Prefácio de Karl Hess

0

As questões políticas mais interessantes ao longo da história têm sido se os humanos serão ou não governados ou livres, se serão responsáveis ​​por suas ações como indivíduos ou deixados irresponsáveis ​​como membros da sociedade, e se poderão viver em paz apenas por acordos volitivos.

A questão fundamental da política sempre foi se deveria haver política.

Morris e Linda Tannehill, neste livro, que se tornou uma espécie de clássico mesmo estando (até agora) esgotado, respondem que a política não é necessária, que o antigo e contínuo mecanismo do mercado pode substitui-la com resultados enobrecedores.

Os defensores do poder do Estado, é claro, recuarão da ideia e apontarão que é tudo um sonho fútil, que o Estado sempre existiu e sempre deve existir para que humanos brutais não caiam na, credo!, ANARQUIA. Eles estão certos, é claro. Sem o Estado haveria anarquia, pois isso é, apesar de todos os delírios fervorosos da esquerda marxista e da direita estatista, tudo o que a anarquia significa – a ausência do Estado, a oportunidade de liberdade.

Quanto à direção que um mundo rumo à liberdade estaria tomando (descendente ou ascendente), os Tannehills e muitos outros revisaram o histórico do estado-nação e descobriram um fato curiosamente poderoso. O estado-nação nunca foi associado à paz na terra. Na verdade, está associado à guerra. A história dos estados-nação é escrita em torno das datas das guerras, não da paz, em torno das armas e não das artes. A organização da guerra sem o poder coercitivo do estado-nação é simplesmente inimaginável na escala com a qual nos familiarizamos.

Não tendo mostrado nenhuma capacidade de trazer paz à terra, então como o estado reivindica nossa lealdade? Em argumentos bem fundamentados, os Tannehills sustentam que não deveria haver nenhuma reivindicação; que o Estado não é necessário em nenhum momento de nossas vidas e que outros arranjos volitivos podem substituir cada função do Estado. Eles veem esses arranjos operando na estrutura de um mercado verdadeiramente livre e os explicam cuidadosamente.

Os benefícios, eles argumentam, são tão numerosos quanto os problemas que agora nos atormentam. A poluição é mais facilmente combatida quando vista sensatamente como uma agressão contra a propriedade do que como uma causa política ou licenciamento. O monopólio é menos provável em um mundo laissez-faire do que em um mundo regulamentado. O crime é menos provável em comunidades responsáveis ​​por sua própria proteção do que naquelas que são simplesmente postos avançados das forças policiais do estado. E assim por diante ao longo de todo o triste registro da atividade estatal e através das excitantes possibilidades da atividade libertária.

Muito do que os Tannehills têm a dizer tornou-se familiar para os libertários desde que o livro foi publicado pela primeira vez em 1970. A proposta deles é que se tornará familiar para mais e mais pessoas à medida que os mitos do Estado desmoronarem sob o peso da realidade. Eles também propõem que a ordem alterada que resultará das ideias libertárias será duradoura e benéfica, ao contrário das mudanças que ocorreram no passado como resultado da violência.

Eles apoiam sua afirmação em uma análise do Estado que, mesmo que parecesse fantasiosa para alguns em 1970, deve parecer quase modesta hoje. As economias livres do mundo, as chamadas economias underground, estão crescendo a um ritmo espantoso. Na Itália, é a economia underground que mantém o país à tona. Nos Estados Unidos, é a parte da economia menos propensa à inflação e provavelmente a que mais cresce, tendo suscitado do presidente Reagan o comentário melancólico de que se o underground pagasse seus impostos (tributos) ao Estado, ele poderia equilibrar o orçamento. Nos países do Estado policial soviético, a economia clandestina é ao mesmo tempo uma força poderosa para manter as pessoas vivas e também uma força poderosa para manter vivas suas esperanças de liberdade.

Enquanto isso, a economia do estado menos livre, o soviético, continua a crescer a um ritmo tão deprimido que os súditos da tirania do Estado não podem nem se alimentar adequadamente. E a economia do Estado mais livre, os EUA, arrasta-se cada vez mais fundo na dívida e na depressão relacionadas com o Estado. Só que, pelo menos nos Estados Unidos, um renovado senso de possibilidade empreendedora mantém as coisas avançando. Ver tal atividade deve nos lembrar a todos que o brilho empreendedor em uma sociedade estatal pode se tornar o brilho de uma estrela em uma sociedade totalmente livre.

A importância de reeditar o livro dos Tannehills neste momento, me parece, está na probabilidade de inspirar e ampliar os horizontes de jovens empreendedores que podem desfrutar enormemente do que estão fazendo, mas podem não apreciar plenamente as implicações maiores de um mundo de livre mercado. Alguns irão apreciar, lendo os Tannehills, que não só eles podem ganhar dinheiro, mas que podem ajudar a construir um novo mundo ao fazê-lo.

Artigo anteriorAgradecimentos
Próximo artigoUma estratégia para a direita
são dois ativistas e pensadores libertários que, no início dos anos 1970, fizeram avanços surpreendentemente profundos na teoria da sociedade sem estado. Seu manifesto de livre mercado, O Mercado da Liberdade, foi escrito logo após um período de intenso estudo dos escritos de Ayn Rand e Murray Rothbard; tem o ritmo, a energia e o rigor que você esperaria de uma discussão de uma noite com qualquer um desses dois gigantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.