proteção muito limitada”, contra o COVID-19.

CEO da Pfizer: “Duas doses da vacina oferecem proteção muito limitada, se houver. 3 doses com reforço oferecem proteção razoável contra hospitalização e mortes. Menos proteção contra infecções.”

Agora, os verificadores de fatos afirmam que meu artigo é “quase totalmente falso”, porque não distingui entre o Omicron e outras variantes anteriores do COVID-19.

“Bourla estava se referindo especificamente à infecção da variante Omicron do COVID-19, não ao COVID-19 em geral”, escreve Snopes.

Em sua “verificação de fatos”, Snopes afirma que a injeção ainda é eficaz contra variantes anteriores do COVID-19, então Bourla foi de alguma forma deturpado aqui.

“Bourla não estava dizendo que sua vacina não poderia combater o COVID-19 em geral, e aqueles que alegaram isso estavam deturpando grosseiramente o que ele disse, cujo significado fica totalmente claro quando visto em seu contexto adequado”, o site conclui.”

Snopes está espalhando uma mentira descarada por omissão aqui, pois está confundindo seu público em acreditar que muitas pessoas estão adquirindo essa coisa separada da Omicron chamada “COVID-19 em geral”.

Há pouca ou nenhuma separação entre a variante Omicron e o vírus que causa a COVID-19 como uma categoria mais ampla. Omicron agora é responsável por mais de 95% dos novos casos sequenciados. Portanto, Omicron é COVID-19 e COVID-19 é Omicron. Se as injeções funcionarem para cepas anteriores, é um ponto irrelevante porque o Omicron está se tornando cada vez mais a única cepa da paróquia.

Em meu artigo, mencionei como os comentários recentes de Bourla são um desvio dramático de suas alegações anteriores de que as injeções são semelhantes a uma cura milagrosa. Snopes nunca abordou essa parte.

Notavelmente, ao comercializar suas injeções, a Pfizer nunca alertou sobre o declínio da eficácia devido a possíveis variantes. Como discutimos aqui, as injeções foram originalmente vendidas como duas ou uma e pronto a cura era obtida, não como um protocolo de injeção sazonal. A ideia de que as injeções parariam de funcionar com mutações posteriores não fazia parte da conversa até muito recentemente.

O veredicto está dado. Classifico o Snopes como “quase totalmente fake news”.

 

 

Artigo original aqui