Qual a diferença entre liberdade pessoal e liberdade econômica?

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

[Lee esto en Español]

Ao contrário da doutrina comum, não temos motivos para considerar as chamadas liberdades econômicas como menos importantes ou menos dignas de proteção do que as chamadas liberdades pessoais, ou civis. Isso porque não temos fundamentos essenciais para distinguir os chamados fins econômicos dos chamados fins pessoais. (Vamos dispensar o qualificador “chamado” por uma questão de fluência.)

Cada um de nós persegue fins, ponto final. Nossos fins variam muito em conteúdo e tempo necessário para a realização. Alguns são alcançados rapidamente; outros exigem esforço prolongado e podem ser chamados de projetos. Alguns envolvem diretamente a geração de dinheiro; outros não. O que poderia ser mais pessoal do que decidir como ganhar a vida? Por que o tipo de fim buscado importaria para a discussão da liberdade?

Fins implicam ação, comportamento proposital. As leis e a lógica da ação humana – a praxeologia, como Ludwig von Mises a chamou – aplicam-se, portanto, a toda ação (a palavra proposital é redundante), não importa o que seja buscado e por quem, seja Jeff Bezos ou quem sucedeu Madre Teresa. O envolvimento do dinheiro é irrelevante. Fins, meios, custos (oportunidades perdidas), lucro, perda e tempo (interesse explícito ou implícito) são conceitos relevantes, independentemente dos fins que buscamos. Como disse o economista britânico Philip Wicksteed, “os princípios gerais que regulam nossa conduta nos negócios são idênticos àqueles que regulam nossas deliberações, nossas seleções entre alternativas e nossas decisões, em todos os outros ramos da vida”.

A ciência econômica como uma disciplina importante, enfatiza Thomas Sowell, é uma maneira de analisar a ação, não importa seu objetivo. Ela é como entendemos as consequências sociais e instituições não planejadas – propriedade, mercados, dinheiro, preços e assim por diante – que se desdobram quando pessoas diversas com preferências pessoais divergentes visam objetivos usando recursos escassos que poderiam ser usados de várias maneiras. Ela é o estudo da cooperação social que emerge entre estranhos amplamente dispersos como um subproduto não intencional da busca da felicidade pelos indivíduos. Não é o objetivo específico que torna uma atividade “econômica”. É um aspecto da ação humana em si.

No entanto, é comum em repartições públicas e na mente de muitas pessoas classificar a liberdade econômica abaixo da liberdade pessoal. Samuel Johnson disse: “Há poucas maneiras pelas quais um homem pode ser mais inocentemente empregado do que em obter dinheiro”, mas muitos discordam.

Uma nota de rodapé infame em uma decisão da Suprema Corte da era New Deal, que manteve a proibição federal do comércio interestadual de leite enriquecido, formalizou e reforçou a sinistra distinção entre liberdade econômica e liberdade pessoal, que havia substituído uma visão anterior mais totalmente pró-liberdade. A nota de rodapé parecia dizer que, embora o governo provavelmente não possa interferir, por exemplo, no exercício da religião ou expressão, provavelmente pode interferir no exercício do comércio e da manufatura. Apenas nestas últimas atividades, o governo deve ter uma grande margem de manobra para interferir.

Os opositores do livre mercado (tradução: opositores do mercado) dizem que o que distingue as duas categorias é que a atividade econômica afeta outras pessoas de maneiras importantes. Isso não pode ser sustentado porque praticamente todas as ações e abstenções afetam outras pessoas de inúmeras maneiras importantes, algumas positivas e outras negativas. A escolha da religião, expressão artística ou discurso político de alguém pode incomodar (metaforicamente prejudicar) os outros. A liberdade pessoal pode ofender e ferir os sentimentos de alguém. Mas não gostaríamos que o governo regulamentasse isso, não é mesmo?

Ultimamente, algumas pessoas têm percebido que o exercício de liberdades civis tradicionalmente protegidas pode afetar negativamente outros tanto quanto, se não mais, do que as atividades comerciais. Infelizmente, eles defendem estender o poder do governo ao primeiro, em vez de retirá-lo do segundo.

A questão da fala e da expressão demonstra a artificialidade da divisão entre atividades econômicas e pessoais. As pessoas muitas vezes se envolvem em atividades artísticas e discurso político em parte para ganhar dinheiro. É comércio e expressão. Em que categoria de liberdade ela deve entrar?

Podemos ir mais longe. Comércio é expressão. Os vendedores pedem preços e os compradores os licitam. Isso é comunicação. Adam Smith disse: “A oferta de um xelim, que para nós parece ter um significado tão claro e simples, está na realidade oferecendo um argumento para persuadir alguém a fazer algo pelo seu interesse.” Vendedores e compradores não podem obrigar, então devem tentar persuadir; cada um pode dizer não. Como os concorrentes também são livres para pedir e dar lances — ou seja, fazer contra-argumentos —, vendedores e compradores insatisfeitos têm alternativas. Onde reina a liberdade, o potencial de concorrência mantém os participantes do mercado atentos. (Se o governo restringir a entrada para ajudar seus comparsas, essa é a atividade que deve ser interrompida.)

Além disso, como argumentos, os preços funcionam como sinais – mensagens – indicando a todos o estado da oferta e da demanda. Isso facilita a coordenação – cooperação – de inúmeras pessoas enquanto elas perseguem seus projetos díspares. É uma rede de comunicação de massa, espontânea e sem planejamento. A interferência do governo no sistema de preços deve ser derrubada como uma violação da liberdade de expressão.

Por que, então, a intervenção política potencialmente violenta é defendida segundo distinções inessenciais? Não há bons motivos oferecidos. Todas as intervenções devem ser combatidas. Se A e B concordam em termos para a venda de bens ou serviços, incluindo salários, não é da conta de mais ninguém. Leis de salário mínimo, controles de preços, tetos de aluguel, restrições de uso da terra, regulamentações de profissões, patentes e direitos autorais, regras sindicais impostas pelo governo, etc. têm que acabar.

 

 

 

Artigo original aqui