Por que os governos intervencionistas amam a inflação

2
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Nenhum governo que pretenda expandir massivamente seu tamanho na economia e monetizar um déficit crescente vai agir contra o aumento dos preços, apesar de dizer o contrário.

Uma das coisas que surpreende os cidadãos na Argentina ou na Turquia é que seus governos populistas sempre falam sobre a classe média e em ajudar os pobres, mas a inflação ainda dispara, deixando todos mais pobres.

A inflação é a erosão gradual do poder de compra da moeda. Os governos sempre usarão diferentes desculpas para justificar a inflação: demanda crescente, “rupturas na cadeia de suprimentos” ou ganância de corporações malignas. No entanto, na maioria das vezes, essas são desculpas. A inflação é sempre um fenômeno monetário. Os preços sobem porque a oferta de moeda aumenta massivamente acima do produto real e da demanda real de moeda.

Como pode haver “gargalos de transporte” levando a um aumento de 100% nos fretes quando o setor de transporte marítimo foi sobrecarregado por excesso de capacidade em 2019? Como alguém pode dizer que o gás natural e o petróleo dispararam devido a interrupções na cadeia de suprimentos quando a oferta acompanhou perfeitamente a demanda? A realidade é que alguns desses fatores podem explicar uma pequena proporção do aumento de preços, mas o Global Food Index e o Bloomberg Commodity Index não estão em alta há muitos anos devido a esses problemas.

O que aconteceu em 2020 foi que a criação maciça de dinheiro no meio de um lockdown econômico criou inflação monetária em bens e serviços não replicáveis ​​e relativamente escassos. Por que isso não aconteceu antes?

Bem, aconteceu. Antes, vimos um aumento maciço nos preços dos ativos. A inflação é criada para onde vai o excesso de dinheiro, seja nos mercados de ações e títulos de alto rendimento em alta ou nas avaliações mais altas de todos os tempos de imóveis e private equity. Mais dinheiro perseguindo o mesmo número de mercadorias. Além disso, houve também uma inflação massiva em bens e serviços essenciais. Os preços da habitação, saúde e educação subiram significativamente acima da impressão oficial do IPC (índice de preços ao consumidor).

Por que estourou tão agressivamente agora? Primeiro, a impressão massiva de dinheiro no meio de um lockdown manteve as avaliações de ativos elevadas, mas também começou a gerar fluxos de fundos para setores – chamados de “valor” – escassos. E o que são “setores de valor”? Aqueles que sofreram excesso de capacidade e enfraquecimento do crescimento da demanda na última década. Assim, mais dinheiro fluiu para petróleo, gás natural e até carvão ou alumínio, onde a indústria foi atormentada pelo excesso de capacidade na década do dinheiro barato.

A inflação não acontece no dia seguinte em que você imprime dinheiro. É um processo lento de erosão gradual do poder de compra da moeda que começou anos atrás e culminou com a decisão insana de implementar políticas monstruosas do lado da demanda (enormes gastos do governo e impressão de dinheiro) no meio de um lockdown.

Mas por que os governos a ignoram? Por que eles não agem? Certamente é do seu interesse manter os preços baixos e os consumidores – eleitores – felizes. A resposta é simples: porque os governos são os maiores beneficiários da inflação. Eles arrecadam mais receitas de impostos indiretos e sua dívida crescente é lentamente corroída pela inflação.

Além disso, os governos nunca agem contra a inflação porque se beneficiam dela e, mais importante, podem culpar todos, exceto suas políticas. Mesmo na Argentina, onde a inflação é superior a 50% e dez vezes maior do que nos países vizinhos, os cidadãos estão lentamente se convencendo de que deve haver outras causas além da impressão de dinheiro. Mesmo diante da evidência de um banco central que aumenta a oferta de dinheiro em mais de 120% em dois anos com demanda decrescente, a imprensa e os políticos culpam a inflação pelos efeitos “multicausais”. Uma piada.

Veja os comentários sobre a alta dos preços nos Estados Unidos do governo americano.

O chefe de gabinete da Casa Branca, Ron Klain, disse que a inflação era um “problema de classe alta” e, quando confrontado, Jen Psaki, secretária de imprensa, respondeu que as pessoas comprando mais coisas do que nunca eram a causa da inflação. No entanto, de acordo com dados recentes, o gasto real do consumidor caiu para 1% anualizado nos Estados Unidos, de acordo com a Capital Economics.

O diretor do Conselho Econômico Nacional, Brian Deese, disse que, se você deduzir o aumento dos preços da carne bovina, suína e de aves, os aumentos são normais. “Se você tirar essas três categorias, na verdade vimos aumentos de preços que estão mais alinhados com as normas históricas.” Então, se você deduzir o aumento de preço das coisas que você come todos os dias e eliminar o preço das coisas que você compra, não há inflação, certo?

Todos estão usando as desculpas usuais. Culpe as empresas por preços mais altos (criadores de porco e frango malvados, transportadores malvados e gerentes de portos), culpe os consumidores (você compra muito rápido demais) e sorria dizendo que realmente se importa e está trabalhando nisso… Imprimindo e gastando mais.

A retórica sobre a inflação “transitória” permanece, tanto em governos que não estão dispostos a reduzir gastos massivos, quanto em bancos centrais, que o estão entre a espada e a parede, pois precisam monetizar déficits crescentes de governos altamente endividados e, ao mesmo tempo, defender sua estratégia de “estabilidade de preços”. Entre esses dois, adivinhe o que eles decidiram optar? Sim, continue imprimindo e diga que um dia isso vai passar.

O problema do argumento da “inflação transitória” é que é uma falácia quando você olha para a inflação acumulada. Se o aumento do índice de preços ao consumidor for de 5% em 2021 e, digamos, 3% em 2022, eles dirão que a inflação está baixa, mas você e eu vimos nossos salários e poupanças reais corroerem em mais de 8,1%. Pior ainda, se a inflação subir acima de 6% em 2021 e ficar abaixo de 2% em 2022, você e eu teremos perdido também mais de 8,1% em poder de compra, mas os bancos centrais dirão que precisam imprimir mais para “combater os riscos de deflação”.

Os governos intervencionistas não estão dispostos a cortar gastos ou reduzir déficits substancialmente, então eles usarão o imposto inflacionário sabendo que podem usar as desculpas usuais: 1) Dizer que não há inflação se você eliminar os preços que sobem 2) dizer que é transitória 3) culpar as empresas 4) culpar os consumidores 5) apresentar-se como a solução com “controles de preços”.

Inflação é tributação sem legislação, como disse Milton Friedman. Não existe inflação “multicausada”. É muito mais dinheiro indo para o mesmo número de mercadorias. E o imposto inflacionário está aumentando o tamanho do governo na economia nos dois sentidos: por meio de gastos deficitários massivos e erosão do poder de compra e poupança do setor privado por meio da desvalorização da moeda.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito Bom!
    Algo que me atormenta profundamente é esta cegueira completa do mainstream economics sobre a acumulação histórica da depreciação do valor do papel estatal. O autor citou os últimos dois anos, mas e nos últimos 30?

    “mas os bancos centrais dirão que precisam imprimir mais para “combater os riscos de deflação”..

    Vai tomar no cú! o que diz um banqueiro central não se escreve. Esses caras ganham dos políticos na mentira. Sem uma deflação generalizada para trazer os preços de volta a realidade, os mafiosos estatais vão continuar com a sua política genocida de imprimir papel que tem valor só para eles.