Reflexões sobre o Estado e a Guerra

3
Tempo estimado de leitura: 22 minutos

Convencionalmente, o Estado é definido como uma agência com duas características únicas. Primeiro, é um monopolista territorial compulsório da tomada de decisão final (jurisdição). Ou seja, é o árbitro final em todos os casos de conflito, incluindo conflitos envolvendo ele próprio. Em segundo lugar, o Estado é um monopolista territorial da tributação. Ou seja, é uma agência que fixa unilateralmente o preço que os cidadãos devem pagar por sua provisão de lei e ordem.

Previsivelmente, se pudermos apelar somente ao Estado por justiça, a justiça será pervertida em favor do Estado. Em vez de resolver o conflito, um monopolista da tomada de decisão final provocará o conflito para resolvê-lo em seu próprio benefício. Pior ainda, enquanto a qualidade da justiça cair sob os auspícios monopolistas, seu preço aumentará. Motivados como todos pelo interesse próprio, mas dotados do poder de tributar, o objetivo dos agentes estatais é sempre o mesmo: maximizar a renda e minimizar o esforço produtivo.

I. Estado, Guerra e Imperialismo

Em vez de me concentrar nas consequências internas da instituição de um Estado, no entanto, vou me concentrar em suas consequências externas, ou seja, política externa e não doméstica.

Por um lado, como uma agência que perverte a justiça e impõe impostos, todo estado é ameaçado pela “saída”. Especialmente seu cidadão mais produtivo pode sair para escapar da tributação e das perversões da lei. Nenhum estado gosta disso. Ao contrário, ao invés de ver o alcance do controle e da base tributária diminuir, os agentes estatais preferem que eles sejam ampliados. No entanto, isso os coloca em conflito com outros estados. Ao contrário da competição entre pessoas físicas e instituições, no entanto, a competição entre Estados é eliminatória. Ou seja, pode haver apenas um monopolista de tomada de decisão final e tributação em qualquer área. Consequentemente, a competição entre diferentes estados promove uma tendência à centralização política e, finalmente, a um único estado mundial.

Além disso, como monopolistas da tomada de decisão final financiados por impostos, os estados são instituições inerentemente agressivas. Enquanto as pessoas e instituições “naturais” devem arcar com o custo do comportamento agressivo (o que pode induzi-las a se abster de tal conduta), os estados podem externalizar esse custo para seus contribuintes. Assim, os agentes estatais são propensos a se tornarem provocadores e agressores e o processo de centralização pode ocorrer por meio de confrontos violentos, ou seja, guerras interestatais.

Além disso, dado que os Estados devem começar pequenos e tendo como ponto de partida um mundo composto por uma multiplicidade de unidades territoriais independentes, pode-se afirmar algo bastante específico sobre o que é preciso para obter sucesso. A vitória ou a derrota na guerra interestatal depende de muitos fatores, é claro, mas com outras coisas, como o tamanho da população, sendo as mesmas, a longo prazo, o fator decisivo é a quantidade relativa de recursos econômicos à disposição de um estado. Ao tributar e regular, os estados não contribuem para a criação de riqueza econômica. Em vez disso, eles sugam parasitariamente na riqueza existente. No entanto, os governos estatais podem influenciar negativamente a quantidade de riqueza existente. Tudo o mais constante, quanto menor a carga tributária e regulatória imposta à economia doméstica, maior a tendência de crescimento da população e maior a quantidade de riqueza produzida internamente na qual o Estado pode recorrer em seus conflitos com concorrentes vizinhos. Ou seja, Estados que tributam e regulam suas economias relativamente pouco – Estados liberais – tendem a derrotar e expandir seus territórios ou seu alcance de controle hegemônico às custas dos menos liberais.

Isso explica, por exemplo, por que a Europa Ocidental passou a dominar o resto do mundo e não o contrário. Mais especificamente, explica por que foram primeiro os holandeses, depois os britânicos e finalmente, no século XX, os Estados Unidos, que se tornaram a potência imperial dominante, e por que os Estados Unidos, internamente um dos estados mais liberais, conduziram a política externa mais agressiva, enquanto a antiga União Soviética, por exemplo, com suas políticas domésticas totalmente iliberais (repressivas) se engajou em uma política externa comparativamente pacífica e cautelosa. Os Estados Unidos sabiam que podiam derrotar militarmente qualquer outro estado; portanto, tem sido agressivo. Em contraste, a União Soviética sabia que estava fadada a perder um confronto militar com qualquer estado de tamanho substancial, a menos que pudesse vencer dentro de alguns dias ou semanas.

II. Da monarquia e guerras de exércitos à democracia e guerras totais

Historicamente, a maioria dos estados foram monarquias, chefiadas por reis ou príncipes absolutos ou constitucionais. É interessante perguntar por que isso acontece, mas aqui tenho que deixar essa questão de lado. Basta dizer que os estados democráticos (incluindo as chamadas monarquias parlamentares), chefiados por presidentes ou primeiros-ministros, eram raros até a Revolução Francesa e assumiram importância histórica mundial somente após a Primeira Guerra Mundial.

Enquanto se espera todo estado tenha inclinações agressivas, a estrutura de incentivos enfrentada pelos reis tradicionais, por um lado, e pelos presidentes modernos, por outro, é diferente o suficiente para explicar diferentes tipos de guerra. Enquanto os reis se viam como proprietários privados do território sob seu controle, os presidentes se consideram zeladores temporários. O proprietário de um recurso está preocupado com a renda atual a ser derivada do recurso e o valor do capital incorporado a ele (como reflexo da renda futura esperada). Os seus interesses são de longo prazo, com uma preocupação pela preservação e valorização dos valores do capital incorporados no “seu” país. Em contraste, o zelador de um recurso (visto como propriedade pública e não privada) está preocupado principalmente com sua renda atual e presta pouca ou nenhuma atenção aos valores de capital.

O resultado empírico dessa estrutura de incentivo diferente é que as guerras monárquicas tendiam a ser “moderadas” e “conservadoras” em comparação com a guerra democrática.

As guerras monárquicas geralmente surgiram de disputas de herança provocadas por uma complexa rede de casamentos interdinásticos. Caracterizavam-se por objetivos territoriais tangíveis. Não eram brigas ideologicamente motivadas. O público considerava a guerra assunto privado do rei, a ser financiada e executada com seu próprio dinheiro e forças militares. Além disso, sendo conflitos entre diferentes famílias governantes, os reis se sentiam compelidos a reconhecer uma distinção clara entre combatentes e não combatentes e direcionar seus esforços de guerra exclusivamente uns contra os outros e suas propriedades familiares. Assim, o historiador militar Michael Howard observou sobre a guerra monárquica do século XVIII:

No continente [europeu], o comércio, as viagens, as relações culturais e eruditas aconteciam em tempos de guerra quase sem impedimentos. As guerras eram as guerras do rei. O papel do bom cidadão era pagar seus impostos, e uma boa economia política ditava que ele deveria ser deixado em paz para ganhar dinheiro para pagar esses impostos. Ele não era obrigado a participar da decisão da qual as guerras surgiam, nem a tomar parte nelas uma vez que elas eclodissem, a menos que fosse motivado por um espírito de aventura juvenil. Esses assuntos eram arcane regni, assunto exclusivo do soberano.[1]

Da mesma forma Ludwig von Mises observou sobre as guerras dos exércitos:

Nas guerras de exércitos, o exército luta enquanto os cidadãos que não são membros do exército seguem suas vidas normais. Os cidadãos pagam os custos da guerra; eles pagam pela manutenção e equipamento do exército, mas por outro lado eles permanecem fora dos eventos de guerra. Pode acontecer que as ações de guerra destruam suas casas, destruam suas terras e destruam suas outras propriedades; mas isso também faz parte dos custos de guerra que eles têm de arcar. Também pode acontecer que eles sejam saqueados e acidentalmente mortos pelos guerreiros – mesmo por aqueles de seu “próprio” exército. Mas esses são eventos que não são inerentes à guerra como tal; eles atrapalham em vez de ajudar as operações dos líderes do exército e não são tolerados se aqueles que estão no comando têm controle total sobre suas tropas. O Estado de guerra que formou, equipou e manteve o exército considera uma ofensa a pilhagem dos soldados; eles foram contratados para lutar, não para saquear por conta própria. O Estado quer manter a vida civil como sempre porque quer preservar a capacidade tributária de seus cidadãos; territórios conquistados são considerados como seu próprio domínio. O sistema da economia de mercado deve ser mantido durante a guerra para atender às exigências da guerra.[2]

Em contraste com a guerra limitada do ancien régime, a era da guerra democrática – que começou com a Revolução Francesa e as Guerras Napoleônicas, continuou durante o século XIX com a Guerra Americana de Independência do Sul e atingiu seu ápice durante o século XX com A Primeira Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial – tem sido a era da guerra total.

Ao obscurecer a distinção entre os governantes e os governados (“todos nós nos governamos”), a democracia fortaleceu a identificação do público com um estado particular. Em vez de disputas de propriedade dinástica que poderiam ser resolvidas por meio de conquista e ocupação, as guerras democráticas tornaram-se batalhas ideológicas: choques de civilizações, que só poderiam ser resolvidos por meio de dominação cultural, linguística ou religiosa, subjugação e, se necessário, extermínio. Tornou-se cada vez mais difícil para o público livrar-se do envolvimento pessoal na guerra. A resistência contra impostos mais altos para financiar uma guerra foi considerada uma traição. Como o estado democrático, ao contrário de uma monarquia, era “propriedade” de todos, o recrutamento tornou-se a regra e não a exceção. E com exércitos em massa de recrutas baratos e, portanto, facilmente descartáveis, lutando por objetivos e ideais nacionais, apoiados pelos recursos econômicos de toda a nação, todas as distinções entre combatentes e não combatentes caíram no esquecimento. Danos colaterais não eram mais um efeito colateral não intencional, mas se tornaram parte integrante da guerra. “Uma vez que o Estado deixou de ser considerado ‘propriedade’ dos príncipes dinásticos”, observou Michael Howard, e

tornou-se, em vez disso, o instrumento de forças poderosas dedicadas a conceitos abstratos como Liberdade, Nacionalidade ou Revolução, que permitiram a um grande número da população ver naquele estado a corporificação de algum Bem Absoluto pelo qual nenhum preço era alto demais, nenhum sacrifício grande demais para pagar; então as “contestações temperadas e indecisas” da época rococó soavam como anacronismos absurdos.[3]

Observações semelhantes foram feitas pelo historiador militar Major General J. F. C. Fuller:

A influência do espírito da nacionalidade, isto é, da democracia, na guerra foi profunda. . . [ela] emocionalizou a guerra e, consequentemente, a brutalizou; . . . Exércitos nacionais lutam contra nações, exércitos reais lutam contra seus semelhantes, os primeiros obedecem a uma turba — sempre dementes, os segundos um rei, geralmente são. . . . Tudo isso se desenvolveu a partir da Revolução Francesa, que também deu ao recrutamento mundial — guerra de rebanho, e o acoplamento de rebanho com finanças e comércio gerou novos reinos de guerra. Pois quando toda a nação luta, então todo o crédito nacional está disponível para fins de guerra.[4]

E William A. Orton assim resumiu as coisas:

As guerras do século XIX foram mantidas dentro dos limites da tradição, bem reconhecida no direito internacional, de que a propriedade e os negócios civis estavam fora da esfera de combate. Os bens civis não foram expostos a penhora arbitrária ou confisco permanente e, além das estipulações territoriais e financeiras que um estado poderia impor a outro, a vida econômica e cultural dos beligerantes foi geralmente autorizada a continuar praticamente como antes. A prática do século XX mudou tudo isso. Durante as duas Guerras Mundiais, listas ilimitadas de contrabando, juntamente com declarações unilaterais de leis marítimas, colocaram em risco todo tipo de comércio e jogaram no lixo todos os precedentes. O fim da primeira guerra foi marcado por um esforço determinado e bem-sucedido para impedir a recuperação econômica dos principais perdedores e para reter certas propriedades civis. A segunda guerra viu a extensão dessa política a um ponto em que o direito internacional na guerra deixou de existir. Durante anos, o governo da Alemanha, até onde suas armas podiam alcançar, baseou uma política de confisco em uma teoria racial que não tinha respaldo no direito civil, no direito internacional nem na ética cristã; e quando a guerra começou, essa violação da cortesia das nações mostrou-se contagiosa. A liderança anglo-americana, tanto no discurso quanto na ação, lançou uma cruzada que não admitia limites legais nem territoriais ao exercício da coerção. O conceito de neutralidade foi denunciado tanto na teoria quanto na prática. Não apenas os bens e interesses inimigos, mas os bens e interesses de quaisquer partes, mesmo em países neutros, estavam expostos a todas as restrições que as potências beligerantes pudessem tornar efetivas; e os bens e interesses dos Estados neutros e seus civis, alojados em territórios beligerantes ou sob controle beligerante, foram submetidos praticamente ao mesmo tipo de coerção que os nacionais inimigos. Assim, a “guerra total” tornou-se uma espécie de guerra da qual nenhuma comunidade civil poderia esperar escapar; e “nações amantes da paz” tirarão a inferência óbvia.[5]

III. Excursus: A doutrina da Paz Democrática

Expliquei como a instituição de um Estado leva à guerra; por que, aparentemente paradoxal, Estados internamente liberais tendem a ser potências imperialistas; e como o espírito da democracia contribuiu para a descivilização na condução da guerra.

Mais especificamente, expliquei a ascensão dos Estados Unidos ao posto de maior potência imperial do mundo; e, como consequência de sua sucessiva transformação desde os primórdios como uma república aristocrática em uma irrestrita democracia de massas que começou com a Guerra da Independência do Sul, o papel dos Estados Unidos como um belicista cada vez mais zeloso, arrogante, hipócrita.

O que parece estar impedindo a paz e a civilização, então, é acima de tudo o Estado e a democracia, e especificamente a democracia modelo do mundo: os Estados Unidos. No entanto, ironicamente, se não surpreendentemente, são precisamente os Estados Unidos que afirmam ser a solução para a busca da paz.

A razão para esta afirmação é a doutrina da paz democrática, que remonta aos dias de Woodrow Wilson e da Primeira Guerra Mundial, foi revivida nos últimos anos por George W. Bush e seus conselheiros neoconservadores, e agora se tornou folclore intelectual mesmo nos círculos liberais-libertários. A teoria afirma:

  • As democracias não entram em guerra umas contra as outras.
  • Portanto, para criar uma paz duradoura, o mundo inteiro deve ser democratizado.

E como um – em grande parte não declarado – corolário:

  • Hoje, muitos estados não são democráticos e resistem a reformas internas—democráticas.
  • Portanto, a guerra deve ser travada contra esses estados para convertê-los à democracia e, assim, criar uma paz duradoura.

Não tenho paciência para realizar uma crítica completa dessa teoria. Vou apenas fornecer uma breve crítica da premissa inicial da teoria e sua conclusão final.

Primeiro: as democracias não vão à guerra umas contra as outras? Como quase não existiam democracias antes do século XX, a resposta supostamente deve ser encontrada nos últimos cem anos ou mais. De fato, a maior parte das evidências oferecidas em favor da tese é a observação de que os países da Europa Ocidental não entraram em guerra uns contra os outros na era pós-Segunda Guerra Mundial. Da mesma forma, na região do Pacífico, Japão e Coreia do Sul não guerrearam entre si durante o mesmo período. Essa evidência comprova o argumento? Os teóricos da paz democrática pensam assim. Como “cientistas”, eles estão interessados ​​em provas “estatísticas” e, segundo eles, existem muitos “casos” para construir tais provas: a Alemanha não guerreou contra a França, Itália, Inglaterra etc.; A França não guerreou contra a Espanha, Itália, Bélgica etc. Além disso, há permutações: a Alemanha não atacou a França, nem a França atacou a Alemanha etc. nem um único contra-exemplo. Mas será que temos mesmo tantos casos confirmados?

A resposta é não: na verdade não temos mais do que um único caso em mãos. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, essencialmente toda a – até agora, democrática – Europa Ocidental (e o democrático Japão e Coreia do Sul na região do Pacífico) tornou-se parte do Império dos EUA, como indicado pela presença de tropas dos EUA em praticamente todos esses países. O que o período de paz pós-Segunda Guerra Mundial então “prova” não é que as democracias não vão à guerra umas contra as outras, mas que uma potência hegemônica e imperialista como os Estados Unidos não deixou suas várias partes coloniais irem à guerra umas contra as outras (e, claro, que o próprio poder hegemônico não via necessidade de ir à guerra contra seus satélites — porque eles obedeciam — e não via necessidade ou não ousavam desobedecer ao seu mestre).

Além disso, se as questões são assim percebidas – com base em uma compreensão da história em vez da crença ingênua de que, porque uma entidade tem um nome diferente de outra, seu comportamento deve ser independente uma da outra – fica claro que a evidência apresentada não tem nada a ver com democracia e tudo com hegemonia. Por exemplo, nenhuma guerra eclodiu entre o final da Segunda Guerra Mundial e o final da década de 1980, ou seja, durante o reinado hegemônico da União Soviética, entre Alemanha Oriental, Polônia, Tchecoslováquia, Romênia, Bulgária, Lituânia, Estônia, Hungria, etc. Isso foi porque eram ditaduras comunistas e ditaduras comunistas não vão à guerra umas contra as outras? Essa teria que ser a conclusão de “cientistas” do calibre dos teóricos da paz democrática! Mas certamente esta conclusão está errada. Nenhuma guerra estourou porque a União Soviética não permitiu que isso acontecesse – assim como nenhuma guerra entre as democracias ocidentais estourou porque os Estados Unidos não permitiram que isso acontecesse em seu domínio. Certamente, a União Soviética interveio na Hungria e na Tchecoslováquia, mas também os Estados Unidos em várias ocasiões na América Central, como na Guatemala, por exemplo. (Aliás: E as guerras entre Israel e Palestina e Líbano? Não são todas essas democracias? Ou os países árabes são descartados por definição como antidemocráticos?)

Segundo: O que dizer sobre a democracia ser solução para qualquer coisa, muito mais para a paz? Aqui o argumento dos teóricos da paz democrática parece ainda pior. De fato, a falta de compreensão histórica demonstrada por eles é realmente assustadora. Aqui estão apenas algumas deficiências fundamentais:

Primeiro, a teoria envolve uma fusão conceitual de democracia e liberdade (autonomia) que só pode ser chamada de escandalosa, especialmente vinda de autoproclamados libertários. O fundamento e a pedra angular da liberdade é a instituição da propriedade privada; e a propriedade privada — exclusiva — é logicamente incompatível com a democracia — o governo da maioria. Democracia não tem nada a ver com liberdade. A democracia é uma variante suave do comunismo, e raramente na história das ideias ela foi considerada qualquer outra coisa. Aliás, antes da eclosão da era democrática, ou seja, até o início do século XX, as despesas fiscais do governo (estatais) (combinando todos os níveis de governo) nos países da Europa Ocidental constituíam algo entre 7 e 15% do produto nacional, e nos ainda jovens Estados Unidos ainda menos. Menos de cem anos de pleno governo da maioria aumentaram essa porcentagem para cerca de 50% na Europa e 40% nos Estados Unidos.

Em segundo lugar, a teoria da paz democrática distingue essencialmente apenas entre democracia e não democracia, sumariamente rotulada de ditadura. Assim, não apenas todos os regimes aristocráticos-republicanos desaparecem de vista, mas, mais importante para meus propósitos aqui, todas as monarquias tradicionais também. Eles são equiparados a ditaduras à la Lenin, Mussolini, Hitler, Stalin, Mao. Na verdade, porém, monarquias tradicionais têm pouco em comum com as ditaduras (enquanto democracia e ditadura estão intimamente relacionadas).

As monarquias são o resultado semi-orgânico de ordens sociais naturais – sem estado – hierarquicamente estruturadas. Os reis são os chefes de famílias extensas, de clãs, tribos e nações. Eles dispõem de uma grande quantidade de autoridade natural, voluntariamente reconhecida, herdada e acumulada ao longo de muitas gerações. É no quadro de tais ordens (e de repúblicas aristocráticas) que o liberalismo se desenvolveu e floresceu. Em contraste, as perspectivas das democracias são igualitárias e redistributivas; daí o já mencionado crescimento do poder estatal no século XX. Caracteristicamente, a transição da era monárquica para a democrática, a partir da segunda metade do século XIX, viu um declínio contínuo na força dos partidos liberais e um fortalecimento correspondente dos socialistas de todos os matizes.

Terceiro, segue-se disso que a visão que os teóricos da paz democrática têm de conflagrações como a Primeira Guerra Mundial deve ser considerada grotesca, pelo menos do ponto de vista de alguém que supostamente valoriza a liberdade. Para eles, essa guerra era essencialmente uma guerra da democracia contra a ditadura; portanto, ao aumentar o número de democracias, foi uma guerra progressiva, promotora da paz e, em última análise, justificada.

Na verdade, as coisas são muito diferentes. Com certeza, a Alemanha e a Áustria pré-guerra podem não ter sido consideradas tão democráticas quanto a Inglaterra, a França ou os Estados Unidos na época. Mas a Alemanha e a Áustria definitivamente não eram ditaduras. Eram monarquias (cada vez mais castradas) e, como tal, indiscutivelmente tão liberais – se não mais – do que suas contrapartes. Por exemplo, nos Estados Unidos, quem protestou contra a guerra foi preso, a língua alemã foi essencialmente proibida e os cidadãos de ascendência alemã foram abertamente assediados e muitas vezes forçados a mudar seus nomes. Nada comparável ocorreu na Áustria e na Alemanha.

De qualquer forma, no entanto, o resultado da cruzada para tornar o mundo seguro para a democracia foi menos liberal do que o que existia antes (e o ditame da paz de Versalhes precipitou a Segunda Guerra Mundial). Não só o poder estatal cresceu mais rápido depois da guerra do que antes. Em particular, o tratamento das minorias se deteriorou no período democratizado pós-Primeira Guerra Mundial. Na recém-fundada Tchecoslováquia, por exemplo, os alemães foram sistematicamente maltratados (até que finalmente foram expulsos aos milhões e massacrados às dezenas de milhares após a Segunda Guerra Mundial) pela maioria tcheca. Nada remotamente comparável havia acontecido com os tchecos durante o reinado anterior dos Habsburgos. A situação em relação às relações entre alemães e eslavos do sul na Áustria do pré-guerra versus a Iugoslávia do pós-guerra, respectivamente, era semelhante.

Nem isso foi um acaso. Como sob a monarquia dos Habsburgos na Áustria, por exemplo, as minorias também foram tratadas muito bem sob os otomanos. No entanto, quando o multicultural Império Otomano se desintegrou no decorrer do século XIX e foi substituído por estados-nação semidemocráticos como Grécia, Bulgária, etc., os muçulmanos otomanos presentes foram expulsos ou exterminados. Da mesma forma, depois que a democracia triunfou nos Estados Unidos com a conquista militar da Confederação do Sul, o governo da União rapidamente procedeu com o extermínio dos índios das planícies. Como Mises havia reconhecido, a democracia não funciona em sociedades multiétnicas. Não cria a paz, mas promove o conflito e tem tendências potencialmente genocidas.

Quarto, e intimamente relacionado, os teóricos da paz democrática afirmam que a democracia representa um “equilíbrio” estável. Isso foi expresso mais claramente por Francis Fukuyama, que rotulou a nova ordem democrática mundial como o “fim da história”. No entanto, existem evidências esmagadoras de que essa afirmação está patentemente errada.

Em bases teóricas: como a democracia pode ser um equilíbrio estável se é possível transformá-la democraticamente em ditadura, ou seja, um sistema considerado não estável? Resposta: isso não faz sentido!

Além disso, as democracias empiricamente são tudo menos estáveis. Como indicado, em sociedades multiculturais a democracia leva regularmente à discriminação, opressão ou mesmo expulsão e extermínio de minorias – dificilmente um equilíbrio pacífico. E em sociedades etnicamente homogêneas, a democracia leva regularmente à luta de classes, que leva à crise econômica, que leva à ditadura. Pense, por exemplo, na Rússia pós-czarista, na Itália pós-Primeira Guerra Mundial, na Alemanha de Weimar, na Espanha, em Portugal e, em tempos mais recentes, na Grécia, Turquia, Guatemala, Argentina, Chile e Paquistão.

Essa estreita correlação entre democracia e ditadura não é apenas problemática para os teóricos da paz democrática; pior, eles devem enfrentar o fato de que as ditaduras que emergem das crises da democracia nem sempre são piores, à partir de uma visão liberal clássica ou libertária, do que o que teria resultado de outra forma. Podemos citar sem dificuldade casos em que ditadores eram preferíveis e uma melhoria. Pense na Itália e Mussolini ou na Espanha e Franco. Além disso, como se pode conciliar a defesa idealista da democracia com o fato de que os ditadores, ao contrário dos reis que devem sua posição a um acidente de nascimento, são frequentemente favoritos das massas e, nesse sentido, altamente democráticos? Basta pensar em Lenin ou Stalin, que certamente eram mais democráticos que o czar Nicolau II; ou pense em Hitler, que era definitivamente mais democrático e um “homem do povo” do que o Kaiser Wilhelm II ou Kaiser Franz Joseph.

De acordo com os teóricos da paz democrática, então, parece que devemos guerrear contra ditadores estrangeiros, sejam reis ou demagogos, para instalar democracias, que então se transformam em ditaduras (modernas), até que finalmente, supõe-se, o próprio Estados Unidos se transformem em ditadura, devido ao crescimento do poder estatal interno que resulta das intermináveis ​​“emergências” engendradas por guerras estrangeiras.

Melhor, ouso dizer, seguir o conselho de Erik von Kuehnelt-Leddihn e, em vez de almejar tornar o mundo seguro para a democracia, tentarmos protegê-lo da democracia – em todos os lugares, mas principalmente nos Estados Unidos.

IV. Protegendo o mundo da democracia ou: como se defender contra os Estados Unidos

Após esta incursão na teoria da paz democrática, volto à proposição de que não há maior ameaça à paz duradoura do que o Estado democrático e, em particular, os Estados Unidos. Assim, a questão é: como se defender contra os EUA.

Aliás, esta não é uma questão apenas para estrangeiros, mas também para americanos. Afinal, o território que constitui os EUA também é território ocupado – conquistado pelo governo dos EUA.

Vamos supor, então, que um pequeno território dentro das fronteiras dos EUA atuais – uma vila, uma cidade, um condado – declare sua independência e se separe dos EUA. O que os EUA podem fazer e farão em resposta?

É possível que os EUA invadam o território e esmaguem os secessionistas. Foi isso que a República Francesa fez com a Vendée durante a Revolução Francesa, o que a União fez com a Confederação e, em escala muito menor, o que o governo dos EUA fez em Waco. Mas a história também fornece exemplos em contrário: os tchecos e eslovacos se separaram pacificamente, a Rússia deixou a Lituânia, a Estônia e a Letônia partirem; os eslovenos foram liberados; Cingapura foi até expulsa de uma união anterior com a Malásia.

Obviamente, o tamanho relativo da população importa na decisão de guerrear ou não. Da mesma forma, importa quais recursos estão à disposição dos secessionistas. Também a localização geográfica pode pesar a favor ou contra a intervenção. Mas isso não pode ser tudo. Pois como explicar, por exemplo, que a França não conquistou há muito tempo Mônaco, ou a Alemanha Luxemburgo, ou a Suíça Liechtenstein, ou a Itália, a Cidade do Vaticano, ou os Estados Unidos, a Costa Rica? Ou como explicar que os EUA não “terminam o trabalho” no Iraque simplesmente matando todos os iraquianos. Certamente, em termos de população, tecnologia e geografia, essas são tarefas gerenciáveis.

A razão não é que os governantes franceses, alemães, suíços, italianos ou norte-americanos tenham escrúpulos contra a conquista, o confisco e a prisão ou morte de inocentes – eles fazem essas coisas diariamente com sua “própria” população. Bush, por exemplo, não tem escrúpulos em mandar matar iraquianos inocentes. Ele faz isso todos os dias. Em vez disso, o que restringe a conduta dos governantes do Estado é a opinião pública.

Como La Boétie, Hume, Mises e Rothbard explicaram, o poder do governo, em última análise, repousa na opinião, não na força bruta. O próprio Bush não mata ou coloca uma arma na cabeça daqueles que ele manda matar. Generais e soldados seguem suas ordens por conta própria. Nem pode Bush “forçar” ninguém a continuar fornecendo-lhe os fundos necessários para sua agressão. Os cidadãos devem fazê-lo por conta própria. Por outro lado, se a maioria dos generais, soldados e cidadãos deixa de acreditar na legitimidade dos comandos de Bush, seus comandos se transformam em nada mais do que bravata. É essa necessidade de legitimidade que explica por que os governos estatais ansiosos para ir à guerra devem oferecer uma razão. O público normalmente não é a favor de matar transeuntes inocentes por diversão ou lucro. Em vez disso, para obter o apoio do público, as “provas” devem ser manipuladas de modo a fazer com que a agressão pareça uma defesa (pois que pessoa razoável poderia ser contra a defesa). Conhecemos as palavras de ordem: Fort Sumter, o U.S.S. Maine, Lusitania, Pearl Harbor, 9-11.

Assim, verifica-se que nem mesmo uma vantagem de tamanho esmagadora é decisiva para determinar o curso de ação. Que David Koresh e seus seguidores em Waco pudessem ser brutalmente mortos pelo governo dos EUA se deveu ao fato de que eles poderiam ser retratados como um bando de molestadores de crianças. Se fossem “pessoas normais”, uma invasão poderia ter sido considerada um desastre de relações públicas. Além disso, independentemente de qualquer desvantagem que os secessionistas tenham em termos de tamanho, recursos ou localização, isso pode ser compensado por uma opinião pública internacional favorável, especialmente na era da internet, quando a disseminação de notícias é quase instantânea.

Essas considerações me levam aos pontos finais. O novo país secessionista pode ser outro estado ou pode ser uma sociedade livre e sem estado. Argumentarei que a probabilidade de uma defesa bem-sucedida contra a agressão dos EUA é maior se os separatistas formarem uma sociedade sem Estado do que se optarem por outro Estado; pois, sejam grandes ou pequenos, os estados são bons em agressão e ruins em defesa. (Admitindo, talvez prematuramente, que os EUA não tiveram nada a ver diretamente com o 11 de setembro, os eventos daquele dia certamente mostram que os EUA não eram bons em defender seus próprios cidadãos: primeiro, provocando os ataques e, segundo, tendo sua população desarmada e indefesa vis-à-vis os estiletes empunhados pelos invasores estrangeiros.)

Como a defesa de uma sociedade livre difere da defesa de um Estado?

Conforme explicado, a probabilidade de um ataque depende essencialmente da facilidade de manipulação da evidência para camuflar a agressão como defesa – e “descobrir” tal evidência é muito mais fácil no caso de um Estado. Mesmo o estado mais liberal tem o monopólio da jurisdição e da tributação e, portanto, não pode deixar de criar vítimas que, devidamente estilizadas como “vítimas de violações de direitos humanos”, podem fornecer a “desculpa” para uma invasão. Pior ainda, se o novo estado é uma democracia, é inevitável que um grupo – os católicos ou os protestantes, os xiitas ou os sunitas, os brancos ou os negros – usem seu poder para dominar outro – e novamente existe uma “desculpa” para invasão: para “libertar uma minoria oprimida”. Melhor ainda: os oprimidos são incitados a “gritar” por socorro. Além disso, em reação à opressão doméstica, podem surgir terroristas que tentam “vingar” a injustiça: basta pensar nas Brigadas Vermelhas, a RAF, o IRA, o ETA – e ambos: sua existência continuada, bem como a tentativa de erradicá-los pode fornecer “razão” para intervir (para evitar a propagação do terrorismo ou para socorrer os combatentes da liberdade). Em contraste, em uma sociedade livre, existem apenas proprietários e empresas privadas, incluindo seguradoras, polícia e árbitros. Se há agressões, são de criminosos – de assassinos, estupradores, ladrões e fraudes simples – e é difícil retratar o tratamento de criminosos como criminosos como motivo de uma invasão.

E se o ataque ocorrer? Nesse caso, pode ser melhor se render rapidamente, especialmente se o território secessionista for muito pequeno. Assim, Mogens Glistrup, fundador do Partido do Progresso Dinamarquês, uma vez recomendou que o Departamento de Defesa da pequena Dinamarca fosse substituído por uma secretária eletrônica anunciando (para os russos) que “nos rendemos”. Dessa forma, nenhuma destruição ocorre e ainda assim a reputação do governo invasor como “defensor e promotor da liberdade” fica manchada para sempre.

Isso leva à nossa questão central sobre a eficácia dos Estados versus sociedades livres em questões de defesa. Como monopolista da tomada de decisão final, o estado decide para todos de forma vinculante se resiste ou não; se resistir, seja na forma de desobediência civil, resistência armada ou alguma combinação delas; e se resistência armada, de que forma. Se decidir não opor resistência, isso pode ser uma decisão bem-intencionada ou pode ser resultado de subornos ou ameaças do estado invasor – mas, em qualquer caso, será contrário à vontade de muitos que gostariam de resistir e que são assim colocados em dupla ameaça porque, como resistentes, eles agora desobedecem a seu próprio estado, bem como ao invasor. Por outro lado, se o Estado decidir resistir, também pode ser uma decisão bem-intencionada ou pode ser resultado de orgulho ou medo – mas, em qualquer caso, também será contrário às preferências de muitos que teriam preferido não resistir ou resistir por meios diferentes e que agora estão enredados como cúmplices nos esquemas do Estado e sujeitos às mesmas consequências colaterais e justiça do vencedor que todos os outros.

A reação de um território livre é distintamente diferente. Não há governo que tome uma decisão. Em vez disso, existem inúmeras instituições e indivíduos que escolhem sua própria estratégia de defesa, cada um de acordo com sua própria avaliação de risco. Consequentemente, o agressor tem muito mais dificuldades em conquistar o território. Não é mais suficiente “conhecer” o governo, vencer uma batalha decisiva ou obter o controle da sede do governo. Mesmo que um oponente seja “conhecido”, uma batalha seja vencida ou uma agência de defesa seja derrotada, isso não afeta os outros.

Além disso, a multiplicidade de estruturas e estratégias de comando, bem como o caráter contratual de uma sociedade livre, afetam a conduta da resistência armada e desarmada. Quanto a primeira, em territórios estatais, a população civil é tipicamente desarmada e existe uma forte dependência de exércitos regulares, financiados por impostos e recrutamento e guerra convencional. Assim, as forças de defesa criam inimigos mesmo entre seus próprios cidadãos, que o Estado agressor pode usar em seu próprio benefício e, em qualquer caso, há pouco a temer do agressor uma vez que o exército regular é derrotado. Em contraste, a população de territórios livres provavelmente está fortemente armada e os combates são feitos por milícias irregulares lideradas por profissionais de defesa e na forma de guerrilha ou guerra de guerrilhas. Todos os combatentes são voluntários e todo o seu apoio: alimentação, abrigo, ajuda logística, etc., é voluntário. Portanto, os guerrilheiros devem ser extremamente amigáveis ​​com sua própria população. Mas precisamente isto: seu caráter inteiramente defensivo e apoio quase unânime na opinião pública podem torná-los quase invencíveis, mesmo por exércitos invasores numericamente muito superiores. A história fornece vários exemplos: a derrota de Napoleão na Espanha, a derrota da França na Argélia, a derrota dos EUA no Vietnã, a derrota de Israel no sul do Líbano.

Essa consideração leva imediatamente à outra forma de defesa: a desobediência civil. Contanto apenas que os secessionistas tenham o desejo de serem livres, a eficácia dessa estratégia dificilmente pode ser superestimada. Lembre-se de que o poder não se baseia apenas na força bruta, mas deve confiar na “opinião”. Os conquistadores não podem colocar um homem ao lado de cada secessionista e forçá-lo a obedecer às suas ordens. Os secessionistas devem obedecer por sua própria vontade. No entanto, se não o fizerem, os conquistadores fracassarão. Mais importante ainda: a desobediência civil pode ocorrer de muitas formas e graus. Pode variar de atos ostensivos de desafio a formas totalmente discretas, permitindo assim que quase todos participem do esforço de defesa: os corajosos e os tímidos, os jovens e os velhos, os líderes e os seguidores. Pode-se esconder combatentes armados ou não impedi-los. Pode-se recusar publicamente a obedecer a certas leis, ou evitá-las e ignorá-las. Pode-se praticar sabotagem, obstrução, negligência ou simplesmente demonstrar falta de diligência. Pode-se zombar abertamente de ordens ou cumprir apenas de forma incompleta. Os pagamentos de impostos podem ser recusados ​​ou evadidos. Pode haver manifestações, protestos, boicotes, paralisações de trabalho ou simplesmente fazer corpo mole. Os conquistadores podem ser maltratados, molestados, ridicularizados, zombados ou simplesmente ostracizados e nunca ajudados em nada. Em todo caso: tudo isso contribui para o mesmo resultado: tornar os conquistadores impotentes, fazê-los se desesperar e, finalmente, resignar-se e retirar-se.

Como muitas vezes acontece, o primeiro passo na luta anti-imperialista-antidemocrática é o mais difícil. De fato, as dificuldades são enormes. Uma vez que o primeiro passo foi dado com sucesso, no entanto, as coisas ficam sucessivamente mais fáceis. Quando o número de territórios secessionistas atingir uma massa crítica – e todo sucesso em um local promoverá a imitação por outras localidades – as dificuldades de esmagar os secessionistas aumentarão exponencialmente. De fato, quanto mais o tempo passar, maior será a vantagem econômica e tecnológica comparativa dos territórios livres e, à luz da crescente atratividade e oportunidades econômicas oferecidas pelos territórios livres, as potências imperialistas ficarão cada vez mais satisfeitas se puderem manter seu poder em vez de arriscar perder qualquer legitimidade que ainda tenham com um ataque.

 

 

Artigo original aqui

 

__________________________

Notas

[1] Michael Howard, War in European History (Nova York: Oxford University Press, 1976), p. 73.

[2] Ludwig von Mises, Nationalökonomie: Theorie des Handelns und Wirtschaftens (Union Genf, 1940), pp. 725-726.

[3] Howard, War in European History, pp. 75-76.

[4] John F. C. Fuller, War and Western Civilization (Freeport, N.Y.: Books for Libraries, 1969), pp. 26-27.

[5] William A. Orton, A Tradição Liberal: Um Estudo das Condições Sociais e Espirituais da Liberdade (New Haven, Connecticut: Yale University Press, 1945), pp. 251-252.

3 COMENTÁRIOS

  1. E o exemplo mais recente sobre o quanto a democracia estimula á guerra entre etnias está na guerra Russia x Ucrânia, aonde militantes nacionalistas extremistas e militares ucranianos estão massacrando ou utilizando como “escudo humano” pessoas que se consideram russas, ao mesmo tempo que Putin utiliza os resgates de pessoas russas em território ucraniano como um argumento para poder guerrear.

    Outro bom exemplo são às batalhas frequentes entre judeus e palestinos, que já duram quase um século.

    Isso mostra que os nazistas não eram un caso exclusivo, e que é totalmente possível que muitas novas guerras puramente étnicas aconteçam no futuro.

  2. Tudo fica mais claro quando os austríacos começam a explicar a realidade com base na absoluta simplicidade da propriedade privada e, consequentemente, nas consequências desta violação. De um modo geral, o crime pode ser tolerado, mas o ideal seria crime zero, o que é humanamente impossível por uma série de circunstâncias. Mas o que dizer então de uma organização que pratica o crime em larga escala, para muito além do que seria natural e ainda diz defender a lei? colocado desta forma pelos libertários, é difícil até de acreditar. A decadência estatal democrática está aí para levar a sociedade privada de acordos voluntários à pobreza e ignorância.

    “Tudo o mais constante, quanto menor a carga tributária e regulatória imposta à economia doméstica, maior a tendência de crescimento da população e maior a quantidade de riqueza produzida”

    Existe uma diminuição progressiva da população em vários países, o que está de acordo com a maior carga tributária e regulações. O sistema tem várias explicações furadas para isso, como aumento da qualidade de vida. Isso só pode ser piada. No tempo de Leonardo da Vinci, há 500 anos, ele já ficava intrigado e estudava os indivíduos centenários quando encontrava um. o Hoppe está absolutamente certo… aqui no Rio Grande socialista a população vem diminuindo ano após ano…

    “Nas guerras de exércitos, o exército luta enquanto os cidadãos que não são membros do exército seguem suas vidas normais”

    É notável que as batalhas pré ditaduras democráticas aconteciam sempre fora dos limites urbanos. Quando as tropas retornavam ou eram perdedoras ou vencedoras, mas não beligerantes. Realmente eu já li sobre alguns conflitos e de fato, a população não parava suas atividades. E quem deu início a sanção da pilhagem generalizada foi o Hitler francês, o tal Napoleão. Posteriormente o próprio Hitler ordenou que seus exércitos tinham que sobreviver do que pudessem tomar da população soviética. É fato que um exército precisa controlar o baixo escalão. Mas quando o próprio estado maior libera a carnifina, o que esperar? aumento da violência…

    A influência do espírito da nacionalidade, isto é, da democracia, na guerra foi profunda. . . [ela] emocionalizou a guerra e, consequentemente, a brutalizou;

    Provavelmente a primeiro exemplo de um país que não respeitava as leis de guerra tenha sido os imperialistas americanos na sua luta de independência. Foram os colonos americanos que passaram a alvejar os oficiais superiores, algo jamais visto nos teatros de guerra europeus. Como já foi escrito aqui mesmo neste Instituto: o que seria o menor estado do mundo se tornou o mais poderoso – e cruel!

    ” Não apenas os bens e interesses inimigos, mas os bens e interesses de quaisquer partes, mesmo em países neutros, estavam expostos a todas as restrições que as potências beligerantes”

    Os americanos tinham um plano de tomar a força o nordeste brasileiro “Plan Rubber”.

    Grande Herr Hoppe!