Por que o Islã provavelmente vencerá sua eterna guerra contra o Ocidente

4
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

[Lee esto en Español]

Vamos examinar o Islã e seu impacto no Ocidente.

Aqui está o ponto principal: o conflito entre o Islã e o Ocidente equivale a uma Guerra Sem Fim, um conceito do romance de ficção científica de mesmo nome de Joe Haldeman. E os maometanos devem vencer sua próxima fase.

A Guerra Sem Fim começou no início do século VII e tem refluído desde então. Agora está esquentando novamente, como evidenciado pelo fato de que as guerras mais recentes e atividades terroristas se concentram em lugares como Irã, Iraque, Somália, Líbano, Bósnia, Sudão e Afeganistão, e organizações com nomes como Hamas, Setembro Negro e Al-Qaeda.

Porquê? Os muçulmanos veem suas terras e cultura como tendo sido constantemente atacadas desde as Cruzadas. A imagem romântica de cavaleiros em armaduras lutando para libertar a Terra Santa do infiel é invertida em seus olhos. Eles veem hordas de bárbaros europeus invadindo sua terra natal sob pretextos sagrados, com a intenção de estupro, assassinato e saques em massa.

Nos últimos dois séculos, os exércitos europeus e agora americanos atropelaram todos os países muçulmanos. Os muçulmanos não gostam das agressões que sofrem tanto quanto os americanos não gostariam se os houthis estivessem bombardeando Nova York e tivessem uma zona de exclusão aérea criada sobre o Alabama para proteger um movimento separatista negro.

Suas fraquezas pessoais à parte, Saddam Hussein e Moammar Khadafi são vistos como heróis pela maioria dos muçulmanos por terem lutado contra os cruzados, apesar das enormes perdas.

O Islã é provavelmente a maior religião do mundo, com 2 bilhões de adeptos, certamente, se você considerar o número de crentes reais, em vez de apenas crentes nominais. É também a que mais cresce no mundo. Domina completamente uma grande parte do mundo, com muita gente pobre, pouco capital, pouca liberdade e governos uniformemente repressivos. Até que ponto isso é culpa do Islã? Eu diria em grande parte. Mas se esse for o caso, como os maometanos podem vencer a Guerra Sem Fim? Vou mostrar por que eles provavelmente vencerão.

Dizem-nos que o Profeta (que a paz esteja com ele, frase que os fiéis costumam acrescentar às menções ao seu nome, (a.s.) –  abreviatura de “Alaihis Salam”) era um comerciante até que, aos 40 anos, recebeu a visita do anjo Gabriel e se tornou um senhor da guerra. Gabriel recitou as palavras de Alá (O Compassivo, O Misericordioso – talvez a mais comum das muitas descrições usadas pelos fiéis). Maomé transcreveu esses desejos como o Corão. Para a maioria dos estudiosos, no entanto, parece mais algumas histórias vagamente lembradas que ele ouviu de viajantes.

O Islã atrai as pessoas por razões muito compreensíveis: oferece um pacote limpo explicando o significado da vida, enquanto promete felicidade eterna após a morte. Ele tem algumas características e faz promessas, tornando-o especialmente atraente para os pobres e oprimidos, especialmente uma refeição diária se você frequentar a mesquita e orar depois de realizar suas abluções. E isso significa que seu mercado potencial é de cerca de 75% das pessoas do mundo.

A essência do Islã

O Islã tem uma série de seitas, mas apenas uma pequena fração das que tem o cristianismo. Não nos será útil aqui falar sobre cada uma delas, a não ser observar que a razão para o número relativamente pequeno de variações (basicamente sunitas e xiitas) é que se trata de uma fé muito mais coesa do que o cristianismo, sendo baseada em um livro bastante curto, promulgado por um homem, cujo status é claro; a religião deixa relativamente pouca coisa aberta à interpretação. Os pilares básicos do Islã tendem a unificar os crentes, quaisquer que sejam as outras diferenças que possam ter; a guerra entre muçulmanos por causa da religião tem sido a exceção.

Não está claro o que constitui um cristão observador, ou talvez um cristão “salvo”; as opiniões diferem amplamente entre as muitas seitas dessa religião. Não há dúvida, no entanto, sobre quem é um muçulmano observador: é preciso apenas aderir aos seus Cinco Pilares.

1) A Shahadah, ou Profissão de Fé. Esta é a essência do Islã. Para se tornar um muçulmano, é preciso dizer em voz alta, sincera e propositalmente: “Não há Deus senão Alá, e Maomé é seu profeta”.

2) Oração. Deve-se orar, de forma ritualizada, cinco vezes ao dia, em congregação, se possível. Muezzins convocam os fiéis para a oração dos minaretes das mesquitas através de alto-falantes. Os não-muçulmanos podem achar isso desafiador, o que é intencional.

3) Zakat, ou dízimo. É preciso dar uma certa porcentagem de seus bens aos pobres a cada ano.

4) Jejum. Não se pode comer, beber ou fumar do amanhecer ao anoitecer durante o Ramadã, o nono mês do calendário lunar. Este ano, o Ramadã começou em 11 de março.

5) Hadj, ou peregrinação. Deve-se viajar para Meca pelo menos uma vez, se for possível fazê-lo.

É isso. E certamente parece um pequeno preço a pagar para ganhar o Paraíso, onde terá prazeres da carne para a eternidade, cercado por 72 houris de olhos de corça. Infiéis e apóstatas, por sua vez, podem esperar queimar no enxofre pela eternidade. Como diz o Alcorão Sagrado em 5:33 – e muitas outras suras – “Aqueles que fizerem guerra contra Deus e seu mensageiro serão mortos ou crucificados, ou terão suas mãos e pés cortados em lados alternados, ou serão expulsos da terra. É assim que eles serão tratados neste mundo e, no próximo, eles terão uma terrível desgraça.”

O Islã também oferece benefícios no aqui e agora. Cultiva uma irmandade de crentes rompendo barreiras raciais, étnicas e linguísticas não apenas na teoria, mas na prática. Ele permite que o crente se comunique diretamente com Alá, dispensando um sacerdócio intermediário. Mulás e imãs são estudiosos ou líderes; a vaga é aberta a qualquer um. É uma religião muito fraterna e democrática.

Mas não é uma religião de paz, pelo menos não até que o mundo seja muçulmano. Os muçulmanos acreditam que o mundo está dividido em Darul Islam, a “Casa da Submissão” – onde os infiéis foram conquistados ou eliminados – e Darul Harb, a “Casa da Guerra” – onde a guerra estabelecerá o Islã.

A palavra Islã significa “submissão”. Uma vez que Alá é todo-poderoso e onisciente, isso significa que o que quer que aconteça é a vontade de Alá, e os fiéis fazem bem em aceitá-la. Isso leva, por um lado, a uma visão suave e desestressante da vida, o que é bom. Por outro lado, pode levar a uma visão muito fatalista da vida, em que o trabalho árduo e o esforço podem ser inúteis. Esta é uma das razões para o relativo atraso do mundo muçulmano. E o fato de que muitos ou a maioria dos homens estão desempregados, especialmente aqueles em países ocidentais.

Tornou-se prática apenas nos últimos anos chamar a religião de Islã. Maometismo costumava ser mais comum, e foi aceito, da mesma forma que os seguidores de Cristo são chamados de cristãos, e os seguidores de Buda são budistas. Mas agora é politicamente correto dizer Islã. Fazer com que o Ocidente substitua sua palavra tradicional por uma que eles preferem é, em si, uma forma de submissão.

Se você quer convencer os outros de algo, a coisa mais importante a lembrar é: “Mantenha a simplicidade!” E o Islã faz isso muito bem. A chave para a salvação é a observância dos Cinco Pilares.

O Islã também cultiva a certeza, o que favorece poderosamente sua simplicidade. Se você quer que as massas acreditem em algo, a certeza – confiança total e inabalável na correção de sua posição – é muitas vezes mais eficaz do que qualquer quantidade de intelectualismo. Simplicidade e certeza são os dois elementos indispensáveis de uma religião de massas bem-sucedida. Com essa base sólida estabelecida por Alá, através do Profeta, os primeiros adeptos entusiasmados puderam rodar o mundo com seu show.

A razão do sucesso inicial do Islã

A questão muitas vezes surge como a civilização islâmica, que conquistou grande parte do mundo conhecido nos 150 anos após a Hegira (fuga de Maomé de Meca para Medina em 622 d.C.) e depois entrou em uma Era de Ouro até o século XIII, poderia ter caído. Foi porque Alá sorriu para os muçulmanos em seus primeiros anos, mas, por alguma razão, os desaprovou nos séculos mais recentes? Ou poderia haver alguma outra força em ação?

Dois fatores foram importantes para as primeiras conquistas do Islã.

Primeiro, os bizantinos (e os persas, seu inimigo histórico) sofreram enormemente com a Peste de Justiniano de 541-549, que provavelmente matou 20% da população, especialmente nas cidades. Enquanto isso, os dois impérios travaram guerras constantes e mutuamente devastadoras, desmoralizando-os e empobrecendo-os ainda mais.

Em segundo lugar, os muçulmanos desenvolveram uma excelente organização militar possibilitada pelo fervor religioso. As grandes conquistas geralmente começam com uma ideologia unificadora, na maioria das vezes alguma forma de nacionalismo ou religião, e quanto mais simples e certo, melhor. Foi exatamente isso que o Islã deu aos árabes; eles tinham Alá ao seu lado. As conquistas levaram à riqueza, e a riqueza à civilização e ao progresso.

O Ocidente contra-atacou com a Reconquista Ibérica e as Cruzadas a partir de 1099. Os muçulmanos então tomaram Constantinopla em 1453 e passaram a quase conquistar a Europa antes de serem repelidos em Viena em 1683. A partir daí, por causa dos méritos únicos da civilização ocidental, a Europa desenvolveu-se muitas vezes mais rápido tecnologicamente, conquistando e colonizando todos os países muçulmanos. Mas desde o fim da 2ª Guerra Mundial, todas essas ex-colônias se tornaram independentes, e os muçulmanos têm contra-atacado, usando uma nova abordagem militar popularmente chamada de “terrorismo”.

Guerra, riqueza e hipocrisia

Vale a pena examinar a relação entre guerra e riqueza. Afinal, a maioria das guerras tem raízes econômicas. Pelo menos até tempos muito recentes, a conquista era a chave para a riqueza e o sucesso. Perder uma guerra significava pobreza (simplesmente porque o inimigo roubava tudo o que você possuía) e, provavelmente, escravidão.

A riqueza que o Islã ganhou cedo levou à sua Idade de Ouro, um florescimento da medicina, matemática, filosofia e ciência. Desconhecidos para a maioria, os maometanos não eram então, e não são agora, crentes agressivos em “Converta-se ou Morra!”. Por um lado, a conversão forçada é Haram – proibida no Corão. Por outro lado, significa que sobre a Ummah (o coletivo de crentes) incide menos impostos. Os Dhimmis (pessoas conquistadas que não são muçulmanas) têm que pagar muito mais imposto. A Era de Ouro foi o resultado de uma conquista bem administrada. Dhimmis conquistados significava riqueza e lazer.

Conquista é o que você chama de roubo simples quando é perpetrado por um grupo grande e bem organizado. Os árabes tornaram-se ricos como qualquer outro império de sucesso. Nos tempos pré-tecnológicos, a conquista era uma fórmula de sucesso. Ninguém tinha escrúpulos em relação a isso. A ideia de tribunais de crimes de guerra, se surgisse, teria sido risível em tempos em que a recompensa padrão para os soldados de um exército conquistador era de três dias de saques irrestritos, estupros e caos geral em uma cidade conquistada.

Historicamente, quando você conquista um inimigo e confisca (outra palavra bonita para “roubar”) seus bens, você fica mais rico. Isso era, no entanto, muito mais verdadeiro nos tempos pré-industriais, quando a riqueza era estática (terra, ouro, gado, etc.). Na economia de alta tecnologia de hoje, o simples roubo é muito menos produtivo.

Hoje, você não pode efetivamente roubar know-how. Isso porque é um processo, não um objeto concreto. Quanto maior o nível tecnológico de uma sociedade, menos sentido faz o roubo. Toda a história da civilização é de substituição do roubo pela produção. Em um mundo de alta tecnologia, o roubo é realmente contraproducente, assim como você não ganha conhecimento roubando as respostas de um teste. Não era assim no mundo antigo, no entanto, quando Alá ditou o imutável Corão.

A conquista permitiu que os muçulmanos, moradores de tendas saídos do deserto, se tornassem ricos e permanecessem ricos por um tempo. Mas, apesar da Idade de Ouro, quando havia muitos dhimmis para lhes proporcionar lazer, os muçulmanos desconfiam do conhecimento secular. Como o Corão é a palavra exata e indiscutível de Alá, é quase blasfêmia ler qualquer outra coisa, aprender sobre qualquer outra coisa ou fazer qualquer coisa que não se relacione diretamente com o que Alá quer que você faça. Um bom muçulmano faz de sua religião não apenas a peça central de sua vida; ele faz disso a sua vida. É por isso que muitos muçulmanos sabem pouco além do que aprendem em Madrassa ou palestras de seu mullah.

Li o Corão. Cerca de um quarto dele é louvor efusivo a Alá. Um quarto são imprecações de incrédulos, apóstatas, e descrições do que o destino os espera. Um quarto dá conselhos aos muçulmanos e promete que coisas boas estão por vir. E cerca de um quarto consiste em histórias modificadas da Bíblia. Talvez eu tenha lido uma tradução ruim, mas o livro não tem a elegância poética de muitas partes da Bíblia. HL Mencken disse que ele soou como um cachorro de quatro latindo. Se ele estivesse vivo hoje, sem dúvida teria uma fatwah emitida contra ele, e sua vida estaria em perigo.

Isso não quer dizer que o Islã não compartilhe muitos valores morais ocidentais. Ele é absolutamente contra roubo, mentira ou hipocrisia – mas depende de quem está envolvido. Alá é contra o roubo, a mentira ou a hipocrisia ao lidar com outros membros da Ummah. Mas tudo é aceitável quando se trata de Kaffirs (incrédulos) e do Darul Harb. Este é um aspecto em que o Islã é seriamente diferente do cristianismo e de quase qualquer outra religião.

Essa é uma das razões pelas quais o Islã tem tanto poder de permanência, inalterado em sua forma básica. Mas à medida que mais e mais do mundo conquistado se converteu ao Islã ao longo dos séculos, havia mais crentes privilegiados e menos dhimmis para apoiá-los. Essa é uma razão prática – além do mandato religioso – pela qual o Islã quer dominar o Ocidente. É onde está toda a riqueza, e há muitos dhimmis para tributar, como era na Idade de Ouro há muito perdida.

Fundamentalismo

O que realmente deve preocupar as pessoas no Ocidente, no entanto, não são as ramificações econômicas, mas políticas da religião de Maomé. Enquanto muitas outras religiões, do vodu ao hinduísmo, podem ser vistas como pitorescas ou bizarras, o Islã é uma ameaça. Isso por causa do que é considerado o 6º Pilar, conhecido como Jihad, ou Guerra Santa, para defender e espalhar o Islã.

Se você pesquisar o Islã na Internet, descobrirá que seus aspectos violentos ou politicamente incorrentos são severamente minimizados. Ninguém que se lembre de Salman Rushdie quer ofender o Islã de qualquer forma, mesmo acidentalmente. Intimidação e engano são partes intrínsecas da guerra, e são elogiadas no Hadith – que relata as ações e palavras de Maomé e seus colaboradores próximos. Talvez seja por isso que o Islã – apesar dos inúmeros atos de violência por parte dos muçulmanos – tenta apresentar uma face amigável e razoável aos kaffirs e Darul Harb.

Mas ele não é uma religião de paz. Aqui estão algumas citações do Alcorão para lhe dar uma ideia:

2:191 – “Mate os incrédulos onde quer que os encontres.”

3:28 – “Os muçulmanos não devem tomar os infiéis como amigos.”

3:85 – “Qualquer religião que não seja o Islã não é aceitável.”

8:12–”Aterrorizem e decapitem aqueles que creem em outras escrituras que não o Corão.”

8:60 – “Os muçulmanos devem reunir todas as armas para aterrorizar os infiéis”.

8:65 – “Os incrédulos são estúpidos; exorte os muçulmanos a combatê-los”.

9:5 – “Quando surgir oportunidade, matem os infiéis onde quer que os encontrem.”

9:30 – “Os judeus e os cristãos são pervertidos, combatam-nos.”

9:123 – “Façam guerra aos infiéis que vivem em seu bairro.”

47:4 – “Não anseie pela paz com os infiéis, decapite-os quando os apanhar.”

A jihad, compreensivelmente, assusta Kaffirs. A maneira como ouvir uma congregação cantar “Soldados cristãos em frente, marchando como para a guerra” em um domingo pode assustar os muçulmanos. Enquanto isso, a Força Aérea dos EUA está sobrevoando vários países muçulmanos. Isso irrita os muçulmanos e eles procuram o Corão e o Hadith em busca de conselhos. Isso reforça o fundamentalismo.

Alguns dizem que o Islã é basicamente bom, uma religião de paz, como afirmam seus propagandistas. Dizem que o problema é o fundamentalismo, que está em alta.

Fundamentalismo equivale a viver sua vida exatamente de acordo com O Livro, pelo menos como você o entende. E isso nos leva de volta ao problema da hipocrisia. Por exemplo, já que Alá, através do Profeta, diz que é errado cobrar juros em qualquer circunstância, como você pode racionalizar isso com as práticas bancárias modernas e a teoria econômica, em que os juros são o valor temporal do dinheiro? Se Jesus, que muitos cristãos acreditam ser Deus, diz que é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no céu, como você pode racionalizar ser rico?

Bem, os bancos muçulmanos têm pelo menos 18 maneiras de obter um retorno sobre empréstimos sem chamá-lo de juros (taxas, presentes de retorno, comissões, tokens de valorização, porcentagem de lucro, etc.). Quanto a como os cristãos resolvem o enigma da riqueza, tenho certeza de que todos nós ouvimos as respostas na escola dominical. Pergunta: É por isso que os judeus são notoriamente mais ricos do que cristãos ou muçulmanos?

Na verdade, apesar de todos os problemas que fundamentalistas de todas as religiões causam, você tem que respeitá-los, nem que seja porque eles não são hipócritas. Eles não falam apenas; eles praticam. Mas o fundamentalismo está a um passo do fanatismo.

O futuro do Islã

Tendo analisado brevemente a história do Islã, vamos explorar para onde ele está indo. O Islã deve ser considerado uma ameaça à “civilização como a conhecemos”, ou seja, a Civilização Ocidental? Essa pergunta tem pelo menos duas respostas.

Uma resposta é sim: como as duas civilizações têm valores antitéticos, o Islã é uma ameaça. Um bom muçulmano sabe que tem que espalhar o Darul Islam e conquistar Darul Harb. Existem agora 49 países muçulmanos e alguns deles possuem forças militares sérias. Numerosos grupos islâmicos não só se defenderão dos cruzados medievais reinventados como americanos modernos, como os primitivos houthis no Mar Vermelho. Muitos querem rodar o mundo com seu show e conquistar potenciais dhimmis na Europa por dentro.

A Ummah lutará não tanto com aviões e tanques, mas com armas que eles podem pagar, que ironicamente não são apenas muito mais baratas, mas muito mais econômicas. Entre outras coisas, eles usarão dados demográficos e ondas de migrantes. As suas famílias numerosas são pagas pelos países de acolhimento. Não chamaremos seus guerreiros de “soldados” ou “terroristas”, mas de “vizinhos”.

Um dos maiores pontos fortes do Islã é também uma de suas maiores fraquezas: o fato de ser mais do que uma religião, é uma visão de mundo completa. Ele não apenas prescreve como se lidar com o sobrenatural, ou mesmo apenas com a moral, mas dita a abordagem de finanças, ciência, arte, política e vida em geral. Isso tem uma certa utilidade em unir povos primitivos com o propósito de conquista militar usando tecnologia simples. Se você conseguir convencer uma horda de que eles vão para o Paraíso se morrerem em uma Jihad contra o inimigo, você tem uma formidável força militar de baixa tecnologia. Mas o pensamento de grupo e outros hábitos islâmicos arraigados são muito inúteis em qualquer outra área da civilização. Por outro lado, quem precisa de um míssil caro quando adolescentes muçulmanos, disponíveis em quantidades ilimitadas, podem entregar bombas suicidas com precisão?

Alguns, especialmente aqueles nos círculos de Segurança Nacional, perguntam discretamente o que deve ser feito sobre a ameaça muçulmana. Minha resposta é: este não é um problema militar e não pode ser resolvido com soluções militares. Uma coisa era quando o Islã era confrontado por um inimigo ideológico igual na forma do cristianismo medieval – ou mesmo do cristianismo de 100 anos atrás. Mas, infelizmente para o Ocidente, sua contraforça ideológica agora é essencialmente o wokeísmo.

O wokeísmo pode ser vagamente definido por conceitos degradados como interseccionalidade, LGBTQ, DEI, espaços seguros, gatilhos generalizados, conivência descarada às minorias, políticas de identidade, culpa sobre os valores do Ocidente e desejo de abolir as normas e a cultura tradicionais. E algo chamado islamofobia – é como se o Ocidente devesse acolher o Islã. Quando, na verdade, o Islã é tão pernicioso quanto o nazismo ou o comunismo.

A Ummah dos muçulmanos não sofre nada disso. Na verdade, é exatamente o contrário, ao extremo. Exemplos aleatórios são a perseguição aos Versos Satânicos de Rushdie, os assassinatos do Charlie Hebdo em Paris e dezenas de assassinatos e estupros com motivos ideológicos. Em toda a Europa, quando atingem uma massa crítica, agem como se já fossem os governantes. Não há resistência de europeus fracos e desmoralizados.

Os muçulmanos que conheço são, individualmente, tão decentes quanto qualquer outra pessoa. O conflito surge quando há uma massa crítica, e eles começam a pensar em si mesmos como parte da conquista da Ummah Darul Harb.

Por outro lado, a longo prazo, o Islã não é uma ameaça. Como os muçulmanos levam sua religião tão a sério, eles necessariamente ficarão para trás em todas as outras áreas do esforço humano. A crença eslava em um livro que chegou a um senhor da guerra árabe analfabeto em seus sonhos no início do século VII dificilmente levará ao sucesso em um mundo rico e de alta tecnologia. Há técnicos muçulmanos que podem aprender por repetição. Mas há muito poucos cientistas muçulmanos porque a ciência requer um pensamento independente. Quase todos os cientistas muçulmanos, não por acaso, vivem no Ocidente. O Islã não consegue acompanhar a não ser pela força.

O futuro econômico de países com tradições islâmicas não será o que poderia ser. Os únicos países islâmicos que estão indo bem são aqueles sentados em poças de petróleo. Seus edifícios altos e aeroportos impressionantes foram todos projetados no Ocidente e construídos por mão de obra importada. A riqueza do Islã só está lá por causa de um acidente geográfico. Suas massas só são sustentadas pelas tecnologias agrícolas e médicas que o Ocidente lhes deu.

Uma continuação da Guerra Sem Fim entre o Islã e o Ocidente parece provável. O grande teatro será a Europa, que praticamente sempre foi assim nos últimos 2.000 anos. Os europeus perderão por falta de vontade e demografia avassaladora.

Os seguidores de Jesus e Maomé compartilham duas características: cada um afirma ser a única fé verdadeira, conforme definido em um livro sagrado (o Novo Testamento e o Corão, respectivamente), e cada um faz proselitismo (embora os cristãos tenham sido muito mais agressivos em relação à conversão – e isso foi no passado). O Islã é muito mais sobre dominação e conquista.

O fato é que todos os países conquistados pelo Islã (com exceção da Espanha e Portugal) permaneceram islâmicos. Os cristãos são muito menos estridentes agora do que nos tempos medievais, da Reforma e coloniais. Na verdade, grandes segmentos da cristandade são isso apenas no nome. Papai Noel e igrejas vazias são principalmente lembretes benignos, enquanto as mesquitas que estão sendo construídas em toda a Europa estão cheias. Na Europa, o cristianismo é fraco, até mesmo morrendo. Isso é verdade em menor medida nos EUA. Como observou Napoleão, na guerra, o psicológico está para o físico como três está para um.

O Islã é mais do que uma religião para seus 2 bilhões de fiéis; é uma visão de mundo. Ele necessariamente se intromete em todos os aspectos da vida – negócios, família, direito, governo – o que for. O Corão é amplamente escrito na primeira pessoa como a palavra direta e incontestável do próprio Alá. Como a mais nova religião abraâmica, o Islã está no mesmo estágio de desenvolvimento que o cristianismo estava na mesma idade. Tem uma perspectiva medieval. Vai amolecer? Duvido. Não seria mais o Islã se o Corão e o Hadith não fossem rigorosamente observados.

Embora a maioria dos olhos esteja agora no conflito entre a Rússia e a OTAN na Ucrânia ou os EUA e a China, a Guerra Sem Fim com o Islã não deve ser negligenciada. Ela estará lá muito tempo depois que os outros conflitos forem resolvidos. O Islã nunca perdeu terreno ao longo de 1400 anos. Foi quiescente até 1946, mas está em marcha desde então. Pelo menos na Europa, a perspectiva de uma guerra de sobrevivência existe por várias razões.

Os muçulmanos nunca se integraram a outras culturas. Não estou falando apenas das recentes migrações para a Europa, onde eles vivem universalmente em áreas autodesignadas que são zonas “proibidas” para os europeus.

A guerra na ex-Jugoslávia foi mais virulenta com os bósnios muçulmanos. O Estado separatista do Kosovo é um confronto entre kosovares muçulmanos e sérvios ortodoxos. Essas pessoas viviam lado a lado há centenas de anos. A Índia pode ser o exemplo de maior escala. O Paquistão se separou à força da Índia em 1947, acompanhado por talvez 2.000.000 de assassinatos, e é 98% muçulmano hoje. Cerca de 200 milhões de muçulmanos permanecem na Índia, mas ainda têm sérios conflitos com hindus, cristãos, sikhs, budistas, farcis, judeus e jainistas, que vivem pacificamente uns com os outros.

A alta e contínua imigração da África e da Ásia, agravada por uma taxa de natalidade muçulmana muito alta e uma taxa de natalidade nativa inferior à reposição, é um mau presságio para o Ocidente. As estimativas variam, mas o projeto Pew Research, feito em 2013, projetava que, em 2050, os muçulmanos representariam mais de 30% da Suécia, 20% da Alemanha e da Áustria e 15-18% da maioria dos outros países da Europa Ocidental.

Muitos fatores podem alterar esses dados demográficos, mas os maometanos já estão perto da maioria em muitas grandes cidades, incluindo Londres e Paris. E as grandes cidades são onde a política é feita. A imigração está aumentando rapidamente, até porque a UE legisla essencialmente o acolhimento de “refugiados”. Eles devem receber quarto, alimentação, renda e um celular gratuitos na chegada e, na maioria dos casos, uma audiência sobre seu status não ocorre por muitos meses. A única coisa que a maioria dos países muçulmanos produz é mais muçulmanos. Os chamados refugiados desempenharão um papel significativo na vitória da guerra contra Darul Harb e os kaffirs na Europa.

Além disso, há uma tendência crescente de conversão no Ocidente, evidenciada por Andrew Tate – não que ele seja alguém que eu siga, mas ele ficou em #1 em hits na Internet em 2022. É uma tendência entre muitos atletas negros, em particular Mike Tyson.

A Guerra Sem Fim não será travada com exércitos convencionais, não apenas porque o mundo islâmico não tem a tecnologia. Mas porque os militares ocidentais são inúteis contra uma massa amorfa de milhões de pessoas. Os houthis, um grupo rebelde no Iêmen, estão provando que mísseis baratos e drones lançados contra navios e meios navais ocidentais causam muitos danos. Lançar armas multimilionárias contra cabanas de lama só faz mais inimigos.

Então, como será o conflito? Amorfo e desarticulado, caótico e sem frentes fixas. Com muitos milhões de muçulmanos na Europa – paquistaneses no Reino Unido, turcos na Alemanha, norte-africanos na França e Holanda – a conquista do mundo pela Europa voltou a mordê-la. Eles se aproximarão do status de maioria nos próximos 20 anos. Eles não estão sendo absorvidos e (compreensivelmente) tratam os europeus com desprezo. Muitos outros milhões chegarão como barqueiros, quer os europeus gostem ou não, praticamente como Jacques Raspail projetou em seu romance O Campo Dos Santos há 50 anos.

No passado, o Ocidente fez a pergunta: o que nosso petróleo está fazendo sob sua areia? No futuro, os muçulmanos perguntarão: como podemos nos livrar desses infiéis agressivos de uma vez por todas? Então o Ocidente reformulará sua pergunta para: Essas pessoas querem nos matar! Como podemos detê-los de uma vez por todas?

Muitos pensam que os EUA não podem perder uma guerra por causa de seus militares de altíssima tecnologia. Brinquedos caros podem ser úteis de tempos em tempos; eles podem vencer algumas batalhas. Mas eles são basicamente inúteis para vencer a próxima geração de guerra, como a cavalaria na 1ª Guerra Mundial ou os navios de guerra na 2ª Guerra Mundial. Pode haver alguns porta-aviões e F-35 por aí em 20 anos. Mas serão esquisitices reservadas para fins especiais, como máquinas de escrever.

Além de vencer as guerras demográficas e ideológicas criticamente importantes, os muçulmanos, atrasados como são, ainda podem vencer a guerra tecnológica no curto prazo. Isso porque todos podem ter armas inventadas pelo Ocidente – nucleares, biológicas e cibernéticas.

Devemos nos preocupar com o estágio atual da Guerra Sem Fim favorecendo o Islã? Depende do seu prazo, suponho. O curto prazo – os próximos 50-100 anos – parece muito turbulento e sombrio. Além disso, apenas duas coisas são previsíveis.

Primeiro, muitas pessoas continuarão produzindo mais do que consomem e economizando a diferença, isso criará capital, o que é fundamental não apenas para um padrão de vida mais alto, mas para o avanço da tecnologia. Isso é um bom augúrio para o Ocidente. Os muçulmanos não são bons nessas coisas.

Segundo, como há mais cientistas e engenheiros vivos do que viveram em toda a história anterior combinada, a tecnologia continuará avançando. A tecnologia é a principal força para o avanço do padrão de vida geral. Isso também favorece o Ocidente.

Então, eu sou essencialmente um otimista. Vamos apenas torcer para que os poupadores não sejam dizimados e que os cientistas não façam muito trabalho do governo.

A humanidade deixou de ser subsistente e viver em cavernas há apenas 10 mil anos para alcançar as estrelas hoje – e a taxa de progresso vem se acelerando. Por que mais uma guerra cultural, incluindo a Guerra Sem Fim, com a provável vitória dos maometanos, deveria pôr fim a isso? A menos que nos afundemos em uma Idade das Trevas.

Uma coisa é certa. Até e a menos que haja um renascimento, as coisas que valorizamos em nossa civilização estão em processo de serem eliminadas.

 

 

 

Artigo original aqui

4 COMENTÁRIOS

  1. Artigo com mais buracos do que um queijo suíço.
    Imitando os anarcosionistas que dão plantão por aqui: Inacreditável o instituto Rothbard antes que eu considerava fonte de informações relevantes estar ao lado da Palestina ou Hamas estando implícito ou explícito hahaha

    O autor acha que um bando de cientistas – os mesmos que inventaram a fraudemia, vão nos livrar de algo que essencialmente é obra de satanás. Por favor!

    A Igreja Católica Apostólica Romana desmaometou este artigo…