Resumindo

0

Foi KEYNES, como Hayek sustentou, um “brilhante acadêmico”? “Acadêmico” dificilmente, uma vez que Keynes foi abismalmente pouco lido em literatura econômica: ele era mais um bucaneiro, tomando um pouco de conhecimento e usando-o para infligir sua personalidade e ideias falaciosas sobre o mundo, com um impulso continuamente alimentado por uma arrogância que beirava a egomania.

Mas Keynes teve a sorte de nascer dentro da elite britânica, para ser educado dentro dos principais círculos econômicos (Eton/Cambridge/Apóstolos), e de ser especialmente escolhido pelo poderoso Alfred Marshall.

“Brilhante” é dificilmente uma palavra apropriada também. Claramente, Keynes era brilhante o suficiente, mas suas qualidades mais significativas eram sua arrogância, sua autoconfiança ilimitada, e sua ávida vontade de poder, de dominação, de tirar uma lapa das artes, das ciências sociais e do mundo da política.

Além disso, Keynes era muito pouco um “revolucionário” em qualquer sentido real. Ele possuía a inteligência tática para vestir falácias estatistas e inflacionistas antigas com jargões modernos e pseudocientíficos, fazendo-os parecer as últimas descobertas da ciência econômica.

Keynes foi, assim, capaz de surfar a onda de estatismo e socialismo, de economias gerenciadas e de planejamento. Keynes eliminou o antigo papel da teoria econômica como estraga-prazeres dos esquemas inflacionistas e estatistas, levando uma nova geração de economistas ao poder acadêmico e a riqueza política e privilégios.

Um termo mais adequado para Keynes seria “carismático” — não no sentido de comandar a lealdade de milhões, mas em ser capaz de enganar e seduzir pessoas importantes — de patronos a políticos a estudantes e até economistas opositores.

Um homem que pensava e agia em termos de poder e dominação brutal, que repreendia o conceito de princípio moral, que era um inimigo eterno e jurado da burguesia, dos credores, e da classe média econômica, que era um mentiroso sistemático, distorcendo a verdade para se encaixar em seu próprio plano, que era um fascista e era um antissemita, Keynes, apesar de tudo isso, foi capaz de persuadir adversários e competidores.

Mesmo quando ele astutamente virou seus alunos contra seus colegas, ele ainda era capaz de enganar esses mesmos colegas para a rendição intelectual. Assediando e martelando injustamente em Pigou, Keynes ainda era capaz, finalmente e do além do túmulo, de provocar uma retratação abjeta de seu antigo colega.

Da mesma forma, ele inspirou seu velho inimigo Lionel Robbins a devanear absurdamente em seu diário sobre a auréola dourada em torno da cabeça “divina” de Keynes.

Ele foi capaz de converter ao Keynesianismo vários Hayekianos e Misesianos que deveriam ter conhecido — e sem dúvida, sabiam — melhor: além de Abba Lerner, John Hicks, Kenneth Boulding, Nicholas Kaldor e G.L.S. Shackle na Inglaterra, havia também Fritz Machlup e Gottfried Haberler de Viena, que desembarcaram no Johns Hopkins e Harvard, respectivamente.

De todos os Misesianos do início da década de 1930, o único economista completamente não infectado pela doutrina e personalidade Keynesiana foi o próprio Mises.

E Mises, em Genebra e depois por anos em Nova York sem um cargo de professor, foi removido do influente cenário acadêmico. Embora Hayek tenha permanecido anti-keynesiano, ele também foi tocado pelo carisma keynesiano.

Apesar de tudo, Hayek tinha orgulho de chamar Keynes de amigo e de fato promoveu a lenda de que Keynes, no final de sua vida, estava prestes a se converter de seu próprio Keynesianismo.

A evidência de Hayek para a suposta conversão de última hora de Keynes é notavelmente pequena — com base em dois eventos nos anos finais da vida de Keynes. Primeiro, em junho de 1944, ao ler The Road to Serfdom, Keynes, agora no auge de sua carreira como planejador do governo em tempo de guerra, escreveu uma nota para Hayek, chamando-o de “um grande livro […] moralmente e filosoficamente, eu me encontro de acordo com praticamente tudo o que está nele.”

Mas por que isso deveria ser interpretado como algo mais do que uma nota educada para um amigo casual por ocasião de seu primeiro livro popular?

Além disso, Keynes deixou claro que, apesar de suas palavras amáveis, ele nunca aceitou a tese essencial da “ladeira escorregadia” de Hayek, ou seja, que o estatismo e o planejamento central levam diretamente ao totalitarismo.

Pelo contrário, Keynes escreveu que “o planejamento moderado será seguro se aqueles que o realizam estiverem justamente orientados em suas mentes e corações para a questão moral”.

Esta frase, é claro, soa verdadeira, pois Keynes sempre acreditou que a instalação de bons homens, ou seja, ele mesmo e os técnicos e estadistas de sua classe social, eram a única salvaguarda necessária para verificar os poderes dos governantes (Wilson 1982, pp. 64ff.).

Hayek oferece mais uma evidência frágil para a suposta retratação de Keynes, que ocorreu durante seu último encontro com Keynes em 1946, o último ano da vida de Keynes. Hayek relata,

Uma reviravolta na conversa me fez perguntar se ele estava ou não preocupado com o que alguns de seus discípulos estavam fazendo de suas teorias. Depois de um comentário não muito elogioso sobre as pessoas envolvidas, ele começou a me tranquilizar: essas ideias tinham sido muito necessárias no momento em que ele as havia lançado.

Mas não precisava me alarmar: se eles se tornarem perigosos, eu poderia confiar nele que ele voltaria rapidamente a girar em volta da opinião pública — indicando por um rápido movimento de sua mão o quão rápido isso seria feito. Mas, três meses depois ele estava morto. (Hayek 1967, p. 348)[1]

No entanto, este não era um Keynes quase à beira da retratação. Em vez disso, este era o Keynes vintage, um homem que sempre manteve seu ego soberano mais alto do que qualquer princípio, mais alto do que qualquer mera ideia, um homem que apreciava o poder que tinha. Ele poderia e transformaria o mundo, ajeitá-lo-ia com um estalo de dedos, como ele presumia ter feito no passado.

Além disso, esta declaração também foi vintage de Keynes em termos de sua visão de longa data de como agir corretamente quando dentro ou fora do poder. Na década de 1930, proeminente, mas fora do poder, ele podia falar e agir de forma “um pouco selvagem”; mas agora que ele desfrutava de um alto assento no poder, era hora de baixar o tom da “licença poética”.

Joan Robinson e os outros marxo-keynesianos estavam cometendo o erro, do ponto de vista de Keynes, de não subordinar suas ideias queridas aos requisitos de sua prodigiosa posição de poder.

E assim Hayek também, embora nunca tivesse sucumbido às ideias de Keynes, caiu sob seu feitiço carismático. Além de criar a lenda da mudança de opinião de Keynes, por que Hayek não demoliu o The General Theory como ele tinha feito com o Treatise on Money de Keynes?

Hayek admitiu um erro estratégico, que ele não tinha se incomodado em fazê-lo porque era notório que Keynes ia mudar de ideia, então Hayek não pensou então que o The General Theory iria durar.

Além disso, como Mark Skousen observou no capítulo 1 deste volume, Hayek aparentemente aposentou suas luvas na década de 1940, a fim de evitar interferir com o financiamento Keynesiano britânico do esforço de guerra — certamente um infeliz exemplo do sofrimento da verdade nas mãos da suposta conveniência política.

Economistas posteriores continuaram a cortar por uma linha revisionista, afirmando absurdamente que Keynes era apenas um pioneiro benigno da teoria da incerteza (Shackle e Lachmann), ou que ele era um profeta da ideia de que os custos de busca eram altamente importantes no mercado de trabalho (Clower e Leijonhufvud).

Nada disso é verdade. Que Keynes era um keynesiano — desse tão ridicularizado sistema keynesiano fornecido por Hicks, Hansen, Samuelson e Modigliani — é a única explicação que faz qualquer sentido da economia keynesiana.

No entanto, Keynes era muito mais do que um Keynesiano. Acima de tudo, ele foi a figura extraordinariamente perniciosa e maligna que examinamos neste livro: um Maquiavel encantador, mas poderoso estatístico, que encarnou algumas das tendências e instituições mais malévolas do século XX.

 

________________

Notas

[1]           Harry Johnson registrou uma impressão semelhante, na apresentação de Keynes de seu artigo postumamente publicado sobre o balanço de pagamentos, no qual Johnson conclui que a referência de Keynes a “quanto dessa coisa modernista que deu errado, ficou azeda e tola e está circulando em nosso sistema” se refere à esquerda-keynesiana, ou marxo-keynesiana, Joan Robinson (Johnson 1978, pp. 159n).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.