Por que existem tão poucas mulheres grandes mestres do xadrez

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Apenas aqueles de coração muito duro não conseguem admirar Beth, a heroína do romance magnífico de Walter Tevis, e agora uma popular série de televisão, O gambito da rainha. Amamos a ideia dela, uma menina que dá certo, partindo de origens muito humildes. Ela supera o vício em álcool e drogas e chega ao topo de sua profissão: o xadrez.

Mas a história de Beth levanta a questão de por que existem tão poucas jogadoras campeãs de xadrez.

No momento há 1.731 grandes mestres do xadrez, os líderes reconhecidos em seu campo. Para fazer parte desta companhia honrada, um jogador precisa ter atingido a classificação de 2500 Elo da Federação Internacional de Xadrez em qualquer momento de sua carreira e ter obtido dois resultados favoráveis ​​em torneios, conhecidos como normas. Para se ter uma ideia, minha própria classificação estava em torno de 1700 quando disputei torneios, o que significa que mal sei para que lado o cavalo se move, então qualquer grande mestre que não pudesse me vencer sem sua própria rainha deveria ter vergonha de si mesmo.

Quantas mulheres atualmente possuem o título de grande mestre? Apenas 37 em janeiro de 2021. Isso é apenas 2%. Existem várias hipóteses levantadas para explicar essa desproporção gigantesca.

  1. Sexismo

Sexismo é a explicação oferecida por muitos críticos de O gambito da rainha, mas havia apenas um exemplo disso no livro. Ou seja, quando a então sem classificação Beth Harmon entrou em seu primeiro torneio. Relegada à seção feminina, seus dois primeiros oponentes eram mulheres. Isso dificilmente é um endosso retumbante para a hipótese do sexismo.

Existem torneios de xadrez “somente para homens”? Não que eu saiba, pelo menos não nas últimas três décadas. Pode haver alguns pais ignorantes que dizem às filhas que o xadrez não é feminino e que garotas boazinhas não fazem isso, mas isso dificilmente explica o fenômeno mencionado acima. (Dica: para mulheres solteiras que desejam conhecer um rapaz, participe de um torneio de xadrez! As chances são fantásticas a seu favor!)

  1. Menos Participação

Considerando minha sugestão acima, isso é de fato correto, mas isso é tanto um efeito desse fenômeno quanto a causa. As mulheres talvez estejam menos interessadas nesse jogo nerd do que os homens, muitos dos quais são efetivamente viciados nele.

  1. Diferentes níveis de testosterona

Com a testosterona vem a competitividade. Mesmo incluindo muitos empates de xadrez, este Jogo de Reis é altamente competitivo. Embora os jogadores fiquem sentados por horas a fio, seus batimentos cardíacos são semelhantes aos dos corredores de maratona. Eles suam muito sem nenhum esforço físico aparente. Os boxeadores também o fazem, mas seu exercício não é apenas um exercício mental.

  1. Geografia e Consciência Espacial

O xadrez é um jogo de geografia. Bons jogadores mantêm seus olhos fixos em 64 espaços. Pode ser que os homens sejam, em um grau muito maior do que as mulheres, fisicamente conectados topograficamente.

Um exemplo óbvio disso é que os homens geralmente têm um senso de direção melhor do que as mulheres. Por que isso é assim? Uma hipótese origina-se da sociobiologia ou psicologia evolucionista. Quando nossa espécie vivia em árvores ou cavernas há muito tempo, as mulheres ficavam perto de casa, colhendo frutas, lavando, cozinhando e limpando.

Os homens, por outro lado, saíam à caça. Essa atividade os levou a dezenas, talvez centenas de quilômetros de distância de seus pontos de partida. Se eles não tivessem um bom senso de direção e uma boa noção da geografia, eles morreriam, deixando menos material genético para a próxima geração. O ambiente foi selecionado em favor da especialização geográfica para os homens em um grau muito maior do que para as mulheres. Como o xadrez é um jogo geográfico, os homens têm uma vantagem decisiva.

  1. Variância

O desvio padrão das habilidades masculinas é muito maior do que o feminino. As mulheres são apólice de seguro de Deus ou da natureza. Os homens são Dele, ou seu, arremesso de lixo.

Encontramos muito poucas mulheres em instituições para doentes mentais, prisões ou abrigos para sem-teto. Esses lugares são habitados com muito mais frequência por homens. Pessoas desse tipo frequentemente encontram-se dois, três ou até quatro desvios-padrão abaixo da média. Da mesma forma, vemos muito poucas mulheres nas áreas ciência, tecnologia, engenharia, matemática, economia e, sim, xadrez.

O ex-presidente de Harvard, Larry Summers, uma vez foi demitido por pressão dos esquerdistas da época por contemplar o assunto, mas isso não torna essa hipótese falsa.

Não se engane, o xadrez, de alto nível, exige muito poder do cérebro. Você tem que memorizar centenas de movimentos iniciais. Não se obtém sucesso vendo o futuro do jogo através de apenas meia dúzia de movimentos. Triplique isso e você estará mais perto dos milagres que esses cérebros costumam realizar. Mas existem muito poucas mulheres com habilidades dois, três e quatro desvios-padrão acima da média.

Isso significa que as meninas não devem aprender xadrez e que as mulheres não devem jogar este jogo? Claro que não. Isso seria absurdo. Todos deveriam desfrutar de quaisquer atividades que despertam seus interesses. Mas não devemos nos surpreender com o domínio masculino na vanguarda desse esporte essencialmente intelectual.

 

Artigo original aqui