Prefácio de O que o governo fez com o nosso dinheiro?

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Dizem que o tempo dos eruditos universais terminou há muito tempo. Que não existem mais aquelas mentes brilhantes que desenvolvem vastos sistemas de pensamento e produzem trabalhos de alta qualidade em várias disciplinas. Para tais pensadores, dizem-nos, não há mais oferta nem demanda.

A vida e obra de Murray Newton Rothbard (1926-1995) desmente essa regra. Seus mais de vinte livros, e literalmente milhares de contribuições em livros e revistas, mostram que ele foi incomparável como economista, historiador, filósofo político e crítico cultural. O poder duradouro de seu pensamento torna ainda mais necessário ler e aprender com ele hoje.

Como economista, Rothbard manteve-se na tradição da Escola Austríaca, fundada por Carl Menger e desenvolvida mais tarde por Eugen von Böhm-Bawerk e Ludwig von Mises. Rothbard fez importantes contribuições para a teoria do monopólio, produção, teoria monetária e do bem-estar, entre muitas outras áreas. Seu tratado Homem, Economia e Estado é uma síntese brilhante de suas contribuições mais recentes e da teoria pré-existente.[1]

Como filósofo político, Rothbard forneceu uma nova base para a teoria da liberdade humana ao mostrar que a propriedade privada pode servir como base de uma ética política abrangente: a ética da liberdade.[2] Esse fundamento ético da liberdade tem uma ampla gama de aplicações, mesmo em áreas em que tradicionalmente se diz que o setor privado é inadequado. Rothbard argumentou de forma convincente que uma sociedade livre precisa de lei e ordem, mas não de um estado. Os serviços policiais e judiciais podem e devem ser privados, prestados por associações e empresas que operam na economia de mercado por contrato.

Como historiador, Rothbard reformulou a história do dinheiro e dos bancos nos Estados Unidos,[3] principalmente no que se refere à Grande Depressão,[4] e escreveu um tratado geral da história americana começando na Era Colonial.[5]

Sua abordagem da origem da burocracia empregou novos métodos históricos para entender o ímpeto ideológico por trás da criação e crescimento do Estado moderno.[6] Postumamente, Rothbard demonstrou sua compreensão da história das ideias com uma reconstrução magistral da história do pensamento econômico.[7] Lançado no ano de sua morte, este empreendimento de dois volumes recebeu aclamação internacional.

Apenas muito tarde em sua vida a contribuição única de Rothbard para essas muitas áreas ganhou amplo reconhecimento. O nova-iorquino nativo não ocupava uma cátedra de prestígio em uma universidade de elite americana. Suas visões radicais sobre teoria, história e política tornaram inatingível o Prêmio Nobel de economia que ele merecia. Somente aos 59 anos ele conseguiu um cargo em uma universidade de destaque (a Universidade de Nevada, Las Vegas), que ocupou nos últimos dez anos de sua vida.

Que Rothbard tenha conseguido adquirir uma reputação internacional, e que suas ideias tenham desenvolvido tantos seguidores em sua vida, não se deve ao seu status, posição ou riqueza, mas inteiramente à força de seus argumentos. Quando morreu em 1995, aos 68 anos, muitas de suas obras já apareciam em traduções estrangeiras. As contribuições de Rothbard foram apresentadas em edições especiais do Journal of Libertarian Studies, do Quarterly Journal of Austrian Economics e do Journal des Economistes Etudes Humanes. Um livro inteiro de apreciações foi publicado como Murray N. Rothbard: In Memoriam.[8]

Em 1997, os artigos mais importantes de Rothbard foram coletados e publicados na prestigiosa Economists of the Century, editada pelo historiador do pensamento Mark Blaug.[9] Suas citações acadêmicas aumentaram desde sua morte.[10]

Suas críticas políticas e sociais da década de 1990 foram reunidas em um único volume,[11] uma edição acadêmica de seu principal tratado de economia (unido com seu final original) apareceu,[12] e uma biografia foi publicada.[13]

Os livros de Rothbard carregam todas as marcas de um erudito na tradição clássica. Eles são escritos em linguagem cristalina, são implacáveis ​​em seu método e ritmo de argumentação, sempre se concentram nas questões centrais e tratam todas as questões com conhecimento abrangente da literatura relevante.

O que o governo fez com o nosso dinheiro? é um excelente exemplo da mente criativa de Rothbard em ação. Desde que foi publicado pela primeira vez em 1964, ele apareceu em quatro edições em inglês e foi traduzido para muitas línguas estrangeiras. Serviu como uma cartilha sobre teoria monetária para todos os seus leitores. Na verdade, é provavelmente a introdução mais brilhante à teoria monetária já escrita, apresentando tanto os fundamentos da teoria monetária quanto explorando o papel do Estado na degeneração dos sistemas monetários. O livro é indicado não apenas para economistas, mas também para não acadêmicos e todas as pessoas interessadas no assunto. É, como todas as obras de Rothbard, uma afirmação atemporal e poderosa. Ele proporciona ao leitor uma maneira completamente nova de pensar sobre a relação entre dinheiro e estado.

Aqui os elementos e as funções de um sistema monetário livre são apresentados com brevidade e clareza. Rothbard mostra como e por que ouro e prata são usados ​​como dinheiro no mercado livre. O dinheiro não se origina nem de pacto social nem de decreto governamental, mas como solução de mercado para os problemas e custos associados ao escambo. Todas as outras tarefas geralmente consideradas deveres monetários do Estado – desde a cunhagem até a definição das unidades monetárias até a forma precisa que o dinheiro assumirá – são deixadas para empresários privados no mercado livre.

Qual a função do estado neste cenário? O estado não tem que guardar nosso dinheiro? Não precisa ajustar a oferta monetária e supervisionar os bancos? A resposta de Rothbard a essas perguntas é um sonoro não. A intervenção do governo não protege o dinheiro, mas ameaça sua integridade. A interferência do governo leva a mais abusos e mais instabilidade do que o livre mercado teria tolerado de outra forma. Em vez de resolver problemas, a intervenção os cria. Em vez de ordem, eles trazem caos e convulsão econômica.

Para Rothbard, a questão central não é se a política monetária deve estabilizar o nível de preços ou a oferta de moeda; é se há algum papel para o Estado no sistema monetário. Sobre esta questão, Rothbard responde decisivamente negativamente. Confiar o dinheiro ao Estado é um grave erro. Abre portas e portões para o controle totalitário da sociedade por grupos de interesse intimamente ligados ao aparato estatal. As consequências são crises econômicas e monetárias e um declínio implacável no poder de compra do dinheiro. Rothbard ilustra isso de forma impressionante com uma breve história do colapso monetário do Ocidente.

A crônica de declínio de Rothbard termina com o colapso de Bretton Woods e uma previsão de que o futuro pressagia a volatilidade contínua da taxa de câmbio, acumulação de dívidas, inflação, crises, resgates e um ímpeto político para centralizar ainda mais o controle do dinheiro e do crédito. Essa previsão acabou sendo um bom resumo dos eventos monetários do último quarto de século.[14] A economia mundial adotou um padrão dólar de fato, uma integração monetária gerenciada chegou à Europa e crises se seguiram a crises na Ásia, Rússia, México e América Central e do Sul, juntamente com déficits e dívidas explosivos nos Estados Unidos. Sem dúvida, muitos mais virão pela frente.

Esta nova edição inclui uma proposta detalhada de reforma para um dólar 100% ouro, um ensaio publicado pela primeira vez em 1962, mesmo ano em que Homem, Economia e Estado apareceu, dois anos antes de O que o governo fez com o nosso dinheiro. O fato de ter sido escrito uma década antes da abolição dos últimos vestígios do padrão-ouro não diminui seu poder como proposta de reforma.

O plano de Rothbard funcionaria? Certamente. Os limites não se devem à sua viabilidade econômica, mas às mesmas forças que mantêm afastadas todas as propostas radicais de liberdade: barreiras políticas e oposição ideológica. Se as condições se tornarem maduras para a liberdade pura novamente – e Rothbard sempre foi um otimista – este ensaio servirá como um excelente projeto.

Hoje todas as nações enfrentam uma escolha entre dinheiro sólido e contínua depreciação monetária e/ou crise monetária. Dinheiro sólido, mostra Rothbard, significa a aplicação de uma separação estrita entre o estado e o dinheiro. Rothbard mostrou que o partido da liberdade do mundo pode abraçar o que geralmente é considerado um ideal impossível: um dinheiro internacional protegido contra a arbitrariedade do Estado. Suas análises e prescrições merecem ainda mais atenção hoje do que quando foram escritas.

 

Jörg Guido Hülsmann
Angers, França
abril de 2005

____________________________

Notas

[1] Man, Economy, and State: A Treatise on Economic Principles, 2 vols. (Princeton, NJ: D. Van Nostrand Co., 1962; Los Angeles: Nash Publishing Co., 1970; Nova York: New York University Press, 1979; Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 1993; combinado com Power and Market para formar a Scholar’s Edition, Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 2004).

[2] The Ethics of Liberty (Atlantic Highlands, NJ: Humanities Press, 1982; reeditado com nova introdução por Hans-Hermann Hoppe. Nova York: New York University Press, 1998).

[3] A History of Money and Banking in the United States: The Colonial Era to World War II, editado com uma introdução por Joseph Salerno (Auburn, Alabama: Ludwig von Mises Institute, 2002).

[4] America’s Great Depression (Princeton, NJ: D. Van Nostrand Co., 1963; com introdução à 2ª Edição Los Angeles: Nash Publishing Co., 1972; edição revisada, Nova York: New York University Press, 1975; Nova York: Richardson and Snyder, 1983; quinta edição, com introdução de Paul Johnson, Mises Institute, 2000).

[5] Concebido em Liberty (New Rochelle, NY: 1975, 1976, 1979; Auburn, Ala.: Mises Institute 1999).

[6] “Bureaucracy and the Civil Service in the United States”, Journal of Libertarian Studies 11, no.2 (verão de 1995): pp. 3–75.

[7] An Austrian Perspective on the History of Economic Thought (Brookfield, Vt.: Edward Elgar 1999).

[8] Murray N. Rothbard: In Memoriam (Auburn, Alabama: Mises Institute, 1996).

[9] The Logic of Action One and Two (Cheltenham, Reino Unido: Edward Elgar, 1997).

[10] “The Unstoppable Rothbard.”

[11] The Irrepressible Rothbard: The Rothbard-Rockwell Report Essays of Murray N. Rothbard (Llewellyn H. Rockwell, Jr., ed. Burlingame, Califórnia: Center for Libertarian Studies, 2000).

[12] Man, Economy, and State with Power and Market (Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 2004).

[13] Justin Raimondo, An Enemy of the State: The Life of Murray N. Rothbard (Amherst, N.Y.: Prometheus Books, 2000).

[14] Muitos comentários sobre eventos subsequentes podem ser encontrados em Murray N. Rothbard, Making Economic Sense (Auburn, Alabama: Ludwig von Mises Institute, 1995), pp. 253-301.