‘Responsabilidade fiscal’ é irrelevante; o que importa são os gastos do governo

0

Muitos economistas acreditam que, durante uma recessão econômica, o governo deve incorrer em grandes déficits orçamentários para manter a economia funcionando com aumentos nos gastos do governo, com o consequente déficit orçamentário disponibilizando mais dinheiro aos indivíduos. Isso, por sua vez, resultará em um aumento nos gastos do consumidor que elevará o produto interno bruto (PIB) da economia por um múltiplo do aumento nos gastos do consumidor.

Por exemplo, supomos que de um real adicional recebido, os indivíduos gastam noventa centavos e economizam um centavo. Além disso, vamos supor que os consumidores aumentaram suas despesas em R$100 milhões. Por causa disso, a receita dos varejistas aumenta em R$100 milhões. Os varejistas, em resposta ao aumento de sua renda, consomem 90% dos R$100 milhões, então aumentam os gastos com bens e serviços em R$90 milhões. Os destinatários desses R$90 milhões, por sua vez, gastam 90% dos R$90 milhões, ou R$81 milhões. Em seguida, os destinatários dos R$81 milhões gastam 90% dessa quantia, que é R$72,9 milhões, e assim por diante.

Observe que o ponto crucial desse cenário é que os gastos de uma pessoa se tornam a renda de outra. Em cada estágio da cadeia de gastos, as pessoas gastam 90% da renda adicional que recebem, e o processo acaba com uma produção total superior em R$1 bilhão (10 x R$100 milhões) do que era antes dos consumidores aumentarem seus gastos iniciais em R$100 milhões.

Observe que quanto maior o percentual gasto de cada real, maior o multiplicador e, portanto, maior o impacto do gasto inicial na produção global. Por exemplo, se os indivíduos mudarem seus hábitos e gastarem 95% de cada real, o multiplicador se tornará 20. Por outro lado, se decidirem gastar apenas 80% e economizar 20%, o multiplicador será apenas 5. Em outras palavras, quanto menos é poupado, maior é o impacto na produção geral.

No quadro do multiplicador, a demanda geral da economia enfraquece devido aos menores gastos do consumidor. Portanto, o governo deve intervir e aumentar seus gastos para evitar que a demanda geral diminua. Segundo esses economistas, aumentar o déficit orçamentário em resposta a maiores gastos do governo pode impulsionar a economia.

Economistas que se opõem a essa visão acreditam que aumentar o déficit orçamentário leva a monetizá-lo e, posteriormente, a aumentar a inflação. Essa perspectiva sustenta que o governo deve evitar aumentar o déficit orçamentário, em vez de enfatizar um orçamento equilibrado.

O objetivo de enfatizar o déficit, seja para aumentá-lo ou eliminá-lo completamente, é a política errada. O que importa para a economia não é o tamanho do déficit orçamentário, mas o tamanho dos gastos do governo – os recursos que o governo desvia para suas próprias atividades.

Quanto mais o governo gasta, mais recursos são retirados dos geradores de riqueza

O governo não gera riqueza. Em vez disso, quanto mais gasta, mais recursos deve retirar dos geradores de riqueza. Isso, por sua vez, prejudica o processo de geração de riqueza da economia, o que significa que o nível efetivo de imposto é o valor dos gastos do governo. Por exemplo, se o governo planeja gastar R$3 trilhões e financia esses gastos por meio de R$2 trilhões em impostos, haverá um déficit, rotulado como déficit, de R$1 trilhão.

Como os gastos do governo devem ser financiados, o governo garante outros meios de financiamento, como empréstimos, impressão de dinheiro ou aumento de impostos. O governo empregará inúmeros meios para obter recursos dos geradores de riqueza para sustentar seus gastos. Portanto, o que importa é que os gastos do governo são de R$3 trilhões, e não o déficit de R$1 trilhão. Por exemplo, se o governo elevasse os impostos para R$3 trilhões e, como resultado, tivesse um orçamento equilibrado, isso alteraria o fato de ainda tirar R$3 trilhões de recursos dos geradores de riqueza?

Acreditamos que um aumento nos gastos do governo desencadeia um aumento no desvio de riqueza de atividades geradoras de riqueza para atividades não geradoras de riqueza, levando ao empobrecimento econômico. Assim, um aumento dos gastos do governo para impulsionar a demanda global deve ser visto como uma má notícia tanto para o processo de geração de riqueza quanto para a economia.

Impostos sufocam os Processos de Mercado

Os impostos forçam os produtores a repartir sua riqueza com projetos governamentais indesejados, o que implica que os produtores são forçados a trocar mais por menos, o que obviamente prejudica seu bem-estar. Quanto mais projetos o governo empreende, mais riqueza é retirada dos produtores de riqueza. Podemos, assim, inferir que o nível de riqueza retirado do setor privado é determinado pelo tamanho das atividades governamentais.

Por ser um consumidor de riqueza e não um produtor de riqueza, o governo não pode contribuir para a poupança. Além disso, se as atividades governamentais pudessem gerar riqueza, elas seriam autofinanciadas e não exigiriam nenhum apoio de outros geradores de riqueza. Se isso, de fato, fosse o caso, os impostos não seriam um problema.

Na economia monetária, o governo irá tributar (tirar dinheiro dos geradores de riqueza) e passar o dinheiro recebido a vários indivíduos que são empregados direta ou indiretamente pelo governo, e o dinheiro dá a esses indivíduos acesso a bens de consumo finais. Indivíduos empregados pelo governo agora podem trocar o dinheiro tributado por vários bens de consumo que mantêm e melhoram suas vidas.

O significado de um superávit orçamentário em uma economia monetária

Qual é então o significado de um superávit orçamentário em uma economia monetária? Isso significa que a entrada de dinheiro do governo excede seu gasto de dinheiro. O superávit orçamentário aqui é apenas um superávit monetário. O surgimento de um superávit produz o mesmo efeito que uma política monetária restritiva.

Um superávit orçamentário não acarreta automaticamente impostos mais baixos. Somente se os gastos do governo forem reduzidos – ou seja, somente quando o governo cortar o número de pirâmides que planeja construir é que surgirá uma redução efetiva de impostos.

Despesas governamentais mais baixas implicam que os geradores de riqueza terão agora uma porção maior do agregado de riqueza à sua disposição. Se, no entanto, os gastos do governo continuarem a aumentar, nenhuma redução efetiva de impostos será possível; pelo contrário, a parcela do agregado de riqueza à disposição dos produtores de riqueza diminuirá.

Críticos do estado mínimo argumentarão que não se pode confiar no setor privado para construir e melhorar a infraestrutura do país. No entanto, podem os cidadãos arcar com a melhoria da infraestrutura? O árbitro aqui deve ser o mercado livre onde os indivíduos, comprando ou abstendo-se de comprar, decidem sobre o tipo de infraestrutura que vai surgir em função dos recursos disponíveis.

Se o tamanho do agregado de economias não for adequado para oferecer uma infraestrutura melhor, será necessário tempo para acumular economias para poder garantir algo melhor. O acúmulo da reserva de poupança não pode ser alcançado mais rapidamente aumentando os gastos do governo, e um aumento nos gastos do governo apenas enfraquecerá a reserva de poupança.

Por que o governo não pode ser um mutuário genuíno

Uma das formas que o governo emprega para garantir os fundos necessários é por meio de empréstimos. Mas como isso é possível? Um mutuário deve ser um gerador de riqueza para poder pagar o empréstimo principal mais os juros. No entanto, este não é o caso no que diz respeito ao governo, pois o governo não é um gerador de riqueza – ele apenas consome riqueza. Então, como o governo pode, como tomador de empréstimos, sem produzir riqueza, pagar sua dívida? A única maneira de fazer isso é tomando emprestado novamente do mesmo credor – o setor privado gerador de riqueza. Isso equivale a um processo pelo qual o governo toma emprestado de você para reembolsá-lo.

Resumo e conclusão

O governo não é um gerador de riqueza; ela depende, em vez disso, da iniciativa privada para suas fontes de financiamento. Isso, por sua vez, significa que quanto mais o governo gastar, menos poupança estará disponível para o setor privado gerador de riqueza. Obviamente, isso impede a criação de riqueza e empobrece a economia como um todo. O nível efetivo de imposto, então, é ditado pelos gastos do governo – quanto mais o governo planeja gastar, mais poupança desviará do setor privado gerador de riqueza.

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.