Por que Rothbard perdura

1
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Esta semana celebramos a vida de Murray N. Rothbard, nascido no dia 2 de março de 1926, uma terça-feira, no Bronx.

E que Bronx era aquele, repleto de intelectuais brilhantes, comunistas de carteirinha e americanos de classe média confiáveis como David e Rae Rothbard. A família mais tarde se tornaria amiga de seu vizinho em um prédio de apartamentos em Manhattan, um certo Arthur F. Burns. Burns, um economista da Columbia, estava destinado a uma carreira política no Conselho de Consultores Econômicos de Eisenhower e como presidente do Fed, nomeado por Nixon. De forma reveladora, Burns também foi o homem que mais tarde quase sabotou a dissertação de Rothbard em Columbia. Pelos padrões dos economistas acadêmicos, ele certamente atingiu o auge de sua profissão.

No entanto, podemos perguntar quantas pessoas se lembram ou leem Burns hoje e quantas leem Rothbard.

A resposta é que praticamente ninguém se lembra de Arthur Burns. Mas Rothbard, como seu mentor Ludwig von Mises, é muito mais conhecido e lido hoje do que em qualquer época de sua vida. Há uma justiça poética e um grau de melancolia nisso, já que Murray sofreu com as pedradas de seus detratores tanto quanto ele desfrutou da amizade e respeito de seus incontáveis ​​colegas e leitores. Para Murray e sua amada esposa, Joey, pessoas sem filhos, mas extremamente sociáveis, os próprios livros e ideias se tornaram descendentes e legados. Ambos cresceram nos anos seguintes.

Para qualquer pensador sério, a recompensa final deve ser a longevidade de seu trabalho. Ainda é lido e considerado depois de cinco ou dez anos? Vinte e cinco anos? Um século depois? Por essa medida, Rothbard certamente é muito mais bem-sucedido do que seu antagonista Arthur Burns. Mesmo postumamente, Rothbard continua atraindo muita atenção. Burns é uma nota de rodapé. Sabemos que Rothbard será lido ao longo do século XXI. Sabemos decididamente que Burns não será.

Quão prolífico foi Rothbard? Certamente, o grande volume de palavras que ele escreveu ultrapassa quase qualquer escritor do século XX. Henry Hazlitt certa vez comentou aos setenta anos sobre ter escrito todos os dias de sua vida desde os vinte; ele estimou sua produção ao longo da vida em cerca de 10 milhões de palavras. Rothbard, apesar de viver apenas até 68 anos, certamente ultrapassou Hazlitt por uma larga margem. Não se engane, Murray ainda estava escrevendo em um ritmo acelerado quando morreu.

Uma discussão sobre sua obra é muito longa para qualquer artigo. Sua bibliografia sozinha abrange sessenta e duas páginas, completa com trinta livros completos e cem capítulos de livros. Seus artigos acadêmicos publicados, alguns perdidos no tempo e no microfilme, são estimados conservadoramente em mil. E seus artigos populares, incluindo artigos de opinião, resenhas de filmes, análises políticas e comentários sobre esportes, são inúmeros.

É difícil imaginar alguém hoje igualando sua impressionante obra acadêmica em economia, história, filosofia, sociologia, teoria política e direito. Um pedacinho de sua obra já seria considerada uma grande carreira para um professor no mundo acadêmico hiperespecializado do “atenha-se a sua área” de hoje.

No entanto, o volume e a erudição de sua obra por si só não explicam seu apelo duradouro. Rothbard explorou algo mais profundo e, quer chamemos isso de integridade ou intransigência, ele o possuía de sobra. A carreira notável de Rothbard ressalta um ponto crítico, mas muitas vezes esquecido: quase tudo que é interessante, inovador e valioso no mundo acontece à margem. Vemos isso na tecnologia e nos negócios, nas artes e na literatura, na educação e na medicina, na política e no governo e em qualquer parte da vida em que um novo pensamento ameace o status quo. Certamente vemos isso no mundo das ideias.

É por isso que nada de bom vem de fontes cansadas e comprometidas como o New York Times ou The Atlantic, nada que valha a pena vem de think tanks de Washington ou de acadêmicos avessos ao risco, e nada de interessante vem de intelectuais da corte ou especialistas dissolutos na TV. É por isso que os escritores mais originais e atraentes hoje usam Substack ou Medium e os pensadores mais perigosos são encontrados no YouTube ou em pequenas plataformas de podcast, em vez de canais a cabo. Rothbard assumiu o pensamento econômico e político estabelecido de sua época sem hesitação e quase sozinho construiu um novo sistema normativo de anarcocapitalismo a partir das fundações dispersas do anarquismo político e do laissez-faire.

Murray sempre esteve fora do status quo, nas margens. Isso fez dele o que ele era.

Por acaso, e geralmente por necessidade, Rothbard passou sua carreira escrevendo nos limites do pensamento e do conhecimento da época. Trabalhar na margem, combinado com sua inteligência e capacidade de reter conhecimento, era sua vantagem comparativa. Como no caso de Mises, um caminho mais fácil teria mudado tudo.

Se o doutorado de Rothbard não tivesse sido postergado por Burns, ele poderia nunca ter passado quase quinze anos no Fundo Volker. Este tempo que ele passou escrevendo e pesquisando, em vez de trabalhar no tipo de trabalhos acadêmicos que teria que realizar para garantir sua permanência em uma universidade transformou tanto sua compreensão da economia austríaca quanto seu estilo de escrita. Isso o colocou em um curso de redação tanto para o público leigo quanto para o acadêmico, o que o tornou muito mais influente do que qualquer professor. E o mais importante, deu-lhe tempo e apoio para começar sua magnum opus, Man, Economy, and State, que transformou a trajetória de sua carreira e pressagiou um renascimento austríaco. Seu caminho deu-lhe liberdade e tempo, as duas mercadorias mais valiosas para qualquer intelectual que deseje fazer contribuições destemidas e radicais.

Os professores que buscam estabilidade, por outro lado, tendem a ser criaturas tímidas que procuram adicionar sua pequena parte à literatura existente. Eles também tendem a ter hipotecas. Se Rothbard tivesse buscado uma posição acadêmica tradicional, como suas credenciais e publicações da Ivy League certamente garantiam, quem sabe se o “Rothbard completo” teria surgido? Da mesma forma, se ele tivesse se acomodado confortavelmente no Cato Institute, a política e as concessões do think tank de Washington teriam criado uma pressão para silenciar tanto seu anarquismo quanto sua dura crítica ao império dos Estados Unidos.

Um Rothbard acomodado pode nunca ter produzido Governo e Mercado, onde ele construiu todo o seu argumento pela a defesa privatizada. Ele poderia nunca ter lançado o desafio contundente aos liberais de esta-mínimo encontrado em A anatomia do Estado. Ele poderia nunca ter abordado as questões mais difíceis, como autodefesa e justiça proporcional, em A ética da liberdade. Apenas sua independência desenfreada permitiu-lhe argumentar de forma abrangente contra o estado predatório, por ser prejudicial à liberdade pela sua própria existência.

Haverá outro Rothbard em nossas vidas, nesta era digital estúpida de frases de efeito, picos de dopamina e intelectuais superficiais presunçosos? Deveríamos ter esperanças que sim. Considere como Mises via o estado dos assuntos intelectuais em meados do século XX, evidenciado por lampejos de pessimismo em suas memórias. Vindo da velha Viena do pré-guerra, os EUA da década de 1960 deve ter parecido um deserto cultural. No entanto, essa mesma década, a Era de Aquário, produziu o já mencionado Man, Economy, and State de Rothbard e deu uma nova vida ao pensamento misesiano. Assim como Mises reviveu Menger e Böhm-Bawerk, Rothbard reviveu a essência da escola austríaca e deu-lhe uma base na América do Norte. Ele encontrou seu pulso e o enraizou mais uma vez na praxeologia. Mises elogiou o livro de Rothbard, mas nunca imaginou a renascença que seu nome e obra desfrutariam ao longo das décadas após sua morte, em grande parte devido aos esforços de Rothbard. Portanto, não podemos nos dar ao luxo do pessimismo hoje. Novas vozes e pensadores continuarão a surgir, e “outro Rothbard” pode muito bem estar andando pelo Bronx hoje de fraldas. Mas mesmo que cem jovens rothbardianos sejam necessários para ocupar seu lugar, isso não deve nos deter.

O trabalho de Rothbard continua ganhando força hoje, não apenas por causa de sua genialidade e insights, mas porque ele se concentrou tão singularmente nas próprias ideias, em vez de nos apetrechos da vida intelectual. Não é apenas que ele nunca se vendeu, mas algo mais: ele simplesmente nunca considerou essa possibilidade. Para Murray, o trabalho era o ponto principal.

Rothbard perdura. Ele perdura porque nunca hesitou em fazer perguntas difíceis ou dar respostas difíceis. É difícil imaginar qualquer pensador hoje igualando a profundidade e amplitude de seus escritos, seu amplo alcance acadêmico ou a inteligência ofuscante que ele levou para qualquer local intelectual. Em vez de sucumbir ao zeitgeist, ele o moveu. Ignore seus críticos e leia Rothbard por si mesmo. Você encontrará um guerreiro feliz e uma mente como um diamante.

 

Artigo original aqui.