Preços do ouro sobem à medida que o dólar morre lentamente

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

A oferta monetária está subindo novamente, e a inflação persistente de preços não é uma surpresa. A inflação de preços ocorre quando a quantidade de moeda aumenta significativamente acima da demanda do setor privado. Para os investidores, a pior decisão nesse ambiente de destruição monetária é investir em títulos soberanos e manter caixa. A destruição do poder de compra da moeda pelo governo é uma política, não uma coincidência.

Os leitores me perguntam por que o governo estaria interessado em corroer o poder de compra da moeda que emite. É extraordinariamente simples.

A inflação monetária é o equivalente a um calote implícito. É uma manifestação da falta de solvência e credibilidade do emissor da moeda.

Os governos sabem que podem disfarçar seus desequilíbrios fiscais por meio da redução gradual do poder de compra da moeda e, com essa política, conseguem duas coisas: a inflação é uma transferência oculta de riqueza dos poupadores de depósitos e dos salários reais para o governo; é um imposto disfarçado. Além disso, o governo expropria a riqueza do setor privado, fazendo com que a parte produtiva da economia assuma o calote do emissor da moeda, impondo a utilização de sua moeda por lei, bem como forçando os agentes econômicos a comprar seus títulos via regulação. Toda a regulação do sistema financeiro é construída com base na falsa premissa de que o ativo de menor risco é o título soberano. Isso força os bancos a acumular moeda – títulos soberanos – e a regulação incentiva a intervenção estatal e o afastamento do setor privado, forçando, por meio da regulação, a usar de zero a pouco capital para financiar entidades governamentais e o setor público.

Uma vez entendido que a inflação é uma política e que é um calote implícito do emissor, podemos compreender por que a carteira tradicional de sessenta e quarenta não funciona.

Moeda é dívida e títulos soberanos são moeda. Quando os governos esgotam seu espaço fiscal, o efeito de crowding-out do Estado sobre o crédito se soma aos crescentes níveis de tributação para prejudicar o potencial da economia produtiva, o setor privado, em favor do aumento constante do passivo público não financiado.

Os economistas alertam para o aumento da dívida, o que é correto, mas às vezes ignoramos o impacto no poder de compra cambial dos passivos não financiados. A dívida dos Estados Unidos é enorme, de US$ 34 trilhões, e o déficit público é intolerável, de quase US$ 2 trilhões por ano, mas isso é uma gota no balde em comparação com os passivos não financiados que paralisarão a economia e corroerão a moeda no futuro.

O passivo estimado da Previdência Social e do Medicare é de US$ 175,3 trilhões (Relatório Financeiro do Governo dos Estados Unidos, fevereiro de 2024). Sim, isso é 6,4 vezes o PIB dos Estados Unidos. Se você acha que será financiado com impostos “sobre os ricos”, você tem um problema com a matemática.

A situação nos Estados Unidos não é exceção. Em países como a Espanha, os passivos de pensões públicas sem constituição de fundos ultrapassam os 500% do PIB. Na União Europeia, segundo o Eurostat, a média está próxima de 200% do PIB. E isso é apenas passivo previdenciário sem fundos. O Eurostat não analisa os passivos do programa de direitos adquiridos sem fundo.

Isso significa que os governos continuarão usando a falsa narrativa de “taxar os ricos” para aumentar a tributação sobre a classe média e impor o imposto mais regressivo de todos, a inflação.

Não é por acaso que os bancos centrais querem implementar moedas digitais o mais rápido possível. As moedas digitais do Banco Central são uma vigilância disfarçada de moeda e um meio de eliminar as limitações das políticas inflacionárias dos atuais programas de flexibilização quantitativa. Os banqueiros centrais estão cada vez mais frustrados porque os mecanismos de transmissão da política monetária não estão totalmente sob seu controle. Ao eliminar o canal bancário e, portanto, o backstop inflacionário da demanda de crédito, os bancos centrais e os governos podem tentar eliminar a concorrência de formas independentes de moeda por meio da coerção e desvalorizar a moeda à vontade para manter e aumentar o tamanho do Estado na economia.

Ouro vs. títulos mostra isso perfeitamente. O ouro subiu 89% nos últimos cinco anos, em comparação com 85% para o S&P 500 e um decepcionante 0,7% para o índice de títulos agregados dos EUA (em 17 de maio de 2024, de acordo com a Bloomberg).

Os ativos financeiros estão refletindo as evidências de destruição da moeda. Ações e ouro disparam; os títulos não fazem nada. É a imagem de governos usando a moeda fiduciária para disfarçar a solvência de crédito do emissor.

Considerando tudo isso, o ouro não está nem um pouco caro. Está extremamente barato. Os bancos centrais e os formuladores de políticas sabem que só haverá uma maneira de conciliar as contas públicas com trilhões de dólares de passivos sem fundo. Liquide essas obrigações com uma moeda sem valor. Ficar em dinheiro é perigoso; acumular títulos públicos é temerário; mas rejeitar o ouro é negar a realidade do dinheiro.

 

 

 

Artigo original aqui